Arquivo da tag: Libertadores 2017

Atlético-PR 2 x 3 Santos – com “herança” de Dorival, Peixe vence fora de casa na Libertadores

Confira alguns pontos que levaram o Alvinegro à vitória e o que ainda precisa ser corrigido por Levir Culpi

Um triunfo de virada, na casa do adversário, e com três gols marcados em uma competição que dá peso distinto ao tento marcado no domínio rival. O Santos voltou da sua primeira partida pelas oitavas de final da Libertadores de 2017 com uma vantagem significativa, ainda que não seja o suficiente para já crava o Peixe nas quartas de final. Até a segunda partida do confronto, em 10 de agosto, uma quinta-feira, na Vila Belmiro.

É preciso ressaltar que um dos fatores que levou o time à vitória na Vila Capanema foi uma das variações táticas utilizadas por Dorival Júnior no campo ofensivo. Quando o time ataca, muitas vezes o lateral se desloca para o meio servindo como opção até mesmo para a finalização. Foi assim que surgiu o segundo gol do Santos, com Victor Ferraz finalizando livre de fora da área e contando com a falha de Weverton. É bom lembrar que o mesmo expediente deu a vitória à equipe no campeonato brasileiro, na partida contra o Botafogo, sob comando de Elano.

No entanto, é na parte defensiva, também pelos lados, que o Peixe encontra dificuldades, também desde a época em que Dorival Júnior era treinador do time. Como os ataques principais dos adversários em geral acontecem por ali, os torcedores costumam culpar diretamente os laterais pela debilidade defensiva, e nem sempre a culpa é deles. Victor Ferraz, nas redes sociais, foi acusado de não saber se posicionar taticamente. Pode-se falar (muitas vezes de forma equivocada) que ele não joga com vontade, que não sabe cruzar, que erra mais do que deveria etc e tal, mas seu jogo tático não é o problema.

Vejam abaixo onde está Ferraz nos dois gols sofridos pelo Santos ontem que, sim, foram pelo lado dele. Na disposição da equipe alvinegra, quando o time é atacado por um lateral adversário, quem tem a obrigação de fazer a marcação é o atacante que está atuando naquele lado no momento da partida.

Marcação do Santos contra o Atlético-PR

Atacantes chegam atrasados enquanto Victor Ferraz está na cobertura

Reparem que Sidcley, nos dois lances, avança sendo perseguido, primeiro por Bruno Henrique; depois por Copete. Ambos estão atrás do lateral e não conseguem impedir o cruzamento. Ferraz está na cobertura, fechando o espaço para o eventual avanço de um atacante por aquele lado ou mesmo para marcar o lateral caso passe e avance em direção à área.

Quando o adversário tem um lateral com características mais ofensivas e sabe avançar ou é rápido, esse tipo de marcação feita pelo Santos pode facilitar para o rival. O ideal seria deslocar um dos volantes para fazer a cobertura por ali. Mas esse é um problema do técnico, e não do jogador. E é o comandante que tem que ser cobrado.

Já no segundo gol do Atlético-PR é possível perceber que há, sim, uma falha do lateral. No caso, o esquerdo, Jean Mota. Enquanto os dois zagueiros guardam a pequena área, Rossetto, aberto pelo lado esquerdo da defesa santista, dentro da área, recebe sozinho. Era ali que deveria estar Mota, mas o ala peixeiro está à frente, observando o lance junto com Thiago Maia, que também poderia fazer tal marcação. No mano a mano, a tendência é os zagueiros sempre levarem a pior.

Marcação do Santos contra o Altético-PR

Jean Mota e Thiago Maia observam enquanto Matheus Rossetto domina e cruza

Barrando a principal arma ofensiva do Atlético, as jogadas combinadas com Sidcley, o Santos pode levar menos sufoco do que levou no jogo de volta. É bom lembrar também que tais avanços possibilitam explorar aquele lado, e o time de Levir soube explorar bem aquele lado no segundo tempo. Questão de sintonia fina.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Atlético-PR x Santos – histórico de confrontos, jogaços e o que esperar

Alvinegro, único invicto na Libertadores, tem vantagem nos confrontos contra o Furacão, mas em duelos eliminatórios foi desclassificado duas vezes pelo rival

Santos e Atlético-PR iniciam nesta quarta-feira (5) o duelo válido pelas oitavas de final da Libertadores 2017 na Vila Capanema, em Curitiba, às 19h15. Na última partida entre as duas equipes, pelo campeonato brasileiro, o Peixe se deu melhor, vitória por 2 a 0.

Os dois clubes promoveram trocas de jogadores na janela que permite a inscrição de novos atletas na competição. A diretoria santista inscreveu o lateral esquerdo Caju, o volante Alison e o meio campista Vecchio nos lutares do lateral Matheus Ribeiro, do volante Yan e do meio campista Matheus Ribeiro. Já os rubro-negros inseriram em sua lista o lateral-direito Gustavo Cascardo, o meia Guilherme, o volante Bruno Guimarães e o atacante Ederson. Cada clube podia promover seis mudanças antes da conclusão das oitavas. Assim, o Santos pode modificar mais três jogadores e o Atlético-PR dois até 48 horas antes da partida de volta, em 10 de agosto, na Vila Belmiro.

Agora, a lista de jogadores santistas na Libertadores até agora é:

Goleiros:
Vanderlei, Vladimir, João Paulo

Laterais:
Victor Ferraz, Zeca, Caju, Daniel Guedes

Zagueiros:
Cléber, David Braz, Lucas Veríssimo, Noguera,

Volantes:
Renato, Thiago Maia, Yuri, Leandro Donizete, Alison, Léo Cittadini

Meias:
Lucas Lima, Rafael Longuine, Jean Mota, Vecchio

Atacantes:
Ricardo Oliveira, Copete, Bruno Henrique, Arthur Gomes, Rodrigão, Kayke, Vladimir Hernández, Vitor Bueno, Thiago Ribeiro

Histórico de confrontos entre Santos e Atlético-PR

Neymar contra Atlético-PR

Em outubro de 2010, Neymar tirava os jogadores do Atlético-PR para dançar (Ricardo Saibun/Santos FC)

No total de confrontos entre os dois na história, a vantagem é alvinegra. De acordo com o Acervo Histórico do Santos FC, são 53 encontros, com 24 triunfos peixeiros, 14 empates e 15 vitórias rubro-negras, com 85 gols santistas e 60 atleticanos.

Contudo, em torneios eliminatórios, os dois duelos entre ambos terminaram com desclassificação santista. O primeiro deles foi na Copa do Brasil de 1996, quando o Furacão bateu o Peixe por 3 a 0 no jogo de ida, com empate em 1 a 1 na volta. Já na Libertadores de 2004, o Santos perdeu na ida por 3 a 2 e também na volta, por 2 a 0. No segundo jogo, o time jogou sem Robinho e Ricardinho, convocados por Carlos Alberto Parreira para a seleção brasileira, minando as chances da equipe.

Goleadas santistas – quando Neymar fez quatro gols

No dia 29 de outubro de 2011, Neymar fez uma apresentação de gala no Pacaembu, e esse jogo tive o prazer de ver in loco. Ele fez os quatro da goleada de 4 a 1 sobre os paranaenses, e só não fez o quinto porque o árbitro Francisco Carlos Nascimento anulou um legítimo. Naquela ocasião, além do futebol de encher os olhos, o craque entrou para a galeria de jogadores que marcaram em uma só partida ao menos quatro gols com a camisa do Santos.

Confira ainda nesse post cinco vitórias memoráveis do Santos sobre o Atlético-PR.

Oitavas de final da Libertadores 2017

Atlético-PR x Santos (partida de ida)

Local: Vila Capanema, Curitiba

Hiorário: 19h15

1 comentário

Arquivado em Década de 90, futebol, História, Santos, Século 21

Santos na Libertadores 2017 – a estreia contra o Sporting Cristal, o “Audax peruano”

Peixe entra em campo nesta quinta (9), às 21h45, em seu retorno à competição depois de cinco anos

Se o Santos enfrentou grandes dificuldades para obter o título paulista contra o Audax, na final da competição estadual em 2016, o torcedor que prepare seu coração — e a sua paciência) —  para a partida de estreia do time contra o Sporting Cristal, em Lima, às 21h45 desta quinta-feira (9).

A equipe já foi apelidada de “Audax peruano” por conta das observações do auxiliar-técnico de Dorival Júnior, Lucas Silvestre. “Eles saem jogando desde o tiro de meta, goleiro e zagueiros arriscam. Até um certo ponto de loucura. Analisamos bem seis, sete, oito jogos deles. Vimos pontos fortes e fracos e vamos explorar as dificuldades dele”, disse Silvestre à Rádio Santos.

As características são semelhantes às da equipe paulista vice-campeã do ano passado. O goleiro muitas vezes joga como líbero, a troca de passes curtos é a tônica e os sistemas de jogo variam entre o 4-2-3-1 e o 4-3-2-1. Em determinados períodos do jogo, o time atua com marcação alta, o que pode abrir espaços no setor defensivo. Pelo menos é o que espera o comando técnico alvinegro.

Ao contrário do que fez na segunda partida da decisão do Paulista, quando “entregou” a posse de bola para o clube de Osasco, Dorival esboçou o Santos pressionando o adversário em seu campo defensivo, buscando aproveitar, por exemplo, alguma falha na troca de passes entre goleiro e defensores. Assim como o Santos, o atual campeão peruano não vive boa fase, vindo de derrota de 4 a 1 para o Academia Cantolao, em casa, fazendo uma sequência de duas derrotas e um empate fora de casa. Nas últimas cinco partidas pelo Paulista, o Peixe conseguiu somente uma vitória.

estreia do Santos na Libertadores 2017

Santos vai ter que mostrar disposição para passar pelo Sporting Cristal (Ivan Storti/ Santos FC)

Quem é o Sporting Cristal

Fundado em 1955, em Lima, capital do país, o Sporting Cristal tem uma origem curiosa. A equipe nasceu da iniciativa dos principais acionistas da cervejaria Backus y Johnston,  Ricardo Bentín e Esther Grande, em 1955. Desde 2005, a companhia passou a fazer parte do grupo multinacional cervejeiro SABMiller, sendo responsável pela marca mais vendida no país, a Cristal, principal patrocinadora da seleção do Peru.

Com a força financeira da cervejaria o Sporting Cristal galgou espaço entre os grandes na década de 1990, quando conseguiu um tricampeonato nacional, tornando-se o segundo clube a realizar tal proeza no Peru, e o primeiro na era profissional. Hoje, tem a terceira maior torcida do país e seu maior feito internacional foi o vice-campeonato da Libertadores, conquistado em 1997, quando foi derrotado pelo Cruzeiro na final. Até hoje, nenhum clube peruano conseguiu levantar a taça da competição.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21