Arquivo da tag: Red Bull Bragantino

Santos de Jesualdo estreia com empate na Vila Belmiro. Poderia ter sido pior…

Com desfalques, o Alvinegro chegou a tomar sufoco do Red Bull Bragantino. Na estreia, foi possível ver as mudanças táticas em relação a 2019

O Santos não passou de um empate em 0 a 0 com o Red Bull Bragantino nesta quinta à noite, na Vila Belmiro. Um confronto de dois times da Série A, mas, justiça seja feita, se alguém deveria sair com a vitória seriam os visitantes.

santos-red-bull-bragantino 1

Pouco inspirado, ataque do Santos quase não produziu durante a partida contra o Red Bull Bragantino (Ivan Storti/Santos FC)

Logo na primeira etapa foi possível perceber algumas mudanças no jeito do Santos jogar em relação à equipe de Sampaoli. Jesualdo gosta das triangulação pelos lados do campo, com atacantes muitas vezes fechando pelo meio abrindo espaço para a descida dos laterais ou para os meias atacarem pelos lados. No primeiro tempo, o time tentou jogadas ofensivas usando o expediente, com Pituca pela esquerda e Carlos Sánchez na direita, mas pouco produziu.

O Santos de Jesualdo também não exerceu marcação-pressão como fazia o onze de Sampaoli em especial no início das partidas. Muitas vezes defende em seu próprio campo apenas com Sasha na frente, posicionando os atacantes e meias para a saída rápida no contra-ataque, condição que o Bragantino não permitiu na etapa inicial.

Atrás, o Santos não passou sufoco. Em poucos momentos o Bragantino buscou subir a marcação, com Alison dando um ou dois sustos quando apertado, já que foi em muitas ocasiões o responsável pela saída de bola, jogando à frente da zaga. Mas Everson foi exigido somente em um chute de fora da área de Claudinho.

Sem a mesma intensidade do ano passado (é preciso levar em conta as condições físicas de início de temporada), o Santos só chegou de fato ao gol de Júlio César com duas finalizações de Sánchez. Uma delas pelo lado direito do ataque, quando ficou sem marcação e chutou de três dedos, e em uma falta cobrada pelo lado esquerdo.

No segundo tempo, Jesualdo tirou Kaio Jorge e colocou o Raniel em seu lugar. O estreante, ex-São Paulo e Cruzeiro, entrou para atuar no lado direito, trocando com Marinho. O Bragantino voltou melhor, ocupando mais o campo de ataque e se aproveitando de passes errados e alguma displicência em jogadas no meio de campo alvinegro. O Peixe pareceu voltar a campo só na finalização de fora da área de Pará, aos 16.

Mostrando a insatisfação com a movimentação no ataque, Jesualdo mexeu novamente aos 18, colocando Arthur Gomes no lugar de Eduardo Sasha. Logo na sequência, Vinicius Munhoz também mexeu, tirando Bruno Tubarão para colocar Tonny Anderson, que pôs Ytalo duas vezes na cara do gol logo depois de entrar. Na primeira oportunidade Everson salvou e na segunda o Santos contou com o travessão para não sair atrás no placar.

Com o Alvinegro inoperante no ataque, o Santos mexeu pela terceira vez. Derlis Gonzales entrou para a saída de Marinho. Aos 30, o time teve todo o trio de atacantes trocado. Mesmo com algumas chances de contra-ataques, três delas desperdiçadas nos pés de Arthur Gomes, os visitantes continuaram levando mais perigo.

É preciso paciência, mas…

O Santos jogou sem Soteldo, talvez o principal jogador da equipe, que está na seleção pré-olímpica da Venezuela, e sem Lucas Veríssimo. E é verdade que o Bragantino é o time mais forte da competição fora os quatro grandes, e está melhor fisicamente já que fez jogos-treino e adiantou sua preparação. Mas alguns sinais merecem atenção.

Alison continua preciso nos desarmes, mas muitas vezes se posiciona mal e erra passes infantis.  Sendo responsável pela saída de bola, pode virar presa fácil para os adversários. Os laterais se portaram mais como laterais defensivos do que como alas, e quando foram à frente não produziram. Se essa for a ideia de jogo, é preciso um meio de campo mais participativo ofensivamente, para compensar um tipo de jogada que foi forte para o time no ano passado.

Se o Santos sofreu para vencer a Ferroviária na estreia do Paulista do ano passado, mostrou uma disposição muito maior na partida, com um primeiro tempo à la Sampaoli, uma marcação avançada que quase não deixava o rival respirar. Hoje, foi possível ver as mudanças no jeito de jogar, mas para o torcedor a falta de intensidade foi algo evidente. É preciso ver a evolução da equipe nas próximas partidas, mas a ofensividade de 2019, se existir, será em outro patamar.

 

 

 

1 comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21