Arquivo da tag: Elano

Foi em um Santos X Flamengo… Há 5 anos, Neymar fazia gol histórico

Apesar da derrota alvinegra, gol de Neymar foi eleito em votação da Fifa o mais bonito de 2011. Relembre como foi essa obra de arte

Foi em um dia 27 de julho de 2011 que Neymar fez um golaço que lhe garantiu seu primeiro Prêmio Puskas, de gol mais bonito do ano, em votação realizada pela Fifa.

O jogo Santos X Flamengo aconteceu na Vila Belmiro e era uma partida válida pelo campeonato brasileiro daquele ano. Borges já havia marcado duas vezes para o Peixe àquela altura e, aos 26 da etapa inicial, Neymar ampliaria com uma pintura. Um lance em que saiu de dois marcadores, tocou para Borges passar de primeira, e seguiu adiante passando por mais dois marcadores, sendo o último, Ronaldo Angelim, driblado com um “rolinho” por baixo das pernas.

O tento só não seria mais festejado pela torcida porque, mesmo abrindo 3 a 0, o Santos permitiu a reação do Flamengo ainda no primeiro tempo, que terminou empatado em 3 a 3. Elano chegou a perder um pênalti com uma cavadinha infeliz, quando a peleja ainda estava 3 a 2 para a equipe da Vila. No final, o time rubro-negro, em grande apresentação de Ronaldinho Gaúcho, venceu por 5 a 4.

Mas o resultado são águas passadas. O que fica mesmo é o golaço do menino Neymar, que rodou o planeta. Relembre o lance antológico:

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Vitória X Santos – relembre quatro triunfos do Alvinegro contra o rival do jogo deste domingo

Os dois times que se enfrentam pela 16ª rodada do Brasileiro já fizeram final de Copa do Brasil em 2010. Em 2014, os palmeirenses comemoraram o gol de Thiago Ribeiro no triunfo santista no Barradão

Leia também:

Copete e Vitor Bueno fazem a diferença e Santos derrota o Vitória

Vitória e Santos jogam no fim da tarde deste domingo (24), às 18h30, no Barradão, em partida válida pela 16ª rodada do Brasileirão de 2016. O Alvinegro busca consolidar sua posição no G4 e a equipe baiana defende uma invencibilidade de seis partidas na competição.

No Brasileiro, o histórico dos confrontos entre os dois mostra vantagem do Peixe: são 15 vitórias, 9 derrotas e 7 empates. Contudo, quando se considera o estádio em que vai ser disputado o jogo, os baianos têm 7 triunfos, com 3 revezes e 1 empate.

O Santos, aliás, foi o adversário do Vitória na inauguração do Barradão, em 1986, amistoso disputado em 11 de novembro. O resultado foi um empate em 1 a 1, com Dino Furacão marcando o primeiro gol do estádio. Hêider, de pênalti, marcou o tento de igualdade dos donos da casa.

Relembre abaixo quatro triunfos do Peixe sobre o rival deste domingo:

1 – Santos 3 X 0 Vitória – Campeonato Brasileiro de 2002

A partida era válida pela 8ª rodada da primeira fase da competição e ambas as equipes tinham 10 pontos. O Alvinegro tinha sofrido uma derrota por 3 a 0 para o Internacional no Beira-Rio e a reformulação comandada pelo técnico Emerson Leão, que promoveu garotos da base e rejeitou medalhões oferecidos pela diretoria, era posta em dúvida. Mas naquela quinta-feira, na Vila Belmiro, os donos da casa não deram chance pro azar.

O centroavante Alberto fez dois e Robinho completou o placar contra os visitantes, à época comandados por Joel Santana. Naquele Vitória atuavam jogadores como o volante Dudu Cearense, o meia Allan Dellon e o já veterano Aristizábal.

2 – Santos 4 X 1 Vitória – Campeonato Brasileiro de 2004

Na campanha do título de 2004, o Peixe goleou o Vitória em duelo válido pela 32ª rodada da competição. O triunfo foi importante para que os alvinegros não deixassem o Atlético-PR escapar, já que ambos tinham 58 pontos e estavam empatados na liderança do campeonato.

Elano, Ricardinho e Robinho, duas vezes, fizeram pelo Alvinegro. Obina descontou para os rubro-negros. A partida também foi marcante pelo fato do técnico Hélio dos Anjos ter sido atingido por dois copos d’água, o que determinaria, mais à frente, a interdição da Vila Belmiro até o fim do Brasileiro.

3 – Santos 2 X 0 Vitória – Copa do Brasil 2010

Após tirar Atlético-MG e Grêmio da Copa do Brasil, o Alvinegro enfrentou pela final da competição o Vitória. A primeira partida foi na Vila Belmiro, tendo sido decisiva para o título, já que assegurou uma vantagem de dois gols.

Contudo, o Peixe poderia ter vencido por muito mais, tal seu volume de jogo. Paulo Henrique Ganso e André perderam duas grandes oportunidades cada um e Neymar perdeu um pênalti fazendo uma cavadinha. O próprio Neymar e o meia Marquinhos, de falta, fizeram os gols da peleja.

4 – Vitória 0 X 1 Santos – Campeonato Brasileiro de 2014

O Peixe já não tinha mais nada a fazer no Brasileiro e o time rubro-negro precisava vencer para se livrar do rebaixamento. Quem também estava na disputa para não cair era o Palmeiras, adversário direto dos baianos e que não saiu do empate contra o Atlético-PR no Allianz Parque.

Com o jogo terminando antes em São Paulo, os palmeirenses viam com apreensão o 0 a 0 no Barradão, já que um gol baiano rebaixava o Alviverde. Mas o Peixe, ao contrário do que a história já mostrou de várias partidas duvidosas do Trio de Ferro, não entregou para prejudicar o rival.

Nos minutos finais, Thiago Ribeiro marcou, fazendo a festa no estádio palestrino, com cenas de alegria, no mínimo, constrangedoras.

1 comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Gabriel fecha o ano como 7º maior artilheiro do Santos no século 21

No ano em que o Santos conquistou a tríplice artilharia, menino da Vila tira Ganso da lista dos dez maiores goleadores alvinegros do século 21. Ricardo Oliveira segue com média de gols superior à de Neymar com a camisa santista

Gabriel Barbosa, Gabigol

Gabriel iguala em 2015 desempenho da temporada de 2014 (Ivan Sorti/ Santos FC)

Após marcar 21 gols em seu ano de afirmação no Santos, em 2014, Gabriel Barbosa, o Gabigol, repetiu a dose em 2015 e voltou a fazer os mesmos 21 tentos da temporada passada. Somado a outros dois feitos em seu ano de estreia na Vila Belmiro, 2013, o atacante soma agora 44 gols com a camisa alvinegra em 126 partidas.

Isso o coloca como sétimo maior artilheiro do Peixe no século 21. Ele está à frente de Basílio (42 gols), André (41) e Diego (38). A marca de Gabigol acabou tirando da lista dos dez mais o meia Paulo Henrique Ganso, que anotou 36 gols em 148 partidas pelo Santos.

Já Ricardo Oliveira, artilheiro do Brasileiro e do campeonato paulista de 2015, fechou o ano com a expressiva marca de 37 gols em 62 pelejas. No total, ele tem 58 gols em 94 jogos com o manto santista, uma média de 0,617 gols por partida, superior à dos dois maiores artilheiros alvinegros do século 21, Neymar (0,6) e Kléber Pereira (0,601).

Oliveira ocupa a sexta posição na tabela dos goleadores deste século, ficando dois tentos atrás de Deivid e a oito de Elano.

Confira abaixo a lista atualizada dos principais artilheiros do Peixe no século 21:

1 – Neymar – 138 gols em 230 jogos

2 – Robinho – 111 gols em 253 jogos

3 – Kléber Pereira – 86 gols em 143 jogos

4 – Elano – 66 gols em 285 jogos

5 – Deivid – 60 gols em 140 jogos (não computados os feitos pelo atacante em 1999 e 2000)

6 – Ricardo Oliveira – 58 gols em 94 jogos

7 – Gabriel Barbosa 44 gols em 126 jogos

8 – Basílio – 42 em 116 jogos

9 – André – 41 gols em 94 jogos

10 – Diego – 38 gols em 133 jogos

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, futebol, História, Santos, Século 21

Freguesia continua: Santos nunca perdeu para o São Paulo em mata-matas no século 21

O Santos, com a vitória de hoje sobre o São Paulo e a eliminação do rival nas semifinais da Copa do Brasil, segue invicto em partidas eliminatórias contra o adversário no século 21. São nove triunfos e dois empates em sete confrontos.

No total, desde 2002, o Peixe se saiu melhor em uma Copa Sul-Americana, cinco Paulistas e uma Copa do Brasil. Nenhuma criança que participa do MasterChef Júnior, por exemplo, sabe o que é ver o Alvinegro ser superado pelo Tricolor em uma disputa eliminatória. Confira embaixo como foi cada duelo, com base neste post, que continua muito atual (ainda bem):

Brasileirão de 2002

O São Paulo terminou a fase inicial do campeonato no primeiro lugar e enfrentou o Santos, oitavo colocado. A equipe que tinha Ricardinho, Kaká, Reinaldo e Luís Fabiano, sob o comando de Oswaldo de Oliveira, já havia sido apelidada de “Real Madrid” do Morumbi por conta desse quarteto. Do outro lado, o Peixe tinha Diego e Robinho, em ascensão, um até então desconhecido Alberto na frente e Elano, que fazia as vezes de falso ponta no esquadrão de Emerson Leão.

Na primeira partida, na Vila Belmiro, 3 a 1 para o Alvinegro. Durante a semana que antecedeu o segundo jogo, nem a imprensa esportiva, tampouco algumas das principais figuras do clube paulistano, como Rogério Ceni e Ricardinho, acreditavam que o Santos mantivesse a vantagem. A receita era clara para os “especialistas”: se o Tricolor fizesse um gol logo no início do jogo, os meninos se enervariam e a vitória por dois gols de diferença, que classificaria os sãopaulinos, viria naturalmente.

Luís Fabiano marcou logo nos primeiros minutos, mas o Peixe não esmoreceu. Léo empatou a peleja e no final Diego deixou Ceni de joelhos e marcou o gol da vitória. Estava aberto o caminho do Santos para sair da fila e conquistar o Brasileiro de 2002.

Copa Sul-americana de 2004

O técnico campeão brasileiro de 2002, Emerson Leão, estava à frente da equipe do Morumbi no segundo semestre de 2004. Vanderlei Luxemburgo treinava o Santos e priorizava o campeonato brasileiro, onde a disputa com o Atlético-PR era cabeça a cabeça. Por conta disso, na primeira partida, na Vila Belmiro, o time da casa entrou com os reservas. Mesmo enfrentando os titulares tricolores, o Santos venceu por 1 a 0 com gol de Elano, que entrou aos 25 minutos do segundo tempo. Na ocasião, o Peixe atuou com Mauro, Leonardo, André Luís e Ávalos (Ricardinho); Paulo César, Fabinho, Bóvio, Preto Casagrande e Márcio (Léo 29 do 2.º); Marcinho e William (Elano). O São Paulo veio com Rogério Ceni, Alex Bruno, Lugano e Rodrigo; Cicinho, Alê (Gabriel), Renan, Danilo e Júnior (Souza); Nildo (Diego Tardelli) e Grafite.

Na partida a volta, no Morumbi, o empate em 1 a 1 assegurou a vaga para o Peixe. Rodrigo marcou para o São Paulo e Preto Casagrande fez o tento santista.

Campeonato Paulista de 2010

O Santos era o time-sensação do primeiro semestre mas, mais uma vez, parte da mídia esportiva e dos torcedores adversários colocavam em dúvida o desempenho do clube alvinegro, que poderia amarelar em uma semifinal. Como em 2002, os garotos não tremeram. O Santos venceu o São Paulo, no jogo de ida, no Morumbi, por 3 a 2, gol contra de Júnior César, André e Durval.

Na volta, na Vila Belmiro, um passeio: o Alvinegro venceu por 3 a 0, Neymar, por duas vezes, e Madson marcaram para o time da Vila. Ao final da disputa, o zagueiro Alex Silva desabafou: “O Santos engoliu a gente. Não jogamos nada, não merecemos a vitória. Deixamos eles criarem, principalmente pelas laterais.” Em 2010, os dois times jogaram cinco vezes, e o Santos venceu quatro e perdeu uma.

Campeonato Paulista 2011

Mais um capítulo da “freguesia” sãopaulina diante do Santos em partidas eliminatórias foi escrita no sábado. Leia mais aqui e veja o vídeo abaixo.

Campeonato Paulista 2015 – golaço de Geuvânio abre caminho da final
Bom, essa partida ainda está fresca na memória do torcedor peixeiro, e o gol de Geuvânio com certeza será lembrado por muito tempo, exemplo de velocidade e técnica. Também vale destacar o oportunismo de Ricardo Oliveira, artilheiro da equipe com dez gols no Paulista. A boa notícia para o Santos, além da vitória e da sétima decisão seguida, é que, desde 2008, quem bateu o São Paulo em uma semifinal de Paulista foi campeão, exceção feita a 2014, quando o Tricolor foi eliminado nas quartas de final.

Copa do Brasil 2015

Com um triunfo fora de casa no primeiro jogo por 3 a 1, a tarefa na Vila Belmiro foi facilitada. Duas vitórias por 3 a 1 marcaram a classificação peixeira, com Ricardo Oliveira fazendo três, Marquinhos Gabriel anotando dois e Gabriel fazendo o primeiro e decisivo tento no Morumbi. Veja os melhores momentos dos dois duelos.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Ricardo Oliveira já é o 6º maior artilheiro do Santos no século 21

Quando acertou seu retorno ao Santos no início de 2015, Ricardo Oliveira tinha uma posição modesta em relação aos maiores artilheiros do Peixe no século 21. Não exatamente por mau desempenho em sua primeira passagem pelo Alvinegro, em 2003, mas por ter sido um período curto. À época, o atleta disputou somente 33 jogos pelo time, tendo marcado 21 gols.

Com desempenho na atual temporada, Ricardo Oliveira entra na lista dos dez maiores artilheiros do Santos no século 21 (Foto: Ivan Storti/SantosFC)

Com desempenho na atual temporada, Ricardo Oliveira entra na lista dos dez maiores artilheiros do Santos no século 21 (Foto: Ivan Storti/SantosFC)

Apesar da boa média, a marca não o colocava entre os dez principais goleadores do clube no século, com o atacante ficando atrás de outros nomes do elenco alvinegro como Gabriel, Renato e Elano. Mas com o seu desempenho na temporada, na qual já marcou 25 gols em 44 partidas, além de quatro assistências, Oliveira pulou para o sexto posto na tábua dos matadores alvinegros no século.

No total, o “pastor” tem 46 gols em 76 jogos com a camisa peixeira. Foi artilheiro do campeonato paulista, é o artilheiro do Brasileirão 2015 com doze gols e também o goleador máximo da temporada no Brasil. A média de 0,613 é alta, superando, inclusive, a dos dois maiores goleadores desta lista: Neymar (0,6) e Kléber Pereira (0,601). Oliveira agora está a 16 tentos do quinto colocado, o atacante Deivid, hoje auxiliar de Vanderlei Luxemburgo no Cruzeiro, que tem 60 gols pelo Peixe, feitos em quase o dobro de jogos que Oliveira tem pelo clube, 140.

Confira abaixo a lista atualizada dos principais artilheiros do Peixe no século 21:

1 – Neymar – 138 gols em 230 jogos

2 – Robinho – 111 gols em 253 jogos

3 – Kléber Pereira – 86 gols em 143 jogos

4 – Elano – 66 gols em 285 jogos

5 – Deivid – 60 gols em 140 jogos (não computados os feitos pelo atacante em 1999 e 2000)

6 – Ricardo Oliveira – 46 gols em 76 jogos

7 – Basílio – 42 em 116 jogos

8 – André – 41 gols em 94 jogos

9 – Diego – 38 gols em 133 jogos

10 – Paulo Henrique Ganso – 36 gols em 148 jogos

1 comentário

Arquivado em Ídolos, futebol, História, Santos, Século 21

Ricardo Oliveira empata com Diego como 8º maior artilheiro do Santos no século 21

Com o gol feito contra o Corinthians, além de garantir a vitória em um clássico e a saída do Z-4, o atacante Ricardo Oliveira atingiu outro feito. Empatou com o meia Diego, campeão brasileiro de 2002, na oitava posição entre os principais artilheiros do Santos no século 21, com 38 gols.

Ricardo Oliveira tem média de gols superior à de Neymar (Ivan Storti/Santos FC)

Ricardo Oliveira tem média de gols superior à de Neymar (Ivan Storti/Santos FC)

No entanto, o atual nove alvinegro precisou de 61 partidas para atingir a marca, enquanto o meia precisou de 133. Mesmo levando-se em conta que ambos jogam em posições diferentes, é uma grande diferença. Já Paulo Henrique Ganso, que está atrás dos dois nesta tabela, fez 36 gols em 148 jogos pelo Santos. A média de Ricardo Oliveira, de 0,62 por partida, é superior às de Kléber Pereira (0,601) e Neymar (0,6).

Os números de Ricardo Oliveira no Santos impressionam. Em 2015, são 17 gols e 2 assistências em 29 jogos, tendo sido artilheiro do campeonato paulista e o atual goleador do Brasileirão, com cinco gols em oito duelos. Somente nos clássicos disputados até agora no ano, três partidas contra o São Paulo, três contra o Palmeiras e duas contra o Corinthians, o atacante balançou a rede contra todo o trio de ferro, sete gols em seis pelejas. Ou seja, além de goleador, é decisivo na hora que precisa ser.

Confira abaixo a lista atualizada dos dez maiores artilheiros do Santos no século 21:

1 – Neymar – 138 gols em 230 jogos

2 – Robinho – 111 gols em 253 jogos

3 – Kléber Pereira – 86 gols em 143 jogos

4 – Elano – 66 gols em 285 jogos

5 – Deivid – 60 gols em 140 jogos (não computados os feitos pelo atacante em 1999 e 2000)

6 – Basílio – 42 em 116 jogos

7 – André – 41 gols em 94 jogos

8 – Diego – 38 gols em 133 jogos

8 – Ricardo Oliveira – 38 gols em 61 jogos

10 – Paulo Henrique Ganso – 36 gols em 148 jogos

Deixe um comentário

Arquivado em Sem Categoria

O histórico de Santos e Cruzeiro – relembre cinco goleadas do Peixe sobre o rival

O histórico de confrontos entre Santos e Cruzeiro em campeonatos brasileiros é bastante equilibrado. São 70 jogos, com 25 vitórias de cada lado e 20 empates. Em Brasileiros, são 56 encontros, com 19 triunfos alvinegros, 21 derrotas e 15 empates. Na Vila, os donos da casa venceram dez vezes, perderam sete e empataram cinco.

Com todo esse equilíbrio, algo que não falta no confronto entre os dois é gol. No geral, são 117 gols alvinegros e 106 cruzeirenses, média de 3,23 por peleja. Dirceu Lopes é o artilheiro do duelo com oito gols, vindo em seguida Tostão e Pelé, com seis, e os santistas Toninho Guerreiro e Neymar, com cinco cada.

Em goleadas, a maior aplicada pelo Peixe foi em 1929, na primeira peleja entre ambos, 7 a 3, e o maior triunfo mineiro foi em um dos jogos da final da Taça Brasil de 1966, 6 a 2. Mas como este é um espaço santista, confira abaixo cinco goleadas alvinegras contra o rival:

Campeonato Brasileiro de 1983 – Santos 5 X 0 Cruzeiro

As duas equipes se enfrentaram pela segunda fase do Brasileirão daquele ano. Para entender a fórmula: eram 40 times na fase inicial, divididos em oito grupos, sendo que os três primeiros de cada um, mais quatro vindos da repescagem e outros quatro da Taça de Prata iam para a segunda fase. Formavam-se oito grupos de quatro clubes, classificando-se os dois primeiros de cada um. Fácil não?

Mas fácil mesmo foi a vitória peixeira sobre os rivais, um 5 a o no Morumbi, com direito a triplete (ou hat trick) de Serginho Chulapa, com Serginho Dourado (também chamado de Serginho Segundo) e Paulo Isidoro completando a goleada. No segundo tempo, mesmo com os mineiros atuando com apenas oito jogadores – Joãozinho, Palhinha e Osires foram expulsos – o Peixe tirou o pé evitando uma humilhação maior.

Naquela competição, o Alvinegro, comandado por Chico Formiga, chegou à final, sendo vice-campeão, e Serginho Chulapa foi o goleador máximo com 22 gols.

Campeonato Brasileiro de 1991 – Santos 4 X 0 Cruzeiro

O Santos não fez um grande campeonato no Brasileiro de 1991, terminando em 8º lugar, com sete vitórias, cinco empates e sete derrotas. Apenas os quatro primeiros se classificavam para a fase final. O Cruzeiro, porém, foi ainda pior, e ficou em 16º, a quatro pontos da zona de rebaixamento em uma época em que a vitória valia dois pontos e que só dois clubes caíam. O Brasil veria depois do fim do campeonato mais uma virada de mesa para salvar o Grêmio, penúltimo colocado à ocasião com meros doze pontos em 19 partidas.

Na competição de turno único, o Peixe enfrentou o Cruzeiro na Vila Belmiro e os mineiros se deram mal. Um 4 a 0 com gols de quatro jogadores que deixaram boas lembranças para o torcedor, embora nenhum deles tenha ganho título pelo clube. Sergio Manoel, Almir, Paulinho McLaren e Edu Marangon, comandados por Cabralzinho, técnico vice-campeão de 1995, anotaram naquele 8 de abril.

Paulinho McLaren foi o artilheiro daquele campeonato, com 15 gols.

Campeonato Brasileiro de 1994

Mais um regulamento diferente naquela competição. Eram 24 clubes divididos em quatro grupos de seis e os quatro primeiros de cada um se classificavam para formar, na segunda fase, dois grupos de oito clubes cada. Os campeões de cada um desses grupos no turno e no returno iam para as semifinais, além dos dois melhores na classificação geral dessa fase e outra dupla vinda da repescagem.

Na primeira fase, o Peixe ficou em segundo no grupo C e foi na penúltima rodada que pegou o Cruzeiro na Vila. Os donos da casa venceram por 4 a 1, com dois tentos de Macedo, artilheiro da equipe na competição com oito gols, um de Ranielli e outro de Guga. Cleison marcou para o time mineiro, eliminado na primeira fase e quase rebaixado na repescagem, quando terminou com o mesmo número de pontos que o Remo, mas com dois gols a mais de saldo.

O Alvinegro, que tinha naquela partida contra o Cruzeiro tinha Serginho Chulapa como treinador, foi para a segunda fase e por pouco não alcançou as quartas de final. No returno, ficou a um ponto do campeão de seu grupo, o Botafogo, e também a um ponto do Bahia, que passou de fase em função da classificação geral.

Campeonato Brasileiro de 2002 – Cruzeiro 1 X 4 Santos

Os dois times se enfrentaram na primeira fase do campeonato que tirou o Santos do jejum de quase 18 anos sem títulos importantes. A partida foi no Mineirão, e os visitantes viraram o primeiro tempo batendo os mineiros por 2 a 0, tentos anotados por Elano e Andre Luis. Elano marcou de novo na última etapa e Robinho fechou a goleada. Joãozinho descontou aos 41, fazendo o gol de honra dos donos da casa.

Aquele inesquecível Brasileirão foi o último disputado antes da era dos pontos corridos. O Peixe terminou a primeira fase, disputada entre os 24 participantes em turno único, na oitava colocação, tendo o direito de enfrentar o primeiro colocado, o São Paulo. Curiosamente, o Cruzeiro ficou empatado com o Peixe em número de pontos, mas com oito gols a menos de saldo. Aí fica importância que teve essa partida, no fim das contas, decisiva para o caminho do triunfo peixeiro.

Alberto foi o artilheiro do Peixe, dirigido por Emerson Leão, no Brasileiro daquele ano, com 12 gols, vindo em seguida Diego e Robinho, dez cada, e Elano, nove.

Campeonato Brasileiro de 2012 – Cruzeiro 0 X 4 Santos

Com o Mineirão sendo reformado para a Copa do Mundo de 2014, o Cruzeiro mandou sua partida contra o Santos no Independência, estádio do América que virou casa do Atlético na Libertadores de 2013. Com uma atuação que refletiu a campanha celeste naquele ano, que por pouco não terminou com o rebaixamento do clube, os donos da casa apanharam feio.

A peleja foi para o segundo tempo com o Alvinegro vencendo por 2 a 0, gols de Neymar. Felipe Anderson, fazendo aos 7 da segunda etapa, matou qualquer possibilidade de reação dos mineiros e Neymar, aos 36, completou seu hat trick, tendo ainda dado a assistência no terceiro tento. Vitória da equipe de Muricy Ramalho.

Nessa partida, um fato curioso. Após o quarto gol, feito com uma bela jogada do argentino Miralles, a torcida do Cruzeiro passou a gritar o nome de Neymar, em um misto de reconhecimento e protesto contra a própria equipe. Confira no vídeo abaixo.

Leia também:

Santos X Cruzeiro – hora de arrancar no Brasileiro

3 Comentários

Arquivado em Década de 80, Década de 90, futebol, História, Santos, Século 21

Tabu permanece: no século XXI, Santos não sabe o que é perder para o São Paulo em eliminatórias

Com a vitória de ontem (19) sobre o São Paulo na semifinal do Campeonato Paulista de 2015, o Santos segue sem perder para o rival em jogos eliminatórios neste século. Foram seis encontros, um válido pelo Campeonato Brasileiro, outro pela Sul-americana e quatro duelos pelo Paulistão. No total, são sete triunfos alvinegros e dois empates.

Confira abaixo como foram as partidas eliminatórias entre Santos e São Paulo neste século, com informações deste post anterior que, ainda bem, continua atual…

Brasileirão de 2002 – batendo o “Real Madrid do Morumbi”

O São Paulo terminou a fase inicial do campeonato no primeiro lugar e enfrentou o Santos, oitavo colocado. A equipe que tinha Ricardinho, Kaká, Reinaldo e Luís Fabiano, sob o comando de Oswaldo de Oliveira, já havia sido apelidada de “Real Madrid” do Morumbi por conta desse quarteto. Do outro lado, o Peixe tinha Diego e Robinho, em ascensão, um até então desconhecido Alberto na frente e Elano, que fazia as vezes de falso ponta no esquadrão de Emerson Leão.

Na primeira partida, na Vila Belmiro, 3 a 1 para o Alvinegro. Durante a semana que antecedeu o segundo jogo, nem a imprensa esportiva, tampouco algumas das principais figuras do clube paulistano, como Rogério Ceni e Ricardinho, acreditavam que o Santos mantivesse a vantagem. A receita era clara para os “especialistas”: se o Tricolor fizesse um gol logo no início do jogo, os meninos se enervariam e a vitória por dois gols de diferença, que classificaria os sãopaulinos, viria naturalmente.

Luís Fabiano marcou logo nos primeiros minutos, mas o Peixe não esmoreceu. Léo empatou a peleja e no final Diego deixou Ceni de joelhos e marcou o gol da vitória. Estava aberto o caminho do Santos para sair da fila e conquistar o Brasileiro de 2002.

Copa Sul-americana de 2004 – os reservas do Peixe triunfaram

O técnico campeão brasileiro de 2002, Emerson Leão, estava à frente da equipe do Morumbi no segundo semestre de 2004. Vanderlei Luxemburgo treinava o Santos e priorizava o campeonato brasileiro, onde a disputa com o Atlético-PR era cabeça a cabeça. Por conta disso, na primeira partida, na Vila Belmiro, o time da casa entrou com os reservas. Mesmo enfrentando os titulares tricolores, o Santos venceu por 1 a 0 com gol de Elano, que entrou aos 25 minutos do segundo tempo. Na ocasião, o Peixe atuou com Mauro, Leonardo, André Luís e Ávalos (Ricardinho); Paulo César, Fabinho, Bóvio, Preto Casagrande e Márcio (Léo 29 do 2.º); Marcinho e William (Elano). O São Paulo veio com Rogério Ceni, Alex Bruno, Lugano e Rodrigo; Cicinho, Alê (Gabriel), Renan, Danilo e Júnior (Souza); Nildo (Diego Tardelli) e Grafite.

Na partida a volta, no Morumbi, o empate em 1 a 1 assegurou a vaga para o Peixe. Rodrigo marcou para o São Paulo e Preto Casagrande fez o tento santista.

Campeonato Paulista de 2010 – os meninos da Vila que não tremem

O Santos era o time-sensação do primeiro semestre mas, mais uma vez, parte da mídia esportiva e dos torcedores adversários colocavam em dúvida o desempenho do clube alvinegro, que poderia amarelar em uma semifinal. Como em 2002, os garotos não tremeram. O Santos venceu o São Paulo, no jogo de ida, no Morumbi, por 3 a 2, gol contra de Júnior César, André e Durval.

Na volta, na Vila Belmiro, um passeio: o Alvinegro venceu por 3 a 0, Neymar, por duas vezes, e Madson marcaram para o time da Vila. Ao final da disputa, o zagueiro Alex Silva desabafou: “O Santos engoliu a gente. Não jogamos nada, não merecemos a vitória. Deixamos eles criarem, principalmente pelas laterais.” Em 2010, os dois times jogaram cinco vezes, e o Santos venceu quatro e perdeu uma.

Campeonato Paulista 2011 – Muricy desclassificou seu ex-time

Mais um capítulo da “freguesia” sãopaulina diante do Santos em partidas eliminatórias foi escrita no sábado. Leia mais aqui e veja o vídeo abaixo.

Campeonato Paulista 2012 – um hat-trick de Neymar

Na partida única que definiu uma das semifinais do campeonato paulista de 2012, disputada no Morumbi, Neymar não tomou conhecimento do Tricolor. Mais uma vez, tirou o lateral-direito Piris para dançar e marcou logo aos três minutos de partida, fazendo de novo aos 31 do primeiro tempo. Mesmo quando o São Paulo diminuiu com gol de Willian José na etapa final, o moleque maravilhoso fez questão de não dar esperanças ao rival, marcando o terceiro dele e do Peixe, carimbando o que era àquela altura a quarta final consecutiva do clube na competição. O time seria campeão sobre o Guarani na final.

Campeonato Paulista 2015 – golaço de Geuvânio abre caminho da final

Bom, essa partida ainda está fresca na memória do torcedor peixeiro, e o gol de Geuvânio com certeza será lembrado por muito tempo, exemplo de velocidade e técnica. Também vale destacar o oportunismo de Ricardo Oliveira, artilheiro da equipe com dez gols no Paulista. A boa notícia para o Santos, além da vitória e da sétima decisão seguida, é que, desde 2008, quem bateu o São Paulo em uma semifinal de Paulista foi campeão, exceção feita a 2014, quando o Tricolor foi eliminado nas quartas de final.

Confira a lista de jogos entre os dois desde 2001 aqui. No total, em partidas entre Santos e São Paulo jogadas na Vila Belmiro, foram 92 pelejas com 44 vitórias santistas, 21 empates e 27 derrotas, 155 gols a favor e 123 contra. Em jogos válidos pelo Paulista na Vila são agora 52 jogos, com 25 vitórias alvinegras, 14 empates e três derrotas, 95 gols a favor e 75 contra.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Santos pós-Enderson muda pouco e bate o Botafogo

Já era esperado que, após a demissão de Enderson Moreira na semana passada e com pouco tempo para treinar a equipe, o auxiliar técnico Marcelo Fernandes, interino no comando do Santos, não mudaria a forma da equipe jogar. Seguiu no 4-3-3 que varia para um 4-2-3-1 do comandante anterior, promovendo Gabriel, no lugar do suspenso Robinho, e Gustavo Henrique, em lugar do também suspenso David Braz.

A Providência, nesse caso, já ajudou o interino, que não teve problema para colocar os dois garotos em campo. A relação deles (mas não só deles) com o técnico anterior teria sido um dos estopins que provocou sua saída. Aliás, treinadores que têm problema com a base do clube ou com suas joias, em geral, se dão mão na Vila, seja com qual diretoria for. Dorival Júnior saiu após insistir em uma punição excessiva ao então menino Neymar, enquanto um dos motivos para a demissão de Muricy foi o fato de aproveitar poucos os garotos das divisões de baixo.

Em campo, se Gustavo Henrique não comprometeu, Gabriel teve uma atuação mais que apagada. O que, aliás, tem sido uma constante desde o segundo semestre do ano passado. Embora continue nas graças da torcida, o garoto fez um Sul-Americano sub-20 bastante discreto, passando boa parte do tempo no banco, e também amargou a reserva na Vila.

Outro jovem que não atuou bem, também mais uma vez, foi Geuvânio. Este é um que não pode reclamar do técnico demitido do Peixe. Encostado por Oswaldo de Oliveira, chegou em algumas partidas a sequer sentar no banco, sendo “recuperado” por Enderson. No entanto, seu nível voltou a cair após um início promissor no Paulista.

Mas a estrela do dia foi Ricardo Oliveira. A condição física do atacante vinha melhorando e, junto, a condição técnica também, partida a partida. Se faltavam gols para coroar suas boas atuações, no jogo contra o Botafogo eles vieram em dose dupla, além de uma assistência de cabeça que redundou no primeiro gol dos 3 a 0 feitos pelo Peixe. Na ausência de Robinho, foi ele quem comandou o ataque e chamou a responsabilidade da partida. E não decepcionou.

Se houve uma mudança de Enderson para Marcelo Fernandes foi na entrada de Elano. O ex-técnico vinha colocando o meia como um segundo volante na etapa final, posicionando-o ao lado de Renato. Desta vez, ele entrou mais adiantado, fazendo a ligação com o ataque mais próximo do gol adversário. A tendência é que renda mais também.

1 comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Robinho brilha de novo, mas Santos expõe defeitos contra o Linense

Com outra apresentação brilhante de Robinho, o Santos superou o Linense por 4 a 2 no Pacaembu, na noite deste domingo. E, mais uma vez, a atuação do atacante, que marcou dois gols e realizou uma assistência, acabaram ofuscando algumas falhas reincidentes do time de Enderson Moreira. O problema crônico da falta de compactação da equipe segue, mas algumas situações de jogo podem, na prática, ajudar a identificar onde estão as lacunas de um elenco que ainda precisa se reforçar para a sequência do ano.

Antes de qualquer coisa, não concordo com boa parte dos torcedores que crucifica o atual técnico do Santos, que não é perfeito, mas também não é pior do que a média de “professores” dos clubes grandes do Brasil. Ele conseguiu montar uma equipe com três atacantes, havendo uma mobilidade interessantes entre eles, embora um, Geuvânio, tenha a função de marcar até certo ponto um lado do campo, enquanto Lucas Lima faz a mesma coisa do lado contrário.

O esquema conta ainda com laterais que, em boa parte do tempo, são menos alas e mais zagueiros, o que garante solidez à defesa santista e libera quem sabe atacar para fazer o que sabe. Um volante mais de um lado e um segundo do outro, ainda que Renato tenha prioridade para avançar um pouco mais que seu companheiro, seja ele Alison, Valencia ou Lucas Otávio.

É nas variações do esquema, em função do elenco desigual que tem, que Enderson se perde. Algo recorrente, por exemplo, é a troca do primeiro volante por Elano a certa altura do segundo tempo. Em tese, a troca melhoraria o passe no meio de campo em momentos no qual o time pode contra-atacar, mas o fato é que o sistema não tem funcionado. Contra o Linense, por exemplo, mesmo que o colombiano Valencia não seja uma Brastemp, sendo lento e muitas vezes pouco produtivo no desarme, Elano marca ainda menos, e se o Linense já tinha certa vantagem no enfrentamento com o meio de campo peixeiro antes de sua entrada, a situação piorou. E o time do interior conseguiu diminuir a vantagem de 3 a 0 dos donos da casa para 3 a 2.

O panorama piorou tanto que o treinador santista teve que corrigir sua equivocada modificação, colocando um volante de ofício, Lucas Otávio, no lugar de Geuvânio. Recompôs a marcação, controlando melhor a partida, e afastou qualquer possibilidade de empate do Linense quando colocou Gabriel em campo, que deu a assistência para Robinho fechar o placar. O meio é o carma de Enderson e é nesse setor que novas alternativas deveriam ser pensadas.

Fora isso, é preciso falar sobre Robinho. Podem dizer que o atacante tem jogado bem porque tem atuado contra times menos qualificados. É um fato, mas poucos questionam isso quando o autor da proeza é, por exemplo, Alexandre Pato ou outro similar. O que poucos podem negar é que o Sete do Peixe é um dos poucos atacantes atuando no país que pode matar uma bola longa com qualidade, articular o jogo quando recua para a meia, partir em velocidade sem deixar de pensar como alguns velocistas de outrora ou de hoje, e ainda dar toques de primeira para companheiros. Faz a diferença. E, em um time mais entrosado e com um meio de campo de mais qualidade, pode liderar o Santos rumo a títulos.

1 comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21