Arquivo da tag: Arthur Gomes

A vitória do Santos sobre o Botafogo e as mudanças de Elano. Levir vai ter trabalho

Sem boa atuação mesmo com as mudanças promovidas pelo interino, Peixe chegou à vitória aos 50 do segundo tempo, graças a Victor Ferraz

Victor Ferraz assegura vitória do Santos contra o Botafogo

Victor Ferraz salvou o Santos quando Levir já tinha deixado o Pacaembu (Ivan Storti/ Santos FC)

O Santos conseguiu uma vitória suada contra o Botafogo na noite desta quarta-feira, no Pacaembu. Os três pontos em casa eram essenciais, mas o triunfo só veio em uma jogada toda feita por Victor Ferraz, já nos acréscimos da partida.

Elano, o técnico interino até domingo, na partida contra o Atlético-PR, promoveu algumas mudanças em relação à equipe montada por Dorival Júnior. Não contou com Ricardo Oliveira, contundido, substituído por Kayke. Com a lógica de “não improvisar”, resolveu substituir outros que não puderam atuar por atletas da mesma posição. Assim, Matheus Ribeiro ganhou uma chance na lateral esquerda, Vecchio, que sequer era relacionado pelo treinador anterior, fez as vezes de Lucas Lima, enquanto Arthur Gomes, outra figura pouco aproveitada por Dorival, ganhou a oportunidade no lugar de Bruno Henrique, expulso contra o Corinthians.

Na primeira etapa, com mais posse de bola, o que é uma das principais características do time, o Santos chegou a ameaçar o gol de Helton Leite, principalmente nos 15 minutos iniciais. Mas a melhor chance foi do Botafogo, que aproveitou um erro de Matheus Ribeiro para efetivar um contra-ataque que colocou Rodrigo Pimpão sozinho na cara de Vanderlei. Ele resolveu passar pra Roger, que acabou desarmado por Thiago Maia. A partir daí, os donos da casa produziram pouco, muito em função do bom sistema defensivo dos visitantes. Com pouca criação no meio de campo, o Peixe insistiu nos cruzamentos, que em geral não davam em nada. Enquanto isso, os botafoguenses ameaçavam com estocadas rápidas no campo santista, provocando faltas e três cartões amarelos somente na etapa inicial. Na segunda metade do jogo, Elano voltou com Jean Mota no lugar de Matheus Ribeiro, improvisando o meia na ala esquerda assim como fazia Dorival. A toada mudou pouco, e o Botafogo continuou ganhando o jogo no meio de campo, evitando as investidas santistas e adiantando um pouco mais a marcação. Mais uma vez Elano tentou alterar o modo de jogar, colocando Rodrigão no lugar de Vecchio, deslocando Vitor Bueno para a meia e Kayke para a ponta. Seguindo em sua fase ruim, o camisa 7 alvinegro quase nada produziu, sendo sacado, sob vaias, por Vladimir Hernández. Ao fim, o interino entrou com uma equipe modificada para terminar a partida com uma formação semelhante àquela de Dorival, com o colombiano improvisado na criação. Às vezes, improviso não é capricho, é necessidade… O gol do triunfo peixeiro só veio aos 50, após jogada em que Victor Ferraz cavou uma falta próximo à entrada da área pelo lado esquerdo do ataque. Sim, o lateral muitas vezes no esquema de Dorival fechava pelo meio, mas sua presença ali era mais efeito do desespero e da desorganização do time do que uma arma tática. A cobrança forte, com efeito, e contando com inúmeros jogadores à frente de Helton Leite, fez com que o Santos completasse uma série de 20 vitórias seguidas no Pacaembu.

 

As novidades de Elano

A partir das mudanças feitas pelo treinador interino foi possível para Levir Culpi e para o próprio torcedor fazer uma avaliação, ainda que superficial, de algumas opções do elenco.

O garoto Arthur Gomes entrou com personalidade, mas com uma defesa bem postada e atuando com dois jogadores que não foram bem na parte ofensiva do seu lado — Matheus Ribeiro e Jean Mota — não conseguiu produzir tão bem, exceção feita a uma ou outra jogada. O mesmo vale para Kayke, que se esforçou, mas não contou com um meio de campo que o municiasse, ficando sem a bola durante boa parte do tempo. Mesmo com Thiago Maia chegando mais ao ataque, a pouca mobilidade de Vecchio não contribuía para que os espaços eventualmente abertos pelo avante peixeiro resultassem em chances de gol.

A opção por Vecchio, aliás, parece mais uma birra em relação a Dorival do que uma decisão consciente. Ainda que muitos gostem do estilo “meia armador clássico” do argentino, o fato é que ele pouco produziu. Muitas vezes voltando para buscar a bola, não conseguia fazer a transição rápida para o ataque com passes longos, já que a defesa do Botafogo estava bem postada, e tampouco conduzia a bola com agilidade para tentar abrir a defesa rival. No esquema em que o Santos joga, um atleta lento, com pouco cacoete para roubar a bola no meio de campo, não serve. Teria que ser muito mais talentoso para que a equipe se sacrificasse por ele.

Já Matheus Ribeiro mais uma vez decepcionou. Em todas as vezes que entrou, tem-se a nítida impressão que não entendeu como deve jogar. Sim, é preciso dizer que os laterais, dentro da proposta de jogo da equipe, são muito exigidos: tem função de marcação, mas são fundamentais na parte ofensiva, caindo pelo meio ou fazendo jogadas de ultrapassagem, ora como arco, ora como flecha. Parece que ele não conseguiu assimilar quando fazer uma e outra coisa, passando boa parte do tempo no gramado perdido. Difícil acreditar que ainda pode dar certo se o Santos seguir nessa forma de jogar.

1 comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Santos 6 X 2 Linense – goleada na estreia do Paulistão 2017

Peixe demonstra força ofensiva em partida com muita movimentação. Lucas Lima volta a ser o maestro da Vila

Em sua estreia no campeonato paulista de 2017, o Santos goleou o Linense na Vila Belmiro por 6 a 2 na noite desta sexta-feira (3). Rodrigão marcou 2, com Lucas Lima, Arthur Gomes, Vitor Bueno e Thiago Ribeiro fazendo pelo Peixe.

No primeiro tempo, algumas das variações táticas que Dorival já tinha ensaiado contra o Kenitra. Em especial, a marcação alta com os dois laterais entrando pelo meio, facilitando a jogada de infiltração e abrindo espaço para os atacantes nas pontas. Atrás, próximos da linha central, os zagueiros junto com um ou os dois volantes, facilitando a transição e dando mais qualidade de passe, também abrindo a chance de um lance mais longo.

Além do óbvio destaque para Rodrigão, mais uma vez Lucas Lima se destacou pela intensa movimentação, dando a pinta de que o problema dele em parte de 2016 de fato era sua condição física. Ele voltou para buscar a bola e atuou bastante pelo lado direito do ataque, com Vitor Bueno ocupando o que seria o posicionamento do dez pela meia. Iniciou os lances dos dois gols do centroavante peixeiro.

No retorno do segundo tempo, o Peixe sofreu um gol aos 8 minutos, justamente em uma falha que não se pode ter quando é aplicada a marcação alta. Thiago Santos recebeu entre os zagueiros, com Zeca dando condição de jogo para o atacante do Linense, que avançou e acertou um belo gol de fora da área.

A partir dali, foram quatro minutos de instabilidade, com alguns jogadores perdendo um pouco a concentração. Caso de Zeca, que entregou uma bola para Caíque, que finalizou para defesa de Vanderlei (um escanteio não anotado pelo árbitro).

Lucas Lima comemora o terceiro da goleada santista contra o Linense

Lucas Lima comemora o terceiro gol do Santos com os companheiros de time. Destaque da estreia alvinegra

Mas o medo durou pouco para o torcedor peixeiro. Aos 13, Copete roubou uma bola no meio de campo, que chegou a Thiago Maia. O volante serviu Lucas Lima, que entrou na área e não perdoou, aliviando os santistas mais cautelosos.

O herói do jogo saiu aos 26, dando lugar a Arthur Gomes. Rodrigão caiu de produção na etapa final, tentou um ou outro lance de efeito, mas deixou sua marca pelos dois gols e também por passes que deixaram seus companheiros em situação de fazer. Além disso, é o típico atacante “brigador”, daqueles que conseguem em todo jogo um desarme perigoso. Falta técnica e velocidade, o que não casa muito com o esquema de jogo alvinegro. Mas é um jogador que pode ser útil em muitas situações.

Aos 27, saiu Thiago Maia e entrou Léo Cittadini, um “coringa” nas mãos de Dorival. Que tem correspondido, aliás. Mas foi o outro suplente quem marcou. Arthur Gomes aproveitou excelente lançamento de Lucas Lima e fez o quarto do Peixe em falha do goleiro Edson Kolln.

Contudo, o Santos tomou o segundo aos 34. Outra vez em uma falha na linha de impedimento, com Gabrielzinho fazendo sozinho. Ainda falta concentração e comunicação entre os jogadores que fazem a linha defensiva. Nesse caso, mais uma vez, Zeca dormiu. Contar em provocar impedimento próximo à linha da área é um perigo enorme, já que não há chance de recuperação dos defensores.

O Santos ainda tomou uma bola no travessão, em lance de cobrança de falta, aos 42, mas marcou o quinto aos 45, com Vitor Bueno. E Thiago Ribeiro ampliou aos 47, em jogada combinada com Victor Ferraz. No lance, mostrou uma de suas características principais, a finalização. Outro que pode ser útil para Dorival, em que pese o estranhamento que a torcida tem com o atleta.

A força ofensiva e os momentos de intensidade que o Santos conseguiu imprimir na partida são dados animadores. Mas a fragilidade defensiva demonstrada em determinados períodos preocupa, ainda que se desconte o pouco tempo de treinamento e o fato de ser início de ano. De qualquer forma, uma goleada que anima o torcedor e honra as tradições alvinegras.

1 comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Ponte Preta 1 X 2 Santos – E Dorival mudou o jogo…

Alvinegro mostra raça e técnica e consegue virada em Campinas, assumindo a vice-liderança do Brasileiro. Copete e Cittadini fazem a diferença
Já diria um ditado que todo brasileiro é (ou acha ser) técnico de futebol. Quando se envolve a paixão por um clube, tal sintoma da alma nacional fica ainda mais visível. Em geral, faltam elogios e sobram críticas. Dorival Júnior sabe bem disso.
Ultimamente muitos torcedores têm pego no pé do técnico do Santos. A maioria de boa fé, discordando de escalações, alterações ou pelo jeito que a equipe joga, responsabilizando o treinador por praticamente tudo de ruim que acontece com o time. Outros estão engajados em uma campanha pela volta de Vanderlei Luxemburgo à Vila, algo que beira o incompreensível, ainda mais tendo em vista as últimas entrevistas do comandante.
O ideal para analisar o trabalho de alguém é colocar isso em perspectiva, ou seja, fazer uma avaliação de um prazo mais longo que um ou dois jogos. Ver que tipo de dificuldades foram enfrentadas no decorrer desse período e ponderar também sobre o óbvio: às vezes um jogador erra, um árbitro idem, e aí é difícil culpar o homem que está no banco.
Dorival enfrentou desfalques por escalações da seleção brasileira e da seleção olímpica. Jogadores perderam o ritmo em função disso. Perdeu atletas por contusão, como Ricardo Oliveira, atacante com que pode contar em 34 pelejas no ano; Vitor Bueno, em um momento decisivo do campeonato brasileiro; além da zaga titular. Com um elenco limitado, penou para escalar o time.
Mesmo assim levou o Santos, hoje, à vice-liderança. No duelo contra a Ponte Preta, a equipe entrou pressionando a saída de bola, se movimentando bem ofensivamente e não deixando a Ponte atacar. Mas, em um lance rápido e uma falha individual de David Braz, o time tomou o gol quando jogava melhor, tento de pênalti aos 21. Custou a se encontrar novamente, voltando a atuar bem somente no segundo tempo, quando Dorival voltou do intervalo com Yuri no lugar de David Braz.
santos ponte preta

Léo Cittadini é celebrado por seus companheiros de equipe (Santos FC)

A alteração foi cornetada nas redes sociais, já que o 14 do Alvinegro, além de ter feito a penalidade, perdeu um gol na grande área. Mas fazia sentido. Com a Ponte jogando somente no contra-ataque, seria um risco deixar Noguera, que é lento, no mano a mano. Yuri melhorou a saída de bola e por vezes foi ao ataque, como no segundo gol do Peixe, revezando na zaga com Renato. Braz subiu de produção com o volante/meia do seu lado.
Mas a grande sacada de Dorival foi o “resgate” de Leo Cittadini. Ele entrou no lugar de Vitor Bueno e participou dos dois lances da virada santistas, finalizando para Ricardo Oliveira marcar no rebote e “servindo” Copete no segundo tento (a bola entraria mesmo que o colombiano não tocasse na redonda). O meia teve boas atuações no decorrer do ano, tanto como volante como substituto de Lucas Lima, mas teve problemas físicos e não conseguiu uma boa sequência. Foi decisivo e merece novas chances.
Outro destaque da equipe foi Copete. O colombiano, que errou bastante na primeira etapa, voltou bem no tempo final e foi o responsável por boa parte dos lances ofensivos da equipe. Também merece atenção a entrada do garoto Arthur Gomes, em sua primeira partida como profissional, substituindo Jean Mota. Mostrou personalidade.
O Santos mostrou que está vivo e muito desse sucesso, de 29 pontos obtidos dos últimos 33, se deve a Dorival Júnior. O time tem mais quatro “finais” até a última rodada. Dá pra ficar feliz.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21