Antoninho, o “arquiteto”

“É o único jogador da minha posição que respeito”. Esse era o comentário que fazia entre os amigos o grande Zizinho, ídolo de Pelé, e um dos maiores meias que o planeta já viu. Ele fazia referência a Antoninho Fernandes, um jogador clássico que vestiu o manto alvinegro entre os anos de 1941 e 1954, justamente na entressafra peixeira de títulos. Assim, venceu torneios com menor importância, como a Taça Cidade de São Paulo (1949), o Torneio Quadrangular de Belo Horizonte (1951) e o Torneio Início (1952). Contudo, como um grande craque nem sempre se mede pelo que conquistou com uma equipe, encantou a torcida com um futebol com uma espetacular visão de jogo, sendo um dos jogadores mais inteligentes em seu tempo. Apelidado de “arquiteto da bola” em função de suas atuações na seleção paulista, o santista de nascimento e de coração marcou 145 gols em 400 jogos disputados pelo Peixe, marca que o coloca como o décimo-segundo maior artilheiro do Alvinegro em todos os tempos.

Mas sua técnica não agradou apenas a torcida. Uma série de clubes chegou a disputar o futebol do meia, inclusive o Palmeiras, como conta passagem publicada pela Gazeta Esportiva. O atleta foi cedido por empréstimo ao Palestra para disputar um torneio, algo comum à época. Obviamente, a habilidade de Antoninho fascinou os palestrinos, que tentaram contratá-lo. O presidente peixeiro Antônio Ezequiel Feliciano da Silva, em vista da situação financeira difícil, tentou convencer o meia para aceitar a transferência. Como era um ídolo, armou-se um esquema com o cronista esportivo Ernani Franco para tentar fazer os santistas aceitarem a venda.

Antoninho, em entrevista a Franco, falaria que a proposta seria boa para todos, e que deixaria o clube que amava para assegurar seu futuro. Mas, na hora decisiva, quando questionado se iria sair do Santos, o meia desabou em lágrimas e falou que nunca passou pela sua cabeça deixar o clube, onde pretendia encerrar sua carreira. E assim melou a negociação.

Treinador

Depois de deixar os gramados no ano anterior à conquista do segundo campeonato paulista do Santos, Antoninho foi auxiliar de Luis Alonso Peres, o Lula, durante muitos anos. Chegou a treinar a equipe em algumas oportunidades, em 1953 e 1954, mas sua carreira como efetivo começou no Atlético (MG), time que dirigiu em 1962 e 1963. A grande oportunidade surge com a saída de Lula do Peixe, em 1966.

Antoninho permaneceria à frente do Alvinegro Praiano até 1971, tendo conquistado títulos como a Recopa Mundial (1968), os campeonato paulistas de 1967, 1968 e 1969 e a Taça de Prata de 1968. O Paulista de 1969, inclusive, foi épico, já que na maior parte do campeonato o treinador contou com reservas, pois nove atletas santistas faziam parte das “feras do Saldanha”.

O “arquiteto” morreu aos 52 anos, em 1973, mas sem dúvida deixou um legado inestimável a toda a nação santista, principalmente no que diz respeito ao amor por um clube de futebol.

5 Comentários

Arquivado em Ídolos, Década de 40, Década de 50, Década de 60

5 Respostas para “Antoninho, o “arquiteto”

  1. Troca de links‏
    Olá abraço recebi seu e-mail, já liguei os links abraço.

  2. Pingback: Santos centenário: o time que até hoje faz sonhar | Filho de Peixe

  3. Pingback: Santos centenário: o time que até hoje faz sonhar | SPressoSP

  4. Pingback: Santos FC | PES Classic Stats WP

  5. Pingback: Pré-jogo: o histórico de confrontos entre Santos e Coritiba e duas partidas para rever | Filho de Peixe

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s