Pitacos sobre a “seleção brasileira do B” contra a Bolívia e Neymar

Opa, tinha jogo no Brasil. Quase esquecendo da gloriosa peleja, consegui ligar a TV pouco antes do juiz apitar. Ainda a tempo de ver o início de uma “discussão” sobre se Neymar deveria ou não jogar na Europa, conversa inédita que teria voltado à tona, segundo os oradores, por conta do comentário do global Ronaldo, que já exprimiu a mesma opinião um sem-número de vezes. Visto que não é parte desinteressada no assunto, o ex-atleta não devia pautar nada nem ninguém, mas o peso (opa) de um comentarista da Globo parece que é outro. Aliás, a trupe televisiva que concordou com o Ronaldo achou um belo jeito de promover a seleção brasileira do B, aquela que só tem jogadores que atuam… no Brasil!

Mas a partida está pra começar. Pelo jeito, o confronto, que seria para ajudar a família do garoto Kevin, não era bem pra isso, segundo essa matéria do Uol. De acordo com o texto, não é nem certo que a renda vá toda para os familiares, já que parte dela seria destinada aos ex-jogadores da seleção boliviana que venceu a única Copa América do parco currículo boliviano de conquistas, em 1963.

Bola rolando, nota-se toda a fragilidade da seleção que está em penúltimo lugar nas eliminatórias da Copa do Mundo, o que traz uma dúvida atroz sobre como o Paraguai consegue estar atrás dos bolivianos. Em um primeiro tempo dominado pela seleção, Damião fez o seu e Neymar fez dois, um deles com uma vistosa matada/ajeitada e um toque bonito sobre o goleiro. Já no segundo tempo…

Os autores dos gols brasileiros saíram no intervalo para dar lugar a Pato e Osvaldo. Ainda que enfrentando uma Bolívia com mais reservas, a equipe caiu de produção, também por conta da postura dos adversários de fazerem uma marcação mais adiantada, algo perfeitamente aceito pelo time verde e amarelo. E o sono pós-feijoada começa a proporcionar efeitos mais severos na torcida, ainda mais sem as lições de Educação Moral e Cívica dadas a Neymar por Galvão Bueno e caterva. Ficou sem graça.

Mas, para dar um saborzinho ao murcho tempo final, o palmeirense Leandro mostrou que sim, se pode. É possível sair da reserva de um time para um outro, envolvido numa baciada de atletas, ser convocado para a seleção, estrear e marcar um gol.

“Ah, mas contra a Bolívia até eu!”, dirão os céticos em relação ao tento do palmeirense ou quando comentarem os dois gols de Neymar. Seguindo essa lógica, o que dizer então de quem não consegue se destacar nem contra a Bolívia? Que o diga o já “evoluído” (visto que vem há pouco da Europa Maravilha) André Santos. Mas não só ele.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Século 21

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s