Arquivo da tag: Inter de Limeira

Lembra dele no Santos? Piá, de possível craque às páginas policiais

Meia vindo da Internacional de Limeira chegou como grande promessa à Vila Belmiro, aos 22 anos, mas sua conturbada vida extracampo acabou fazendo com que seu talento não sobressaísse

O Bola da Vez, da ESPN Brasil, programa de entrevistas da emissora, traz nesta terça-feira um ex-jogador do Santos que apareceu como um futuro craque, mas que não vingou. Pior, ficou mais famoso, de uma forma nada boa, fora do que dentro dos gramados.

Piá chegou ao Santos em agosto de 1996, vindo da Inter de Limeira como maior revelação da Série A-2 daquele ano. Na final do quadrangular, ele marcou dois dos gols da vitória de 4 a 0 da Inter sobre a Portuguesa Santista. Ambas as equipes subiram à divisão principal do futebol de São Paulo.

Aos 22 anos, reportagem da Folha de S. Paulo ressaltava que o garoto chegava com os cabelos pintados de vermelho e bastante elogiado por José Teixeira, técnico do clube à época (na Inter, havia sido treinado por José Macia, o Pepe). Evitava comparações com Giovanni, que havia deixado o clube poucas semanas antes de sua chegada.

Atuando em um time grande e com salário generoso, a fama e o dinheiro aliados à falta de estrutura familiar acabaram atrapalhando a carreira do atleta. Segundo ele mesmo adianta na chamada do programa da ESPN e também de acordo com o site Historiador do Futebol, foi nesse período que ele passou a sair com frequência na noite de Santos, chegando a provocar quebradeiras nos estabelecimentos locais. O comportamento lhe valeu uma chamada do próprio Rei Pelé, que foi a sua casa conversar.

pia jogando no santos

Piá jogando pelo Santos: alta expectativa, baixo rendimento

Piá estreou pelo Peixe em uma partida amistosa contra o Comercial de Ribeirão Preto, entrando no lugar de Andradina, e oficialmente em uma partida contra o Guarani, pelo campeonato brasileiro de 1996, substituindo mais uma vez o meia. Teve oportunidade como titular na polêmica partida contra o Fluminense no Ícaro de Castro Mello, marcada pela presença do colombiano Usuriaga. Formou o meio de campo naquele dia junto com Marcos Assunção, Carlinhos e Robert.

Manteve a condição de titular por mais quatro partidas, voltando ao banco quando José Teixeira resolveu recuar Jamelli do ataque para a posição de meia-atacante. Com a chegada do meia Vágner e depois de Élder, passou a ser cada vez menos escalado entre os onze, entrando eventualmente em algumas pelejas.

Em 1997, com a vinda de Vanderlei Luxemburgo, atuou como titular em quatro dos seis jogos do Torneio Rio-São Paulo, inclusive na segunda partida da final contra o Flamengo, quando teve a seu lado no meio de campo Marcos Assunção, Vágner e o recém-chegado Alexandre. Mas no início do campeonato paulista perdeu seu posto com a volta de Robert e enfrentou a concorrência para entrar nas partidas com outros meias, Caíco e o prata da casa Eduardo Marques.

Com as atuações instáveis e os problemas extracampo, Piá foi emprestado seguidamente para outros clubes, já em 2007, quando foi para Coritiba, São José, Matonense (2 vezes) e Ponte Preta antes de retornar ao Peixe no ano 2000, quando chegou a ter oportunidades com Giba. “Agora, estou mais maduro. Fora do campo, sou outra pessoa. Não tem mais aquele negócio de sair à noite, de mulherada. Sou casado, tenho dois filhos e ganhei experiência”, disse o meia quando foi relacionado pela primeira vez pelo técnico.

Mas não durou. Seguiu para a Ponte Preta novamente, desta vez ficando até 2003, tornando-se ídolo da torcida. Seu desempenho fez com que fosse contratado pelo Corinthians em 2004, mas também foi mal. Passou por dez clubes depois e se aposentou pelo União São João, em 2013. Depois disso, começou a ser destaque nas páginas policiais, sendo preso por furto a caixa eletrônico em Campinas, em 2014, depois de tentar “pescar” notas também em caixas eletrônicos em abril de 2015 e, em agosto do mesmo ano, quando utilizou dinheiro furtado. Antes, já havia sido absolvido em julgamento no qual era acusado de, em 2009, ter sido coautor de um homicídio.

1 comentário

Arquivado em Década de 90, futebol, História, Lembra dele?, Santos

O maior ponta artilheiro do Brasil

“Sou o maior atilheiro da história do Santos. O Pelé não conta, ele não é humano”. É assim que José Macia, o Pepe, gosta de se referir ao fato de ter marcado 405 gols com a camisa 11 do time da Vila Belmiro, o que o deixa atrás apenas do Rei na lista de maiores goleadores do clube. No entanto, se a comparação com Pelé é ingrata para qualquer atleta, o Canhão da Vila tem feitos admiráveis na história do futebol.

Lembre-se de grandes pontas que já passaram pelos campos brasileiros. Garrincha, Canhoteiro, Julinho Botelho, Zagallo, Jairzinho, Edu, Dorval… Nenhum dele chegou perto do número de tentos marcados por Pepe, o maior ponta artilheiro do país. Além dos mais de 400 marcados pelo Alvinegro Praiano, foram vinte pela seleção brasileira e 16 pela seleção paulista. Também é o atleta com maior número de títulos importantes no ludopédio tupiniquim: 51, entre eles nove Paulistas, cinco Taças Brasil, quatro Rio-São Paulo, duas LIbertadores, dois Mundiais Interclubes e duas Copas do Mundo (1958 e 1962). E também conta com um troféu Belfort Duarte, por conta do aspecto disciplinar. Em 16 anos de futebol, entre 1954 e 1969, todos eles jogados no Santos, Pepe jamais foi expulso.

Pepe estreou no Santos em 1954, quando um treinador estreante, vindo das categorias de base, Luis Alonso Peres, o Lula, começou a dar chances na equipe de cima para alguns atletas que conhecia bem. E Pepe era um deles, famoso pela velocidade e pela potência do chute que o marcara desde a época de amador no clube Continental, da gloriosa São Vicente. No ano seguinte de sua estreia, o jovem já entraria para a história do Santos.

O time da Vila Belmiro precisava vencer o Taubaté, em casa, para se sagrar campeão paulista. O Corinthians estava logo atrás na tabela, e a vontade com que o clube do Vale do Paraíba entrara em campo sugeriu uma senhora mala preta para os atletas da chamada Burra da Central. O empate em 1 a 1 até os 38 do segundo tempo não deixavam a torcida santista celebrar um título depois de vinte anos. Aí apareceu Pepe. Ele recebeu de Álvaro e, da meia-esquerda, disparou um petardo de esquerda, rasteiro, indefensável. Era o herói daquela conquista que daria início à era mais gloriosa do Santos. Pelé chegaria só em 1957 e entraria em um time já formado, bi-campeão, e que devia muito disso a José Macia.

Mas talvez o grande jogo de Pepe tenha sido a memorável virada propiciada por ele na segunda partida da final do Mundial Interclubes, em 1963. O Milan havia vencido o Alvinegro por 4 a 2 na ida e, na de volta, vencia por 2 a 0 até o intervalo. Sem Pelé e o capitão Zito, foi Pepe quem resolveu.

De um primeiro tempo com céu estrelado para uma torrencial chuva na segunda etapa. O Maracanã alagado, mesmo com 132 mil pessoas a favor do Santos, poderia ser a trincheira ideal para a forte defesa italiana com Maldini e Trapattoni. Mas não foi. A guerra começou a ser decidida com um petardo de Pepe, de falta, a 4 minutos. Aos 21, o Canhão voltou a funcionar e saía ali o quarto gol.

Menos de metade do segundo tempo e a base da seleção italiana, reforçada por Amarildo, o “possesso”, um dos heróis brasileiros de 1962, e Mazzolla, campeão do mundo em 1958, caía perante o Santos. Sem Pelé, sem Zito, sem Rildo, mas com Pepe, Almir, Coutinho, Lima…

E olha que Pepe quase não disputou a partida. Quem conta essa história é o próprio, que tive o prazer de entrevistar para a revista Fórum. E assim ele descreveu aquele momento decisivo para a história do Peixe:

Fórum O Santos sem Pelé, machucado, e você não ia jogar...

Pepe – A equipe precisava de mim, dos meus chutes e ele ia colocar o Batista, que jogava mais na armação. O Lula estaria preocupado porque o time do Milan era muito forte e ele queria fechar mais o meio. Quando o Dalmo me disse isso, falei: “vou dar um bico na bola e vou embora, vou pegar o primeiro trem”. Bem na hora da decisão com o Milan eu ia ficar de fora para entrar um jogador que nem é ofensivo?

Acabei ficando lá e quando deu 5 horas da tarde – o jogo era às 9¬–, fui chamado para um quarto da concentração. E lá estava o Lula, que me perguntou: “ô, ‘Bomba’, como é que tu está hoje?” Respondi: “estou bem, professor, pode contar comigo”. Acho que o Modesto Roma e o Nicolau Moran tiraram da cabeça dele a asneira que iria fazer, talvez, por conta daquela pontinha de vaidade. Aí joguei e, se eu não jogasse, realmente o resultado seria outro. Virei a partida, marquei o primeiro gol e aproveitei bem o campo molhado com meu chute forte, coisa que o Batista não tinha como aproveitar.

(A entrevista completa está aqui)

Já como técnico, Pepe foi o comandante do último título de Pelé no Santos, o Paulista de 1973. Foi autor de outra façanha ao dirigir a Inter de Limeira no primeiro título estadual de um clube do interior, transferindo-se no mesmo ano para o São Paulo e obtendo o campeonato brasileiro daquele ano. Apareceu bem ainda à frente da Portuguesa Santista em 2003, levando o time às semifinais do Paulista e revelando atletas como o volante Adriano, o atacante Rico e o meia Souza, que foram para o São Paulo logo em seguida.

No campo ou no banco, sempre campeão. E santista de alma. Neste dia 25 de dezembro, quando completa 74 anos, as sinceras homenagens do autor deste blogue e de toda a nação peixeira.

1 comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 60, Década de 70, Década de 80, futebol, História, Santos, Século 21