Arquivo da categoria: Ídolos

Cristiano Ronaldo chega ao gol 600 aos 32. Quando Pelé chegou a essa marca?

Em quase qualquer comparação do Rei do futebol, em termos de números em especial, com jogadores geniais, o camisa 10 leva ampla vantagem

O atacante português Cristiano Ronaldo conseguiu três feitos hoje na decisão da Liga dos Campeões da Europa contra a Juventus. Além de se sagrar campeão continental pelo Real Madrid mais uma vez, com os dois gols tornou-se novamente artilheiro da competição, e marcou o gol 600 de sua carreira. Isso aos 32 anos e quase três meses, que serão completados daqui a dois dias.

Uma coincidência em relação ao Rei do futebol. Pelé chegou ao seu gol 600 também em uma decisão de torneio continental. Foi em 11 de setembro de 1963, quando marcou o segundo tento santista na vitória do Peixe contra o Boca Juniors, em La Bombonera, em um clima brutalmente hostil. Nas arquibancadas, os torcedores argentinos gritavam “Pelé, hijo de puta, macaquito de Brasil”, buscando desestabilizar o craque. A vitória assegurou para o Alvinegro Praiano seu segundo título na Libertadores.

Gols de Cristiano Ronaldo e Pelé

Cristiano Ronaldo e Pelé: Luiz, respeita Januário

O camisa Dez chegou a esse feito com 22 anos e 11 meses. Lembrando que, àquela altura, já tinha participado da maior conquista do futebol brasileiro até então, a primeira Copa do Mundo da seleção, em 1958. Diferentemente de outros jogadores de 17 anos tidos como craques ou fenômenos, Pelé não esquentou só o banco naquele Mundial, sendo protagonista e fazendo gols decisivos para o primeiro título do Brasil. E olha que não era pouca pressão por essa taça não…

Não é à toa que Rei só tem um. E que, como canta a torcida santista, “mil gols, só Pelé”…

Leia também:

Messi deve chegar ao gol 500 na carreira. Sabe quando Pelé alcançou a mesma marca?

“Mil gols, só Pelé…” – o aniversário do milésimo e a falsa polêmica dos gols pelo Exército

1 comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 60, futebol, História, Santos

A história de Carlos Alberto Torres no Santos FC

Alvinegro Praiano foi o time onde capitão do Tri jogou por mais tempo. Conheça algumas passagens curiosas da trajetória do “Capita” na Vila Belmiro

O ex-jogador e ex-técnico Carlos Alberto Torres, falecido em função de um infarto aos 72 anos, no dia 25 de outubro, é tido como o maior lateral direito da história do Santos, e talvez do Brasil, só rivalizando com Djalma Santos. Na Vila Belmiro, foram quase onze anos, entre 1965 e 1975, com 445 partidas disputadas e 40 gols marcados com o manto sagrado. Em 1971, chegou a atuar três meses no Botafogo, mas, lesionado, voltou à Baixada.

Pelo Alvinegro Praiano, foi campeão brasileiro em 1965 e 1968, campeão paulista em 1965, 1967, 1968, 1969 e 1973, da Recopa Sul-americana e Mundial em 1968, do Torneio Rio-São Paulo de 1966 e dos torneios de Nova York em 1966, Triangular de Florença em 1967, de Cuiabá em 1969, Hexagonal do Chile em 1970, Octogonal do Chile e Pentagonal de Buenos Aires em 1969.

Carlos Alberto chegou ao Santos aos 22 anos vindo do Fluminense em 1965, com a torcida tricolor ameaçando depredar a sede do clube em função da saída do atleta. No entanto, em depoimento dado ao projeto Futebol, Memória e Patrimônio: Projeto de constituição de um acervo de entrevistas em História Oral, do CPDOC/FGV (veja aqui), ele revelou que já queria ter vindo ao Peixe anos antes, ainda juvenil.

O lateral chamou a atenção, segundo ele, quando participou de alguns treinos com a seleção brasileira, que concentrava no Hotel Paineiras em Cosme Velho, próximo ao estádio do Fluminense.

Quando faltava algum atleta em um coletivo, o garoto formava com o time reserva. “Quando treinei algumas vezes na seleção para completar a posição da lateral, ou Djalma Santos, ou o Jair não podia participar, alguns jogadores do Santos já haviam indicado o meu nome para eu ir para o Santos, porque o Santos tinha vários jogadores que jogavam na seleção, não é? Se o Fluminense na época tivesse concordado em me liberar, se fosse hoje, por exemplo, que não tem mais o passe, eu seria campeão mundial de interclubes.”

No mesmo depoimento, o “Capita” conta que sua não convocação para ir à Copa do Mundo de 1966 pode ter acontecido justamente pela sua transferência para o Peixe. De acordo com Carlo Alberto, um dirigente da CBD (Confederação Brasileira de Desportos, predecessora da CBF), ligado ao Fluminense, tentou convencê-lo a não ir para o clube da Vila. “E você sabe o que é que aconteceu depois que fui para o Santos? Várias convocações o meu nome não estava, mesmo sendo já naquela época apontado como o melhor da posição no Brasil, mas várias convocações o meu nome não estava. Em 1966 eu fui porque foram quatro de cada posição, acho que não tinha como se justificar a minha não chamada, não é? Aí fui, mas não fui para a Copa do Mundo”, relata.

Partida inesquecível de Carlos Alberto Torres no Santos

Em depoimento dado à Bandeirantes, o Capita conta que, entre os vários jogos marcantes que fez pelo Peixe, o mais memorável para ele foi um confronto contra o Benfica, válido pelo Torneio de Nova York e disputado em 21 de agosto de 1966. Para ele, e também para outros jogadores santistas, foi uma espécie de revanche da Copa do Mundo de 1966, quando Portugal eliminou o Brasil da competição, com uma marcação violenta em Pelé.

“Santos e Benfica. Em 1966, disputamos o Torneio de Nova York. Na Copa, Portugal havia vencido a seleção brasileira, eliminando o nosso time. Eles machucaram o Pelé. Foi uma Copa violenta. Um mês depois, o Santos jogou contra o Benfica, que era base da seleção portuguesa. Foi como se fosse uma desforra. O jogo foi sensacional. Acho que ganhamos de 4 a 0. Nós lavamos a nossa alma. O Santos, naquela época, era o melhor do mundo. A gente respeitava o adversário, mas sabíamos do potencial do nosso time. Tinha o nervosismo natural. A gente sabia da importância do jogo. Foi um jogão, enfrentamos um dos melhores times do mundo.”

Obrigado, capitão, por tudo que fez pelo nosso Santos. Seu nome já está eternizado no coração dos torcedores do Peixe.

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 60, futebol, História, Santos

Marta, Cristiane, Érika… As jogadoras da seleção feminina que já foram Sereias da Vila

Peixe montou equipes que ficaram na história do futebol feminino brasileiro, com dois títulos da Libertadores em 2009 e 2010. Relembre

 

O dia chegou! A seleção feminina de futebol inicia nesta terça-feira (3) sua dura jornada em busca do inédito ouro olímpico. Brasil e China duelam às 16h no Engenhão, Rio de Janeiro, e o torcedor santista vai ver diversas jogadoras que já foram Sereias da Vila, fazendo parte de uma das melhores equipes da história da modalidade.

O Alvinegro iniciou seu trabalho com futebol feminino em 1997, com uma campanha na qual se sagrou vice-campeão paulista naquele ano. Mas foi entre 2009 e 2012 que o clube viveu um período fantástico, chegando a ter, entre suas jogadoras, a melhor do mundo, a Rainha Marta.

marta e cristiane futebol feminino

Marta e Cristiane, grande dupla na seleção e no Santos

Eleita cinco vezes a melhor jogadora do planeta, Marta atuou no Peixe por três meses, o suficiente para participar da campanha de dois títulos: a Libertadores de 2009 e a Copa do Brasil do mesmo ano. A meia-atacante estava bem acompanhada na parte ofensiva, com Cristiane fazendo com a Dez uma dupla infernal para as rivais.

Na final da primeira Libertadores da modalidade, o Peixe superou o Universidad Autónoma, do Paraguai, por incríveis 9 a 0 na Vila Belmiro, diante de 14.186 pessoas. Na ocasião, Marta marcou uma vez, sendo vice-artilheira do torneio com 7 gols. Cristiane foi a goleadora máxima, com 15 tentos. Já na final da Copa do Brasil, o Alvinegro derrotou o Botucatu, no Pacaembu, por 3 a 0, com dois gols de Marta e um de Cristiane.

Quem também marcou pelo Santos na final da Libertadores daquele ano foi Érika, autora de dois gols, com seis em todo o torneio. À época, ela atuava como atacante, mas hoje é zagueira

erika selecao futebol feminino

Érika é apresentada no Santos. à época, ainda atacante

do Paris Saint-Germain, jogando na mesma posição pela seleção brasileira.

 

O Peixe chegou a encerrar suas atividades no futebol feminino em 2012, vítima da falta de patrocinadores e da organização caótica do esporte no país, o que motivou, aliás, a formação de uma seleção permanente para a disputa dos Jogos Rio 2016. Mas o clube retornou em 2015, não tendo, desta vez, nenhuma jogadora convocada para a seleção. Das 18 convocadas, cinco são da seleção permanente e todas as outras 13 atuam fora do país, o que evidencia a precariedade da modalidade no Brasil.

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, futebol, História, Santos, Século 21

O aniversário de Juary, eterno menino da Vila

Atacante que jogou no Peixe entre 1977 e 1983, além de um passagem quase no fim de carreira em 1989, fez história com seu futebol rápido, habilidoso e irreverente

Nesta quinta, 16 de junho, um dos mais marcantes atacantes do Peixe faz 57 anos. Juary Jorge dos Santos Filho disputou 231 partidas pelo Peixe e durante muito tempo foi o terceiro maior artilheiro do clube pós-Era Pelé, sendo ultrapassado recentemente por Neymar e Robinho.

Nascido em São João de Meriti, no Rio de Janeiro, jogava pelo time do Pavunense, time amador da Pavuna, como lembra o blog Tardes do Pacaembu. Recebeu um convite de seu amigo Babá para jogar na equipe juvenil do Santos e não teve dúvidas.

Na Vila Belmiro, estreou contra o Volta Redonda, em 1976, uma vexatória derrota peixeira por 3 a 0 no Raulino de Oliveira. No ano seguinte, teve destaque na final de um torneio disputado em São Paulo contra o Atlético de Madrid, quando roubou uma bola do consagrado zagueiro Luis Pereira e marcou o tento alvinegro.

Com 1,66 e 66 kg, era rápido e habilidoso, encaixando perfeitamente na equipe montada por Chico Formiga que ficou conhecida como a primeira geração dos Meninos da Vila, em 1978. Ganhou fama como “carrasco do São Paulo” e confirmou a alcunha nas finais do Paulista daquele ano, disputadas em junho de 1979. Juary foi o artilheiro da competição com 29 gols.

Quando Neymar alcançou Juary na tábua de artilheiros do Peixe, fazendo 101 gols, comemorou como o menino da Vila de 1978 fazia, com uma dança em torno da bandeira de escanteio. Por coincidência, contra o São Paulo, alvo preferencial do antigo camisa nove, na semifinal do Paulista de 2012. Uma bonita homenagem, relembre:

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 70, Década de 80, futebol, História, Santos

Guga, artilheiro do Santos, faz 52 anos nesta terça

Ídolo dos anos 1990 fez dois hat tricks contra o Corinthians. Relembre sua trajetória no Alvinegro

Hoje um dos ídolos dos tempos de vacas magras do Peixe nos anos 1990 faz aniversário. Alexandre da Silva, o Guga, centroavante que ficou conhecido por marcar belos gols contra o Corinthians, faz 52 anos neste 14 de junho.

No início de 1992, o atacante, então com 27 anos, vinha da Inter de Limeira para reforçar a equipe praiana, que buscava sair do incômodo papel de coadjuvante nos campeonatos que disputava. No entanto, demorou a se firmar porque, nas mesma posição, o Peixe tinha Paulinho McLaren.

Mesmo assim, entrava em diversos jogos no lugar ou do próprio Paulinho em finais de partida, ou de Cilinho. Em um dos jogos de um dos quadrangulares finais do Brasileiro de 1992, entrou no lugar do zagueiro Luiz Carlos, já que o Santos perdia para o Vasco no Maracanã por 3 a 2. Participou do terceiro gol do Alvinegro, com uma bela assistência de peito para Paulinho fazer um golaço.

Após a saída de Paulinho, assumiu a condição de titular e ídolo da torcida. Ainda mais depois de fazer dois tripletes ou hat tricks contra o Corinthians. O primeiro, em 1992, uma vitória de 3 a 1 do Peixe. Entre os tentos, um gol de voleio ou meia-bicicleta, de acordo com o gosto do freguês. Já em 1994, em jogo válido pelo campeonato paulista, o Peixe virou de um 2 a 0 para vencer por 4 a 3 no Morumbi, com três de Guga.

Foi artilheiro do campeonato brasileiro de 1993 e, no total, o atacante marcou 74 gols em 101 jogos com o manto sagrado. Após deixar o time, foi para o Botafogo-RJ e outros clubes, onde não alcançou a mesma expressão. Parabéns, matador!

2 Comentários

Arquivado em Ídolos, Década de 90, futebol, História, Santos

Messi deve chegar ao gol 500 na carreira. Sabe quando Pelé alcançou a mesma marca?

Craque argentino passou em branco contra o Real Madrid, mas pode chegar à marca histórica no duelo contra o Atlético de Madrid, pela Liga dos Campeões. Mas o Rei do futebol chegou ao 500° muito, mas muito antes…

Uma das grandes expectativas em relação à partida entre Barcelona e Real Madrid, disputada neste sábado (2) e válida pelo campeonato espanhol, era se Messi marcaria seu 500º tento na carreira. Apagado na peleja, teve somente uma chance real, defendida por Navas, e foi figura apagada durante a maior parte do tempo. A expectativa mudou para o duelo entre os catalães e o Atlético de Madrid, jogo desta terça (5) na Liga dos Campeões.

Pelé Messi

Messi e Pelé, comparação difícil, mas nem tanto… (Fotos: Addesolen e Creative Commons)

Que Messi é o maior (ou um dos dois maiores) do mundo há alguns anos, poucos duvidam. Mas o problema aparece quando se quer comparar o argentino  a figuras de outras épocas, em especial, Pelé. Como existem peculiaridades em cada época e contexto, trata-se de um exercício muitas vezes infrutífero, mas que se torna bem objetivo quando se analisam os números e algumas marcas. No caso, o gol 500 de cada um, por exemplo.

Caso o camisa dez argentino anote seu meio milhar de tentos nesta semana ou neste abril, vai ter realizado o feito aos 28 anos e 9 meses (ele aniversaria em 24 de junho). Pelé chegou ao mesmo número muito, mas muito antes, aos 21 anos e 10 meses. Foi em um empate contra o São Paulo, 3 a 3, em 2 de setembro de 1962, ocasião em que foi às redes duas vezes.

Àquela altura, Pelé já havia sido campeão mundial pela seleção brasileira duas vezes, sendo que, na primeira, em 1958, foi protagonista do título com somente 17 anos. Isso sem contar que a seleção, mesmo que muitos já atribuíssem ao Brasil a alcunha de “país do futebol”, nunca havia vencido uma Copa. Imaginem a pressão para um garoto recém-alçado à fama pelo Santos…

O eterno camisa Dez peixeiro, quando alcançou o 500°, tinha sete tentos em Copas, sendo seis em seu Mundial de estreia. Messi, três Copas depois, marcou cinco vezes.

Podem comparar à vontade, mas é difícil superar o Rei…

3 Comentários

Arquivado em Ídolos, Década de 60, futebol, História, Século 21

Gabriel fecha o ano como 7º maior artilheiro do Santos no século 21

No ano em que o Santos conquistou a tríplice artilharia, menino da Vila tira Ganso da lista dos dez maiores goleadores alvinegros do século 21. Ricardo Oliveira segue com média de gols superior à de Neymar com a camisa santista

Gabriel Barbosa, Gabigol

Gabriel iguala em 2015 desempenho da temporada de 2014 (Ivan Sorti/ Santos FC)

Após marcar 21 gols em seu ano de afirmação no Santos, em 2014, Gabriel Barbosa, o Gabigol, repetiu a dose em 2015 e voltou a fazer os mesmos 21 tentos da temporada passada. Somado a outros dois feitos em seu ano de estreia na Vila Belmiro, 2013, o atacante soma agora 44 gols com a camisa alvinegra em 126 partidas.

Isso o coloca como sétimo maior artilheiro do Peixe no século 21. Ele está à frente de Basílio (42 gols), André (41) e Diego (38). A marca de Gabigol acabou tirando da lista dos dez mais o meia Paulo Henrique Ganso, que anotou 36 gols em 148 partidas pelo Santos.

Já Ricardo Oliveira, artilheiro do Brasileiro e do campeonato paulista de 2015, fechou o ano com a expressiva marca de 37 gols em 62 pelejas. No total, ele tem 58 gols em 94 jogos com o manto santista, uma média de 0,617 gols por partida, superior à dos dois maiores artilheiros alvinegros do século 21, Neymar (0,6) e Kléber Pereira (0,601).

Oliveira ocupa a sexta posição na tabela dos goleadores deste século, ficando dois tentos atrás de Deivid e a oito de Elano.

Confira abaixo a lista atualizada dos principais artilheiros do Peixe no século 21:

1 – Neymar – 138 gols em 230 jogos

2 – Robinho – 111 gols em 253 jogos

3 – Kléber Pereira – 86 gols em 143 jogos

4 – Elano – 66 gols em 285 jogos

5 – Deivid – 60 gols em 140 jogos (não computados os feitos pelo atacante em 1999 e 2000)

6 – Ricardo Oliveira – 58 gols em 94 jogos

7 – Gabriel Barbosa 44 gols em 126 jogos

8 – Basílio – 42 em 116 jogos

9 – André – 41 gols em 94 jogos

10 – Diego – 38 gols em 133 jogos

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, futebol, História, Santos, Século 21

Ricardo Oliveira já é o 6º maior artilheiro do Santos no século 21

Quando acertou seu retorno ao Santos no início de 2015, Ricardo Oliveira tinha uma posição modesta em relação aos maiores artilheiros do Peixe no século 21. Não exatamente por mau desempenho em sua primeira passagem pelo Alvinegro, em 2003, mas por ter sido um período curto. À época, o atleta disputou somente 33 jogos pelo time, tendo marcado 21 gols.

Com desempenho na atual temporada, Ricardo Oliveira entra na lista dos dez maiores artilheiros do Santos no século 21 (Foto: Ivan Storti/SantosFC)

Com desempenho na atual temporada, Ricardo Oliveira entra na lista dos dez maiores artilheiros do Santos no século 21 (Foto: Ivan Storti/SantosFC)

Apesar da boa média, a marca não o colocava entre os dez principais goleadores do clube no século, com o atacante ficando atrás de outros nomes do elenco alvinegro como Gabriel, Renato e Elano. Mas com o seu desempenho na temporada, na qual já marcou 25 gols em 44 partidas, além de quatro assistências, Oliveira pulou para o sexto posto na tábua dos matadores alvinegros no século.

No total, o “pastor” tem 46 gols em 76 jogos com a camisa peixeira. Foi artilheiro do campeonato paulista, é o artilheiro do Brasileirão 2015 com doze gols e também o goleador máximo da temporada no Brasil. A média de 0,613 é alta, superando, inclusive, a dos dois maiores goleadores desta lista: Neymar (0,6) e Kléber Pereira (0,601). Oliveira agora está a 16 tentos do quinto colocado, o atacante Deivid, hoje auxiliar de Vanderlei Luxemburgo no Cruzeiro, que tem 60 gols pelo Peixe, feitos em quase o dobro de jogos que Oliveira tem pelo clube, 140.

Confira abaixo a lista atualizada dos principais artilheiros do Peixe no século 21:

1 – Neymar – 138 gols em 230 jogos

2 – Robinho – 111 gols em 253 jogos

3 – Kléber Pereira – 86 gols em 143 jogos

4 – Elano – 66 gols em 285 jogos

5 – Deivid – 60 gols em 140 jogos (não computados os feitos pelo atacante em 1999 e 2000)

6 – Ricardo Oliveira – 46 gols em 76 jogos

7 – Basílio – 42 em 116 jogos

8 – André – 41 gols em 94 jogos

9 – Diego – 38 gols em 133 jogos

10 – Paulo Henrique Ganso – 36 gols em 148 jogos

1 comentário

Arquivado em Ídolos, futebol, História, Santos, Século 21

Morre José Ely de Miranda, o Zito, eterno capitão do Santos e da seleção

Zito, eterno capitão do Santos e da seleção brasileira

Zito, eterno capitão do Santos e da seleção brasileira

A informação foi dada na noite deste domingo (14) no programa Mesa Redonda, da TV Gazeta. José Ely de Miranda, o Zito, capitão do Santos e da seleção brasileira, faleceu aos 82 anos.

Contratado junto ao Taubaté em 1952, Zito atuou no Peixe até sua aposentadoria, em 1967. Sua moral era tanta no time que era um dos únicos que dava broncas no Rei do Futebol, Pelé, tanto na Vila quanto nos jogos do Brasil.

Multicampeão, foi bicampeão mundial com a seleção brasileira em 1958 e 1962 e com o Peixe em 1962 e 1963. Conquistou quatro títulos brasileiros, nove campeonatos paulistas e quatro torneios Rio-São Paulo com a camisa do Alvinegro.

Em agosto de 2014, o eterno capitão da Vila havia sofrido um AVC, tendo alta em agosto. Nosso profundos sentimentos à família e amigos por essa perda para eles e para todo admirador do futebol bem jogado.

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 50, Década de 60, futebol, História, Santos

Robinho já é o 16º maior artilheiro da história do Santos

Com gol feito contra o Sport na partida deste domingo, o atacante Robinho, em sua terceira passagem pelo Alvinegro, alcançou a marca de 11 gols com a camisa santista, empatando com Vasconcelos na lista dos maiores artilheiros da história do clube.

Robinho, 16º maior artilheiro da história do Santos (Ivan Storti/Santos FC)

Robinho, 16º maior artilheiro da história do Santos (Ivan Storti/Santos FC)

E Robinho não empatou em gols com qualquer jogador, mas com um dos craques da trajetória peixeira. O meia esquerda Válter Vasconcelos Fernandes, que nasceu em Belo Horizonte (MG), foi revelado pelo Vasco da Gama mas, sem espaço no clube após poucas pelejas na equipe principal, acabou indo para a Portuguesa Santista em 1951. Em 1953, já estava no Santos, sendo um dos principais jogadores do time que quebraria o jejum de títulos da equipe, sagrada campeão paulista em 1955 e 1956.

Foi ele quem cuidou do Gasolina, aquele garoto vindo de Bauru que depois ficaria conhecido como Pelé. Também quis o destino que fosse em sua vaga que o futuro Rei do Futebol se tornasse titular. Em uma partida contra o São Paulo disputada em 1956, uma disputa de bola com o zagueiro que mais tarde defenderia o Santos, Mauro Ramos de Oliveira, seria responsável pela contusão mais séria da sua carreira. Com a perna quebrada, Vasconcelos abriu espaço para o garoto de quem era o tutor.

Boêmio, Vasconcelos entrou em uma fase descendente após a lesão. Ainda assim anotou, em 181 jogos pelo Peixe, 111 gols entre 1953 e 1959, marca que Robinho alcançou após 253 pelejas. Saiba mais sobre a trajetória desse grande jogador aqui.

O Rei das Pedaladas tem, em 105, oito gols em vinte partidas. Se renovar o seu contrato com o Santos, pode ultrapassar Raul Cabral Guedes, que fez 120 tentos entre 1933 e 1942, 15º maior artilheiro do Peixe. Como, de qualquer forma, pode ficar até sete jogos fora do clube em função da Copa América – se a seleção brasileira chegar à final – teria mais 27 jogos para subir mais um posto na tábua de goleadores. Podem entrar na conta ainda pelejas da Copa do Brasil ou da Sul-Americana.

Entre os maiores artilheiros pós-Era Pelé, Robinho continua na segunda colocação. O primeiro desta lista é Neymar, com 138 gols.

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 50, futebol, História, Santos, Século 21