Arquivo da tag: bi-mundial

O maior ponta artilheiro do Brasil

“Sou o maior atilheiro da história do Santos. O Pelé não conta, ele não é humano”. É assim que José Macia, o Pepe, gosta de se referir ao fato de ter marcado 405 gols com a camisa 11 do time da Vila Belmiro, o que o deixa atrás apenas do Rei na lista de maiores goleadores do clube. No entanto, se a comparação com Pelé é ingrata para qualquer atleta, o Canhão da Vila tem feitos admiráveis na história do futebol.

Lembre-se de grandes pontas que já passaram pelos campos brasileiros. Garrincha, Canhoteiro, Julinho Botelho, Zagallo, Jairzinho, Edu, Dorval… Nenhum dele chegou perto do número de tentos marcados por Pepe, o maior ponta artilheiro do país. Além dos mais de 400 marcados pelo Alvinegro Praiano, foram vinte pela seleção brasileira e 16 pela seleção paulista. Também é o atleta com maior número de títulos importantes no ludopédio tupiniquim: 51, entre eles nove Paulistas, cinco Taças Brasil, quatro Rio-São Paulo, duas LIbertadores, dois Mundiais Interclubes e duas Copas do Mundo (1958 e 1962). E também conta com um troféu Belfort Duarte, por conta do aspecto disciplinar. Em 16 anos de futebol, entre 1954 e 1969, todos eles jogados no Santos, Pepe jamais foi expulso.

Pepe estreou no Santos em 1954, quando um treinador estreante, vindo das categorias de base, Luis Alonso Peres, o Lula, começou a dar chances na equipe de cima para alguns atletas que conhecia bem. E Pepe era um deles, famoso pela velocidade e pela potência do chute que o marcara desde a época de amador no clube Continental, da gloriosa São Vicente. No ano seguinte de sua estreia, o jovem já entraria para a história do Santos.

O time da Vila Belmiro precisava vencer o Taubaté, em casa, para se sagrar campeão paulista. O Corinthians estava logo atrás na tabela, e a vontade com que o clube do Vale do Paraíba entrara em campo sugeriu uma senhora mala preta para os atletas da chamada Burra da Central. O empate em 1 a 1 até os 38 do segundo tempo não deixavam a torcida santista celebrar um título depois de vinte anos. Aí apareceu Pepe. Ele recebeu de Álvaro e, da meia-esquerda, disparou um petardo de esquerda, rasteiro, indefensável. Era o herói daquela conquista que daria início à era mais gloriosa do Santos. Pelé chegaria só em 1957 e entraria em um time já formado, bi-campeão, e que devia muito disso a José Macia.

Mas talvez o grande jogo de Pepe tenha sido a memorável virada propiciada por ele na segunda partida da final do Mundial Interclubes, em 1963. O Milan havia vencido o Alvinegro por 4 a 2 na ida e, na de volta, vencia por 2 a 0 até o intervalo. Sem Pelé e o capitão Zito, foi Pepe quem resolveu.

De um primeiro tempo com céu estrelado para uma torrencial chuva na segunda etapa. O Maracanã alagado, mesmo com 132 mil pessoas a favor do Santos, poderia ser a trincheira ideal para a forte defesa italiana com Maldini e Trapattoni. Mas não foi. A guerra começou a ser decidida com um petardo de Pepe, de falta, a 4 minutos. Aos 21, o Canhão voltou a funcionar e saía ali o quarto gol.

Menos de metade do segundo tempo e a base da seleção italiana, reforçada por Amarildo, o “possesso”, um dos heróis brasileiros de 1962, e Mazzolla, campeão do mundo em 1958, caía perante o Santos. Sem Pelé, sem Zito, sem Rildo, mas com Pepe, Almir, Coutinho, Lima…

E olha que Pepe quase não disputou a partida. Quem conta essa história é o próprio, que tive o prazer de entrevistar para a revista Fórum. E assim ele descreveu aquele momento decisivo para a história do Peixe:

Fórum O Santos sem Pelé, machucado, e você não ia jogar...

Pepe – A equipe precisava de mim, dos meus chutes e ele ia colocar o Batista, que jogava mais na armação. O Lula estaria preocupado porque o time do Milan era muito forte e ele queria fechar mais o meio. Quando o Dalmo me disse isso, falei: “vou dar um bico na bola e vou embora, vou pegar o primeiro trem”. Bem na hora da decisão com o Milan eu ia ficar de fora para entrar um jogador que nem é ofensivo?

Acabei ficando lá e quando deu 5 horas da tarde – o jogo era às 9¬–, fui chamado para um quarto da concentração. E lá estava o Lula, que me perguntou: “ô, ‘Bomba’, como é que tu está hoje?” Respondi: “estou bem, professor, pode contar comigo”. Acho que o Modesto Roma e o Nicolau Moran tiraram da cabeça dele a asneira que iria fazer, talvez, por conta daquela pontinha de vaidade. Aí joguei e, se eu não jogasse, realmente o resultado seria outro. Virei a partida, marquei o primeiro gol e aproveitei bem o campo molhado com meu chute forte, coisa que o Batista não tinha como aproveitar.

(A entrevista completa está aqui)

Já como técnico, Pepe foi o comandante do último título de Pelé no Santos, o Paulista de 1973. Foi autor de outra façanha ao dirigir a Inter de Limeira no primeiro título estadual de um clube do interior, transferindo-se no mesmo ano para o São Paulo e obtendo o campeonato brasileiro daquele ano. Apareceu bem ainda à frente da Portuguesa Santista em 2003, levando o time às semifinais do Paulista e revelando atletas como o volante Adriano, o atacante Rico e o meia Souza, que foram para o São Paulo logo em seguida.

No campo ou no banco, sempre campeão. E santista de alma. Neste dia 25 de dezembro, quando completa 74 anos, as sinceras homenagens do autor deste blogue e de toda a nação peixeira.

1 comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 60, Década de 70, Década de 80, futebol, História, Santos, Século 21