Arquivo da tag: Palmeiras

Loja oficial do Palmeiras bota fé: Santos campeão brasileiro de 2015

Tudo bem, foi uma gafe mas não deixa de ser curioso. Freud – ou um santista como responsável por uma rede social – explica.

A gafe, noticiada pela Nagila Luz no Torcedores.com, aconteceu no fim da tarde desta sexta-feira. Bom, a imagem abaixo diz tudo:

Torcedores palmeirenses ficaram evidentemente revoltados com o tuíte, mas o perfil da loja manteve o bom humor. “Pessoal, como vocês perceberam, tínhamos um santista entre nós. Tínhamos”, postaram. E, em seguida: “A gente tá bem triste e queria pedir desculpas a todos vocês que nos ofenderam como se não houvesse amanhã”.
Acontece. Mas vale a troça.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Santos 2 x 0 Palmeiras – reestreia com vitória na Vila Belmiro

Bruno Uvini comemora seu 1º tento (Ivan Storti/SantosFC)

Com dois gols de jogadores que nunca haviam marcado antes com a camisa do Santos, o Alvinegro Praiano superou o Palmeiras na Vila Belmiro. O zagueiro Bruno Uvini, aliás, autor do primeiro tento da peleja, nunca havia marcado como profissional. Alison, volante, foi quem anotou o segundo. O Peixe está quinto lugar no Brasileirão, empato em número de pontos com o Sport, que fecha o G-4. Depois do intervalo forçado dos clubes do Brasileiro, em função da Copa, a expectativa era grande em relação à forma como as duas equipes iam jogar. Após o apito inicial, viu-se que a proposta alviverde do treinador Ricardo Gareca, argentino, era até parecida com a adotada pela seleção do seu país no Mundial, com duas linhas de quatro na defesa mas com o adendo de marcar em boa parte do tempo com os dez atrás da linha da bola. Bom, mas a diferença é que Gareca não tem grandes opções de ataque como a equipe de seu compatriota Alejandro Sabella. Assim, o Palmeiras foi um time que marcou bastante no primeiro tempo, abrindo mão da posse de bola (que na metade da etapa inicial era de 68% para os donos da casa), e esperando um contra-ataque. Mas o “arco” da equipe, Bruno César, foi mal, e as “flechas” Leandro e Diogo também. Com a proposta de atacar, o Santos seguiu pressionando mas só achou uma finalização aos 21 minutos, com Geuvânio. Mesmo assim, notava-se uma mobilidade bastante grande dos homens de frente, que trocavam de posição de forma coordenada e contavam ainda com a chegada de Arouca e dos laterais. O gol chegaria logo depois do chute inaugural, em uma cobrança de falta pelo lado direito de Lucas Lima, que achou o zagueiro Bruno Uvini, livre. O garoto testou para o chão, como manda a cartilha, e fez. O Palmeiras ainda tentou atacar, mas o único momento de tensão surgiu em uma saída errada de Aranha pelo alto, que não foi aproveitada pelos visitantes. Já na segunda etapa, os visitantes conseguiram chegar com algum perigo, mas os espaços para os contragolpes santistas apareceram. Os palmeirenses chegaram a comemorar um gol, anotado após impedimento corretamente marcado pela arbitragem, mas foi quase tudo que a equipe fez. Aos 23, o fim das esperanças alviverdes. Arouca tocou para Gabriel que, de primeira, serviu o volante Alison, que também chutou de bate-pronto. Mesmo com mais posse de bola em função da postura do Peixe após a vantagem e com Mendieta entrando e fazendo um pouco mais que Bruno César, o poder ofensivo do Verdão era reduzido e foi o Alvinegro que ainda levou perigo em estocadas de Rildo e Gabriel. Pelo lado santista, a defesa, a melhor da competição junto às do Cruzeiro e do Corinthians, com cinco gols sofridos, segue bem, mas a coordenação das jogadas de ataque precisa melhorar, principalmente quando o time tem espaço para contragolpear e pode utilizar sua melhor arma, a velocidade. No Palestra, Gareca ajustou a defesa, mas vai ter que se virar para fazer um ataque eficiente com as peças de que dispõe.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Gylmar dos Santos Neves, maior goleiro da história do Peixe, morre aos 83

Morreu neste domingo talvez o maior goleiro da história do Brasil, certamente um dos maiores do mundo, único arqueiro bicampeão mundial por uma seleção. Gylmar do Santos Neves, 83 anos completados no último dia 22 de agosto, não resistiu a um infarto e uma infecção urinária que debilitou o seu estado de saúde já frágil. Com parte do corpo paralisado e dificuldades de fala desde um derrame cerebral ocorrido em junho de 2000, Gilmar estava internado no Hospital Sírio Libanês desde 8 de agosto. Deixa uma vida e uma trajetória repletas de feitos e títulos.

O blogue Tardes de Pacaembu lembra o início da trajetória do ídolo, nascido em 22 de agosto de 1930 em Santos. Em sua terra natal, jogou no time de várzea Vila Hayden FC quando jovem e, sem poder treinar no time do Peixe por conta de outros goleiros que estavam lá à época, foi atuar no Portuários, time amador da Companhia Docas de Santos. Arnaldo de Oliveira, o Papa, trabalhava no Jabaquara e chamou o arqueiro para fazer testes na equipe. Aprovado nos testes, começou entre os aspirantes em 1947 e, em 1950, estreou no time titular em função de uma contusão do titular Mauro. Mesmo com a goleada sofrida contra o São Paulo, 5 a 1, o goleiro agradou.

Boa parte da história de Gilmar pode ser conferida no belo livro Goleiros (Alameda Editorial), de Paulo Guilherme. Uma de suas maiores inspirações foi o palmeirense Oberdan Cattani. Quando ainda atuava no Jabaquara, em 1951, em uma vitória palmeirense por 2 a 0 sobre o time da Caneleira (então era do Macuco, bairro onde nasceu Gilmar), o ídolo palestrino atravessou o campo para cumprimentá-lo e profetizar: “Muito bem, garoto. Continue assim que você vai vencer”.

Sendo o goleiro menos vazado daquele ano, foi contratado como contrapeso pelo Corinthians na negociação que levou o meia Ciciá ao Parque São Jorge. Tendo acima dele Bino e Cabeção, revezava na posição de titular com o segundo quando veio um jogo em que o Timão foi derrotado por 7 a 3 pela Portuguesa, em novembro de 1951. Acusaram-no de ter amolecido e acabou afastado por seis meses. Só voltou em 1952, quanto atuou em uma excursão do time na Turquia, se destacando com grandes apresentações. Contra a seleção da Dinamarca, defendeu três pênaltis, um feito, como lembra Odir Cunha no livro Times dos Sonhos (Códex).

A trajetória brilhante, mas conturbada, de Gilmar no Corinthians ainda envolveria uma contusão em outubro de 1953 que o afastou dos gramados por 8 meses, tirando suas chances de ir à Copa de 1954. Àquela altura, já havia sido convocado para a seleção pela primeira vez, jogando contra a Bolívia pela Copa América e chegando a defender um pênalti.

Ao se recuperar, havia outro treinador no Parque São Jorge. Oswaldo Brandão tinha sido justamente o técnico luso naquele 7 a 3 e o jogo seguinte era contra a Portuguesa. Cabeção foi sacado da equipe e pediu para ir embora, com Gilmar se firmando após aquela “revanche” contra a Lusa, sendo um dos melhores jogadores da conquista corintiana do campeonato paulista de 1954, do IV Centenário. Assumiu como arqueiro titular da seleção em 1956, colocando na reserva Castilho, que havia sucedido Barbosa. E reconhecia, em entrevista ao Jornal da Tarde no ano de 1987, passagem retratada em Goleiros, a ajuda do colega que ficou como suplente. “Eu nunca conheci um jogador de tão bom caráter. Castilho não demonstrou o menor recalque da reserva. Ao contrário, sempre me orientou, tratando-me com toda a dignidade.” Ao contrário de muitos ídolos do mundo da bola, Gilmar sempre foi humilde, sabendo reconhecer os méritos de colegas e rivais.

Gilmar afaga o garoto Pelé, após o título de 1958

Gilmar afaga o garoto Pelé, após o título de 1958

Herói brasileiro como o primeiro goleiro campeão mundial em 1958, Gilmar inspirou toda uma geração de “Gilmares”, já que diversos pais resolveram batizar seus filhos com seu nome, ainda que o seu seja grafado com “y” em sua certidão de nascimento. Outro goleiro de seleção, o hoje empresário Gilmar Rinaldi, ex-Flamengo, São Paulo e outros, foi batizado assim em janeiro de 1959 justamente por conta do então arqueiro corintiano.

Gilmar no time dos sonhos

Com o início do jejum de títulos corintiano, vários jogadores foram pressionados no clube. Gilmar foi um deles. Após ficar fora de algumas partidas por conta de uma lesão no braço, com o médico do clube dizendo que se tratava de “corpo mole”, o goleiro caiu de mau jeito em um treino e, sem camisa, foi mostrar o braço inchado ao presidente do clube, Wadih Helou. “Olha aqui o corpo mole. Mas não se preocupe que eu vou operar por conta própria”, disse, segundo o livro Goleiros.

Assim o fez, e o clube negociou Gilmar em 1962. De acordo com o Almanaque do Corinthians, de Celso Unzelte, foram 395 jogos dele entre 1951 e 1961, 243 vitórias, 75 empates e 77 derrotas. O clube brasileiro interessado no arqueiro era o Santos, que não tinha recursos para contratá-lo, mas conseguiu um empréstimo da Federação Paulista de Futebol e uma doação do empresário José Ermírio de Moraes, como destaca o livro Time dos Sonhos. Gilmar não levou nada na negociação e recusou outro convite de time campeão para ir à Vila.

“O Peñarol ofereceu uns 12 milhões para o Corinthians, mais uma fortuna na minha mão, mas resolvi não ir. Não queria dar mais nenhum tostão para o Corinthians. Eles me judiaram demais”, disse. “No Santos, recuperei a alegria de jogar. Me senti rejuvenescido”, disse em depoimento ao Museu da Imagem e do Som de São Paulo. Substituiu Agenor Gomes, Manga, campeão paulista de 1955, 1956 e 1958, e estreou em 7 de janeiro, na goleada contra o Barcelona de Guayaquil, amistoso disputado no Equador, um 6 a 2 com Coutinho marcando quatro gols e Zito e Pepe um cada. Na partida, revezou posição com Laércio. Naquele ano, foi campeão mundial duas vezes como jogador santista. Pela seleção, na Copa do Mundo do Chile, e pelo Peixe, no estádio da Luz, contra o Benfica.

Foi na Copa de 1962, aliás, que Gilmar fez a defesa que considerava a mais importante da sua vida. Na última partida da primeira fase, contra a Espanha, os rivais venciam por 1 a 0 na metade do segundo tempo quando Gento, do mítico Real Madri, avançou pela esquerda e cruzou para Puskas, que disputou a bola com Mauro. O goleiro se antecipou aos dois e tirou a pelota, caindo após o choque triplo. No rebote, Peiró chutou de primeira, com força, para um gol aparentemente vazio. Mas Gilmar se desvencilhou do zagueiro e do atacante rival e defendeu o petardo. “Para se ter uma ideia, foi uma jogada tão importante que os próprios espanhóis justificaram sua eliminação naquela defesa”, disse. O Brasil venceu de virada por 2 a 1.

Gilmar, com a camisa que ele foi mais vitorioso

Gilmar, com a camisa que ele foi mais vitorioso

No Alvinegro Praiano, formou com outros craques o time considerado por muitos o maior de todos os tempos e colecionou uma série de títulos. Em uma de suas partidas mais famosas, brilhou na final da Libertadores de 1963 contra o Boca Juniors, assegurando a épica vitória santista na Bombonera por 2 a 1. “Era a pedra de segurança de uma equipe que encantava o mundo, me fascinava”, como conta Antero Greco nesse post.

O tal tempo, implacável até com os maiores, também chegou para Gilmar. Em 1966, não foi bem nas finais da Taça Brasil contra o Cruzeiro, sofrendo seis gols na primeira partida. Na Copa do Mundo, com dores no joelho, jogou a primeira partida contra a Bulgária e a segunda contra a Hungria, sendo sacado para a entrada de Aílton Corrêa Arruda, Manga, na peleja contra Portugal.
No Santos, foi campeão mundial (1962/1963), da Libertadores (1962/1963), brasileiro (1962/1963/1964/1965/1968), do Torneio Rio-São Paulo (1963/1964/1966), paulista (1962/1964/1965/1967/1968), da Recopa Sul-Americana (1968) e da Recopa Mundial (1968). Sua última participação no time foi no dia 5 de outubro de1969, em uma derrota contra o Cruzeiro por 3 a 2, partida válida pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa, no Morumbi. Pelo Peixe, foram 330 partidas, o que faz de Gilmar o quarto arqueiro que mais vestiu a camisa alvinegra, mas, para muitos, foi o maior dentre todos.

Despediu-se da seleção em em 12 de junho de 1969, aos 39 anos, dois meses e 20 dias, um amistoso com a Inglaterra no qual se tornou o goleiro mais velho a vestir a camisa canarinha. Fez 103 jogos pelo Brasil, sendo o terceiro goleiro com mais partidas pela equipe (fica atrás de Taffarel, 108, e Leão, 107) com 104 gols sofridos. Foi eleito pela revista francesa Paris Match como o melhor goleiro da história e um contemporâneo seu, o lendário Lev Yashin, o Aranha Negra, também o tinha como o melhor de todos os tempos.

Talvez por aguardar a Gazeta Esportiva na segunda-feira só pra ver as fotos de Oberdan, Gilmar fez da elegância uma marca. Suas famosas pontes, plásticas, são lembradas com saudades por aqueles que o viram jogar e viraram uma grife sua, influenciando gerações que vieram depois. De novo, é Antero Greco quem o define à frente daquele Santos dos anos 1960. “Lembro de Gilmar todo de preto, cotovelos e laterais do calção acolchoados. Uma segurança extraordinária no gol de um time temível, que rodava o mundo deixando rivais felizes e honrados com as surras que levavam. Lá atrás, estava o grande Gilmar, que crescia, ficava enorme na frente dos atacantes, e parecia não fazer força nenhuma na hora de defesas memoráveis.”

Vai mais um herói do tempo em que nós, brasileiros, no futebol, éramos reis.

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 50, Década de 60, futebol, História, Santos

Cinco vitórias memoráveis do Santos sobre o Palmeiras no “clássico da saudade”

Santos e Palmeiras disputam amanhã o chamado “clássico da saudade”, referência ao confronto que era um dos maiores do país na Era de Ouro do futebol nacional, a década de 60. Trata-se de um clássico com muita história, e é nela que se pode confiar para que um bom jogo aconteça.

A primeira partida entre os dois data de 3 de outubro de 1915 e foi realizada no Velódromo de São Paulo. Goleada alvinegra sobre o então Palestra Itália por 7 a 0, com três gols de Ary Patusca, dois de Anacleto Ferramenta, um de Aranha e outro de Arnaldo Silveira, autor do primeiro gol oficial da história do Santos. O Verdão devolveria a humilhante goleada em 1932, com um 8 a 0 em uma peleja na qual o Peixe terminou com nove jogadores, com dois gols de Romeu Pelliciari, dois de Imparato III, além de anotações de Lara, Sandro, Avelino e Golliardo.

Desde aqueles idos tempos, foram diversos jogos entre os dois, alguns eliminatórios e muitos que decidiram títulos mas que não eram finais propriamente ditas, com exceção das partidas extras que definiram o chamado supercampeonato paulista de 1959, com vitória do Palmeiras.

Abaixo, algumas das vitórias memoráveis do Santos no “clássico da saudade”:

  • Santos 7 X 6 Palmeiras (Rio-São Paulo de 1958)

Na manchete da Gazeta Esportiva, o “espetáculo pirotécnico” do clássico da saudade

Talvez a partida mais emocionante entre os dois clubes e uma das maiores da história. Dizem que cinco infartos ocorreram por conta daquela peleja, com três reviravoltas no placar. No Pacaembu, 43.068 viram Urias marcar o primeiro tento do jogo aos 18 minutos. A reação peixeira não tardou e o menino Pelé, 17 anos, empatou para Pagão virar, aos 25. Nardo empatou somente um minuto depois e o que se viu a partir daí foi um atropelo santista até o final do primeiro tempo.

O time palmeirense era inferior tecnicamente a uma equipe que tinha uma linha ofensiva espetacular: Dorval, Jair Rosa Pinto, Pagão, Pelé e Pepe, responsáveis pela histórica marca de gols no campeonato paulista de 1958. Foram 143 tentos em 30 partidas, 58 só do adolescente Pelé. Após o empate, Dorval, Pepe e Pagão fizeram 5 a 2 ainda nos primeiros 45 minutos.

Nesta matéria do Esporte Espetacular, Zito conta que desceu para o vestiário dizendo que eles tinham que marcar o maior escore da história, e Pepe conta que o bicho, pago à época com o dinheiro da renda da partida, já estava sendo separado para os atletas santistas. Mazzola recorda que o goleiro Edgar chegou chorando ao vestiário, se recusando a voltar para a etapa final. Oswaldo Brandão colocou Vitor e o Palmeiras voltou outro depois do intervalo.

E em 18 minutos, um motivado Verdão virou a partida pra cima do Peixe com Paulinho, de pênalti, aos 16; Mazzola, aos 20 e aos 28, e Urias, aos 34. Um 6 a 5 que parecia sacramentar uma reação impossível, mas o impossível não queria descansar naquela peleja. Pepe voltou a empatar aos 38, de cabeça, e, aos 43, consolidou a última virada da partida.

  • Santos 6 X 1 Palmeiras (Campeonato Paulista de 1982)

Boa parte da década de 80 não foi gloriosa nem para Santos, nem para o Palmeiras. O Santos foi campeão paulista em 1984, mas o Verdão amargou o período sem um título. Os rivais São Paulo e Corinthians decidiram o campeonato daquele ano, vencido pelo Alvinegro paulistano.

O regulamento da competição previa que o vencedor de cada turno iria para a final e o Santos não chegou perto de vencer um ou outro. O Palmeiras ainda fez uma campanha melhor no segundo turno, terminando em terceiro, mas quando topou o Peixe em novembro, foi massacrado.

O 6 a 1 peixeiro teve como principais artilheiros João Paulo e Serginho Dourado, que marcaram dois gols cada um. Roberto César e Paulinho Batistote completaram para o Santos, comandado por formiga, enquanto Jaime Boni descontou para o Palmeiras de Rubens Minelli.

  • Santos 5 X 1 Palmeiras (Campeonato Brasileiro de 2006)

O Santos, na 22ª rodada do Brasileiro de 2006, disputava o título e estava a quatro pontos do São Paulo. Embora tenha perdido fôlego no final da competição, a equipe conseguiu ainda se classificar para a Libertadores do ano seguinte. Já o Palmeiras lutava para se distanciar da zona do rebaixamento, mas vinha em uma boa sequência de onze partidas sem perder, sob o comando de Tite.

Mas, na Vila Belmiro, o Peixe massacrou o rival. O zagueiro Luiz Alberto marcou duas vezes, aos 13 e aos 24. Juninho Paulista descontou na primeira etapa, mas no segundo tempo o Alvinegro atropelou. Wellington Paulista marcou aos 15 e aos 22, e Jonas completou aos 25. Um 5 a 1 que desnorteou o Verdão. Após perder para o Santa Cruz, 18 dias depois, Tite entrou em conflito com o diretor Salvador Hugo Palaia e terminou como o último time antes da zona do rebaixamento naquele 2006.

  • Palmeiras 2 X 3 Santos (Campeonato Paulista de 2000)

Sem chegar a uma final de Paulista havia 16 anos, o Santos disputava a segunda partida da semifinal no Pacaembu contra o forte Palmeiras. Na primeira peleja, no Morumbi, o Verdão chegou mais perto da vitória, mas um então jovem Fábio Costa evitou que a partida saísse do zero a zero.

A segunda partida também foi no estádio da Zona Sul e o Alviverde, que tinha a vantagem do empate, conseguiu se impor ao marcar com Argel, aos 32 do primeiro tempo, e Euller, aos 8 da etapa final. Aquela partida disputada pela manhã, contudo, se tornaria histórica para os santistas.

Com uma bela finalização, Eduardo Marques diminuiu para o Peixe aos 23 e Anderson Luiz empatou aos 32. O Palmeiras recuou buscando manter o empate que lhe bastava e o Santos partiu para cima, sem muita tática ou técnica. E, após um cruzamento de Robert, Claudiomiro dividiu com Marcos e cabeceou para o gol, com a bola ficando limpa para Dodô, caído, marcar o gol da virada. O Peixe do técnico Giba chegava à final, a qual perderia para o São Paulo.

  • Santos 2 X 1 Palmeiras (Campeonato Paulista de 2009)

O Palmeiras era favorito nas semifinais do Paulista, havia feito a melhor campanha na primeira fase, e o Santos era uma equipe em formação. Vágner Mancini já aproveitava Paulo Henrique Ganso como titular e tinha promovido naquela competição a estreia de Neymar como profissional.

A equipe de Vanderlei Luxemburgo havia perdido a primeira na Vila por 2 a 1 e saiu perdendo também no Parque Antarctica logo aos 17, com Madson, um dos destaques daquela noite, marcando para os santistas. No segundo tempo, Mauricio Ramos fez pênalti em Neymar, sendo expulso, algo não muito incomum para o atleta. Kléber Pereira converteu e a vantagem peixeira se ampliou.

O Verdão ainda respiraria com um gol de Pierre, uma falha monumental de Fábio Costa. A peleja teria ainda a inusitada confusão entre Diego Souza e Domingos, resultando na expulsão dos dois. O Santos foi à final, mas perdeu a decisão para o Corinthians.

Na última partida entre os dois, pelo Brasileiro de 2012, o Santos levou a melhor: 3 a 1, em noite de homenagem a Joelmir Beting.

Leia também:

Palmeiras X Santos – relembre cinco vitórias do Peixe fora de casa no “clássico da saudade”

2 Comentários

Arquivado em Ídolos, Década de 50, Década de 80, Década de 90, futebol, História, Santos, Século 21

Montillo e a chance de mais um argentino fazer história no Santos

A chegada do meia argentino Walter Montillo ao Santos engrossa a lista de estrangeiros que já jogaram no clube da Vila Belmiro. Desde que o atacante irlandês Harold Cross e o arqueiro francês Julien Fauvel, respectivamente em 1912 e 1913, abriram a fila, 76 estrangeiros atuaram no Peixe, o ex-cruzeirense será o 77º. E foram justamente os conterrâneos de Montillo os gringos que mais vestiram o manto santista. Com o atual contratado, são 26 os argentinos que jogaram no Santos.

Montillo é a esperança de bom futebol em 2013 para o Santos.

Em relação a outros clubes, é um número elevado de atletas vindos de outros países. O Corinthians teve 34 estrangeiros em sua história (sim, a conta já inclui o Zizao); o Botafogo, 58, o mesmo número do Flamengo. E o torcedor santista tem na memória boas lembranças com alguns estrangeiros, talvez a mais evidente para aquele que tem mais de 30 anos seja a passagem do monumental uruguaio Rodolfo Rodríguez, mas, se formos falar apenas de argentinos, há grandes nomes, outros com boa passagem e frustrações daquelas.

Em meados dos anos 40, o atacante Echevarrieta já havia sido ídolo no Palestra Itália, equipe pela qual marcou 114 gols em 127 jogos. Em sua passagem pelo Santos, entre 1942 e 1943, também manteve uma alta média de aproveitamento. Foram 25 jogos com 20 tentos marcados. No entanto, depois de uma derrota para o Corinthians, ele e Magonones foram suspensos pela direção técnica, permanecendo três meses sem receber qualquer remuneração. O argentino seguiu para o Ypiranga (veja mais aqui).

O lendário Ramos Delgado junto com Pelé, na Vila famosa.

Foi no fim da década de 1960, a mais dourada da história alvinegra até agora, que veio do Banfield José Manuel Ramos Delgado, um dos maiores defensores da história alvinegra. No período entre 1968 e 1972, ele foi capitão do Alvinegro, posto que também ocupou na seleção argentina, e colecionou títulos como o tricampeonato paulista (1967-1969) e o Brasileiro de 1968. Encerrou sua carreira na Mais Briosa, a Portuguesa Santista, em 1973, depois de ser o estrangeiro com maior número de atuações pelo Santos: 323 partidas.

Ainda com Ramos Delgado no clube, chegou em 1970 vindo do Racing o arqueiro Agustín Cejas, outro estupendo goleiro que vestiu a camisa peixeira até 1975. Campeão paulista de 1973, venceu, no mesmo ano, a Bola de Ouro da Placar junto com o gremista Ancheta. Foi o terceiro estrangeiro que mais atuou pelo Alvinegro, ficando duas partidas atrás de Rodolfo Rodríguez.

Do mesmo Racing, porém, um jogador do qual se esperava muito, pouco rendeu na Vila Belmiro. Leopoldo Luque tinha sido uma das principais peças da seleção argentina campeão mundial de 1978, mas, já em 1983, com 34 anos, não rendeu no Santos. Em cinco participações, não marcou nenhum gol e quase não deixou recordações para o torcedor alvinegro.

A contratação de atletas argentinos voltaria na dinastia Marcelo Teixeira, iniciada em 2000. Querendo justificar suas promessas de campanha com contratações de peso. Um dos principais nomes foi o argentino Galván, zagueiro vice-campeão brasileiro pelo Atlético-MG em 1999. O bom mesmo da zaga das Alterosas era Gerson Caçapa, mas foi o que se pôde fazer… Sem convencer, o portenho, que os antigos definiriam como “cintura dura”, lento, saiu no começo de 2002, ano em que o time saiu da fila de 18 anos sem títulos importantes.

O argentino Trípodi, gol decisivo, mas só.

Ainda na Era MT, o atacante Frontini vestiu o manto peixeiro, fazendo um gol em nove partidas disputadas em 2005. Depois, em uma leva de estrangeiros trazidos pela nada saudosa DIS, que tinha o chileno Sebastían Pinto e o inesquecível equatoriano Michael Jackson Quiñonez, salvando-se somente o colombiano “Mao” Molina, se incluía o argentino Mariano Trípodi. Ele até fez um gol importante pelo clube, na peleja decisiva contra o Cúcuta na Libertadores de 2008, mas foi só.

Agora, chega Montillo, que se junta a outros dois compatriotas que precisam convencer: o jovem Patito Rodriguez e o atacante Miralles. Quem sabe a mistura não dá samba. Ou um triste tango… para os rivais.

 

Por onde andam em 2013 alguns dos últimos atletas estrangeiros do Santos:

– Frontini – acertou com o Volta Redonda para disputar o campeonato estadual do Rio de Janeiro em 2013.

– Sebastían Pinto – ainda que tenha sido cogitado seu retorno ao Chile, ainda está no Bursaspor, da Turquia.

– Michael Jackson Quiñonez – um dos destaques do Barcelona de Guayaquil, incrivelmente tem sido convocado para a seleção do Equador.

– Mariano Trípodi – poucos atletas têm a honra de jogar no maior clube de um país. Trípodi pode se orgulhar: atua hoje no FC Vaduz, maior equipe de Liechtenstein.

– Molina – foi campeão nacionala da Coreia do Sul em dezembro, atuando pelo Seongnam.

1 comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 40, Década de 60, Década de 70, Década de 80, Século 21

Santos, o lugar em que Muller foi mais feliz

Nos 18 anos que o Santos ficou sem ganhar um título importante (já que títulos, nesse período, ele conseguiu), o clube contou com muitos atletas que fazem o torcedor até hoje enrubescer de vergonha, mas também teve craques que trataram muito bem a bola e, por pouco, não fizeram o Alvinegro levar mais um troféu para a Vila Belmiro. Um deles, sem dúvida, foi Muller.

Muller no Santos

Equipe do Santos de 1998: Argel, Ronaldão, Zetti, Athirson, Anderson Lima e Claudiomiro; agachados: Muller, Caíco, Narciso, Lúcio e Jorginho. Foto do Fanático Santista.

Revelado pelo São Paulo, chegou ao Santos e estreou justamente contra seu ex-time, em 24 de abril de 1997. O jogo – você pode conferir os gols abaixo – marcou também por conta da reedição da dupla com Careca, parceria de sucesso no Tricolor paulista e também na seleção brasileira pela Copa de 1990. Chegaria a fazer dupla também com outro ex-são-paulino, Caio, que chegou à Vila Belmiro em julho do mesmo ano.

O atacante, que quando mais novo se caracterizava principalmente pela velocidade (dizia-se que nos treinos do São Paulo fazia os 100 metros em aproximadamente 11 segundos), mudou seu estilo conforme a idade foi avançando. No Palmeiras dos cem gols, de 1996, onde atuou com Rivaldo, Djalminha e Luisão, ele marcava gols, mas era mais um “garçom” que dava assistências precisas, com toques de primeira que desconcertavam os adversários. O típico atleta que já tinha a jogada pensada antes da pelota chegar aos pés.

Depois de sair do Palmeiras, seguiu para o Peruggia (ITA), onde não fez muito sucesso. E, de lá, veio brilhar no Santos. Foi na equipe que Muller obteve sua única Bola de Prata na carreira, prêmio concedido pela revista Placar, pelo Brasileiro de 1997. Ele fez companhia no ataque ao atacante Edmundo, artilheiro daquele campeonato, com 29 gols, e Bola de Ouro. O Alvinegro ficou em 6º lugar na primeira fase e, depois, terminou em segundo no grupo B, perdendo a vaga na final para o Palmeiras. O atacante, além das assistências, marcou nove vezes pelo clube no Brasileiro, o que lhe garantiu o topo da artilharia do time.

A excelente fase de Muller fez com que boa parte da opinião pública pedisse sua convocação para a seleção que iria tentar o penta em 1998. Mas Zagallo, após ter convocado o santista para amistosos, o deixou de fora da lista final, levando Ronaldo, Bebeto, Edmundo e Denílson. O treinador havia alegado na ocasião que o jogador disputou três Copas do Mundo e não jogou bem, e fugiu da concentração da Granja Comary, juntamente com Válber, nas Eliminatórias da Copa do Mundo, em 1993. Muller respondeu mais tarde: “Ele pode dizer o que quiser. Mas também tenho o direito de dar a minha opinião. Para mim, o Vanderlei Luxemburgo deveria ser o técnico da Seleção Brasileira na Copa do Mundo.”

Os últimos títulos antes de se aposentar foram com o Cruzeiro: a Copa do Brasil em 2000 e a Copa Sul-Minas de 2001. Jogou ainda no Corinthians, em 2001, conseguindo atuar nos quatro grandes de São Paulo. Mas onde ele foi mais feliz? Com a palavra, dada em entrevista ao Uol Esporte, o próprio Muller:

Onde você foi mais feliz?

Muller – Joguei no Santos em 1997 e no primeiro semestre de 1998 e não ganhei um título sequer, mas foi uma das melhores fases da minha carreira. Em 1998 fui considerado o craque do campeonato e ganhei o troféu pela seleção do campeonato. Foi um ano e meio de felicidade, de alegria, de prazer e de bonitos gols que marquei. Marquei minha história lá sem titulo, mas com uma passagem muito bonita.

Às vezes, jogar bem e bonito vale tanto ou mais que conquistar títulos. E isso Muller fez no Peixe.

6 Comentários

Arquivado em Ídolos, Década de 90

1961, ano mágico para o Santos

O ano de 1961 foi mágico para o Santos. Não que os anteriores e os imediatamente posteriores também não fossem, mas este teve algumas características especiais. O Alvinegro marcou 345 gols, sua melhor marca em toda a história e Coutinho foi o responsável por anotar o gol de número 5 mil da equipe, em 10 de janeiro daquele ano, uma vitória por 10 a 2 sobre o Guarani de Campinas.

Aliás, goleadas como essa não faltaram, inclusive contra rivais poderosos dentro e fora do país. Em junho, quando o time costumava excursionar na Europa, o Santos foi campeão do Torneio de Turim superando a Inter de Milão por 4 a 1 e a Roma por 5 a 0, além de derrotar a Juventus por 2 a 0. Também superou o Benfica em sua tour por 6 a 3. No Brasil, adversários tradicionais foram impiedosamente derrotados. Pelo Rio-São Paulo, o Peixe goleou o Flamengo por 7 a 1; no Paulista, faturou o Corinthians por 5 a 1, o São Paulo por 6 a 3 e 4 a 1, além da Portuguesa por 6 a 1. O Santos se sagrou campeão estadual com 53 pontos (a vitória valia 2), 25 vitórias, 3 empates e duas derrotas (uma para o Palmeiras e outra surpreendente para o Jabaquara). Incríveis 113 gols feitos e 30 sofridos, um saldo de 80 gols.

E o vídeo acima mostra justamente uma partida do campeonato de São Paulo. É a antepenúltima rodada da competição, um jogo contra o XV de Piracicaba no interior paulista. O Santos saiu na frente mas tomou a virada do Nhô Quim, indo para a segunda etapa perdendo por 2 a 1. Mas, reza a lenda, a torcida local provocou Pelé. E o Alvinegro simplesmente atropelou o rival no tempo final, assegurando uma goleada por 7 a 2.

Curioso destacar não apenas os lances de gol, mas momentos ímpares do vídeo. A superioridade física de Pelé em relação aos seus marcadores é impressionante, mas ele respondendo à provocação da torcida fazendo o gesto de dor de cotovelo é impagável. Outro detalhe é um lance de Coutinho no último gol. Ele domina a bola  (no 5:32 do vídeo) com a cabeça e mantém ela no ar com três toques antes de passar para Pelé. É o tal “drible da foca”, celebrizado recentemente por Kerlon, do Cruzeiro, mas que os gênios santistas já faziam há 47 anos. Prova de que o craque inventa lances quando preciso, não para humilhar os adversários.

É bom lembrar também que naquele mesmo ano o garoto de Três Corações tinha anotado o “gol de placa” no Maracanã, na vitória contra o Fluminense por 3 a 1, no dia 5 de março. De fato, um ano mágico não somente para os santistas, mas para todo aquele que era fã de futebol.

4 Comentários

Arquivado em Década de 60, futebol, História, Santos

Antoninho, o “arquiteto”

“É o único jogador da minha posição que respeito”. Esse era o comentário que fazia entre os amigos o grande Zizinho, ídolo de Pelé, e um dos maiores meias que o planeta já viu. Ele fazia referência a Antoninho Fernandes, um jogador clássico que vestiu o manto alvinegro entre os anos de 1941 e 1954, justamente na entressafra peixeira de títulos. Assim, venceu torneios com menor importância, como a Taça Cidade de São Paulo (1949), o Torneio Quadrangular de Belo Horizonte (1951) e o Torneio Início (1952). Contudo, como um grande craque nem sempre se mede pelo que conquistou com uma equipe, encantou a torcida com um futebol com uma espetacular visão de jogo, sendo um dos jogadores mais inteligentes em seu tempo. Apelidado de “arquiteto da bola” em função de suas atuações na seleção paulista, o santista de nascimento e de coração marcou 145 gols em 400 jogos disputados pelo Peixe, marca que o coloca como o décimo-segundo maior artilheiro do Alvinegro em todos os tempos.

Mas sua técnica não agradou apenas a torcida. Uma série de clubes chegou a disputar o futebol do meia, inclusive o Palmeiras, como conta passagem publicada pela Gazeta Esportiva. O atleta foi cedido por empréstimo ao Palestra para disputar um torneio, algo comum à época. Obviamente, a habilidade de Antoninho fascinou os palestrinos, que tentaram contratá-lo. O presidente peixeiro Antônio Ezequiel Feliciano da Silva, em vista da situação financeira difícil, tentou convencer o meia para aceitar a transferência. Como era um ídolo, armou-se um esquema com o cronista esportivo Ernani Franco para tentar fazer os santistas aceitarem a venda.

Antoninho, em entrevista a Franco, falaria que a proposta seria boa para todos, e que deixaria o clube que amava para assegurar seu futuro. Mas, na hora decisiva, quando questionado se iria sair do Santos, o meia desabou em lágrimas e falou que nunca passou pela sua cabeça deixar o clube, onde pretendia encerrar sua carreira. E assim melou a negociação.

Treinador

Depois de deixar os gramados no ano anterior à conquista do segundo campeonato paulista do Santos, Antoninho foi auxiliar de Luis Alonso Peres, o Lula, durante muitos anos. Chegou a treinar a equipe em algumas oportunidades, em 1953 e 1954, mas sua carreira como efetivo começou no Atlético (MG), time que dirigiu em 1962 e 1963. A grande oportunidade surge com a saída de Lula do Peixe, em 1966.

Antoninho permaneceria à frente do Alvinegro Praiano até 1971, tendo conquistado títulos como a Recopa Mundial (1968), os campeonato paulistas de 1967, 1968 e 1969 e a Taça de Prata de 1968. O Paulista de 1969, inclusive, foi épico, já que na maior parte do campeonato o treinador contou com reservas, pois nove atletas santistas faziam parte das “feras do Saldanha”.

O “arquiteto” morreu aos 52 anos, em 1973, mas sem dúvida deixou um legado inestimável a toda a nação santista, principalmente no que diz respeito ao amor por um clube de futebol.

5 Comentários

Arquivado em Ídolos, Década de 40, Década de 50, Década de 60