Santos pós-Enderson muda pouco e bate o Botafogo

Já era esperado que, após a demissão de Enderson Moreira na semana passada e com pouco tempo para treinar a equipe, o auxiliar técnico Marcelo Fernandes, interino no comando do Santos, não mudaria a forma da equipe jogar. Seguiu no 4-3-3 que varia para um 4-2-3-1 do comandante anterior, promovendo Gabriel, no lugar do suspenso Robinho, e Gustavo Henrique, em lugar do também suspenso David Braz.

A Providência, nesse caso, já ajudou o interino, que não teve problema para colocar os dois garotos em campo. A relação deles (mas não só deles) com o técnico anterior teria sido um dos estopins que provocou sua saída. Aliás, treinadores que têm problema com a base do clube ou com suas joias, em geral, se dão mão na Vila, seja com qual diretoria for. Dorival Júnior saiu após insistir em uma punição excessiva ao então menino Neymar, enquanto um dos motivos para a demissão de Muricy foi o fato de aproveitar poucos os garotos das divisões de baixo.

Em campo, se Gustavo Henrique não comprometeu, Gabriel teve uma atuação mais que apagada. O que, aliás, tem sido uma constante desde o segundo semestre do ano passado. Embora continue nas graças da torcida, o garoto fez um Sul-Americano sub-20 bastante discreto, passando boa parte do tempo no banco, e também amargou a reserva na Vila.

Outro jovem que não atuou bem, também mais uma vez, foi Geuvânio. Este é um que não pode reclamar do técnico demitido do Peixe. Encostado por Oswaldo de Oliveira, chegou em algumas partidas a sequer sentar no banco, sendo “recuperado” por Enderson. No entanto, seu nível voltou a cair após um início promissor no Paulista.

Mas a estrela do dia foi Ricardo Oliveira. A condição física do atacante vinha melhorando e, junto, a condição técnica também, partida a partida. Se faltavam gols para coroar suas boas atuações, no jogo contra o Botafogo eles vieram em dose dupla, além de uma assistência de cabeça que redundou no primeiro gol dos 3 a 0 feitos pelo Peixe. Na ausência de Robinho, foi ele quem comandou o ataque e chamou a responsabilidade da partida. E não decepcionou.

Se houve uma mudança de Enderson para Marcelo Fernandes foi na entrada de Elano. O ex-técnico vinha colocando o meia como um segundo volante na etapa final, posicionando-o ao lado de Renato. Desta vez, ele entrou mais adiantado, fazendo a ligação com o ataque mais próximo do gol adversário. A tendência é que renda mais também.

1 comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Uma resposta para “Santos pós-Enderson muda pouco e bate o Botafogo

  1. Pingback: Ricardo Oliveira ultrapassa Gabriel entre artilheiros do Santos no século 21 | Filho de Peixe

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s