Arquivo da tag: futebol

Há 20 anos, Santos vencia o Real Madrid na Vila Belmiro

Clássico mundial marcou a despedida de Giovanni do Peixe. Relembre como foi

Em junho de 1996, o Santos sacramentava a venda de um de seus ídolos para o Barcelona. Giovanni, denominado pela torcida como o Messias, saía do clube após resgatar a autoestima do santista, não se sagrando campeão brasileiro em 1995 por motivos que todos já estão fartos de saber.

Para a despedida do craque, nada como um jogo de gala. O adversário escolhido foi o Real Madrid, que veio ao Brasil jogar contra o Alvinegro no dia 20 de junho, na Vila Belmiro. Antes disso, ambos haviam se encontrado apenas uma vez, em 1959, no Santiago Bernabeu, ocasião em que Pelé e Di Stéfano se cruzaram. Cansado após uma verdadeira maratona de jogos (foram 13 partidas na Europa em um período de 21 dias), o Santos perdeu por 5 a 3.

Outra partida poderia ter acontecido em 1965, mas os madrilenhos “declinaram”… Haveria outro cruzamento em 1968, só que os espanhóis mais uma vez não quiseram: abriram mão de disputar a Recopa Intercontinental contra o Peixe.

Naquela peleja de 1996, o Alvinegro, comandado por José Teixeira, entrou em campo com Edinho; Claudio, Sandro, Narciso e Marcos Adriano; Gallo (Cerezo), Baiano (Marcos Paulo), Robert (Marcelo Passos) e Jamelli; Macedo (Camanducaia) e Giovanni (Batista). O Real tinha jogadores como Fernando Redondo, o colombiano Rincón, que entrou no decorrer do jogo, e o artilheiro chileno Ivan Zamorano.

O resultado? 2 a 0 para o Peixe, com gols de Jamelli, de pênalti, e Camanducaia. Confira abaixo:

Deixe um comentário

Arquivado em Década de 90, futebol, História, Momentos históricos, Santos

Santos joga mal de novo, empata com São Bento, e deixa torcida ressabiada

Depois da derrota para a Ponte Preta no meio da semana, o Santos fez outra atuação ruim e ficou somente no empate com o São Bento, na Vila Belmiro. Como de hábito, a torcida não compareceu ao estádio, foram 5.149 pagantes e, sem quatro titulares, o desempenho do time frente ao retrancado time de Sorocaba foi sofrível.

Marcelo Fernandes deslocou Victor Ferraz para sua função original, a lateral direita, no lugar do suspenso Cicinho, e promoveu a entrada de Zeca na lateral esquerda. Lucas Otávio entrou no lugar de Valencia, Gabriel seguiu substituindo Robinho e Wladimir também prosseguiu no lugar de Vanderlei.

Os dois gols sofridos pelo Alvinegro são sintomáticos do que foi a equipe. O primeiro, resultado de um escanteio, foi de autoria do volante Renan Teixeira, que cabeceou sem marcação no meio da área santista. Quando se toma um gol assim, sempre a culpa vai recair na zaga, mas o lance mostra outra realidade. Victor Ferraz é quem marca inicialmente o jogador rival, que se desvencilha sem ser acompanhado antes da cobrança e fica sozinho. Os zagueiros peixeiros estão marcando o beque João Paulo e o atacante Nilson.

Essa é a questão: em um escanteio ou em uma bola parada, não é só zagueiro que marca, mas o time inteiro. E a equipe tem que estar preparada para as jogadas que o adversário costuma usar. A comissão técnica alvinegra estudou ou desprezou esse aspecto do rival? Além disso, saiu Valencia, com seus 1,82, e entrou Lucas Otávio, com 1,64. Isso muda toda a marcação em bolas paradas, assim como o fato de Victor Ferraz marcar do lado oposto. O time se preparou para marcar com essa formação?

Já no segundo tento do time do interior, foram quatro santistas (um atrasado) contra três atletas do São Bento. Os dois atacantes estavam no mano a mano com a zaga. Sim, David Braz escorregou, mas não foi ultrapassado pelo rival, que tocou a bola para quem chegava de trás. Nesse tipo de situação, a chance do adversário levar a melhor é enorme. Defesa no mano a mano é convite para o que aconteceu.

Gabriel Santos São Bento

Gabriel correu mais, mesmo assim foi vaiado (Ricardo Saibun/SantosFC)

Ou seja, o Santos foi mal montado. Sem Robinho, do qual se mostrou muito dependente, o Peixe não conseguiu articular seu meio de campo – setor que o Sete costuma frequentar conforme o andamento do jogo –, não pressionou com qualidade a saída de bola, e não conseguiu atuar de forma compacta. Lucas Lima ficou sobrecarregado na armação e Geuvânio foi mal tática e tecnicamente. Gabriel se esforçou, criou chances e fez um gol, fazendo talvez sua melhor partida no ano, embora distante do que se espera dele e de seu potencial. Fez gestos para a torcida após o gol, o que mostra um certo desequilíbrio que precisa ser corrigido, mas pode até tomar o lugar de Geuvânio após o retorno de Robinho.

Wladimir, quando foi exigido, não correspondeu, e em nenhum momento passou segurança. Já passou da hora de o clube dar a ele novos ares, até porque, quando teve sequência de jogo, não aproveitou. Zeca também teve outra atuação ruim, ainda que tenha mostrado qualidade em outros momentos. Mas não foram os únicos culpados. O que chamou a atenção foi a falta de coordenação do Alvinegro, uma atuação coletiva muito ruim, como na peleja anterior, e sem mudar substancialmente a forma de jogar em momento algum.

A pior notícia destes dois últimos jogos é esta. Além de reforços no campo, talvez o Santos precise de um no banco. Ou o Brasileiro vai seguir a toada dos últimos anos.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Portuguesa X Santos – relembre cinco vitórias do Peixe sobre a Lusa

O Santos joga contra a Portuguesa no Pacaembu neste domingo, às 16h, em um jogo no qual é mandante mas terá a maior parte da torcida. No histórico do confronto, o Peixe leva larga vantagem sobre o rival: são 239 jogos, com 113 vitórias peixeiras e 67 lusas, com 59 empates. Em campeonatos paulistas, são 157 pelejas, com 72 triunfos alvinegros, 47 lusos e 38 empates.

Contudo, no Pacaembu, ambos já se enfrentaram 44 vezes e é a Lusa que tem pequena vantagem: 17 vitórias contra 16 do Santos e 11 empates. Isso, aliás, se relaciona a um fator que precisa ser lembrado quando se analisam os confrontos entre o Peixe e equipes do Trio de Ferro: a maciça maioria das pelejas foi disputada em São Paulo, o que, na prática, significava uma inversão do mando de campo, prejudicando o Alvinegro nas estatísticas gerais.

Mesmo assim, o Peixe tem no Pacaembu um palco no qual mais triunfou do que saiu derrotado. Foi lá, aliás, que conquistou a Libertadores de 2011, por exemplo. No estádio, o Peixe disputou 493 partidas, vencendo 210, perdendo 151 e saindo com o empate 132 vezes.

Veja abaixo cinco grandes vitórias do Santos sobre a Lusa. Claro que não entra nessa lista o jogo mais polêmico entre os dois, o empate em 0 a 0 da decisão do estadual de 1973, com a disputa de pênaltis encerrada antes da hora pelo árbitro Armando Marques, o que resultou na divisão do título pelos dois times.

 

1 – Santos 10 X 0 Portuguesa (campeonato paulista de 1928)

Com cinco gols do atacante Wolf, dois de Feitiço, dois de Camarão e um de Evangelista, o Peixe goleou os rubro-verdes na Vila Belmiro em partida válida pelo campeonato paulista de 1928. O Alvinegro terminou a competição como vice-campeão, mesma colocação dos estaduais de 1927 e 1929. Esta é a maior goleada no confronto entre os dois, no entanto, a maior derrota sofrida pelo Alvinegro na era profissional foi para os lusos, 8 a 0 no paulista de 1955.

 

2 – Portuguesa 0 X 6 Santos (campeonato paulista de 1957)

No Pacaembu, mando de campo da equipe paulistana, o Peixe goleou por 6 a 0, em jogo do campeonato paulista de 1957. Após ser campeão em 1955 e 1956, o Alvinegro terminou a competição como vice, um ponto atrás do São Paulo, e superou os rubro-verdes em jogo da chamada Série Azul, que reunia os dez melhores times do primeiro turno do estadual e definia o campeão.

Naquele dia, Pelé marcou duas vezes, Dorval também fez dois, Jair Rosa Pinto anotou um e Afonsinho deixou o seu.

 

3 – Santos 4 X 0 Portuguesa (campeonato paulista de 1978)

Entre 1973 e 1982, a Portuguesa não soube o que era vencer o Santos. Foram 14 partidas de invencibilidade do Alvinegro e uma destas foi no Morumbi, no dia 9 de setembro de 1978, ocasião em que a primeira geração dos meninos da Vila não tomou conhecimento da equipe dirigida por Urubutão e que tinha Marinho Perez.

Um público de 40 mil pessoas viu João Paulo marcar dois tentos, um de Juary e outro de Pita, com Ailton Lira passeando pelo meio de campo. Detalhe para o belo terceiro gol, marcado pelo ponta João Paulo, e pela bela cominação no quarto tento, feito pelo dez Pita.


4 – Santos 2 X 0 Portuguesa (campeonato paulista de 2006)

Disputado por meio da fórmula de pontos corridos em turno único, o campeonato paulista de 2006 foi decidido na última rodada. Ao Santos, que disputava o título contra o São Paulo, bastava uma vitória simples contra a Portuguesa, na Vila Belmiro. A Lusa precisava vencer para escapar do primeiro rebaixamento no estadual da sua história.

A vitória por 2 a 0 deu ao Alvinegro o título depois de um jejum de 22 anos. O Peixe tinha saído da fila com o Brasileiro de 2002, sendo campeão de novo em 2004, mas ainda não tinha conquistado um estadual depois de 1984. O grito de campeão saiu da garganta do torcedor depois de um gol de Cléber Santana e outro de Leonardo, contra.


5 – Santos 3 X 0 Portuguesa (campeonato paulista de 2011)

No campeonato paulista de 2011, o Santos contava naquela partida com os retornos de Neymar, Elano e Léo e foi ali, depois de uma parada do carnaval, que o garoto anotou seus primeiros gols pelo Peixe no ano, já que havia servido a seleção sub-20 no sul-americano da categoria em janeiro.

A equipe, então comandada pelo interino Marcelo Martelotte, que havia entrado no lugar de Adílson Batista, venceu a Portuguesa na Vila Belmiro por 3 a 0, dois de Neymar e um de Léo, que contou com a assistência do menino. Vale a pena relembrar.

1 comentário

Arquivado em Década de 20, Década de 50, Década de 70, futebol, História, Santos, Século 21

Sem confete e serpentina, Santos supera São Bernardo e segue líder do Grupo D

O Santos superou ontem (14) o São Bernardo fora de casa, no estádio 1º de Maio, por 1 a 0. Integrante do grupo A, o Bernô, que havia até então enfrentado o Alvinegro em duas ocasiões (um empate e uma derrota), disputa uma vaga para as quartas de final e talvez seja um dos times mais equilibrados fora dos quatro grandes. Bem armado, sabe marcar e sair para o contra-ataque, mas tem um evidente problema de qualidade técnica.

Já o Peixe mostrou, na partida, defeitos que já tinham aparecido em jogos anteriores. No início, buscou muito o passe longo para o pessoal da frente, errando passes em demasia. No segundo tempo, já com a vantagem conquistada com um gol de David Braz em cruzamento de Chiquinho, aos 9 minutos, os visitantes passaram a tocar muito a bola, invariavelmente sem objetividade, mantendo os donos da casa longe da área.

Foi sem brilho, aquele triunfo “pro gasto”, e que permitiu, mesmo assim, algumas observações. Como disse Robinho após a partida, o Santos continua pecando nas finalizações. Das 15 realizadas ontem, somente quatro foram para o gol e houve oportunidades incríveis, como uma de Ricardo Oliveira. O nove santista, aliás, continua nitidamente sem ritmo de jogo, e deve perder a vaga de titular para Gabriel assim que o avante concluir seu trabalho de recuperação física pós-seleção sub-20. Em forma, Oliveira pode ser útil.

David Braz comemora gol solitário do jogo com Robinho (Foto: Ivan Storti)

David Braz comemora gol solitário do jogo com Robinho (Foto: Ivan Storti)

Quando saca o centroavante, fato que aconteceu em todas as partidas no Paulistão, Enderson costuma colocar Robinho como o tal “falso 9”. Ontem, mesmo antes de ser deslocado para essa função, o atacante jogou próximo à área, pelo meio, o que acaba prejudicando seu desempenho. Sendo um jogador móvel e que desarma melhor que a grande maioria dos homens de frente, faria mais sentido Robinho atuar mais pelo meio quando o time precisa – ou quer – tocar mais a bola do que isolado na frente brigando com os zagueiros no corpo a corpo.

Outra experiência do técnico alvinegro foi colocar Elano no lugar de Leandrinho para fazer a marcação pelo meio e cobertura do lado direito, atuando mais como volante ao lado de Renato. Sem poder contar com Alison, essa opção foi testada em parte do segundo tempo, quando o meia entrou em campo. Contudo, nem a marcação melhorou e, o que talvez fosse o principal objetivo, melhorar a transição para o campo ofensivo aproveitando contra-ataques, também não foi alcancaçado. Nesse caso, influencia também a posição de Robinho e a má atuação de Marquinhos Gabriel, que entrou no lugar de Ricardo Oliveira.

No mais, com uma assistência e um gol em cinco jogos, Chiquinho já se firma como titular, acenando para Caju que o jovem vai ter dificuldades para voltar à equipe. Victor Ferraz, no lugar de Cicinho, não é brilhante mas é mais efetivo defensivamente do que o ex-pontepretano. Aliás, no atual esquema de Enderson, os laterais são mais “laterais” mesmo, e não alas como em boa parte das equipes. O posicionamento defensivo de ambos é em parte responsável pelo time ter sofrido somente um gol em cinco partidas.

Líder do grupo D com 11 pontos, oito a mais que o segundo colocado, o Bragantino,  o Santos tem uma semana para trabalhar até a próxima partida, contra a Portuguesa, domingo, às 17h, no Pacaembu. Oportunidade para alguns jogadores aprimorarem o condicionamento físico até lá. Quem sabe a pontaria também não melhora.

Ingressos para Portuguesa X Santos no Pacaembu

A torcida do Santos terá a maior parte da carga de ingressos na partida contra a Portuguesa, domingo (22), no Pacaembu. Mesmo tendo o mando da partida, o clube rubro-verde vai ficar com a parte do Tobogã, para buscar mais renda com o jogo.

Os ingressos podem ser comprados no site do Ingresso Fácil e também nos seguintes pontos de venda:

• Pacaembu (das 11 às 18 horas)
• Canindé (das 11 às 18 horas)
• Vila Belmiro (das 11 às 18 horas)
• Anacleto Campanela, em São Caetano do Sul, (das 11 às 18 horas)

Campeonato Paulista 2015

Ficha técnica – São Bernardo 0 X 1 Santos

São Bernardo

Daniel; Rafael Cruz, Luciano Castán, Diego Jussani e Vicente; Daniel Pereira (Vanger), Carlinhos (Jean Carlos), Marino, Magal e Cañete (Maikon); Lucio Flavio

Técnico: Edson Boaro

Santos

Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Werley e Chiquinho; Renato, Leandrinho (Elano), Lucas Lima e Geuvânio (Lucas Otávio); Robinho e Ricardo Oliveira (Marquinhos Gabriel)

Técnico: Enderson Moreira

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Santos 2 x 0 Palmeiras – reestreia com vitória na Vila Belmiro

Bruno Uvini comemora seu 1º tento (Ivan Storti/SantosFC)

Com dois gols de jogadores que nunca haviam marcado antes com a camisa do Santos, o Alvinegro Praiano superou o Palmeiras na Vila Belmiro. O zagueiro Bruno Uvini, aliás, autor do primeiro tento da peleja, nunca havia marcado como profissional. Alison, volante, foi quem anotou o segundo. O Peixe está quinto lugar no Brasileirão, empato em número de pontos com o Sport, que fecha o G-4. Depois do intervalo forçado dos clubes do Brasileiro, em função da Copa, a expectativa era grande em relação à forma como as duas equipes iam jogar. Após o apito inicial, viu-se que a proposta alviverde do treinador Ricardo Gareca, argentino, era até parecida com a adotada pela seleção do seu país no Mundial, com duas linhas de quatro na defesa mas com o adendo de marcar em boa parte do tempo com os dez atrás da linha da bola. Bom, mas a diferença é que Gareca não tem grandes opções de ataque como a equipe de seu compatriota Alejandro Sabella. Assim, o Palmeiras foi um time que marcou bastante no primeiro tempo, abrindo mão da posse de bola (que na metade da etapa inicial era de 68% para os donos da casa), e esperando um contra-ataque. Mas o “arco” da equipe, Bruno César, foi mal, e as “flechas” Leandro e Diogo também. Com a proposta de atacar, o Santos seguiu pressionando mas só achou uma finalização aos 21 minutos, com Geuvânio. Mesmo assim, notava-se uma mobilidade bastante grande dos homens de frente, que trocavam de posição de forma coordenada e contavam ainda com a chegada de Arouca e dos laterais. O gol chegaria logo depois do chute inaugural, em uma cobrança de falta pelo lado direito de Lucas Lima, que achou o zagueiro Bruno Uvini, livre. O garoto testou para o chão, como manda a cartilha, e fez. O Palmeiras ainda tentou atacar, mas o único momento de tensão surgiu em uma saída errada de Aranha pelo alto, que não foi aproveitada pelos visitantes. Já na segunda etapa, os visitantes conseguiram chegar com algum perigo, mas os espaços para os contragolpes santistas apareceram. Os palmeirenses chegaram a comemorar um gol, anotado após impedimento corretamente marcado pela arbitragem, mas foi quase tudo que a equipe fez. Aos 23, o fim das esperanças alviverdes. Arouca tocou para Gabriel que, de primeira, serviu o volante Alison, que também chutou de bate-pronto. Mesmo com mais posse de bola em função da postura do Peixe após a vantagem e com Mendieta entrando e fazendo um pouco mais que Bruno César, o poder ofensivo do Verdão era reduzido e foi o Alvinegro que ainda levou perigo em estocadas de Rildo e Gabriel. Pelo lado santista, a defesa, a melhor da competição junto às do Cruzeiro e do Corinthians, com cinco gols sofridos, segue bem, mas a coordenação das jogadas de ataque precisa melhorar, principalmente quando o time tem espaço para contragolpear e pode utilizar sua melhor arma, a velocidade. No Palestra, Gareca ajustou a defesa, mas vai ter que se virar para fazer um ataque eficiente com as peças de que dispõe.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

A bola é santista

O Santos Futebol Clube lançou a campanha institucional “Nós fazemos a História”, que diz respeito à chegada de Charles Miller e da sua contribuição mais importante ao país, a bola de futebol. Por destino, ela e ele chegaram pelo porto de Santos.

Para contar a história, melhor deixar o vídeo que é parte da campanha fazê-lo. Assista abaixo e se emocione com as imagens, a história (que nós fazemos) e a narração de Charles Miller Neto, fanático torcedor peixeiro.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos

Santos encontra velho conhecido contra o Penapolense

No banco de reservas do estádio Tententão, em Penápolis, estará hoje um técnico que passou 17 anos na Vila Belmiro como jogador, coordenador e treinador em equipes das divisões de base do Peixe. Narciso vai enfrentar pela primeira vez como técnico profissional o seu ex-clube. Além disso, vai encontrar alguns de seus ex-comandados. “Fui técnico do Geuvânio, Alan Santos, Leandrinho, Gustavo Henrique, Emerson e Wladimir no sub-20. Será muito bacana rever todo esse pessoal”, diz aqui.

Sergipano de Neópolis, Narciso veio da Paraguaçuense e estreou no Peixe em 1994. Conseguiu se firmar como titular da equipe, que tinha então Ronaldo Marconato e Maurício Copertino na dupla de zaga, com a chegada do técnico Cabralzinho, comandante da campanha quase vitoriosa do campeonato brasileiro daquele ano. Chegou à seleção brasileira e disputou as Olimpíadas de 1996, em Atlanta, com a equipe de Zagallo que obteve o bronze do torneio.

Imagem

O zagueiro Narciso, primeiro jogador à esquerda, em pé, na equipe vice-campeã do Brasileiro de 1995

Também chegou a atuar como volante quando Vanderlei Luxemburgo foi treinador da equipe, em 1997, já que suas saídas de bola com dribles na intermediária causavam arrepios ao técnico. Ficou na Vila até parte de 1999, quando foi negociado com o Flamengo. Fez 12 jogos pelo clube da Gávea e voltou em 2000 para o Peixe, quando teve diagnóstico de leucemia mielóide e precisou se afastar do futebol. Fez um transplante de medula óssea e passou por tratamento até voltar ao clube no final de julho de 2001.

Como o jogador ainda precisava moderar sua exposição ao sol e melhorar sua condição física e seu sistema imunológico, só entrou em campo novamente em 24 de outubro de 2003. Justamente em Curitiba, onde realizou seu transplante. O Peixe bateu o Coritiba por 4 a 0 com dois gols de Robinho, um de Léo e outro do zagueiro André Luiz. Ao entrar no jogo aos 38 minutos do segundo tempo, no lugar de Diego, foi aplaudido também pela torcida do Coxa, uma demonstração de apoio geral depois de passar quase quatro anos lutando contra a leucemia. Na peleja, o jogador acertou a trave e, quase marcou novamente ao aproveitar uma finalização de Robinho, mas a bola passou por cima do travessão. Veja reportagem e momentos daquela partida.

Como técnico sub-20 do Peixe, entre outros triunfos, foi campeão paulista em 2009 e vice da Copa São Paulo em 2011. Venceu a Copinha pelo Corinthians, em 2012, e ainda foi técnico dos juniores do Palmeiras. Já como técnico do profissional, treinou o Sergipe, em 2011; o Operário, em 2013, e o Penapolense, agora. Toda sorte para Narciso em sua carreira. Mas hoje, não…

Penapolense X Santos, domingo (16), às 18h30

Pela terceira vez consecutiva, Oswaldo de Oliveira coloca o mesmo time para atuar. O Peixe entra em campo hoje, no Tenentão, com Aranha, Cicinho, Neto, Gustavo Henrique e Eugenio Mena; Alan Santos, Arouca e Cícero; Geuvânio, Leandro Damião e Thiago Ribeiro. Com 19 pontos, o Peixe tem a melhor campanha da competição até agora e está a cinco pontos do segundo do grupo, o São Bernardo. O meia Geuvânio, aliás vai encontrar o clube no qual atuou no ano passado, quando foi emprestado ao time do interior.

Já a equipe de Penápolis está em segundo no Grupo A, a um ponto do líder São Paulo e a cinco do Linense, terceiro do grupo que é o que conquistou menos pontos entre os quatro do Paulista. Narciso deve começar a partida com Samuel; Rodnei, Jailton, Gualberto e Rodrigo Birô; Liel, Petros, Neto e Washington; Rafael Ratão e Alex Creu.

Os dois times se enfrentaram somente uma vez em campeonatos paulistas. Em 2013, o Peixe bateu a equipe de Penápolis na Vila Belmiro por 2 a 1, gols de Cícero e André, com o meia Guaru descontando. Confira abaixo como foi.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem Categoria

Arouca comanda, moleques brilham, e Santos atropela Corinthians na Vila

Era 15 de maio de 2011, segunda final do Paulista de 2011, quando Arouca fez seu primeiro gol pelo Santos. O adversário era o Corinthians de Tite, e o Peixe, na Vila Belmiro, se sagraria bicampeão estadual vencendo por 2 a 1. O volante ainda acertaria a trave na peleja.

O camisa 5 (5) do Alvinegro, demoraria a marcar outra vez. Antes, fez uma grande partida no segundo jogo da final da Libertadores, contra o Peñarol, em 2011. Foi dele que veio a assistência para Neymar fazer o primeiro da partida. Marcou seu segundo contra o Guarani, na primeira fase do estadual de 2011. E o terceiro na noite de ontem, (29), na goleada contra o Corinthians, aos 12 minutos da primeira etapa.

Foi o tento que abriu a vitória peixeira. Mas Arouca não fez só o gol. Deu assistência, após um belo lance, para o segundo, de Gabriel, aos 22. E, aos 2 do segundo tempo, desarmou uma bola na lateral esquerda, conduziu a redonda para o campo rival e articulou o ataque que resultou no gol de Thiago Ribeiro, “veterano” aos 27 anos em meio aos meninos da Vila. Moleques como Gustavo Henrique, Alan Santos, Geuvânio e Gabriel. Na etapa final, ainda entraram Leandrinho e o estreante, Stephano Yuri, artilheiro da Copa São Paulo de Juniores.

A sensação térmica de 35 graus não abalou o Santos, que começou a toda nos dois tempos. Mas foi o terceiro gol, feito logo após o intervalo, que acabou com o Corinthians. Os donos da casa, mais condicionados fisicamente e, principalmente, mais tranquilos, botaram os rivais na roda em diversos momentos, enervando-os ainda mais e levando perigo ao gol corintiano ao realizar a transição rápida para o campo de ataque.

Professor bate palmas, e aluno aplicado vibra (Ivan Storti/SantosFC)

 

Oswaldo de Oliveira, que falou a respeito da partida dizendo que este seria o verdadeiro teste do estadual até então, já que ambos estariam no mesmo grau de preparação física – enquanto alguns times do interior estariam acima – não deu banana pra torcedor e nem fez gestos obscenos. Conseguiu sua terceira vitória em quatro jogos e segue invicto à frente do Santos. Um terço dos triunfos conquistados em sua primeira passagem pelo Alvinegro, em 2005, quando obteve nove vitórias, quatro empates e três derrotas em 16 jogos.

O Santos adotou quase na maior parte do tempo um 4-2-3-1 da moda, mas diferente, já que os jogadores se alternavam nas posições e confundiam a marcação corintiana. Gabriel, 17 anos, mostrou personalidade, assim como Geuvânio, que deu um drible da vaca desagradável para Ralf no quarto gol, de Bruno Peres, que acertou de primeira, e de esquerda… Thiago Ribeiro fez dois gols, e foi crucial. Mas o dono do jogo foi Arouca, que pode não ter a regularidade que o torcedor gostaria, até por conta de contusões, mas que não foge do embate e sempre aparece nas partidas importantes, diferentemente de medalhões incensados pela mídia.

Quanto ao Corinthians, quase equilibrou o jogo na segunda metade do primeiro tempo, mas não mostrou o padrão técnico-tático preciso para igualar o ímpeto santista. Em suma, foi bipolar: quando quis ser aguerrido, foi nervoso; quando buscou ser calmo, foi apático. E Mano tinha mesmo que tirar Guerrero, que seria expulso, mas colocar Pato com 4 a 1 contra cheirou a provocação contra o moço.

Agora, faltam quatro gols para o maior time profissional artilheiro do planeta chegar aos 12 mil. E o Santos bateu o Corinthians pela segunda vez em cinco (5) dias, contando a final da Copinha. Quando as coisas ensaiam ficar difíceis, os moleques costumam salvar.

Século 21: Santos X Corinthians

No século 21, Santos e Corinthians já se enfrentaram 47 vezes (sem contar a vitória santista anulada em 2005). Agor,a o Peixe tem 21 triunfos, 12 empates e 14 derrotas.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Santos consegue empate imerecido e Oswaldo é trollado por turma do amendoim

Quem se arriscou a ir ao Pacaembu na noite de terça-feira, em um jogo com o ingrato horário de 19h30, mal divulgado pela Federação e tomando chuva, merecia um prêmio da diretoria do Santos. O mando de jogo era do Audax, que pensou faturar com os torcedores rivais cobrando R$ 60 o preço da arquibancada para uma partida da segunda rodada do Paulista, mas deu com os burros n’água. Não só pelo mau tempo, mas também pela inteligência (só que não) da Federação Paulista de Futebol, organizadora do campeonato estadual e da Copa São Paulo de Juniores, que marcou praticamente para o mesmo horário dois jogos do Peixe, o outro, válido pelas semifinais do torneio da base. Resultado: Arena Barueri com ótimo público para ver os meninos da Vila despacharem o Atlético-MG, e o Pacaembu com pouco mais de 2 mil testemunhas. Parabéns aos envolvidos.

Sim, sim, foi um jogo medonho. Boa parte dos jogadores alvinegros mostrou uma evidente falta de condição física, com alguns tendo atuações pavorosas. Era difícil escolher o pior em uma equipe remendada, com desfalques em todos os setores e o meio de campo totalmente reserva. Oswaldo de Oliveira tentou colocar Cicinho na meia, com Bruno Peres, persona non grata da torcida, na lateral direita. Não deu certo. No decorrer da partida inverteu as posições, mas o ex-pontepretano teve um dos seus piores desempenhos com a camisa peixeira.

Trabalhador tira soneca no intervalo da partida. Acordou aos 7 do 2º tempo, mas poderia ter continuado a dormir que não perderia muita coisa...

Trabalhador tira soneca no intervalo da partida. Acordou aos 7 do 2º tempo, mas poderia ter continuado a dormir que não perderia muita coisa…

Não só ele, ou eles, ficaram abaixo do esperado. Além das atuações individuais, saltou aos olhos a falta de um reserva para Montillo, algo mais do que necessário tendo em vista sua iminente ida para o chinês Shandong Luneng. Sem criatividade e articulação, viam-se os atacantes isolados, pedindo uma bola que nunca chegava.

Garoto com camisa do algoz Barcelona torcendo pelo Santos. sinal dos tempos...

Garoto com camisa do algoz Barcelona torcendo pelo Santos. sinal dos tempos…

O Audax fez seu gol no tempo inicial, boa jogada de Rafinha na direita da intermediária santista e passe preciso para Caion fazer de cabeça. Aliás, em nenhum momento a equipe de Fernando Diniz se intimidou com a marcação-pressão alvinegra, tocando sempre a bola para sair jogando de trás, com um bom entrosamento e saídas rápidas. Conseguiu assim diversos contra-ataques durante toda a partida e, se tivesse mais capricho, poderia ter assegurado a vitória já no primeiro tempo.

O castigo para o Audax e o alívio para o torcedor do Santos veio com uma cobrança de falta na cabeça do zagueiro Jubal, que marcou aos 42 do segundo tempo. Empate mais que imerecido do time de Oswaldo, que deu uma banana para parte da turma do amendoim que o azucrinava atrás do banco de reservas. Aliás, xingar o técnico de “burro” sendo que ele não pode contar com mais de meio time, além de não ter nenhuma contratação em campo e nem atletas da base que disputam a Copa São Paulo mostra quem deve ser o burro de verdade…

Deixe um comentário

janeiro 22, 2014 · 12:20 pm

Santos não brilha, mas supera XV de Piracicaba na estreia

Não foi uma estreia com pompa e circunstância. Aliás, os primeiros jogos dos grandes em início de temporada não costumam ser assim, que o digam Fluminense, Vasco e Botafogo. Sem ritmo e às vezes com atletas sem condições físicas, costumam enfrentar equipes que passaram por longas pré-temporadas, o que equilibra as forças entre adversários com poder de fogo desigual.

O adversário do Santos ontem era um desses times que se preparava há algum tempo. Desde novembro, o XV de Piracicaba (freguês premium) treinava para o Paulista, e mostrou bom preparo físico e um entrosamento interessante na partida de ontem. Na Vila Belmiro, a equipe do interior não deixou os donos da casa chegarem com facilidade à frente, congestionando o meio de campo e matando a criatividade peixeira. Criatividade, aliás, mais prejudicada após o intervalo, quando Montillo saiu lesionado para a entrada de Léo Cittadini. Mesmo assim, o XV era só defesa, e Oswaldo de Oliveira não teve seu esquema com três atacantes posto à prova na parte defensiva, graças à fragilidade do ataque piracicabano.

Comanda, professor... (Ricardo Saibun/Santos FC)

Comanda, professor… (Ricardo Saibun/Santos FC)

Se não contou com Leandro Damião, cuja situação ainda não foi regularizada; com Cícero, ainda sem uma definição sobre seu futuro, Alison e Edu Dracena (que só vai voltar no segundo semestre), o treinador alvinegro colocou seis garotos da base em campo, que se tornaram sete com a entrada de Cittadini. O desempenho, obviamente, foi desigual.

Gabriel Barbosa e Geuvânio se movimentaram bastante, embora tenham pecado na troca de passes, especialmente naquele último ou penúltimo lance antes de se chegar à meta. Leandrinho e Emerson Palmieri foram regulares, em especial na marcação, enquanto a dupla de zaga Gustavo Henrique e Jubal, que atuou junta durante muito tempo no time de baixo, mostrou entrosamento, inclusive na elaboração das famosas linhas burras que por vezes fazem o torcedor sofrer.

 A vitória veio com um belo passe de Geuvânio, que não ficou restrito a um lado só do campo como nos tempos de Claudinei, para Gabriel não hesitar. Ele hesitou no segundo tempo, quando teve oportunidade de ouro na qual poderia tentar driblar o goleiro, passar para Thiago Ribeiro, melhor colocado, ou finalizar com força. Mas preferiu dar uma cavadinha com o goleiro em pé… Perdoa-se pelos 17 anos, mas que deu raiva, deu. Foi seu quarto gol como profissional, em 16 pelejas nas quais participou (a maioria, entrando no decorrer do jogo).

Além da estreia com vitória, um gol a menos para a marca de 12 mil da equipe profissional que mais balançou as redes no mundo. Agora, faltam onze. E um pouco mais de rodagem para meninos promissores.

E, na esdrúxula fórmula do campeonato paulista – vinte times divididos em quatro grupos, sendo que na primeira fase eles não enfrentam seus concorrentes diretos – São Paulo e Corinthians foram beneficiados mesmo sem jogar no sábado, já que nenhum clube de seus grupos venceu. Das seis partidas disputadas ontem (18), nenhum visitante ganhou, só o Audax conseguiu um empate em 0 a 0 com o Paulista, em Jundiaí.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem Categoria