Arquivo da tag: Real Madrid

Há 20 anos, Santos vencia o Real Madrid na Vila Belmiro

Clássico mundial marcou a despedida de Giovanni do Peixe. Relembre como foi

Em junho de 1996, o Santos sacramentava a venda de um de seus ídolos para o Barcelona. Giovanni, denominado pela torcida como o Messias, saía do clube após resgatar a autoestima do santista, não se sagrando campeão brasileiro em 1995 por motivos que todos já estão fartos de saber.

Para a despedida do craque, nada como um jogo de gala. O adversário escolhido foi o Real Madrid, que veio ao Brasil jogar contra o Alvinegro no dia 20 de junho, na Vila Belmiro. Antes disso, ambos haviam se encontrado apenas uma vez, em 1959, no Santiago Bernabeu, ocasião em que Pelé e Di Stéfano se cruzaram. Cansado após uma verdadeira maratona de jogos (foram 13 partidas na Europa em um período de 21 dias), o Santos perdeu por 5 a 3.

Outra partida poderia ter acontecido em 1965, mas os madrilenhos “declinaram”… Haveria outro cruzamento em 1968, só que os espanhóis mais uma vez não quiseram: abriram mão de disputar a Recopa Intercontinental contra o Peixe.

Naquela peleja de 1996, o Alvinegro, comandado por José Teixeira, entrou em campo com Edinho; Claudio, Sandro, Narciso e Marcos Adriano; Gallo (Cerezo), Baiano (Marcos Paulo), Robert (Marcelo Passos) e Jamelli; Macedo (Camanducaia) e Giovanni (Batista). O Real tinha jogadores como Fernando Redondo, o colombiano Rincón, que entrou no decorrer do jogo, e o artilheiro chileno Ivan Zamorano.

O resultado? 2 a 0 para o Peixe, com gols de Jamelli, de pênalti, e Camanducaia. Confira abaixo:

Deixe um comentário

Arquivado em Década de 90, futebol, História, Momentos históricos, Santos

Messi deve chegar ao gol 500 na carreira. Sabe quando Pelé alcançou a mesma marca?

Craque argentino passou em branco contra o Real Madrid, mas pode chegar à marca histórica no duelo contra o Atlético de Madrid, pela Liga dos Campeões. Mas o Rei do futebol chegou ao 500° muito, mas muito antes…

Uma das grandes expectativas em relação à partida entre Barcelona e Real Madrid, disputada neste sábado (2) e válida pelo campeonato espanhol, era se Messi marcaria seu 500º tento na carreira. Apagado na peleja, teve somente uma chance real, defendida por Navas, e foi figura apagada durante a maior parte do tempo. A expectativa mudou para o duelo entre os catalães e o Atlético de Madrid, jogo desta terça (5) na Liga dos Campeões.

Pelé Messi

Messi e Pelé, comparação difícil, mas nem tanto… (Fotos: Addesolen e Creative Commons)

Que Messi é o maior (ou um dos dois maiores) do mundo há alguns anos, poucos duvidam. Mas o problema aparece quando se quer comparar o argentino  a figuras de outras épocas, em especial, Pelé. Como existem peculiaridades em cada época e contexto, trata-se de um exercício muitas vezes infrutífero, mas que se torna bem objetivo quando se analisam os números e algumas marcas. No caso, o gol 500 de cada um, por exemplo.

Caso o camisa dez argentino anote seu meio milhar de tentos nesta semana ou neste abril, vai ter realizado o feito aos 28 anos e 9 meses (ele aniversaria em 24 de junho). Pelé chegou ao mesmo número muito, mas muito antes, aos 21 anos e 10 meses. Foi em um empate contra o São Paulo, 3 a 3, em 2 de setembro de 1962, ocasião em que foi às redes duas vezes.

Àquela altura, Pelé já havia sido campeão mundial pela seleção brasileira duas vezes, sendo que, na primeira, em 1958, foi protagonista do título com somente 17 anos. Isso sem contar que a seleção, mesmo que muitos já atribuíssem ao Brasil a alcunha de “país do futebol”, nunca havia vencido uma Copa. Imaginem a pressão para um garoto recém-alçado à fama pelo Santos…

O eterno camisa Dez peixeiro, quando alcançou o 500°, tinha sete tentos em Copas, sendo seis em seu Mundial de estreia. Messi, três Copas depois, marcou cinco vezes.

Podem comparar à vontade, mas é difícil superar o Rei…

3 Comentários

Arquivado em Ídolos, Década de 60, futebol, História, Século 21

A despedida de Neymar. O difícil adeus do torcedor do Santos

Naquele dia, no Pacaembu, um burburinho começou a tomar conta da torcida no início do segundo tempo. Logo, o zumbido eclodiu em gritos que pediam a entrada de um jogador que nunca tinha sequer vestido a camisa do Santos no time de cima até então. Mesmo assim, era falado, cotado como futuro craque, tanto que já valia US$ 25 milhões. Era a esperança de um futebol melhor para uma torcida que já havia sofrido em 2008, e se previa àquela altura um ano também difícil.

7 de março de 2009. Eu estava no Pacaembu naquele dia, vendo o garoto que acabara de entrar colocar uma bola na trave, aos seus dois minutos como profissional. O Santos venceu o Oeste por 2 a 1 e aquele menino cheio de técnica e personalidade já me fazia sorrir. E sonhar com o que poderia vir a ser.

Foi em seu terceiro jogo, contra o Mogi Mirim, que marcou seu primeiro gol. Ironicamente, do outro lado estava um outro ídolo eterno peixeiro, Giovanni. No final, o moleque foi abraçar o meia e falou: “Você jogou pra caralho!”. Não era exatamente verdade, mas era mais que uma gentileza, quase uma reverência de alguém que reconhecia no outro uma inspiração, uma referência. Sinal de respeito de um craque que surgia por outro que já quase acabava de escrever sua história.

No ano seguinte, ambos jogariam juntos. Quando Giovanni surgiu, logo foi apelidado de Messias. Sim, nós santistas temos, como tantas outras torcidas, algo de religiosos, mas não é exatamente o fanatismo que nos determina. É algo como a espera de alguém que traga um futebol bem jogado, ofensivo, criativo, fora do comum, que honre toda uma história de goleadores, de craques habilidosos. Que vimos e que não vimos. Os profetas que nos salvariam dos jejuns, das filas, do futebol comezinho e medíocre. Que fariam torcedores como eu e outros irem homenagear os jogadores que foram vice-campeões em 1995 em uma praça no Gonzaga. Celebrar mais o futebol apresentado do que protestar contra uma arbitragem. Porque havíamos renascido, éramos gratos.

Neymar comemora seu primeiro gol pelo Santos

E volta e meia eles, os profetas da bola, vêm ao campo sagrado da Vila Belmiro. Às vezes, quase solitários, como Giovanni; em outras ocasiões, em dupla, como Diego e Robinho. Ou, ainda, estrelando com belas companhias, como o menino que fez mais que bela figura junto a um inspirado Ganso, a um renovado Robinho, a um então polivalente Wesley ou um múltiplo e incansável Arouca.

Quando se cresce com seu time vivendo uma seca de títulos, imagina-se várias vezes como será sua reação na hora em que ele ganhar um título. Em 2002, não chorei, simplesmente não parava de rir. Mais tarde, quantas vezes ri com esse menino. Não o riso de deboche com o adversário, mas de alegria ou de estupefação com um lance bem tramado, um drible impossível, uma jogada improvável. Após um lindo gol do moleque, um santista que assistia a uma partida comigo teve um ataque de riso e repetia: “isso é futebol! Isso é futebol”.

Títulos. Sim, vieram títulos, como são bons. Mas são melhores com aquele quê, com aquele tempero dele, que faz aquele lance que você viu e vai ficar comentando daqui a alguns anos para quem não teve o prazer de ver. Vão duvidar de você, que terá que recorrer ao YouTube e perder horas porque não lembra em que jogo foi.

E como é bom ver in loco. No Pacaembu, assisti o menino marcar quatro gols (seriam cinco, se o árbitro não tivesse anulado um de forma errada). Vou recordar também das vezes que tentava convencer um santista ou não a vir comigo assistir ao jogo. “É uma oportunidade de ver o moleque. Vai saber quando ele vai embora?”. Falava, mas, no fundo, acreditava em algum milagre que desmentisse meu pragmatismo.

Agora, foi. Ainda não, mas a saída foi sacramentada. O clube lucrou com uma estratégia de bancar seus salários, o que não seria possível de outra forma. Ganhou no campo, também no marketing. Como não havia possibilidade de renovação além de 2014, vendeu seus direitos que nada valeriam daqui a alguns meses. Para um jogador prestes a encerrar um contrato, uma ótima soma. Mas aqui, aqui no coração de torcedor, não se trata de dinheiro, e sim do vazio que fica.

Mais de quatro anos de convivência, com o fantástico posto de 13º maior artilheiro da história do Santos (por enquanto) e, até hoje, 229 jogos, 138 gols e 70 assistências. Dos ídolos que vi irem embora – porque, ainda hoje, é assim que a banda toca no Brasil exportador –, esse é o que deixa a pior sensação. Mas foi uma despedida que vinha acontecendo aos poucos, com um futebol opaco de sua equipe que nem ele conseguia erguer. Ao contrário, foi sendo trazido também para baixo. Uma alegria em seu rosto que minguava com a enorme pressão pela sua saída, cantada por veículos midiáticos, jogadores, técnicos e empresários/ex-jogadores. Por fim, pela própria diretoria do seu clube. O futebol, o meio que o circunda e seus interesses não são para qualquer um.

O ludopédio brasileiro, é fato, não está preparado para segurar talentos como o dele. Triste. Para ele, para os santistas, para o futebol das bandas de cá. Podem surgir outros casos similares, nos quais jogadores queiram ficar aqui ou em algum outro país vizinho, mas, por enquanto, serão exceções, não regra. vão sempre calcular e especular sobre o dia em que partirão. Vai demorar muito para erguermos a cabeça e olharmos o Velho Mundo de igual para igual. A ida do moleque faz o santista lamentar, mas deveria fazer os “gênios” do futebol brasileiro refletirem. Olhamos pra você e vemos nossa pequeneza, e o quanto poderíamos ser grandes e não somos.

Vai, garoto, o mundo é seu. Vou sentir saudades de gritar “vai pra cima deles, Neymar”. Mas é hora de não ser egoísta e de desejar que a mesma alegria que você proporcionou a mim e a tantos, santistas ou não, possa ser compartilhada em outras plagas. Torço por você. E por aqueles que o sucederão por aqui.

Adeus, ou até breve. Você não foi e nem será Pelé (tudo bem, Messi também não será), mas foi o meu Pelé e de muitos outros. E de tantas crianças que terão sempre você como meta. E como sonho. Por isso, muito obrigado.

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 90, futebol, História, Santos, Século 21