Santa Cruz 0 X 2 Santos – finalmente uma vitória fora de casa

Peixe não vencia fora de casa desde 30 de agosto do ano passado, quando superou o Cruzeiro no Mineirão. Time fica na 5ª posição, a três pontos do G4

Na noite deste domingo o Alvinegro Praiano derrubou mais um tabu, este bastante incômodo e que há tempos irrita o torcedor, entra campeonato, sai campeonato. A vitória por 2 a 0 sobre o Santa Cruz, no Arruda, tira um pouco o peso de só vencer em seus domínios e dá esperança de que o time possa ir mais longe no Brasileirão.

Não somente pela vitória em si – a última fora de casa pelo Brasileiro havia sido em 30 de agosto do ano passado, quando superou o Cruzeiro no Mineirão -, é importante destacar a personalidade da equipe e as variações táticas de Dorival na partida.

O Peixe dominou a maior parte do jogo, em especial na primeira etapa. Com seu já tradicional 4-2-3-1, o time alugou o meio de campo e pressionou o Santa Cruz a maior parte do tempo, mantendo a posse de bola e rondando a área rival. O problema foram as peças do setor ofensivo. Vitor Bueno esteve menos efetivo que de hábito, enquanto Joel e Paulinho quase nada produziram. O destaque foi Léo Cittadini, com intensa movimentação e participando bem da marcação: foi o jogador alvinegro com mais desarmes certos, três no jogo.

Mas se o camaronês Joel pouco fez, apareceu no momento certo para tabelar com Zeca, que acertou uma linda finalização de fora da área. O gol, marcado próximo ao fim do primeiro tempo, fazia jus à superioridade santista. O Santa não conseguiu fazer uma finalização certa sequer ao gol de Vanderlei.

Na volta para a segunda etapa, como era de se esperar, os pernambucanos vieram com alterações no meio de campo e “subindo” a marcação, buscando pressionar o Santos. Aí entrou uma variação do jogo que às vezes pode nos desagradar, torcedores, mas que é necessária. Nenhum time do mundo consegue atuar com a dita marcação alta, no campo do adversário, o tempo todo. É algo muito desgastante fisicamente e foi um dos motivos pelos quais o Santos, no final da temporada passada, ter poupado jogadores para a Copa do Brasil.

Assim, o Peixe voltou postado mais atrás, com os dois atacantes pelos lados, Paulinho e Vitor Bueno, acompanhando mais as descidas dos laterais e se postando para atacar no espaço deixado em suas costas. Foi assim que surgiu o segundo gol peixeiro, com Bueno avançando quase livre pelo lado esquerdo do ataque, e o rebote ficando para Joel fazer.

Nessa variação tática, Léo Cittadini fica mais próximo de Joel, podendo receber a primeira bola na recuperação e organizar o contra-ataque ou servir de opção nas cercanias da área. Como os dois ponteiros santistas têm mais a característica de conduzir a bola e o meia não ter na velocidade sua principal virtude, o jovem acabou sumindo na etapa final, mas é importante destacar sua disposição em sacrificar seu jogo pelo coletivo, coisa que nem todo jogador brasileiro costuma ter.

A vitória fora de casa dá moral e as variações apresentadas mostram que Dorival, goste ou não o torcedor, é alguém que trabalha para tornar a equipe menos previsível e adapta o time ao material que tem em mãos, já que sofre com os desfalques de três de seus principais jogadores, Ricardo Oliveira, Gabriel e Lucas Lima. Também foi interessante ver em alguns momentos do jogo Victor Ferraz fazendo a transição para o ataque pela meia, abrindo o lado direito para Thiago Maia.

O Santos trabalha. E parece estar no caminho certo.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s