Arquivo da tag: Apodi (Chapecoense)

Chapecoense 1 X 0 Santos – jogo com jeito de reprise

Mais uma vez o Santos demonstrou a apatia que o tem caracterizado em jogos fora de casa. Mas, diferentemente de outras ocasiões, jogou melhor no segundo do que no primeiro tempo. Não dá pra simplificar e dizer simplesmente que o time é “preguiçoso” ou que faz corpo mole – embora às vezes dê essa impressão. O buraco é mais embaixo.

Primeiro, é necessário analisar como surgiu o gol da Chapecoense. Mais uma vez foi construído pelo lado esquerdo da defesa santista, com Apodi avançando e finalizando contra o gol de Wladimir. O lance deixou aquela dúvida se se tratava de uma bola indefensável de fato. A meu ver, não era. Embora faça uma ou outra boa atuação, não é possível se enganar e dizer que o arqueiro está à altura da meta alvinegra. Hoje, não está.

Mas ele não pode carregar a culpa do gol sozinho. O Peixe é invariavelmente assediado pelo lado canhoto da sua intermediária, e não é à toa. No jogo contra o Avaí, por exemplo, Gilson Kleina colocou o meia Roberto para forçar a jogada individual nesse setor. Deu certo, foi por ali que aconteceu a falta que resultou no gol.

Isso ocorre porque a marcação santista tem que começar na frente, com um dos atacantes que atuam pelos lados acompanhando o lateral. Geuvânio faz as vezes do lado direito, mas Robinho não faz o papel da mesma forma do lado esquerdo, cabendo às vezes para Lucas Lima desempenhar a marcação. Com essa alternância algo confusa em determinados momentos, somando-se a deficiência na cobertura dos volantes, o lateral fica “vendido” na marcação. E estoura na zaga. Podem reparar que é invariavelmente por esse lado que o adversário procura atacar o Santos, seja o lateral Chiquinho, Victor Ferraz ou Caju.

Jogadores da Chapecoense comemoram gol de Apodi (Foto: Chapecoense/Flickr)

Jogadores da Chapecoense comemoram gol de Apodi (Foto: Chapecoense/Flickr)

Falta variação tática para o Santos

Difícil jogar do mesmo jeito em qualquer situação, empatando, ganhando ou perdendo. O Santos não faz isso, mas demora a mudar. Hoje, após o gol, a equipe continuou atuando da mesma forma e, em todo o primeiro tempo, não fez uma finalização certa sequer – descontando uma cabeçada de Ricardo Oliveira que mal pode se considerar finalização. Na etapa final, após os dez minutos, começou a dominar e chegar com perigo no gol da Chapecoense.

A estreia de Rafael Longuine, que entrou no lugar de Leandrinho, foi justamente pra corrigir o problema do lado esquerdo. Funcionou por um tempo, quando os donos da casa recuaram e deram espaço para o Peixe atacar. Robinho começou a atuar mais livre, não ficando preso apenas à ponta esquerda. Mesmo sem atuar bem, confundiu a marcação catarinense. E Ricardo Oliveira também saiu mais da área, abrindo espaços na defesa da Chapecoense, embora atuando bem abaixo do seu nível.

Mas a alteração que colocou Longuine foi a única que teve como objetivo mudar taticamente o Santos. A outra foi forçada, a lesão de Valencia, substituído por Lucas Otávio. Mesmo perdendo, Marcelo Fernandes – ou seu auxiliar Serginho Chulapa, já que o titular foi expulso no primeiro tempo – abriu mão da terceira mudança. Isso é inexplicável, não há justificativa. E não se trata de algo novo.

Ou Marcelo Fernandes passa a usar mais do arsenal que tem no elenco, ou sua timidez vai acabar comprometendo sua permanência à frente do time. E a campanha peixeira no Brasileirão.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Santos joga contra a Chapecoense e o cansaço no Brasileirão

O Santos enfrente a Chapecoense às 16h deste domingo, na Arena Condá, tentando driblar um alegado cansaço por parte do time. Pelo menos é o que diz o treinador Marcelo Fernandes, o que justificaria o desempenho ruim da equipe no segundo tempo contra o Sport.

“É normal ter altos e baixos. As dificuldades surgem por causa da qualidade dos nossos adversários”, disse o técnico. Bom então há que se achar formas de contornar isso, porque na Série A e nas outras competições que o Peixe disputar até o fim do ano – Copa do Brasil ou Copa Sul-Americana – só tem rival qualificado. Se o problema é cansaço, tem que ter elenco, mas não basta ter elenco sem colocar os reservas para jogar durante as partidas pra adquirirem ritmo de jogo. E isso Fernandes só tem feito quando obrigado.

Hoje Leandrinho entra como titular, já que Renato fez uma pulsão por conta de dores que sentia no músculo posterior da coxa esquerda. De resto, a equipe é a mesma que foi derrotada pelo Sport em uma atuação estranha do Alvinegro. Thiago Maia, que entrou no jogo contra os pernambucanos, está novamente entre os relacionados.

Histórico da Chapecoense contra o Santos

Trata-se de um confronto com curta história. A Chapecoense esteve na primeira divisão do campeonato brasileiro em 1978 e 1979, voltando em 2014, quando conseguiu sua melhor colocação, 15º lugar. E foi só nesta edição que as equipes que se enfrentam hoje se confrontaram.

O Peixe venceu no primeiro turno de 2014, em peleja disputada na Vila Belmiro. Um 3 a 0 com gols de Rildo, Gabriel e Diego Cardoso, com Oswaldo de Oliveira à frente da equipe. Já no segundo turno o técnico era Enderson Moreira e o Santos empatou na Arena Condá com gol de Bruno Uvni. Leandro Pereira, que está no Palmeiras, fez o tento de empate dos catarinenses.

Quem joga na Chapecoense?

Talvez o jogador mais conhecido do elenco da equipe de Chapecó seja o centroavante Roger, de 30 anos. Revelado na Ponte Preta, foi campeão da Libertadores com o São Paulo em 2005 e tem passagens por inúmeros clubes como Palmeiras, Fluminense, Vitória, Sport, futebol japonês… Foi vice-artilheiro do Catarinense com dez gols.

O lateral Apodi, em jogo contra o Corinthians (Chapecoense/Flickr)

O lateral Apodi, em jogo contra o Corinthians (Chapecoense/Flickr)

Outro rosto conhecido é do lateral Apodi, 28 anos, que atuou no Santos em parte da triste campanha da equipe no Brasileiro de 2008, a pior do Peixe na Era dos pontos corridos. O meia Camilo é o destaque na coordenação do meio de campo, e já está no segundo ano de clube.

A Chapecoense também tem Edmilson, ex-Vasco, no banco de reservas, além da revelação do estadual. O meia Hyoran, cujo nome é uma homenagem a… Johan Cruyff, o cérebro da seleção holandesa de 1974.

Confira abaixo as prováveis escalações de Chapecoense e Santos:

Chapecoense X Santos

16h, na Arena Condá – Chapecó

Chapecoense – Danilo; Apodi, Rafael Lima, Vilson e Dener Assunção; Bruno Silva, Elicarlos, Gil e Camilo; Ananias e Roger. Técnico: Vinícius Eutrópio.

Santos – Vladimir; Victor Ferraz, Werley, David Braz e Chiquinho; Valencia, Leandrinho e Lucas Lima; Geuvânio, Robinho e Ricardo Oliveira. Técnico: Marcelo Fernandes.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21