Arquivo da tag: Elano

O Tri da Libertadores, dois anos depois

Hoje, 22 de junho de 2013, faz dois anos que o Santos foi campeão da Libertadores pela terceira vez, sendo, junto com o São Paulo, o maior vencedor brasileiro do torneio. Abaixo, vai o texto publicado no Futepoca sobre aquela dia, um dos mais felizes dos santistas nos últimos tempos:

Poderia ter ido ao Pacaembu, ver junto de amigos queridos e de outros tantos desconhecidos que se tornam amigos num momento mágico como o de noite de ontem a final da Libertadores. Mas, por questões logísticas, teria que abrir mão de assistir à decisão com a pessoa que despertou meu interesse pela história do glorioso Alvinegro Praiano, assim como não poderia contar com outros familiares que sofreram e se alegraram comigo durante anos em estádios, diante da TV ou mesmo do lado de um rádio, em tempos idos.
Gostem ou não, ele é fora de série
Não é todo dia que se tem a oportunidade de saber, de antemão, que em determinado dia e horário a história será escrita. E, por conta disso, a minha opção não poderia ser outra. Estava ali, a menos de quatro quilômetros do Paulo Machado de Carvalho, sofrendo a ansiedade que já vinha de dias anteriores, que me fez acordar antes das quatro da manhã de ontem, que dominava o pensamento em cada minuto da quarta-feira.
E a ansiedade se somava ao nervosismo após ao apito inicial. O dito renascido futebol uruguaio mostrava toda sua ênfase na defesa, com um time que não conseguia sequer finalizar ao gol rival. O lance solitário (que não levou perigo) do Peñarol na primeira etapa surgiu de sua estrela, Martinuccio. O meia, aliás, foi dominado pela marcação de um jogador limitado tecnicamente, mas que parecia ter sido preparado para um jogo de paciência de 180 minutos, onde não lhe era dado o direito de se desconcentrar por um segundo sequer. Mas, além da concentração absoluta, Adriano partilhava com seus companheiros aquele algo mais, a obstinação que passa confiança ao torcedor, o toque de raça que é típico de campeões.
Danilo, quatro gols na Libertadores: o menino cresceu
As chances alvinegras apareciam. Com Durval, de cabeça; nos pés de Elano, em duas bolas rebatidas por Sosa; e com Léo, que com o pé direito mandou pra fora a melhor oportunidade peixeira na etapa inicial. Mas o gol só viria no segundo tempo, em lance lapidar. Ganso deu o toque de letra para Arouca, quase que indicando para o volante, o melhor do Brasil, “vai por ali”. Ele escapou de uma falta, escapou de duas,e deu o passe para Neymar. O atacante não dominou para driblar, finalizou de primeira, e a bola fez talvez a única trajetória possível para morrer nas redes: passou rente ao pé do defensor uruguaio, entre a trave o goleiro. Chute forte, com efeito, rasteiro. De goleador, de um fora de série.
Curioso que muitos “desculpem” Mano Menezes pela seleção não poder contar com Ganso, mas não tem a mesma parcimônia com Muricy Ramalho. Com o Dez de volta, e mais Léo, o treinador pôde armar um esquema que tinha uma saída de bola com mais qualidade, com uma fluência melhor na transição da defesa para o ataque, permitindo que o talento de quem tem talento pudesse aparecer. E apareceu.
Coube a Neymar iniciar de novo a jogada do segundo tento. Ele recebeu pela esquerda, soube segurar a bola e inverter o jogo, fazendo a redonda chegar a Elano, que acionou a Danilo. O lateral limpou e finalizou com a perna que “não é a boa”, a canhota. E marcou seu quarto gol na Libertadores. Outros gols poderiam ter surgido, mas Zé Love, o inacreditável, perdeu oportunidades mais que douradas.
O craque e o líder
No fim, um gol uruguaio quase obra do acaso, um tento contra de Durval, um dos pontos de apoio do time no torneio. Mas o Peñarol, que abdicou de jogar futebol durante quase toda a partida (por vocação e opção), não tinha forças para ser o Once Caldas de 2004 redivivo. E, diga-se, o sofrimento para o torcedor veio por ser uma decisão, não por qualquer “opção defensivista do comandante. Aqui tem trabalho, mas ontem o que teve mesmo foi futebol, meu filho!
– Esperei 48 anos por isso, você esperou menos – disse meu pai, depois dos 90 minutos.

É verdade, não esperei tanto. Mas esperei 18 anos pra ver meu time campeão em 2002 e, desde então, poucos times daqui chegaram a tantos títulos: quatro Paulistas, dois Brasileiros, uma Copa do Brasil e uma Libertadores. O improvável grande que nasceu do município de 500 mil habitantes consolida o seu retorno ao topo, agora como rei da América. O que me fez lembrar o poema de Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa:

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
No futebol, no dia de ontem e sempre, o Tejo foi e será o rio que corre pela minha aldeia.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Há dez anos, o futebol-arte santista ia ao Maracanã

Há dez anos, o Santos ia ao Maracanã enfrentar o Flamengo pelo Campeonato Brasileiro de 2003. O Peixe, campeão de 2002, era uma atração pelo futebol bem jogado e naquele dia 45.937 pagantes puderam presenciar uma boa atuação do Alvinegro.

Uma reportagem do Globo Esporte (confira aqui) mostra como torcedores do Rio de Janeiro, flamenguistas ou não, iam ao estádio curiosos em ver de perto as acrobacias de Robinho e companhia. O atacante jogou bem, fez alguns lances plásticos, mas não marcou. O triunfo santista por 2 a 0 veio com gols de Léo e Elano. Confira abaixo:

Flamengo
Júlio César, Luciano Baiano, Fernando, André Bahia e Athirson; Fabinho, André Gomes (Andrezinho), Felipe e Fernando Diniz (Cássio); Fernando Baiano e Jean.
Técnico: Nelsinho Baptista

Santos
Fábio Costa, Alex, André Luís, Reginaldo Araújo e Léo (Rubens Cardoso); Paulo Almeida, Alexandre (Daniel), Diego e Elano (Fabiano); Robinho e Ricardo Oliveira.
Técnico: Emerson Leão

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

O histórico do Santos contra times bolivianos na Libertadores

A história santista na Libertadores é marcada por encontros com seis times da Bolívia. O Bolívar, rival das oitavas de final, já foi adversário em 2005, e foi o protagonista da primeira derrota alvinegra para uma equipe da terra de Evo Morales na Libertadores. Na fase de grupos da competição, em La Paz, o Peixe perdeu por 4 a 3, com gols de Deivid (2) e Robinho. Mas, na volta, não houve problema. Foi um 6 a 0 com gols de Ricardo Bóvio, Ávalos, Paulo César, Ricardinho, Basílio e Deivid.

Pagão, junto com Deivid, foi o segundo santista que mais marcou contra os bolivianos: 3 gols. Molina é o artilheiro dos confrontos com 4.

A primeira vez que santistas e bolivianos se confrontaram no torneio foi em 1962. O Santos estava em um grupo de três equipes, junto com o Deportivo Municipal, de La Paz, e o paraguaio Cerro Porteño. Os resultados dão a medida do efeito da altitude. Fora de casa, o Peixe venceu, mas por um gol de diferença, 4 a 3, gols de Tite, Lima, Mengálvio e Pagão. Em casa, um massacre de 6 a 1, com dois de Pagão, outros dois de Dorval, um de Pelé e outro de Coutinho.

O Alvinegro voltou a enfrentar uma equipe boliviana na primeira fase da competição sul-americana em 2004. O Peixe pegou o Jorge Wilstermann em Cochabamba e derrotou o clube boliviano por 3 a 2, dois tentos de Basílio e um do zagueiro Alex. Em casa, goleada: 5 a 0 com dois de Diego. Completaram o placar Robinho, Preto Casagrande e Elano.

Em 2007, o Peixe teve que passar pela fase pré grupos, conhecida também, de forma equivocada, como Pré Libertadores, e o rival foi o Blooming. Fora da Vila, um magro 1 a 0 a favor do Santos, tento do lateral Pedro, em jogo disputado em Santa Cruz de La Sierra, a 400 metros de altitude. Na volta, 5 a 0, com dois de Cléber Santana, outros dois de Rodrigo Tiuí, e outro de Marcos Aurélio. Já em 2008, novo encontro, desta vez em Oruro, a 3.706 metros acima do nível do mar. Derrota santista por 2 a 1 para o San José, gol de Kléber Pereira. Na volta, uma goleada histórica: 7 a 0, com quatro gols do meia colombiano Molina, um do equatoriano Quiñones, outro de Kléber Pereira e um do zagueiro Domingos.

Já em 2012, na primeira fase, o Santos perdeu novamente na Bolívia, agora para o The Strongest, por 2 a 1, com gol de Henrique. Na volta, última partida da fase, o Peixe não chegou a uma goleada como nos confrontos anteriores com os bolivianos, vencendo por 2 a 0. Ou seja, é bom o Santos ter cuidado com o Bolívar porque, além de ser um time que já fez história por ter sido o primeiro do país a se classificar para a segunda fase da Libertadores, a equipe boliviana terá a seu lado 3.600 metros de altitude. É bom Muricy e os garotos se prepararem para afastar a zebra.

2 Comentários

Arquivado em Década de 60, futebol, História, Santos, Século 21

Tricampeão – o Santos continua fazendo história

Poderia ter ido ao Pacaembu, ver junto de amigos queridos e de outros tantos desconhecidos que se tornam amigos num momento mágico como o de noite de ontem, a final da Libertadores. Mas, por questões logísticas teria que abrir mão de assistir à decisão com a pessoa que despertou meu interesse pela história do glorioso Alvinegro Praiano, assim como não poderia contar com outros familiares que sofreram e se alegraram comigo durante anos em estádios, diante da TV ou mesmo do lado de um rádio, em tempos idos.
Gostem ou não, ele é fora de série
Não é todo dia que se tem a oportunidade de saber, de antemão, que em determinado dia e horário a história será escrita. E, por conta disso, a minha opção não poderia ser outra. Estava ali, a menos de quatro quilômetros do Paulo Machado de Carvalho, sofrendo a ansiedade que já vinha de dias anteriores, que me fez acordar antes das quatro da manhã de ontem, que dominava o pensamento em cada minuto da quarta-feira.
 E a ansiedade se somava ao nervosismo após ao apito inicial. O dito renascido futebol uruguaio mostrava toda sua ênfase na defesa, com um time que não conseguia sequer finalizar ao gol rival. O lance solitário (que não levou perigo) do Peñarol na primeira etapa surgiu de sua estrela, Martinuccio. O emia, aliás, foi dominado pela marcação de um jogador limitado tecnicamente, mas que parecia ter sido preparado para um jogo de paciência de 180 minutos, onde não lhe era dado o direito de se desconcentrar por um segundo sequer. Mas, além da concentração absoluta, Adriano partilhava com seus companheiros aquele algo mais, a obstinação que passa confiança ao torcedor, o toque de raça que é típico de campeões.
Danilo, quatro gols na Libertadores: o menino cresceu
As chances alvinegras apareciam. Com Durval, de cabeça; nos pés de Elano, em duas bolas rebatidas por Sosa; e com Léo, que com o pé direito mandou pra fora a melhor oportunidade peixeira na etapa inicial. Mas o gol só viria no segundo tempo, em lance lapidar. Ganso deu o toque de letra para Arouca, quase que indicando para o volante santista “vai por ali”. Ele escapou de uma falta, escapou de duas,e deu o passe para Neymar. O atacante não dominou para driblar, finalizou de primeira, e a bola fez talvez a única trajetória possível para morrer nas redes: passou rente ao pé do defensor uruguaio, entre a trave o goleiro. Chute forte, com efeito, rasteiro. De goleador, de um fora de série.
Curioso que muitos “desculpem” Mano Menezes pela seleção não poder contar com Ganso, mas não tem a mesma parcimônia com Muricy Ramalho. Com o Dez de volta, e mais Léo, o treinador pôde armar um esquema que tinha uma saída de bola com mais qualidade, com uma fluência melhor na transição da defesa para o ataque, permitindo que o talento de quem tem talento pudesse aparecer. E apareceu.
Coube a Neymar iniciar de novo a jogada do segundo tento. Ele recebeu pela esquerda, soube segurar a bola e inverter o jogo, fazendo a redonda chegar a Elano, que acionou a Danilo. O lateral limpou e finalizou com a perna que “não é a boa”, a canhota. E marcou seu quarto gol na Libertadores. Outros gols poderiam ter surgido, mas Zé Love, o inacreditável, perdeu oportunidades mais que douradas.
O craque e o líder
No fim, um gol uruguaio quase obra do acaso, um tento contra de Durval, um dos pontos de apoio do time no torneio. Mas o Peñarol, que abdicou de jogar futebol durante quase toda a partida (por vocação e opção), não tinha forças para ser o Once Caldas de 2004 redivivo. E, diga-se, o sofrimento para o torcedor veio por ser uma decisão, não por qualquer “opção defensivista do comandante. Aqui tem trabalho, mas ontem o que teve mesmo foi futebol, meu filho!
– Esperei 48 anos por isso, você esperou menos – disse meu pai, depois dos 90 minutos.

É verdade, não esperei tanto. Mas esperei 18 anos pra ver meu time campeão em 2002 e, desde então, poucos times daqui chegaram a tantos títulos: quatro Paulistas, dois Brasileiros, uma Copa do Brasil e uma Libertadores. O improvável grande que nasceu do município de 500 mil habitantes consolida o seu retorno ao topo, agora como rei da América. O que me fez lembrar o poema de Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa:

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
No futebol, no dia de ontem e sempre, o Tejo foi e será o rio que corre pela minha aldeia.

Fotos do http://www.flickr.com/photos/santosfc/.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

No século XXI, Santos levou a melhor em todas as partidas eliminatórias contra o São Paulo

A semifinal disputada entre Santos e São Paulo no último sábado foi o quarto confronto eliminatório entre as os dois clubes no século XXI. Em todas as ocasiões, o Peixe levou a melhor. No total, foram sete jogos, com cinco vitórias santistas e dois empates. Em duelos disputados a partir de 2001, foram 18 vitórias alvinegras, 5 empates e 12 derrotas. Confira abaixo as partidas de mata-mata neste século:

Brasileirão de 2002

O São Paulo terminou a fase inicial do campeonato no primeiro lugar e enfrentou o Santos, oitavo colocado. A equipe que tinha Ricardinho, Kaká, Reinaldo e Luís Fabiano, sob o comando de Oswaldo de Oliveira, já havia sido apelidada de “Real Madrid” do Morumbi por conta desse quarteto. Do outro lado, o Peixe tinha Diego e Robinho, em ascensão, um até então desconhecido Alberto na frente e Elano, que fazia as vezes de falso ponta no esquadrão de Emerson Leão.

Na primeira partida, na Vila Belmiro, 3 a 1 para o Alvinegro. Durante a semana que antecedeu o segundo jogo, nem a imprensa esportiva, tampouco algumas das principais figuras do clube paulistano, como Rogério Ceni e Ricardinho, acreditavam que o Santos mantivesse a vantagem. A receita era clara para os “especialistas”: se o Tricolor fizesse um gol logo no início do jogo, os meninos se enervariam e a vitória por dois gols de diferença, que classificaria os sãopaulinos, viria naturalmente.

Luís Fabiano marcou logo nos primeiros minutos, mas o Peixe não esmoreceu. Léo empatou a peleja e no final Diego deixou Ceni de joelhos e marcou o gol da vitória. Estava aberto o caminho do Santos para sair da fila e conquistar o Brasileiro de 2002.

Copa Sul-americana de 2004

O técnico campeão brasileiro de 2002, Emerson Leão, estava à frente da equipe do Morumbi no segundo semestre de 2004. Vanderlei Luxemburgo treinava o Santos e priorizava o campeonato brasileiro, onde a disputa com o Atlético-PR era cabeça a cabeça. Por conta disso, na primeira partida, na Vila Belmiro, o time da casa entrou com os reservas. Mesmo enfrentando os titulares tricolores, o Santos venceu por 1 a 0 com gol de Elano, que entrou aos 25 minutos do segundo tempo. Na ocasião, o Peixe atuou com Mauro, Leonardo, André Luís e Ávalos (Ricardinho); Paulo César, Fabinho, Bóvio, Preto Casagrande e Márcio (Léo 29 do 2.º); Marcinho e William (Elano). O São Paulo veio com Rogério Ceni, Alex Bruno, Lugano e Rodrigo; Cicinho, Alê (Gabriel), Renan, Danilo e Júnior (Souza); Nildo (Diego Tardelli) e Grafite.

Na partida a volta, no Morumbi, o empate em 1 a 1 assegurou a vaga para o Peixe. Rodrigo marcou para o São Paulo e Preto Casagrande fez o tento santista.

Campeonato Paulista de 2010

O Santos era o time-sensação do primeiro semestre mas, mais uma vez, parte da mídia esportiva e dos torcedores adversários colocavam em dúvida o desempenho do clube alvinegro, que poderia amarelar em uma semifinal. Como em 2002, os garotos não tremeram. O <a href="”>Santos venceu o São Paulo, no jogo de ida, no Morumbi, por 3 a 2, gol contra de Júnior César, André e Durval.

Na volta, na Vila Belmiro, um passeio: o <a href="”>Alvinegro venceu por 3 a 0, Neymar, por duas vezes, e Madson marcaram para o time da Vila. Ao final da disputa, o <a href="” target=”_blank”>zagueiro Alex Silva desabafou: “O Santos engoliu a gente. Não jogamos nada, não merecemos a vitória. Deixamos eles criarem, principalmente pelas laterais.” Em 2010, os dois times jogaram cinco vezes, e o Santos venceu quatro e perdeu uma.


Campeonato Paulista 2011

Mais um capítulo da “freguesia” sãopaulina diante do Santos em partidas eliminatórias foi escrita no sábado. Leia mais aqui e veja o vídeo abaixo.

Confira a lista de jogos entre os dois desde 2001 aqui.

Ao longo da história, os dois times se enfrentaram 266 vezes, com 91 vitórias alvinegras, 62 empates e 113 derrotas. O que muitos não levam em conta quando veem os números dos confrontos diretos entre o Peixe e os rivais do trio de ferro é que, além da natural força política dos clubes da capital, mais notória na primeira metade do século XX e antes do profissionalismo, o Santos jogou fora dos seus domínios muito mais vezes do que seus adversários. No caso do San-São, por exemplo, menos de um terço dos jogos foram realizados na Vila Belmiro: 88 no total, com 44 vitórias peixeiras, 18 empates e 26 derrotas. Se o Alvinegro tivesse tido direito a atuar pelo menos metade dos duelos contra o São Paulo na Vila Belmiro, talvez a história fosse bem diferente…

2 Comentários

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21