Arquivo da categoria: Década de 40

Pré-jogo: o histórico de confrontos entre Santos e Coritiba e duas partidas para rever

Quanto entrarem no gramado do Couto Pereira hoje, às 19h30, Coritiba e Santos farão seu 33º jogo válido pelo Brasileiro unificado. A vantagem na competição é ampla para o Peixe, são 18 vitórias, 9 derrotas e cinco empates até agora, 56 gols a favor e 41 contra. Ao todo, foram 42 partidas entre os dois, com 23 vitórias alvinegras, 8 empates e 11 derrotas.

A primeira peleja foi disputada em 20 de maio de 1941, um amistoso na Vila Belmiro que terminou em 10 a 3 para os donos da casa, a maior goleada do confronto. Naquela ocasião, um fato inusitado: Carabina marcou seis gols, sendo que cinco deles foram de cabeça. E era só sua estreia… Quem também debutou naquele dia foi o arquiteto Antoninho. Raul, Cláudio, Bonje e Tom Mix completaram pelo lado alvinegro, enquanto Pio e Gabardo (2) fizeram pelo Coritiba.

Neymar, algoz do Coxa em 2012

Neymar, algoz do Coxa em 2012

O último jogo entre os dois no Couto Pereira terminou com vitória alvinegra. O Santos virou aquela partida do dia 16 de setembro e bateu o Coxa por 2 a 1, dois gols de Neymar. Aliás, um dos gols antológicos do Onze que você pode conferir abaixo. Provocado quase o tempo todo pela torcida adversária, ele passou por cinco marcadores e contou com a ajuda da sorte para marcar. Ao fazer o segundo, devolveu a provocação recebida pela torcida do Coxa e tomo um cartão amarelo.

Mas uma partida que muitos devem ter lembrança, por ter sido uma das melhores equipes do Santos nos últimos anos, foi a disputada no Couto Pereira em 24 de outubro de 2003. Vitória por 4 a 0 com dois gols de Robinho, um de Léo e outro do zagueiro André Luiz. Na ocasião, houve a volta do zagueiro Narciso aos gramados após quatro anos de fora, em função de uma leucemia. Após entrar aos 38 minutos do segundo tempo, no lugar de Diego, o jogador acertou a trave e, quase no fim do jogo, tentou aproveitar uma finalização de Robinho, mas a bola passou por cima do travessão.

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 40, futebol, História, Santos, Século 21

101 anos do Santos – veja quais jogadores fizeram 4 ou mais gols em uma só partida

Na peleja que antecedeu o aniversário de 101 anos do Santos, comemorado hoje, Neymar resolveu dar um presente à torcida fazendo quatro gols contra o União Barbarense. Foi a terceira vez que ele marcou quatro gols em uma mesma peleja, já havia feito isso no Brasileiro de 2012, contra o Atlético-PR, e pela seleção sub-20, no Sul-americano da categoria em janeiro do ano passado, contra o Paraguai. Mas, pela Copa do Brasil de 2010, Neymar fez mais: cinco tentos contra o Guarani, na goleada de 9 a 1 do Alvinegro.

Mas o Santos, time profissional que tem mais gols no planeta, tem outros exemplos de artilheiros que fizeram a festa da torcida em uma partida. E, de acordo com o Almanaque do Santos FC, de Guilherme Nascimento, o primeiro santista a marcar quatro gols em uma mesma partida foi o meia Paul, em 9 de setembro de 1913. A partida foi contra o Atlético Santista, vitória por 6 a 3. Em 1915, Ary Patusca foi além, marcando seis contra o São Paulo Railway, vitória de 8 a 0 do Santos. O detalhe: quatro gols foram de cabeça.

Em 1917, o mesmo Ary faria seis gols de novo, contra o São Cristovão, do Rio de Janeiro. No triunfo peixeiro de 8 a 4, todos os gols foram de cabeça. No ano seguinte, 10 a 0 no Americana, e ele marcou seis, com Fontes fazendo os outros quatro. Ary Patusca disputou 85 jogos pelo Santos e marcou 103 vezes, média de 1,21 por peleja.

Haroldo Domingues também fez quatro na vitória peixeira sobre o Ypiranga em 1919, 6 a 3. Ele, aliás, é um personagem central na história da seleção brasileira. Foi técnico e jogador do time que conquistou a primeira Copa América da história do país, no mesmo ano de 1919, contra o Uruguai.

Araken, Feitiço e a linha dos cem gols

Araken, irmão de Ary: família de artilheiros

Araken, irmão de Ary: família de artilheiros

Sabem aquela história do “ele é bom, mas bom mesmo é o irmão dele”? Pois Ary Patusca tinha um irmão, Araken, que começou a jogar no Peixe em 1923 e formaria, junto com Omar, Camarão, Feitiço e Evangelista a primeira linha que faria cem gols em um campeonato no Brasil, em 1927. Mas, antes da consolidação desse ataque assombroso, Camarão fez quatro em 1927, na vitória contra o Ypiranga. No mesmo ano, Araken debutaria na lista dos “goleadores quádruplos” no triunfo de 7 a 1 contra o AA Pinhalense. Já Camarão marcou quatro no 8 a 3 contra o SC Internacional em 1926. Daí chegou 1927 e…

Na primeira partida do ano, a maior goleada do Peixe até então: 11 a 1 contra o CA Ipiranga, só Araken fez cinco. No campeonato paulista, foram 16 partidas e 100 gols marcados, média incrível de 6,25 por jogo. Patusca foi o artilheiro da competição e prepare-se para a lista das pelejas nas quais ele marcou pelo menos quatro vezes. No 9 a 3 contra o São Paulo Alpargatas e no 10 a 1 contra o Guarani, fez quatro; no 10 a 2 diante do AA República, marcou cinco; contra o SC Americano, fez seis em um 11 a 3; e na super goleada de 12 a 1 contra o CA Ipiranga foi às redes sete vezes.

No mesmo campeonato paulista, Feitiço ficou atrás, mas não muito. Marcou quatro no 7 a 1 no AA Barra Funda e fez bis no 11 a 2 contra a mesma equipe. Marcou todos os tentos da vitória de 4 a 3 contra o Comercial de Ribeirão Preto, foi o autor de todos os cinco gols do 5 a 3 contra a Portuguesa Santista e marcou cinco no 9 a 0 contra o Corinthians de Santo André. O Alvinegro acabou com o vice-campeonato ao ser derrotado em partida com arbitragem polêmica, um 3 a 2 para o Palestra Itália.

Feitiço, média de 1,4 gol por jogo

Feitiço, média de 1,4 gol por jogo

Feitiço é o quinto maior artilheiro da história do Alvinegro, com 213 gols em 151 partidas, média de 1,4 por jogo. Já Araken é o oitavo na lista, média de 0,91 por peleja. Em 1928, Wolf fez cinco nos 10 a 0 contra a Portuguesa E, mas Feitiço continuou fazendo história. E que história. Marcou quatro nos 6 a 3 contra o CA Ipiranga e cinco no 7 a 2 contra a Portuguesa E, ambos em 1929. No ano seguinte, uma partida histórica. O Alvinegro derrotou a seleção francesa por 6 a 1, e ele balançou as redes quatro vezes.

Antes do Peixe obter seu primeiro título paulista, em 1935, Raul Cabral Guedes fez seis gols no 9 a 1 contra a seleção fluminense, em 1933. Mais à frente, Carabina marcaria seis na vitória por 10 a 3 contra o Coritiba (jogo de estreia dele e de Antoninho), em 1941, sendo cinco tentos de cabeça, repetindo a dose em outra goleada por 8 a 2 contra o Comercial, no mesmo ano. Sete anos mais tarde, em 1948, o contestado atacante Odair Titica fez todos os cinco da vitória contra com Comercial, em grande partida de Antoninho, o arquiteto.

Pelé e a Era de Ouro

Pelé chegou no Peixe, que era bicampeão paulista de 1955/1956, em 1957, e iniciaria então a maior trajetória de gols de um atleta profissional. Foram muitas vezes em que ele marcou quatro tentos, mas, oficialmente, a primeira aconteceu na sua 29ª partida pelo Alvinegro, um 7 a 2 contra o Lavras, de Minas Gerais no seu ano de estreia. No mesmo ano, faria de novo a mesma marca outras três vezes nas goleadas contra o Guarani, 8 a 1, Nacional, 7 a 1, e Portuguesa Santista, 6 a 2.

Sim, o Rei Pelé fez isso em seu primeiro ano como atleta profissional, e, contra o time em que fez mais gols, o Corinthians, marcou quatro gols de uma só vez em três ocasiões: 6 a 1 em 1958, 7 a 4 em 1964 e 4 a 4 em 1965. Fez também o mesmo número de tentos contra outros times grandes, como em 1961, contra o São Paulo, em um 6 a 3. E nem times de fora escaparam, que o diga a Inter de Milão, que tomou um 7 a 1 em 1959 com quatro gols de Pelé, o que garantiu o título do Torneio de Valência ao Alvinegro. O Rei também vitimou o Eintracht, da Alemanha, resultado de 5 a 2. Marcou cinco tentos contra Prudentina, Noroeste, Remo… E, claro, não se pode esquecer o histórico 11 a 0 no Botafogo de Ribeirão Preto, em 1964, no qual fez oito.

Nesse período da chamada Era Pelé, não era só ele que brilhava, obviamente. Coutinho fez cinco gols em três ocasiões diferentes: na vitória por 12 a 1 contra a Ponte Preta em 1959; na “sacolada” contra o Basel, da Suíça (lá) por 8 a 2 em 1961 e no triunfo sobre o XV de Piracicaba, por 5 a 1, em 1962. Toninho Guerreiro marcou quatro na goleada contra o Grêmio Maringá, 11 a 1 no ano de 1965. Douglas, em um amistoso contra o Benfica de Hudson (EUA) anotou quatro em um 10 a 1, disputado em 1970.

Molina, quatro vezes contra o San Jose

Molina, quatro vezes contra o San Jose

Dino Furacão, Giovanni e Molina

Depois da Era Pelé, o clube oscilou bastante, vivendo alguns períodos nos quais teve várias formações mais fracas. Mesmo quando não disputou títulos, o Peixe conseguiu em diversas ocasiões ou ter o melhor ataque ou o artilheiro da competição. Mas, às vezes, aparecia uma artilheiro de um jogo só que depois não vingava.

Foi o caso, por exemplo, de Dino Furacão, já citado neste post. No Brasileiro de 1986, o Peixe bateu o Náutico por 5 a 0 na Vila Belmiro, e ele fez quatro. Dez anos mais tarde, um atleta com muito mais técnica, o Messias Giovanni, fez quatro na goleada alvinegra de 8 a 2 contra o União São João de Araras.

Na Libertadores de 2008, foi a vez do meia colombiano Molina brilhar. Ele marcou quatro na goleada peixeira de 7 a 0 contra o San Jose, de Oruro. Agora, é torcer para que Neymar ainda possa fazer outros tantos pelo Santos. E esperar os outros que ainda virão.

PS: Um parênteses aqui: muitos torcedores, de todos times, reclamam da parcialidade da mídia, muitas vezes por paranoia ou pela não aceitação de argumentos contrários, mas em outras há doses gigantes de razão. Em 2011, quando ao atacante do Fluminense Fred fez quatro na vitória contra o Grêmio por 5 a 4, o Estado de S.Paulo publicou esta matéria com o seguinte título: “Veja quem, como Fred, já marcou quatro gols numa mesma partida”.

Bom, dá pra esperar alguma diversidade dos exemplos, não? Não. O único representante do time que mais marcou gols no mundo é Pelé, e cita-se apenas uma partida, o 6 a 1 contra o Corinthians em 1958. Dos outros sete exemplos, seis são de jogadores do São Paulo. Pessoal podia disfarçar um pouquinho, né?

7 Comentários

Arquivado em Ídolos, Década de 10, Década de 20, Década de 30, Década de 40, Década de 50, Década de 60, Década de 70, Década de 80, Década de 90, futebol, História, Santos, Século 21

Montillo e a chance de mais um argentino fazer história no Santos

A chegada do meia argentino Walter Montillo ao Santos engrossa a lista de estrangeiros que já jogaram no clube da Vila Belmiro. Desde que o atacante irlandês Harold Cross e o arqueiro francês Julien Fauvel, respectivamente em 1912 e 1913, abriram a fila, 76 estrangeiros atuaram no Peixe, o ex-cruzeirense será o 77º. E foram justamente os conterrâneos de Montillo os gringos que mais vestiram o manto santista. Com o atual contratado, são 26 os argentinos que jogaram no Santos.

Montillo é a esperança de bom futebol em 2013 para o Santos.

Em relação a outros clubes, é um número elevado de atletas vindos de outros países. O Corinthians teve 34 estrangeiros em sua história (sim, a conta já inclui o Zizao); o Botafogo, 58, o mesmo número do Flamengo. E o torcedor santista tem na memória boas lembranças com alguns estrangeiros, talvez a mais evidente para aquele que tem mais de 30 anos seja a passagem do monumental uruguaio Rodolfo Rodríguez, mas, se formos falar apenas de argentinos, há grandes nomes, outros com boa passagem e frustrações daquelas.

Em meados dos anos 40, o atacante Echevarrieta já havia sido ídolo no Palestra Itália, equipe pela qual marcou 114 gols em 127 jogos. Em sua passagem pelo Santos, entre 1942 e 1943, também manteve uma alta média de aproveitamento. Foram 25 jogos com 20 tentos marcados. No entanto, depois de uma derrota para o Corinthians, ele e Magonones foram suspensos pela direção técnica, permanecendo três meses sem receber qualquer remuneração. O argentino seguiu para o Ypiranga (veja mais aqui).

O lendário Ramos Delgado junto com Pelé, na Vila famosa.

Foi no fim da década de 1960, a mais dourada da história alvinegra até agora, que veio do Banfield José Manuel Ramos Delgado, um dos maiores defensores da história alvinegra. No período entre 1968 e 1972, ele foi capitão do Alvinegro, posto que também ocupou na seleção argentina, e colecionou títulos como o tricampeonato paulista (1967-1969) e o Brasileiro de 1968. Encerrou sua carreira na Mais Briosa, a Portuguesa Santista, em 1973, depois de ser o estrangeiro com maior número de atuações pelo Santos: 323 partidas.

Ainda com Ramos Delgado no clube, chegou em 1970 vindo do Racing o arqueiro Agustín Cejas, outro estupendo goleiro que vestiu a camisa peixeira até 1975. Campeão paulista de 1973, venceu, no mesmo ano, a Bola de Ouro da Placar junto com o gremista Ancheta. Foi o terceiro estrangeiro que mais atuou pelo Alvinegro, ficando duas partidas atrás de Rodolfo Rodríguez.

Do mesmo Racing, porém, um jogador do qual se esperava muito, pouco rendeu na Vila Belmiro. Leopoldo Luque tinha sido uma das principais peças da seleção argentina campeão mundial de 1978, mas, já em 1983, com 34 anos, não rendeu no Santos. Em cinco participações, não marcou nenhum gol e quase não deixou recordações para o torcedor alvinegro.

A contratação de atletas argentinos voltaria na dinastia Marcelo Teixeira, iniciada em 2000. Querendo justificar suas promessas de campanha com contratações de peso. Um dos principais nomes foi o argentino Galván, zagueiro vice-campeão brasileiro pelo Atlético-MG em 1999. O bom mesmo da zaga das Alterosas era Gerson Caçapa, mas foi o que se pôde fazer… Sem convencer, o portenho, que os antigos definiriam como “cintura dura”, lento, saiu no começo de 2002, ano em que o time saiu da fila de 18 anos sem títulos importantes.

O argentino Trípodi, gol decisivo, mas só.

Ainda na Era MT, o atacante Frontini vestiu o manto peixeiro, fazendo um gol em nove partidas disputadas em 2005. Depois, em uma leva de estrangeiros trazidos pela nada saudosa DIS, que tinha o chileno Sebastían Pinto e o inesquecível equatoriano Michael Jackson Quiñonez, salvando-se somente o colombiano “Mao” Molina, se incluía o argentino Mariano Trípodi. Ele até fez um gol importante pelo clube, na peleja decisiva contra o Cúcuta na Libertadores de 2008, mas foi só.

Agora, chega Montillo, que se junta a outros dois compatriotas que precisam convencer: o jovem Patito Rodriguez e o atacante Miralles. Quem sabe a mistura não dá samba. Ou um triste tango… para os rivais.

 

Por onde andam em 2013 alguns dos últimos atletas estrangeiros do Santos:

– Frontini – acertou com o Volta Redonda para disputar o campeonato estadual do Rio de Janeiro em 2013.

– Sebastían Pinto – ainda que tenha sido cogitado seu retorno ao Chile, ainda está no Bursaspor, da Turquia.

– Michael Jackson Quiñonez – um dos destaques do Barcelona de Guayaquil, incrivelmente tem sido convocado para a seleção do Equador.

– Mariano Trípodi – poucos atletas têm a honra de jogar no maior clube de um país. Trípodi pode se orgulhar: atua hoje no FC Vaduz, maior equipe de Liechtenstein.

– Molina – foi campeão nacionala da Coreia do Sul em dezembro, atuando pelo Seongnam.

1 comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 40, Década de 60, Década de 70, Década de 80, Século 21

A difícil vida dos artilheiros

Kléber Pereira é daqueles atacantes que desperta no torcedor amor e ódio com a mesma facilidade, de acordo com a situação. Desde que chegou ao Santos, em agosto de 2007, ele é sempre o maior artilheiro da equipe, no entanto, já passou por três períodos de jejum na Vila Belmiro, irritando os santistas e fazendo com que carregasse nas costas o peso pelo mau desempenho do time.

Ficou oito jogos sem marcar no Brasileirão de 2007; no Paulistão deste ano, só foi às redes na sétima rodada, em uma partida contra o Marília. Nesse Brasileirão, foram de novo oito pelejas de agonia, sem ver a cor do gol.

Mesmo assim, é o artilheiro da equipe na temporada e do Brasileirão com uma excepcional média de 2 gols a cada três jogos. Já anotou 50 gols pelo Peixe em 74 partidas e está a 14 de entrar na tábua dos 30 maiores artilheiros do clube, igualando Macedo (que precisou de cinco anos para marcar 64) e do mítico Arnaldo Silveira, autor do primeiro gol do Santos na história e que alcançou a mesma marca atuando entre 1912 e 1921 na Vila.

Mas, segundo meu pai, as atuações de Pereira remetem a um outro atacante que marcou época no Santos. Trata-se de Odair, também conhecido como Odair Titica. Jogador rápido, mas pouco técnico, era um típico marcador de gols. Mas também irritava a torcida ao perder tentos fáceis, a exemplo do atual nove do Santos. Ainda de acordo com narração paterna, certa vez, Carlyle deu uma bola açucarada para o atacante fazer o gol, que acabou perdendo na cara do goleiro rival. Inconformado, o companheiro que lhe deu a assistência sentou no gramado da Vila e socou o chão, lamentando a falta de pontaria do artilheiro.

Odair Titica fez sua estréia no Alvinegro em uma partida realizada em Curitiba, em 1943, e saiu do Santos nove anos depois, em 1952, indo para o Palmeiras. Lá, porém, não obteve o mesmo sucesso alcançado na Vila Belmiro, onde se firmou como o décimo-terceiro artilheiro da história do Peixe, com 134 gols. Foi convocado várias vezes para a seleção paulista, em uma época que os confrontos entre estados monopolizavam a atenção dos amantes do futebol.

E o Dicionário Santista, de José Roberto Torero, registra uma partida memorável do atacante. Em jogo válido pelo Campeonato Paulista de 1948, o Santos teve pela frente o Comercial de Ribeirão Preto. Saiu na frente, mas logo sofreu o empate. Outro gol, novo empate. E assim foi até o final, quando, após o placar marcar 4 a 4, Odair fez o tento de desempate que deu a vitória ao clube santista. Ele fez os cinco gols peixeiros da partida. E mesmo assim era contestado. Como sofrem os artilheiros…

2 Comentários

Arquivado em Ídolos, Década de 40, futebol, História, Santos, Século 21

Antoninho, o “arquiteto”

“É o único jogador da minha posição que respeito”. Esse era o comentário que fazia entre os amigos o grande Zizinho, ídolo de Pelé, e um dos maiores meias que o planeta já viu. Ele fazia referência a Antoninho Fernandes, um jogador clássico que vestiu o manto alvinegro entre os anos de 1941 e 1954, justamente na entressafra peixeira de títulos. Assim, venceu torneios com menor importância, como a Taça Cidade de São Paulo (1949), o Torneio Quadrangular de Belo Horizonte (1951) e o Torneio Início (1952). Contudo, como um grande craque nem sempre se mede pelo que conquistou com uma equipe, encantou a torcida com um futebol com uma espetacular visão de jogo, sendo um dos jogadores mais inteligentes em seu tempo. Apelidado de “arquiteto da bola” em função de suas atuações na seleção paulista, o santista de nascimento e de coração marcou 145 gols em 400 jogos disputados pelo Peixe, marca que o coloca como o décimo-segundo maior artilheiro do Alvinegro em todos os tempos.

Mas sua técnica não agradou apenas a torcida. Uma série de clubes chegou a disputar o futebol do meia, inclusive o Palmeiras, como conta passagem publicada pela Gazeta Esportiva. O atleta foi cedido por empréstimo ao Palestra para disputar um torneio, algo comum à época. Obviamente, a habilidade de Antoninho fascinou os palestrinos, que tentaram contratá-lo. O presidente peixeiro Antônio Ezequiel Feliciano da Silva, em vista da situação financeira difícil, tentou convencer o meia para aceitar a transferência. Como era um ídolo, armou-se um esquema com o cronista esportivo Ernani Franco para tentar fazer os santistas aceitarem a venda.

Antoninho, em entrevista a Franco, falaria que a proposta seria boa para todos, e que deixaria o clube que amava para assegurar seu futuro. Mas, na hora decisiva, quando questionado se iria sair do Santos, o meia desabou em lágrimas e falou que nunca passou pela sua cabeça deixar o clube, onde pretendia encerrar sua carreira. E assim melou a negociação.

Treinador

Depois de deixar os gramados no ano anterior à conquista do segundo campeonato paulista do Santos, Antoninho foi auxiliar de Luis Alonso Peres, o Lula, durante muitos anos. Chegou a treinar a equipe em algumas oportunidades, em 1953 e 1954, mas sua carreira como efetivo começou no Atlético (MG), time que dirigiu em 1962 e 1963. A grande oportunidade surge com a saída de Lula do Peixe, em 1966.

Antoninho permaneceria à frente do Alvinegro Praiano até 1971, tendo conquistado títulos como a Recopa Mundial (1968), os campeonato paulistas de 1967, 1968 e 1969 e a Taça de Prata de 1968. O Paulista de 1969, inclusive, foi épico, já que na maior parte do campeonato o treinador contou com reservas, pois nove atletas santistas faziam parte das “feras do Saldanha”.

O “arquiteto” morreu aos 52 anos, em 1973, mas sem dúvida deixou um legado inestimável a toda a nação santista, principalmente no que diz respeito ao amor por um clube de futebol.

5 Comentários

Arquivado em Ídolos, Década de 40, Década de 50, Década de 60