Arquivo da tag: Bruno Henrique

Atlético-PR 2 x 3 Santos – com “herança” de Dorival, Peixe vence fora de casa na Libertadores

Confira alguns pontos que levaram o Alvinegro à vitória e o que ainda precisa ser corrigido por Levir Culpi

Um triunfo de virada, na casa do adversário, e com três gols marcados em uma competição que dá peso distinto ao tento marcado no domínio rival. O Santos voltou da sua primeira partida pelas oitavas de final da Libertadores de 2017 com uma vantagem significativa, ainda que não seja o suficiente para já crava o Peixe nas quartas de final. Até a segunda partida do confronto, em 10 de agosto, uma quinta-feira, na Vila Belmiro.

É preciso ressaltar que um dos fatores que levou o time à vitória na Vila Capanema foi uma das variações táticas utilizadas por Dorival Júnior no campo ofensivo. Quando o time ataca, muitas vezes o lateral se desloca para o meio servindo como opção até mesmo para a finalização. Foi assim que surgiu o segundo gol do Santos, com Victor Ferraz finalizando livre de fora da área e contando com a falha de Weverton. É bom lembrar que o mesmo expediente deu a vitória à equipe no campeonato brasileiro, na partida contra o Botafogo, sob comando de Elano.

No entanto, é na parte defensiva, também pelos lados, que o Peixe encontra dificuldades, também desde a época em que Dorival Júnior era treinador do time. Como os ataques principais dos adversários em geral acontecem por ali, os torcedores costumam culpar diretamente os laterais pela debilidade defensiva, e nem sempre a culpa é deles. Victor Ferraz, nas redes sociais, foi acusado de não saber se posicionar taticamente. Pode-se falar (muitas vezes de forma equivocada) que ele não joga com vontade, que não sabe cruzar, que erra mais do que deveria etc e tal, mas seu jogo tático não é o problema.

Vejam abaixo onde está Ferraz nos dois gols sofridos pelo Santos ontem que, sim, foram pelo lado dele. Na disposição da equipe alvinegra, quando o time é atacado por um lateral adversário, quem tem a obrigação de fazer a marcação é o atacante que está atuando naquele lado no momento da partida.

Marcação do Santos contra o Atlético-PR

Atacantes chegam atrasados enquanto Victor Ferraz está na cobertura

Reparem que Sidcley, nos dois lances, avança sendo perseguido, primeiro por Bruno Henrique; depois por Copete. Ambos estão atrás do lateral e não conseguem impedir o cruzamento. Ferraz está na cobertura, fechando o espaço para o eventual avanço de um atacante por aquele lado ou mesmo para marcar o lateral caso passe e avance em direção à área.

Quando o adversário tem um lateral com características mais ofensivas e sabe avançar ou é rápido, esse tipo de marcação feita pelo Santos pode facilitar para o rival. O ideal seria deslocar um dos volantes para fazer a cobertura por ali. Mas esse é um problema do técnico, e não do jogador. E é o comandante que tem que ser cobrado.

Já no segundo gol do Atlético-PR é possível perceber que há, sim, uma falha do lateral. No caso, o esquerdo, Jean Mota. Enquanto os dois zagueiros guardam a pequena área, Rossetto, aberto pelo lado esquerdo da defesa santista, dentro da área, recebe sozinho. Era ali que deveria estar Mota, mas o ala peixeiro está à frente, observando o lance junto com Thiago Maia, que também poderia fazer tal marcação. No mano a mano, a tendência é os zagueiros sempre levarem a pior.

Marcação do Santos contra o Altético-PR

Jean Mota e Thiago Maia observam enquanto Matheus Rossetto domina e cruza

Barrando a principal arma ofensiva do Atlético, as jogadas combinadas com Sidcley, o Santos pode levar menos sufoco do que levou no jogo de volta. É bom lembrar também que tais avanços possibilitam explorar aquele lado, e o time de Levir soube explorar bem aquele lado no segundo tempo. Questão de sintonia fina.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Corinthians 1 X 0 Santos – O que fica da derrota

Segunda derrota em clássicos em um mês, com atuação apagada, pode levar torcedores a pensar que time será um fiasco na Libertadores. Mas avaliações precipitadas não costumam ser boas conselheiras…

O Santos saiu derrotado pelo Corinthians por 1 a 0 na noite deste sábado (5), no estádio rival, e mais uma vez deixou os torcedores irritados. Não à toa. Afinal, é a segunda derrota em dois clássicos em um mês, sendo que um deles foi disputado na Vila Belmiro e o resultado poderia até ter sido pior do que foi.

A reação nas redes sociais foi variada. Sempre é citada a falta de vontade dos jogadores quando uma equipe vai mal, e agora não foi diferente. Pessoas pedindo a cabeça do técnico nesse tipo de cenário também é um fato recorrente. Como diria Augusto dos Anjos, a mão que afaga é a mesma que apedreja. Não adianta lembrar que Dorival Júnior pegou o time na zona de rebaixamento do Brasileiro em 2015, muitos vão lembrar é que ele perdeu a oportunidade de levar o time à Libertadores no mesmo ano. O vice brasileiro, com uma campanha boa que não se via há muito tempo no ano passado, também não adianta como argumento. Torcedor quer resultado. E a cultura de troca de treinadores no Brasil faz com que os amantes dos clubes ajam desta forma.

Especificamente no jogo de ontem, o técnico tem culpa na derrota, assim como os jogadores. Dorival entrou em um 4-4-2, deixando de lado seu esquema com um zagueiro só e colocando dois defensores de ofício. Isso não livrou o time de sofrer com bolas aéreas, até porque um de seus principais problemas, a marcação das jogadas adversárias pelas laterais, continuou.

Santos perde para o Corinthians no Paulista 2017

Poucos momentos de perigo para o Santos (Foto: Ivan Storti/ Santos FC)

Culpa não só dos alas santistas, mas também dos posicionamento dos volantes. Contudo, no gol do Corinthians, há que se destacar não somente a falha de Cleber Reis, que viu Jô mas preferiu marcar a bola, mas também a ausência absoluta de Zeca na diagonal, fechando na área para fazer a marcação. Aliás, em 2017, o lateral-esquerdo santista, uma das principais peças do ano passado e dos mais talentosos jogadores brasileiros na sua posição, vem tendo um desempenho pífio atrás do outro. Contra o São Paulo, por exemplo, o pênalti cometido foi infantil, além de cometer erros na saída de bola tão graves quanto repetidos nos últimos jogos.

Na primeira etapa, o Santos chegou apenas uma vez com perigo ao gol rival, em uma bola enfiada por Thiago Maia para Kayke. Difícil atuar com um meio de campo que não cria ou não arma contra-ataques, o que torna óbvia a ausência de outro alvo de xingamentos da torcida, Lucas Lima. Vitor Bueno é, com muita boa vontade, discreto na mesma função, sendo incapaz de dar os passes longos que Lima costuma acertar no decorrer do jogo, fazendo a transição rápida em determinados momentos cruciais da partida.

O Peixe só atuou pelo lado esquerdo praticamente em todo o primeiro tempo, só na segunda metade do jogo que Bruno Henrique foi acionado. Mesmo sem contar com o auxílio de um mais que apagado Victor Ferraz, o meia-atacante deu trabalho para Arana, impedindo o lateral corintiano de apoiar o ataque. Se fosse mais acionado antes, talvez a história fosse outra.

É preciso lembrar também que o Alvinegro atuou com os desfalques de Vanderlei, Renato (no banco), Ricardo Oliveira e o já citado Lucas Lima. São jogadores fundamentais, pilares do Peixe e sem eles, há uma evidente ausência de lideranças no campo. O fato de Victor Ferraz ostentar a faixa de capitão mostra a carência da equipe nesse aspecto.

Os reforços ainda estão em fase de adaptação e, mesmo com resultados adversos, ainda é possível acreditar no Santos. O que não cabe é crer que a volta de um técnico com carreira em declínio, que já teve três passagens no clube, seja a solução para os problemas da Vila Belmiro. Paciência e bom senso são bem vindos.

2 Comentários

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Red Bull 2 X 3 Santos – vitória sofrida com arbitragem polêmica

Peixe sofreu no Pacaembu, com adversário fazendo um gol em impedimento e o Alvinegro desempatando com um outro tento irregular

Em partida válida pela segunda rodada do campeonato paulista, o Santos bateu o Red Bull Brasil por 3 a 2, em um jogo recheado de chances de lado a lado e com uma arbitragem bastante duvidosa.

O Santos começou pressionando o Red Bull em seu próprio campo, como se habituou a fazer na maior parte das partidas desde o ano retrasado, quando Dorival Júnior chegou ao clube. Sob o sol forte, a equipe buscou as beiradas para tentar surpreender o adversário, em especial pelo lado direito onde Lucas Lima e Victor Ferraz fizeram diversas combinações. Não à toa, o primeiro gol alvinegro saiu por ali, quando Lucas Veríssimo subiu ao ataque, no esquema de pressão treinado pelo time, resultando no cruzamento do ala santista e no gol de Vitor Bueno, aos 15.

A partir daí, o Peixe passou a dominar ações, com Rodrigão perdendo um gol incrível aos 25, depois de uma bela jogada de Lucas Lima. Dava até impressão que seria um jogo mais tranquilo, como foi na maior parte do tempo a goleada contra o Linense. Mas, assim como na partida de estreia do Paulistão, a zaga santista, quase na linha do meio de campo, não prestou atenção em Misael, que ganhou de ambos na velocidade e saiu na cara de Vladimir. Esse é um ponto que o time precisa aprimorar, até porque a decisão de fazer ou não a linha de impedimento ou encurtar a marcação depende do entendimento entre os homens da defesa.

santos vence red bull com gols polemicos

Rodrigão e Copete comemoram o segundo gol do Santos (Reprodução)

Um pouco pelo calor e outro tanto pela qualidade do Red Bull, uma equipe bem armada por Alberto Valentim, o Santos diminuiu o ritmo e passou a encontrar dificuldades no jogo, ficando menos com a posse de bola. Foi a genialidade de Lucas Lima que fez a equipe ir para o intervalo à frente no placar. Ele lançou de forma magistral Rodrigão, que não desperdiçou e conseguiu fazer o segundo santista.

Na etapa final, o Red Bull adiantou sua marcação, dificultando a saída de bola do Alvinegro. Criou uma chance real aos 10, quando Elton recebeu na cara de Vladimir mas finalizou na trave. Os “donos da casa” (já que o mando não era do Santos, embora a maciça maioria da torcida fosse alvinegra) se aproveitavam de espaços entre o meio de campo e a defesa peixeira, que logo se postou no 4-4-2 mais compacto para tentar evitas as investidas do adversário.

Aos 14, Léo Cittadini substituiu Leandro Donizete. O volante estreante sentiu o calor, errou alguns passes fáceis no início da partida e errou o tempo de bola em vários lances, mostrando que ainda precisa adquirir ritmo de jogo.

Uma outra estreia na partida foi a de Bruno Henrique, que entrou no lugar de Rodrigão aos 26, com Vitor Bueno indo para o comando de ataque. Abusando de faltas próximas à área e sofrendo principalmente pelo lado esquerdo da defesa, o time acabou sofrendo o gol de empate aos 36, com Nixon, em impedimento.

Dorival Júnior colocou Kayke no lugar de Bueno que, apesar do gol, foi mais uma vez pouco participativo na parte ofensiva. Com o ex-flamenguista no comando do ataque, Lucas Lima passou a cair mais pela direita, concentrando as jogadas de ataque por aquele lado. Nixon acertou a trave aos 46, e o Santos chegou ao gol da vitória aos 47, em um lance confuso. Kayke projetou o braço na bola e Saulo chegou a fazer a defesa, ficando a dúvida se a bola teria ou não entrado. A arbitragem deu um gol irregular, e mesmo assim o Red bull quase empatou com outra bola na trave aos 48.

O calor em um horário ruim para o futebol não permitiu que o Santos praticasse seu estilo de jogo mais intenso, com a equipe ficando espaçada em vários momentos da partida, lembrando ainda que a pré-temporada do adversário foi mais longa. Ainda assim, é preciso corrigir as falhas de posicionamento defensivo, falta entendimento entre Lucas Veríssimo e Yuri e a cobertura dos laterais precisa ser melhor combinada.

Confira abaixo os melhores momentos de Red Bull X Santos.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21