Arquivo da tag: Dorival Júnior

Brasileirão 2016 – O histórico de Santos e Fluminense

Times fazem partida decisiva nesta quarta (5). O histórico de confrontos entre ambos é equilibrado, mas Peixe tem ampla vantagem na Vila Belmiro

Mais decisão. Em partida válida pela 29ª rodada do campeonato brasileiro de 2016, o Santos enfrenta nesta quarta-feira (5) o Fluminense, às 21h, na Vila Belmiro. O Peixe está dois pontos à frente do Tricolor, e precisa da vitória não apenas para afastar um concorrente direto, mas também para se aproximar do G3, o que garante o acesso direto à fase de grupo da Libertadores.

O histórico de jogos entre os dois é bastante equilibrado, com uma vitória de vantagem para os cariocas. Segundo o Acervo Histórico Santos Futebol Clube, são 92 partidas, com 36 vitórias santistas, 37 tricolores e 19 empates. O Peixe fez 149 gols e levou 152. Na Vila Belmiro, no entanto, a história é outra. São 30 duelos, com 15 triunfos peixeiros, 8 empates e 7 derrotas.

Vanderlei goleiro santos selecao

Vanderlei, destaque do Brasileiro, é peça fundamental no Peixe (Ivan Storti/Santos FC)

Para o torcedor do Santos, obviamente que o encontro entre as duas equipes remete à semifinal do Brasileiro de 1995, uma partida épica do Alvinegro na qual Giovanni fez uma das maiores partidas que eu e muitos outros torcedores viu um jogador fazer com o manto sagrado. Vale a pena relembrar.

Prováveis escalações de Santos e Fluminense

Com Lucas Lima na seleção brasileira e Vitor Bueno ainda no departamento médico, Dorival Junior deve colocar em campo os meias Jean Mota e Vecchio. David Braz segue no lugar do também contundido Gustavo Henrique.

Já o Fluminense não conta com o goleiro Diego Cavalieri, que será substituído por Júlio César, e segue sem o lateral Jonathan, substituído por Wellington Silva.

Ficha técnica de Santos e Fluminense

Local: Vila Belmiro – Santos (SP)
Horário: 21h
Árbitro: Igor Junio Benevenuto
Auxiliares: Pablo Almeida da Costa e Celso Luiz da Silva – MG
Santos – Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, David Braz, Zeca; Thiago Maia, Renato, Jean Mota, Vecchio, Copete; Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Júnior.
Fluminense – Júlio César, Wellington Silva, Gum, Henrique e Willian Matheus, Pierre, Douglas, Cícero e Scarpa, Wellington e Marcos Junior.
Técnico: Levir Culpi.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Vitor Bueno e Renato comandam virada do Santos sobre o Corinthians

Mesmo sem jogar bem, Alvinegro Praiano consegue vitória crucial para continuar lutando na parte de cima da tabela do Brasileirão 2016

Quem viu o primeiro tempo da peleja entre Santos e Corinthians neste domingo (11), na Vila mais famosa, teve a impressão de que o Peixe continuaria em má fase. Afinal, desde malfadada mudança de mando de jogo contra o Flamengo, a equipe venceu o Atlético-MG, mas perdeu para o América-MG, Figueirense e Internacional. E na etapa inicial do clássico, nada indicava uma mudança. Sem Victor Ferraz, Lucas Lima e Ricardo Oliveira, o time sucumbia à marcação corintiana, dando um espaço incrível no meio de campo. A distância entre a linha ofensiva e os meias deixava um buraco onde os visitantes conseguiam desarmar e articular à vontade, castigando a defesa santista.

Renato fez o gol da virada santista. Para tristeza de Cássio e do Corinthians

Renato fez o gol da virada santista. Para tristeza de Cássio e do Corinthians

Foi assim que surgiu o gol da equipe paulistana. Pelo lado esquerdo, onde Zeca estava mal, mas em um lance que contou também com falhas de Renato e Gustavo Henrique. Com pouca movimentação no ataque, com Jean Mota mal e somente Vitor Bueno buscando o jogo, muitas vezes de forma improdutiva, o Peixe conseguia ter mais posse de bola, sem criar chances agudas. Enquanto isso, o Corinthians chegou a criar ao menos mais três chances de gol, exigindo grandes defesas de Vanderlei.

No segundo tempo, o panorama começou a mudar aos poucos. Dorival Júnior não mexeu de cara, mas alterou o posicionamento da equipe em campo. O Alvinegro voltou a marcar mais no campo adversário e os visitantes recuaram, dando espaço para o Peixe pressionar. Thiago Maia passou a atuar mais à frente e mesmo sem atuar bem, a mudança surtiu efeito, com os donos da casa mais atuantes na parte ofensiva. Acabou saindo para dar lugar ao argentino Vecchio, enquanto Cristovão Borges tirou o atacante Gustavo para promover a entrada do meia Marquinhos Gabriel. As duas propostas estavam clara: um iria tentar segurar o resultado e o outro buscar a virada.

O empate veio aos 24, com Wilson derrubando Luiz Felipe na área. Pênalti bem cobrado por Vitor Bueno, jovem que, mesmo quando joga mal, não tem como costume fugir da raia. Dorival, insatisfeito, jogou com as cartas que tinha, colocando Caju no lugar de Daniel Guedes e deslocando Zeca para a lateral esquerda. Embora contestado em geral pela torcida, o canhoto deu mais profundidade ao time, sendo que o substituto de Victor Ferraz também não conseguia grande eficiência no ataque.

A virada veio em cobrança de escanteio de Jean Mota, que subiu de produção na etapa final, e uma bela cabeçada de Renato, outro que não foi tão bem na partida. Ao final, o Santos conseguiu bater um rival direto pelo G4, elevando o moral da equipe, que precisava do triunfo. Vencer em jogar bem é algo necessário em um campeonato de pontos corridos. Ainda mais para quem almeja lutar na parte de cima.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Santos X Cruzeiro – chance de subir ainda mais na tabela do Brasileiro

Sem Lucas Lima, Alvinegro joga na Vila para colar de vez na briga pela liderança do Campeonato Brasileiro

dorival victor ferraz santos

Dorival Júnior não tem Lucas Lima, mas conta com o retorno de Victor Ferraz neste domingo (Foto: Ivan Storti/ Santos FC)

Santos e Cruzeiro fazem neste domingo (31), na Vila Belmiro, às 16h, em um duelo que pode dar ao Peixe até mesmo a liderança do Brasileirão, de acordo com uma combinação (difícil) de resultados ou marcar o início da recuperação dos mineiros, que terão a estreia de Mano Menezes no lugar de Paulo Bento. O Peixe está com 29 pontos, a três do líder Palmeiras e dois de Corinthians e Grêmio e os visitantes estão em penúltimo na tabela, com 15 pontos.

Os donos das casa não contarão mais uma vez com Lucas Lima. Desfalque no meio de semana na peleja contra o Gama, por conta de um edema na coxa esquerda, o meia segue em tratamento no departamento médico da Vila Belmiro. Assim, Dorival Júnior escala novamente  o argentino Vecchio na equipe nesta 17ª rodada do campeonato brasileiro. Já o lateral direito Victor Ferraz, ausente contra o Gama em função de dores musculares, retorna ao time. O treinador, obviamente, continua sem poder contar com o trio que vai disputar os Jogos Olímpicos.

Leia também:

O histórico de Santos e Cruzeiro – relembre cinco goleadas do Peixe sobre o rival

No século XXI, Santos tem histórico de goleadas contra o Cruzeiro

No Cruzeiro, o desfalque é o volante Henrique, que também atuou no Santos. Entre os relacionados do Alvinegro para a partida, em relação ao duelo contra o Gama a novidade é a volta de Jean Mota, que não pode disputar pela equipe a Copa do Brasil. Com o retorno do meia, o jovem Matheus Oliveira perde o lugar.

Em relação ao histórico de confrontos, as duas equipes fizeram 72 jogos, com 27 vitórias do Santos, 20 empates e 25 derrotas. Em Brasileiros, são 58 pelejas, com 21 triunfos alvinegros, 21 derrotas e 15 empates. Já na Vila, os donos da casa venceram onze vezes, perderam sete e empataram cinco.

Jogadores relacionados para o jogo contra o Cruzeiro

Goleiros: Vanderlei e Vladimir
Laterais: Victor Ferraz, Caju e Daniel Guedes
Zagueiros: Luiz Felipe, Gustavo Henrique, David Braz e Lucas Veríssimo
Volantes: Renato, Léo Cittadini, Yuri, Valencia e Fernando Medeiros
Meias: Vitor Bueno, Vecchio, Elano, Jean Mota e Longuine
Atacantes: Copete, Ricardo Oliveira, Rodrigão e Joel

Escalações de Santos e Cruzeiro

Santos – Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Caju; Renato, Léo Cittadini e Vecchio; Vitor Bueno, Copete e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior.

Cruzeiro – Fábio; Lucas, Bruno Rodrigo, Manoel e Edimar; Bruno Ramires, Ariel Cabral, Robinho e De Arrascaeta; Rafael Sobis e Willian. Técnico: Mano Menezes.

Local: Vila Belmiro, Santos (SP)
Horário: às 16h, no domingo (31)
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Eduardo Goncalves da Cruz (MS) e Fabio Rodrigo Rubinho (MT)

Onde assistir Santos X Cruzeiro

Premiere FC

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Santos X Gama – sem Lucas Lima, Peixe deve entrar com Vecchio para decidir vaga na Copa do Brasil

Além de não contar com o meia, Victor Ferraz também virou dúvida para a partida desta quarta-feira à noite na Vila Belmiro

Precisando vencer para seguir às oitavas de final da Copa do Brasil, o Santos tem um sério desfalque para a partida desta quarta-feira (27) contra o Gama. O meia Lucas Lima teve detectado um edema na coxa esquerda e já iniciou tratamento, não sendo ainda possível prever o seu retorno. Para a partida disputada às 21h45 na Vila Belmiro, Dorival Júnior pode optar pelo argentino Vecchio.

O meia argentino Veccio pode ser o substituto de Lucas Lima no jogo contra o Gama (Ivan Storti/Santos FC)

O meia argentino Veccio pode ser o substituto de Lucas Lima no jogo contra o Gama (Ivan Storti/Santos FC)

Outro que se tornou dúvida para a partida de hoje é o lateral direito Victor Ferraz. Nesta terça-feira (26), ele não participou do treino de campo e fez somente um trabalho de fortalecimento muscular. Caso não tenha condições de jogo, entre os relacionados o único jogador “de ofício” para a posição é Daniel Guedes.

Depois da peleja contra o Vitória, Dorival Júnior chegou a especular escalar uma formação mista para o duelo de hoje, mas desistiu da ideia. Já o Gama provavelmente vai repetir a formação titular do jogo de ida, tendo como única dúvida o atacante Roberto Pitio, artilheiro do time na competição com 4 gols. Ele teve um corte e levou seis pontos na perna direita, mas está entre os atletas que vieram para Santos.

Nos treinamentos da semana, o técnico Reinaldo Gueldini treinou finalizações, cobranças de falta e de pênaltis. Empate sem gols leva o jogo para as penalidades e empate com gols classifica a equipe do Distrito Federal para as oitavas de final da Copa do Brasil.

Confira abaixo os relacionados do Alvinegro e as prováveis escalações de Santos e Gama para o jogo de hoje. entre os convocados de Dorival, a novidade é o jovem meia Matheus Oliveira, de 19 anos, do sub-20 do clube.

 

Jogadores relacionados para o jogo contra o Gama

Goleiros: Vanderlei e Vladimir
Laterais: Victor Ferraz, Daniel Guedes e Caju
Zagueiros: Gustavo Henrique, David Braz, Luiz Felipe e Lucas Veríssimo
Volantes: Renato, Yuri, Valencia e Fernando Medeiros
Meias: Elano, Rafael Longuine, Léo Cittadini, Vitor Bueno, Vecchio e Matheus Oliveira
Atacantes: Ricardo Oliveira, Copete, Rodrigão e Joel

 

Escalações de Santos X Gama

Santos – Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Caju; Renato, Léo Cittadini, Vitor Bueno e Vecchio; Copete e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior.

Gama – Maringá; Dudu Gago, Pedrão, Murilo e Felipe Assis; Eduardo, David, Michel Pires e Jeferson Paulista; Pitio e Baiano. Técnico Reinaldo Gueldini.

Vila Belmiro, Santos (SP)
Quarta-feira (27), às 21h45
Árbitro: Diego Pombo Lopez – BA
Auxiliares: Luiz Claudio Regazone (RJ) e Fabiano da Silva Ramires (ES)

 

Onde ver Santos X Gama

Globo e Sportv

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Copete e Vitor Bueno fazem a diferença e Santos derrota o Vitória

Em partida emocionante, Peixe vence mais uma fora de casa e fica a três pontos do topo da tabela

Não foi um jogo fácil para o torcedor do Santos, já que o Alvinegro sofreu duas vezes o empate no decorrer da peleja, mas, no fim, o Alvinegro conseguiu mais uma importante vitória fora de casa, superando os desfalques do trio olímpico, assegurando a vaga no G4 e se aproximando dos líderes.

Dois nomes se destacaram no triunfo. Jonathan Copete participou dos três gols, sendo o autor da assistência do primeiro, fazendo o segundo, e iniciando o lance do terceiro. Além disso, mostrou disposição durante os 90 minutos, não deixando a peteca do time cair mesmo quando o cenário parecia nebuloso. É o tipo de atleta que contamina, no bom sentido, o resto da equipe. Além disso, como a equipe prioriza o jogo coletivo, por vezes os lances individuais podem ser necessários e nesse aspecto o colombiano não tem medo de chamar a responsabilidade.

´vitor bueno fez gol

Vitor Bueno marcou um e deu uma assistência. Fundamental contra o Vitória (Ivan Storti/Santos FC)

Outro destaque foi Vitor Bueno. Fez o primeiro do Santos e acreditou no lance do gol da vitória, dando assistência para Jean Mota. Uma atuação importante que o consolida como artilheiro santista na competição, com sete tentos, mas que, principalmente, aumenta sua autoconfiança já que vinha de uma sequência de partidas bastante apagadas. Com a ausência do trio olímpico, ele vai ter que aparecer.

Não se pode tirar o mérito também de Dorival Júnior. Nas redes sociais, muitos torcedores contestaram a opção de começar jogando com Léo Cittadini ao invés de Yuri, substituto natural de Thiago Maia. No entanto, a opção se dava pelo fato de a equipe, na partida contra o Gama, ter tido dificuldades para fazer a transição para o ataque com velocidade, penando também na saída da bola quando pressionada pelo rival. Yuri pode também dar essa contribuição, mas Cittadini fez a função em outras ocasiões e desempenhou bem o papel até cansar na etapa final. Algo, aliás, que ocorre com frequência, talvez pela exigência do papel que lhe cabe.

Leia também:

Em jogaço, Santos derrota o Vitória no Barradão por 3 a 2

O treinador também acertou nas mexidas. Tirou Ricardo Oliveira e Lucas Lima, com a entrada de Rodrigão e Fernando Medeiros, mais para poupá-los, já que não pode se dar ao luxo de perder atletas a essa altura. E também promoveu a entrada de Jean Mota, autor do gol da vitória, substituindo Cittadini.

De ponto negativo, fica mais uma vez a fragilidade da equipe na bola pelo alto. Tomou dois gols desta forma e o Vitória forçou por ali seu jogo, realizando 43 cruzamentos contra dez do Peixe. Mas, por outro lado, as jogadas aéreas funcionaram no ataque.

Lucas Lima mais uma vez não teve um desempenho à altura do que se espera, o que pode ser fruto de uma questão de condição física, mas as alternativas que Dorival propôs tem funcionado. Sempre no limite do elenco que o Santos tem. Empolga o torcedor, mas também é motivo para se preocupar.

2 Comentários

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Gama X Santos – Peixe entra com time misto em Brasília em jogo da Copa do Brasil

Dorival Júnior não levou Renato e Ricardo Oliveira com a delegação. Confira a provável escalação do Santos para a partida

Leia também:

Gama 0 X 0 Santos – “Misto frio” alvinegro decepciona em partida de ida da Copa do Brasil

O Santos entra em campo no Bezerrão, em Gama, Distrito Federal, para enfrentar a equipe local em jogo válido pela terceira fase da Copa do Brasil de 2016. A peleja está marcada para as 21h45 e não terá transmissão pela TV aberta. Nesta fase do torneio, não há mais chance de eliminação da partida de volta.

Dorival Júnior deve entrar com um time misto para o duelo, não tendo levado junto com a delegação o volante Renato e o atacante Ricardo Oliveira. Ambos devem dar lugar a Leo Cittadini ou Vecchio e Rodrigão. Quem também deve entrar como titular são o lateral Caju, o volante Yuri e o atacante Jonathan Copete. O time vai tentar quebrar o curioso tabu de nunca ter derrotado a equipe do Distrito Federal. Foram quatro partidas válidas pelo campeonato brasileiro, todas disputadas na casa do rival, com três empates e um vitória gamense.

Já o Gama chega ao jogo de hoje após disputar sua última partida oficial em 15 de maio, quando eliminou o ABC-RN da Copa do Brasil, depois de tirar outro clube potiguar, o ABC, da competição. Como ficou nas semifinais do campeonato brasiliense deste ano, não conseguiu vaga para disputar a Série D do Brasileiro e, agora, aposta suas fichas no único torneio oficial que lhe resta no ano. A classificação para a terceira fase já rendeu ao clube R$ 600 mil.

dorival junior, tecnico do santos

Dorival Júnior coloca um time misto em campo contra o Gama, em duelo da Copa do Brasil (Foto: Ivan Storti/Santos FC)

Confira abaixo as prováveis escalações das duas equipes:

Gama – Maringá; Dudu Gago, Pedrão, Murilo e Felipe Assis; Eduardo, Marlos, Marcos Baiano e Jeferson Paulista; Paulo Roberto e Maycon.
Técnico: Reinaldo Gueldini.

Santos – Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Caju; Yuri, Leo Cittadini (Vecchio), Vitor Bueno e Lucas Lima; Copete e Rodrigão.
Técnico: Dorival Júnior.

Local: Bezerrão, no Gama (DF)
Horário: 21h45

Árbitro: Adriano Milczvski (PR – CBF)
Assistentes: Ivan Carlos Bohn (PR) e Luciano Roggenbaum (PR – ASP – FIFA)

Onde ver Gama X Santos:

Sportv 2

1 comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Santos 3 X 1 Ponte Preta – Peixe faz a lição de casa e seca rivais no domingo

Em partida que marcou a volta de Ricardo Oliveira, Alvinegro garante permanência no G4 e torce contra os três times que estão acima na tabela do Brasileiro. Mesmo com vitória, Dorival Júnior desabafou e cobrou a diretoria: “Está na hora de pensarmos grande”

O Santos conseguiu uma vitória importante na noite de sábado (16), na Vila Belmiro, contra a Ponte Preta. Os 3 a 1 com gols de Victor Ferraz, Vitor Bueno e Gabriel garantiram a permanência do clube no G4 até o fim da rodada (salvo uma improvável vitória do Atlético-PR contra o Vitória por onze gols de diferença). Os santistas torcem neste domingo contra os três times que estão acima dele na tabela, Palmeiras, Corinthians e Grêmio, para chegarem mais perto do topo.

De acordo com o Footstats, o Santos trocou no total um passe a mais do que na partida contra o Palmeiras, 395, mas com quase metade dos erros do jogo anterior: foram 32 contra 60. Finalizou mais vezes na noite de sábado (12 X 9) e fez muito mais desarmes (23 certos contra 6).

Isso se explica pela diferença de contexto entre os dois duelos. No jogo contra o Alviverde, o Palmeiras exerceu durante a maior parte do tempo uma marcação atrás da linha da bola, se postando no próprio campo de defesa. Estando atrás do placar desde os 21 do primeiro tempo, o técnico Eduardo Baptista, da Ponte Preta, resolveu ousar e, no intervalo, substituiu o volante Matheus Jesus por Felipe Menezes, subindo a marcação do seu time. Os visitantes chegaram a levar algum perigo ao gol de Vanderlei, exigindo ao menos duas defesas difíceis na etapa final – uma delas enquanto estava 1 a 0 -, após tê-lo exigido somente em uma ocasião no primeiro tempo. Finalizaram ainda com perigo outras duas vezes, quando o Peixe já havia aberto uma vantagem maior.

Gabriel beija escudo após gol

Gabriel beija o escudo do Santos depois de seu gol, o terceiro da equipe. Despedida? (Foto: Ivan Storti/ Santos FC)

Mas a ousadia de Baptista acabou custando para seu time, mostrando o perigo que é buscar pressionar o Santos em seu próprio campo. O contra-ataque funcionou e Ricardo Oliveira mostrou que faz a diferença em sua volta. Primeiro deu assistência a Vitor Bueno, depois de receber bela enfiada de bola de Gabriel. No lance do terceiro gol, dividiu com a zaga fazendo com que a bola sobrasse para Gabriel fazer. Com ele, definitivamente o Peixe é outro, muito mais perigoso.

A Ponte conseguiu seu tento de honra no final, com Rodrigão perdendo uma oportunidade antes do apito do árbitro. Uma vitória importante contra um adversário direto pela vaga no G4. A escalada peixeira continua.

O desabafo de Dorival Júnior: “vamos buscar títulos ou buscarmos uma equipe nova a todo o momento?”

Depois da partida, o técnico Dorival Júnior contrariou seu habitual estilo comedido e cobrou uma postura da diretoria do Santos em relação a possíveis saídas de atletas na janela de transferências. Como a comemoração de Gabriel no terceiro gol do time teve toda pinta de despedida e ao menos dois observadores de times de fora, Barcelona e Borussia Dortmund, estiveram na Vila Belmiro para observar Lucas Lima, o comandante peixeiro se mostrou preocupado com sua equipe, que ainda vai sofrer com os desfalques certos do trio olímpico nas próximas pelejas.

“Se quisermos buscar algo melhor na competição, será com atuações como essas que tivemos nos últimos jogos. A produção que o Santos tem com todos os jogadores à disposição é muito forte. Agora sairão três jogadores (para as Olimpíadas). Não há como suprirmos isso sem tempo para prepararmos essas saídas. Os jogadores que temos podem até suprir essas ausências, mas a tendência é de encontrarmos dificuldades nas próximas partidas para mantermos o nível de atuação que estamos tendo”, disse Dorival.

Sobre Gabriel, ele ainda cobrou uma postura da diretoria. “É difícil falar que esse é o momento dele sair. Mas torço para que isso não aconteça nesse momento e espero que a diretoria pense nisso. Está na hora de pararmos de ter que montar a equipe durante a competição. Temos que pontuar o nosso torcedor para mostrar o que queremos: vamos buscar títulos ou buscarmos uma equipe nova a todo o momento? Está na hora de pensarmos grande. É preciso que o clube se posicione.” Ele está mais do que certo, o que o Santos quer nesse Brasileiro, afinal?

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Santos X Ponte Preta – Peixe joga para chegar perto dos líderes

Alvinegro conta com o retorno de Ricardo Oliveira para se manter no G4. Partida é a última com trio da seleção olímpica

O Santos entra em campo neste sábado (16), às 18h30 na Vila Belmiro, para se manter no G4 e tentar chegar mais perto do topo da classificação. A partida é a última do trio que vai disputar os Jogos Olímpicos do Rio, Gabriel, Zeca e Thiago Maia, mas o ingrediente principal é o retorno de Ricardo Oliveira, que ainda não disputou nenhuma partida pelo Santos no Brasileiro.

Pela competição, o time deve ficar sem os três da seleção olímpica, caso a equipe chegue na final, por cinco duelos, contra o Vitória (fora), Cruzeiro (casa), Flamengo (provavelmente em Cuiabá), América-MG (fora) e Atlético-MG (casa), além das partidas da Copa do Brasil. Nos próximos jogos, Dorival Júnior deve escalar Jonathan Copete, Yuri e Caju, embora Daniel Guedes jogue nas duas laterais e Victor Ferraz também se dê bem pelo lado canhoto, onde jogou em diversas partidas no ano passado.

Embora seja favorito, o Santos não deve ter vida fácil contra a Ponte Preta. O clube interiorano tem o mesmo número de pontos e vitórias que o Alvinegro Praiano, ficando atrás na classificação por conta do saldo de gols (-3 contra 11). Para hoje, a Ponte tem seis desfalques: Elton, Kadu, Felipe Azevedo, Renê Junior, Galhardo e João Vitor, e é no meio de campo que a equipe vai sofrer mais modificações. No setor, somente Matheus Jesus tem lugar assegurado por Eduardo Baptista, que pode promover as estreias de Wendel e Maycon, com Ravanelli completando o onze titular.

Ricardo Oliveira voltando

Ricardo Oliveira está com saudades. A torcida também (Ivan Storti/ Santos FC)

Histórico de confrontos Santos X Ponte Preta

Quando se leva em conta os confrontos entre Santos e Ponte, dois times já se enfrentaram em 125 oportunidades, sendo que o Peixe tem 69 vitórias, 24 empates e 32 vitórias. Levando-se em conta somente o campeonato brasileiro, o confronto tem equilíbrio, sendo 10 triunfos peixeiros, 9 da Ponte e 5 empates.

Contudo, quando joga na Vila Belmiro contra o rival de hoje, o Alvinegro venceu praticamente dois terços dos duelos. Em 61 pelejas, são 40 vitórias santistas, 10 empates e 10 derrotas.

Contra a Ponte, o Santos conseguiu fazer a maior goleada de sua história, 12 a 1 em 1959. Foram cinco gols de Coutinho e quatro de Pepe, em um jogo que não contou com Pelé. Aguinaldo fez dois, Mingão marcou um contra e os campineiros descontaram com Célio.

Possíveis escalações de Santos e Ponte Preta

Santos – Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Thiago Maia, Vitor Bueno e Lucas Lima; Gabigol e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior.

Ponte Preta – João Carlos; Jeferson, Douglas Grolli, Fábio Ferreira e Reinaldo; Matheus Jesus, Wendel, Ravanelli, Giva e Clayson; William Pottker. Técnico: Eduardo Baptista.

Deixe um comentário

Arquivado em Década de 50, futebol, História, Santos, Século 21

Palmeiras 1 X 1 Santos – empate no Allianz Parque traz Peixe de volta ao G4

Em partida válida pela 14ª rodada do Brasileirão de 2016, o Santos foi ao Allianz Parque e quebrou o aproveitamento de 100% do Palmeiras em casa, empatando em 1 a 1. Resultado leva o Alvinegro de volta à zona da Libertadores

O Santos conseguiu na noite desta terça-feira (12) um empate contra o Palmeiras no Allianz Parque, após ir para o segundo tempo perdendo por 1 a 0. O resultado trouxe a equipe de volta para o G4, a seis pontos do adversário.

Alguns comentaristas atribuíram o gol tomado pelo Santos, logo aos 6 minutos, ao fato de Cuca armar “blitzes” contra os rivais que atuam no Allianz Parque. Isso facilita, mas o tento não foi fruto de uma avalanche de ataque, e sim de um erro comum para o time na temporada. A bola aérea é um veneno para o Alvinegro, infelizmente, também um ponto alto do Alviverde. Assim, de um escanteio do lado esquerdo da defesa surgiu o gol de Mina, que subiu sem ser incomodado.

Com a forte marcação palmeirense nos lados do campo, não bastava apenas a troca do ala com o atacante que caísse por ali, exigindo uma aproximação maior dos meias. Contudo, Renato esteve muito recuado, Thiago Maia, perdido, e Lucas Lima com muito pouca movimentação, os visitantes demoraram a se encontrar na partida. Mesmo assim, no decorrer do primeiro tempo o Peixe foi equilibrando o jogo. Mas sempre errando no último passe, muito em função da postura do Palmeiras, que se fechou com as famosas duas linhas de quatro próximos à entrada da área. Isso fez com que, mesmo tendo quase 60% de posse de bola, o Peixe finalizasse somente uma vez, ou quase duas, se contarmos um cruzamento na área no qual faltou o toque de Lucas Lima no final da primeira etapa. Os donos da casa, apesar de terem finalizado, fora o lance do gol, quatro vezes, não exigiram uma defesa do goleiro Vanderlei.

Na volta para a segunda etapa, o Alvinegro voltou com mais movimentação, utilizando aquela troca constante de posições já apresentadas em outras pelejas. Lucas Lima fez uma dupla mais efetiva com Victor Ferraz e Gabriel transitou bastante pela meia. Foi o atacante que empatou a partida ao finalizar de fora da área e contar com um providencial desvio de Vítor Hugo, que tirou a bola do alcance de Fernando Prass.

Se já havia mantido uma maior posse de bola na primeira etapa, o Alvinegro ampliou ainda mais sua eficiência nesse quesito. De acordo com o Footstats, os visitantes terminaram o jogo com 62,3%, com 9 finalizações contra 11 dos donos da casa. E foi do Santos a maior chance do jogo, um contra-ataque rápido que Thiago Maia desperdiçou ao finalizar grotescamente, de dentro da área, para fora.

Muitos torcedores santistas nas redes sociais lamentaram o empate, já que o Peixe atuou melhor na etapa final e o Palmeiras parecia perdido em campo. Mas é bom lembrar que era um quadro parecido com o do duelo contra o Grêmio, e o resultado foi uma derrota em um embate direto. Justifica-se a cautela diante de uma equipe que é líder da competição e que obteve o recorde de público em seu estádio, no qual era 100% na competição, na noite desta terça. Na Vila, o Alvinegro pode vencer se mantiver o nível das últimas pelejas contra o Palmeiras.

gabigol do santos

Gabriel marcou, mas precisa se controlar (Santos FC)

O adversário valoriza o placar final

É bom ressaltar que, além dos desfalques que o Palmeiras teve logo de cara, sem Thiago Santos, Gabriel Jesus e Róger Guedes, o time sofreu ainda com duas substituições forçadas no primeiro tempo.

Mas, como diz a mídia esportiva, este seria o melhor elenco do Brasileiro, não? Entretanto, mostrou que não tem atacantes com características similares aos suspensos, o que já é uma deficiência, no mínimo, na montagem do elenco. Já o Santos não tem Ricardo Oliveira desde a final do campeonato paulista, teve a ausência de Gabriel e Lucas Lima durante diversos jogos. E, mesmo tendo em tese um elenco menos qualificado, conseguiu manter uma boa sequência. Ponto para Dorival Júnior.

Importante ressaltar que a equipe do Palmeiras, ao menos contra o Alvinegro, privilegiou bastante a marcação e conseguiu barrar boa parte das jogadas santistas pelo lado. Não à toa, Victor Ferraz errou o seu maior número de passes em toda a competição, 15, um a mais que no jogo contra o Atlético-PR, e Zeca, mesmo tendo igualado sua partida com menor quantidade de passes, 40 no total, errou seis.

Por conta também das circunstâncias do jogo, ficaram evidentes duas formas de atuar. O Santos manteve seu jogo de trocas de bola, alternando com contra-ataques rápidos que só deram as caras no segundo tempo. Foram 394 passes contra 206 do rival, que preferiu as bolas longas: 33 lançamentos contra 18 do Peixe.

Gabigol, não “Gabimarra”

Após um primeiro tempo apagado, em que se destacou mais pelo destempero, Gabriel, assim como todo o time, retornou melhor na etapa final. Fez o gol de empate, procurou compor o meio de campo e puxar contra-ataques, mas fez uma gracinha desnecessária ao tirar a bola do lugar em uma cobrança de falta do Palmeiras. Tomou uma bronca providencial do meia Renato. Precisa voltar ao planeta Terra.

1 comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Palmeiras X Santos – as prováveis escalações e o que esperar do jogo

Alvinegro quer impor primeiro revés do Alviverde em sua casa no Brasileirão. Copete pode ser novidade entre os titulares

 

Leia também:

Palmeiras X Santos – relembre cinco vitórias do Peixe fora de casa no “clássico da saudade”

Cinco vitórias memoráveis do Santos sobre o Palmeiras no “clássico da saudade”

 

Palmeiras e Santos fazem mistério em relação às escalações para a partida desta terça-feira (12), às 20h30, no Allianz Parque. O clube paulistano não contará com os suspensos Thiago Santos, Róger Guedes e Gabriel Jesus, havendo dúvidas ainda sobre a condição física de Tchê Tchê e Moisés. O técnico Cuca fez um treino secreto para esconder a provável escalação.

Dorival Júnior também realizou um treino secreto, no qual houve um episódio, no mínimo, pitoresco. Supostos espiões que filmavam o treino tático do time com canetas filmadoras. A principal mudança em termos de nomes pode ser a entrada do colombiano Jonathan Copete no lugar de Vitor Bueno.

Jonathan Copete no Santos

Jonathan Copete pode ser a novidade do Peixe (Ivan Storti/ Santos FC)

O Santos volta a ter entre os seus relacionados o zagueiro David Braz, que volta de contusão e recondicionamento físico, assim como o atacante Paulinho, que teve duas viroses.
Confira abaixo os relacionados do Peixe para o jogo e as possíveis escalações para hoje:

Veja a lista com os 23 relacionados para o clássico

Goleiros
Vanderlei e Vladimir

Laterais
Victor Ferraz, Zeca e Caju

Zagueiros
Luiz Felipe, Gustavo Henrique e David Braz

Meio-campistas
Renato, Elano, Thiago Maia, Yuri, Jean Mota, Vecchio, Valencia, Léo Cittadini, Vitor Bueno e Lucas Lima

Atacantes
Gabriel, Rodrigão, Joel, Copete e Paulinho

Palmeiras – Fernando Prass; Jean, Mina, Vitor Hugo e Zé Roberto; Matheus Sales, Arouca e Cleiton Xavier (Moisés); Erik, Dudu e Barrios. Técnico: Cuca

Santos – Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Thiago Maia, Vitor Bueno (Copete) e Lucas Lima; Gabigol e Rodrigão. Técnico: Dorival Júnior.

Local: Allianz Parque, São Paulo (SP)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO)
Auxiliares: Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (SP)

 

1 comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21