5 curiosidades sobre Santos e Benfica

Peixe faz amistoso comemorativo dos cem anos da Vila Belmiro, que também é a despedida de Léo, com freguês de carteirinha: o Alvinegro nunca foi derrotado pela equipe portuguesa. Confira esta e outras curiosidades do duelo

1 – Benfica freguês

Foram sete partidas na história entre Santos e Benfica, e o Peixe não sabe o que é perder. São seis vitórias e um empate, 28 gols marcados e 14 sofridos. O único empate do confronto foi a última peleja entre os dois, amistoso disputado em Nova Iorque, no ano de 1968, 3 a 3.

2 – Primeiro mundial

O time português foi o adversário do Alvinegro na conquista de seu primeiro Mundial Interclubes, em 1962. Em uma melhor de três, os brasileiros venceram a primeira por 3 a 2 e a segunda, no estádio da Luz, em Lisboa, por 5 a 2.

3 – Maior partida de Pelé

Segundo José Macia, o Pepe, a atuação de gala do Peixe contra o poderoso Benfica, base da seleção portuguesa que seria terceira colocada em 1966 na Copa do Mundo, foi a maior atuação do Rei. “Foi uma atuação sensacional do Pelé. Eu, que joguei tantas vezes ao lado dele, digo que aquele jogo em Lisboa foi a maior partida da vida do Rei do Futebol”, disse o Canhão da Vila.

4 – Mudança da Voz do Brasil

Por conta da segunda partida da decisão do Mundial, o Ministério da Justiça autorizou a alteração do horário de A Voz do Brasil para que o jogo fosse transmitido. Até hoje, um fato raro.

5 – Golaço de Coutinho

No primeiro jogo da decisão de 1962, Coutinho fez um golaço, que ficou na memória do torcedor santista José Miguel Wisnik, como relata nesse texto. “A bola foi lançada pelo alto, vinda da intermediária pelo lado direito, caindo sobre o bico esquerdo da pequena área, onde estava Coutinho. Ele matou de efeito, sem deixá-la cair no chão, aproveitando tanto o impulso natural da bola quanto o seu desenho em curva para dar um chapéu de fora para dentro num primeiro zagueiro, e, em seguida, um outro chapéu simétrico num segundo zagueiro, antes de concluir, sem que a bola tocasse o chão”, lembra. “Li num jornal, dois dias depois do jogo, que, ao embarcar de volta para Portugal, um dirigente do Benfica declarou sobre o gol, numa autêntica chave de ouro camoniana, que valera a pena atravessar o oceano, só para sofrê-lo.”

 

Dicas de filmes para assistir? Confira:

Filmes em Cartaz

Dicas de Filmes

Espaço do Terror

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Década de 60, futebol, História, Santos, Século 21

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s