Arquivo da tag: Robinho

Vitória X Santos – relembre quatro triunfos do Alvinegro contra o rival do jogo deste domingo

Os dois times que se enfrentam pela 16ª rodada do Brasileiro já fizeram final de Copa do Brasil em 2010. Em 2014, os palmeirenses comemoraram o gol de Thiago Ribeiro no triunfo santista no Barradão

Leia também:

Copete e Vitor Bueno fazem a diferença e Santos derrota o Vitória

Vitória e Santos jogam no fim da tarde deste domingo (24), às 18h30, no Barradão, em partida válida pela 16ª rodada do Brasileirão de 2016. O Alvinegro busca consolidar sua posição no G4 e a equipe baiana defende uma invencibilidade de seis partidas na competição.

No Brasileiro, o histórico dos confrontos entre os dois mostra vantagem do Peixe: são 15 vitórias, 9 derrotas e 7 empates. Contudo, quando se considera o estádio em que vai ser disputado o jogo, os baianos têm 7 triunfos, com 3 revezes e 1 empate.

O Santos, aliás, foi o adversário do Vitória na inauguração do Barradão, em 1986, amistoso disputado em 11 de novembro. O resultado foi um empate em 1 a 1, com Dino Furacão marcando o primeiro gol do estádio. Hêider, de pênalti, marcou o tento de igualdade dos donos da casa.

Relembre abaixo quatro triunfos do Peixe sobre o rival deste domingo:

1 – Santos 3 X 0 Vitória – Campeonato Brasileiro de 2002

A partida era válida pela 8ª rodada da primeira fase da competição e ambas as equipes tinham 10 pontos. O Alvinegro tinha sofrido uma derrota por 3 a 0 para o Internacional no Beira-Rio e a reformulação comandada pelo técnico Emerson Leão, que promoveu garotos da base e rejeitou medalhões oferecidos pela diretoria, era posta em dúvida. Mas naquela quinta-feira, na Vila Belmiro, os donos da casa não deram chance pro azar.

O centroavante Alberto fez dois e Robinho completou o placar contra os visitantes, à época comandados por Joel Santana. Naquele Vitória atuavam jogadores como o volante Dudu Cearense, o meia Allan Dellon e o já veterano Aristizábal.

2 – Santos 4 X 1 Vitória – Campeonato Brasileiro de 2004

Na campanha do título de 2004, o Peixe goleou o Vitória em duelo válido pela 32ª rodada da competição. O triunfo foi importante para que os alvinegros não deixassem o Atlético-PR escapar, já que ambos tinham 58 pontos e estavam empatados na liderança do campeonato.

Elano, Ricardinho e Robinho, duas vezes, fizeram pelo Alvinegro. Obina descontou para os rubro-negros. A partida também foi marcante pelo fato do técnico Hélio dos Anjos ter sido atingido por dois copos d’água, o que determinaria, mais à frente, a interdição da Vila Belmiro até o fim do Brasileiro.

3 – Santos 2 X 0 Vitória – Copa do Brasil 2010

Após tirar Atlético-MG e Grêmio da Copa do Brasil, o Alvinegro enfrentou pela final da competição o Vitória. A primeira partida foi na Vila Belmiro, tendo sido decisiva para o título, já que assegurou uma vantagem de dois gols.

Contudo, o Peixe poderia ter vencido por muito mais, tal seu volume de jogo. Paulo Henrique Ganso e André perderam duas grandes oportunidades cada um e Neymar perdeu um pênalti fazendo uma cavadinha. O próprio Neymar e o meia Marquinhos, de falta, fizeram os gols da peleja.

4 – Vitória 0 X 1 Santos – Campeonato Brasileiro de 2014

O Peixe já não tinha mais nada a fazer no Brasileiro e o time rubro-negro precisava vencer para se livrar do rebaixamento. Quem também estava na disputa para não cair era o Palmeiras, adversário direto dos baianos e que não saiu do empate contra o Atlético-PR no Allianz Parque.

Com o jogo terminando antes em São Paulo, os palmeirenses viam com apreensão o 0 a 0 no Barradão, já que um gol baiano rebaixava o Alviverde. Mas o Peixe, ao contrário do que a história já mostrou de várias partidas duvidosas do Trio de Ferro, não entregou para prejudicar o rival.

Nos minutos finais, Thiago Ribeiro marcou, fazendo a festa no estádio palestrino, com cenas de alegria, no mínimo, constrangedoras.

1 comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Atlético-PR X Santos – relembre 5 vitórias alvinegras contra o rival deste sábado

No histórico de confrontos, Peixe leva vantagem sobre o rubro-negro, mas na Arena da Baixada a parada é dura

Atlético-PR e Santos fazem neste sábado (18) um duelo válido pela 9ª rodada do Brasileiro 2016 que pode significar a consolidação alvinegra no G4 ou a aproximação dos donos da casa para essa disputa.

Leia também:

Atlético-PR x Santos – histórico de confrontos, jogaços e o que esperar

No histórico de confrontos entre os dois, o Peixe leva vantagem. No total, são 50 pelejas, com 22 vitórias santistas, 14 empates e 14 triunfos, com 81 gols alvinegros e 59 rubro-negros. Em campeonatos brasileiros, 39 partidas, com 19 vitórias do Peixe, 11 empates e 9 derrotas.

Contudo, quando o palco é a Arena da Baixada, a coisa fica mais difícil. Em 15 jogos disputados ali, são 2 triunfos santistas, 5 empates e 8 derrotas. Neste Brasileiro, as três vitórias dos atleticanos foram em casa, além de um empate contra o Atlético-MG. A parada não será fácil, mas se o Peixe quiser lutar pelo G4 e, por que não, pelo título, tem que voltar com pontos do Paraná.

Para manter os bons fluidos, relembre cinco vitórias santistas contra o rival de hoje.

1 – Santos 3 X 0 Atlético-PR – Brasileiro de 1991

O time de Cabralzinho entrou aquela dia na Vila Belmiro, pra variar, diante de um público reduzido, 2.044 pessoas viram o triunfo peixeiro que contou com dois gols do artilheiro da competição daquele ano, Paulinho McLaren. O ponta Almir completou o placar. Naquele dia, o Peixe entrou em campo com Sérgio, Índio, Pedro Paulo, Luiz Carlos (Camilo) e Marcelo Veiga, César Sampaio, Zé Renato (Axel), Edu Marangon e Sérgio Manoel, Almir e Paulinho McLaren.

2 – Atlético-PR 0 X 2 Santos – Brasileiro de 2003

Diego e Robinho ainda faziam parte da equipe que lutava pelo bicampeonato brasileiro e que tinha como grande concorrente o Cruzeiro, time que terminou como campeão. O triunfo foi um dos dois que o Peixe conseguiu contra o rival em seus domínios. Nenê, hoje no Vasco, e Renato marcaram para o Alvinegro.

3 – Santos 4 X 0 Atlético-PR – Brasileiro de 2008

O ano de 2008 esteve longe de ser grande para o Peixe, que penou com um elenco fraco e a instabilidade no comando da equipe. No campeonato brasileiro, o Santos terminou em 15º, sem vaga sequer na Sul-americana e a um ponto da zona do rebaixamento. Mas naquele dia 4 de outubro o Alvinegro honrou o manto, com gols de Cuevas, Molina, Kleber Pereira e Fabiano Eller. Para se ter uma ideia da qualidade da esquadra alvinegra, entraram em campo Douglas, Wendel, Domingos, Fabiano Eller e Kleber; Roberto Brum, Rodrigo Souto, Bida (Adriano) e Molina (Pará); Cuevas (Reginaldo) e Kleber Pereira. O técnico era Márcio Fernandes.

4 – Santos 4 X 1 Atlético – PR – Brasileiro de 2011

Uma espetacular apresentação de Neymar no Pacaembu, que tive o prazer de ver in loco. O garoto fez todos os gols do time naquele dia e só não fez o quinto porque o árbitro Francisco Carlos Nascimento anulou um legítimo do craque. O Onze alvinegro entrou para uma galeria não tão pequena de jogadores que marcaram, em um só jogo, ao menos quatro gols com o manto. Confira abaixo:

5 – Santos 5 X 1 Atlético-PR – Brasileiro de 2015

Na última rodada do Brasileiro de 2015, último duelo entre os dois, o Santos, mesmo com uma equipe tida como mista, não perdoou. Ainda sentindo o fato de não ter mais chances no G4 e a perda do título da Copa do Brasil, o Alvinegro contou com Gabriel fazendo dois, Geuvânio anotando outros dois e Vitor Bueno marcando seu primeiro gol com a camisa santista. A equipe terminou o campeonato do ano passado na sétima posição.

1 comentário

Arquivado em Década de 90, futebol, História, Santos, Século 21

O aniversário de Juary, eterno menino da Vila

Atacante que jogou no Peixe entre 1977 e 1983, além de um passagem quase no fim de carreira em 1989, fez história com seu futebol rápido, habilidoso e irreverente

Nesta quinta, 16 de junho, um dos mais marcantes atacantes do Peixe faz 57 anos. Juary Jorge dos Santos Filho disputou 231 partidas pelo Peixe e durante muito tempo foi o terceiro maior artilheiro do clube pós-Era Pelé, sendo ultrapassado recentemente por Neymar e Robinho.

Nascido em São João de Meriti, no Rio de Janeiro, jogava pelo time do Pavunense, time amador da Pavuna, como lembra o blog Tardes do Pacaembu. Recebeu um convite de seu amigo Babá para jogar na equipe juvenil do Santos e não teve dúvidas.

Na Vila Belmiro, estreou contra o Volta Redonda, em 1976, uma vexatória derrota peixeira por 3 a 0 no Raulino de Oliveira. No ano seguinte, teve destaque na final de um torneio disputado em São Paulo contra o Atlético de Madrid, quando roubou uma bola do consagrado zagueiro Luis Pereira e marcou o tento alvinegro.

Com 1,66 e 66 kg, era rápido e habilidoso, encaixando perfeitamente na equipe montada por Chico Formiga que ficou conhecida como a primeira geração dos Meninos da Vila, em 1978. Ganhou fama como “carrasco do São Paulo” e confirmou a alcunha nas finais do Paulista daquele ano, disputadas em junho de 1979. Juary foi o artilheiro da competição com 29 gols.

Quando Neymar alcançou Juary na tábua de artilheiros do Peixe, fazendo 101 gols, comemorou como o menino da Vila de 1978 fazia, com uma dança em torno da bandeira de escanteio. Por coincidência, contra o São Paulo, alvo preferencial do antigo camisa nove, na semifinal do Paulista de 2012. Uma bonita homenagem, relembre:

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 70, Década de 80, futebol, História, Santos

Gabriel fecha o ano como 7º maior artilheiro do Santos no século 21

No ano em que o Santos conquistou a tríplice artilharia, menino da Vila tira Ganso da lista dos dez maiores goleadores alvinegros do século 21. Ricardo Oliveira segue com média de gols superior à de Neymar com a camisa santista

Gabriel Barbosa, Gabigol

Gabriel iguala em 2015 desempenho da temporada de 2014 (Ivan Sorti/ Santos FC)

Após marcar 21 gols em seu ano de afirmação no Santos, em 2014, Gabriel Barbosa, o Gabigol, repetiu a dose em 2015 e voltou a fazer os mesmos 21 tentos da temporada passada. Somado a outros dois feitos em seu ano de estreia na Vila Belmiro, 2013, o atacante soma agora 44 gols com a camisa alvinegra em 126 partidas.

Isso o coloca como sétimo maior artilheiro do Peixe no século 21. Ele está à frente de Basílio (42 gols), André (41) e Diego (38). A marca de Gabigol acabou tirando da lista dos dez mais o meia Paulo Henrique Ganso, que anotou 36 gols em 148 partidas pelo Santos.

Já Ricardo Oliveira, artilheiro do Brasileiro e do campeonato paulista de 2015, fechou o ano com a expressiva marca de 37 gols em 62 pelejas. No total, ele tem 58 gols em 94 jogos com o manto santista, uma média de 0,617 gols por partida, superior à dos dois maiores artilheiros alvinegros do século 21, Neymar (0,6) e Kléber Pereira (0,601).

Oliveira ocupa a sexta posição na tabela dos goleadores deste século, ficando dois tentos atrás de Deivid e a oito de Elano.

Confira abaixo a lista atualizada dos principais artilheiros do Peixe no século 21:

1 – Neymar – 138 gols em 230 jogos

2 – Robinho – 111 gols em 253 jogos

3 – Kléber Pereira – 86 gols em 143 jogos

4 – Elano – 66 gols em 285 jogos

5 – Deivid – 60 gols em 140 jogos (não computados os feitos pelo atacante em 1999 e 2000)

6 – Ricardo Oliveira – 58 gols em 94 jogos

7 – Gabriel Barbosa 44 gols em 126 jogos

8 – Basílio – 42 em 116 jogos

9 – André – 41 gols em 94 jogos

10 – Diego – 38 gols em 133 jogos

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, futebol, História, Santos, Século 21

Freguesia continua: Santos nunca perdeu para o São Paulo em mata-matas no século 21

O Santos, com a vitória de hoje sobre o São Paulo e a eliminação do rival nas semifinais da Copa do Brasil, segue invicto em partidas eliminatórias contra o adversário no século 21. São nove triunfos e dois empates em sete confrontos.

No total, desde 2002, o Peixe se saiu melhor em uma Copa Sul-Americana, cinco Paulistas e uma Copa do Brasil. Nenhuma criança que participa do MasterChef Júnior, por exemplo, sabe o que é ver o Alvinegro ser superado pelo Tricolor em uma disputa eliminatória. Confira embaixo como foi cada duelo, com base neste post, que continua muito atual (ainda bem):

Brasileirão de 2002

O São Paulo terminou a fase inicial do campeonato no primeiro lugar e enfrentou o Santos, oitavo colocado. A equipe que tinha Ricardinho, Kaká, Reinaldo e Luís Fabiano, sob o comando de Oswaldo de Oliveira, já havia sido apelidada de “Real Madrid” do Morumbi por conta desse quarteto. Do outro lado, o Peixe tinha Diego e Robinho, em ascensão, um até então desconhecido Alberto na frente e Elano, que fazia as vezes de falso ponta no esquadrão de Emerson Leão.

Na primeira partida, na Vila Belmiro, 3 a 1 para o Alvinegro. Durante a semana que antecedeu o segundo jogo, nem a imprensa esportiva, tampouco algumas das principais figuras do clube paulistano, como Rogério Ceni e Ricardinho, acreditavam que o Santos mantivesse a vantagem. A receita era clara para os “especialistas”: se o Tricolor fizesse um gol logo no início do jogo, os meninos se enervariam e a vitória por dois gols de diferença, que classificaria os sãopaulinos, viria naturalmente.

Luís Fabiano marcou logo nos primeiros minutos, mas o Peixe não esmoreceu. Léo empatou a peleja e no final Diego deixou Ceni de joelhos e marcou o gol da vitória. Estava aberto o caminho do Santos para sair da fila e conquistar o Brasileiro de 2002.

Copa Sul-americana de 2004

O técnico campeão brasileiro de 2002, Emerson Leão, estava à frente da equipe do Morumbi no segundo semestre de 2004. Vanderlei Luxemburgo treinava o Santos e priorizava o campeonato brasileiro, onde a disputa com o Atlético-PR era cabeça a cabeça. Por conta disso, na primeira partida, na Vila Belmiro, o time da casa entrou com os reservas. Mesmo enfrentando os titulares tricolores, o Santos venceu por 1 a 0 com gol de Elano, que entrou aos 25 minutos do segundo tempo. Na ocasião, o Peixe atuou com Mauro, Leonardo, André Luís e Ávalos (Ricardinho); Paulo César, Fabinho, Bóvio, Preto Casagrande e Márcio (Léo 29 do 2.º); Marcinho e William (Elano). O São Paulo veio com Rogério Ceni, Alex Bruno, Lugano e Rodrigo; Cicinho, Alê (Gabriel), Renan, Danilo e Júnior (Souza); Nildo (Diego Tardelli) e Grafite.

Na partida a volta, no Morumbi, o empate em 1 a 1 assegurou a vaga para o Peixe. Rodrigo marcou para o São Paulo e Preto Casagrande fez o tento santista.

Campeonato Paulista de 2010

O Santos era o time-sensação do primeiro semestre mas, mais uma vez, parte da mídia esportiva e dos torcedores adversários colocavam em dúvida o desempenho do clube alvinegro, que poderia amarelar em uma semifinal. Como em 2002, os garotos não tremeram. O Santos venceu o São Paulo, no jogo de ida, no Morumbi, por 3 a 2, gol contra de Júnior César, André e Durval.

Na volta, na Vila Belmiro, um passeio: o Alvinegro venceu por 3 a 0, Neymar, por duas vezes, e Madson marcaram para o time da Vila. Ao final da disputa, o zagueiro Alex Silva desabafou: “O Santos engoliu a gente. Não jogamos nada, não merecemos a vitória. Deixamos eles criarem, principalmente pelas laterais.” Em 2010, os dois times jogaram cinco vezes, e o Santos venceu quatro e perdeu uma.

Campeonato Paulista 2011

Mais um capítulo da “freguesia” sãopaulina diante do Santos em partidas eliminatórias foi escrita no sábado. Leia mais aqui e veja o vídeo abaixo.

Campeonato Paulista 2015 – golaço de Geuvânio abre caminho da final
Bom, essa partida ainda está fresca na memória do torcedor peixeiro, e o gol de Geuvânio com certeza será lembrado por muito tempo, exemplo de velocidade e técnica. Também vale destacar o oportunismo de Ricardo Oliveira, artilheiro da equipe com dez gols no Paulista. A boa notícia para o Santos, além da vitória e da sétima decisão seguida, é que, desde 2008, quem bateu o São Paulo em uma semifinal de Paulista foi campeão, exceção feita a 2014, quando o Tricolor foi eliminado nas quartas de final.

Copa do Brasil 2015

Com um triunfo fora de casa no primeiro jogo por 3 a 1, a tarefa na Vila Belmiro foi facilitada. Duas vitórias por 3 a 1 marcaram a classificação peixeira, com Ricardo Oliveira fazendo três, Marquinhos Gabriel anotando dois e Gabriel fazendo o primeiro e decisivo tento no Morumbi. Veja os melhores momentos dos dois duelos.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Ricardo Oliveira já é o 6º maior artilheiro do Santos no século 21

Quando acertou seu retorno ao Santos no início de 2015, Ricardo Oliveira tinha uma posição modesta em relação aos maiores artilheiros do Peixe no século 21. Não exatamente por mau desempenho em sua primeira passagem pelo Alvinegro, em 2003, mas por ter sido um período curto. À época, o atleta disputou somente 33 jogos pelo time, tendo marcado 21 gols.

Com desempenho na atual temporada, Ricardo Oliveira entra na lista dos dez maiores artilheiros do Santos no século 21 (Foto: Ivan Storti/SantosFC)

Com desempenho na atual temporada, Ricardo Oliveira entra na lista dos dez maiores artilheiros do Santos no século 21 (Foto: Ivan Storti/SantosFC)

Apesar da boa média, a marca não o colocava entre os dez principais goleadores do clube no século, com o atacante ficando atrás de outros nomes do elenco alvinegro como Gabriel, Renato e Elano. Mas com o seu desempenho na temporada, na qual já marcou 25 gols em 44 partidas, além de quatro assistências, Oliveira pulou para o sexto posto na tábua dos matadores alvinegros no século.

No total, o “pastor” tem 46 gols em 76 jogos com a camisa peixeira. Foi artilheiro do campeonato paulista, é o artilheiro do Brasileirão 2015 com doze gols e também o goleador máximo da temporada no Brasil. A média de 0,613 é alta, superando, inclusive, a dos dois maiores goleadores desta lista: Neymar (0,6) e Kléber Pereira (0,601). Oliveira agora está a 16 tentos do quinto colocado, o atacante Deivid, hoje auxiliar de Vanderlei Luxemburgo no Cruzeiro, que tem 60 gols pelo Peixe, feitos em quase o dobro de jogos que Oliveira tem pelo clube, 140.

Confira abaixo a lista atualizada dos principais artilheiros do Peixe no século 21:

1 – Neymar – 138 gols em 230 jogos

2 – Robinho – 111 gols em 253 jogos

3 – Kléber Pereira – 86 gols em 143 jogos

4 – Elano – 66 gols em 285 jogos

5 – Deivid – 60 gols em 140 jogos (não computados os feitos pelo atacante em 1999 e 2000)

6 – Ricardo Oliveira – 46 gols em 76 jogos

7 – Basílio – 42 em 116 jogos

8 – André – 41 gols em 94 jogos

9 – Diego – 38 gols em 133 jogos

10 – Paulo Henrique Ganso – 36 gols em 148 jogos

1 comentário

Arquivado em Ídolos, futebol, História, Santos, Século 21

Ricardo Oliveira empata com Diego como 8º maior artilheiro do Santos no século 21

Com o gol feito contra o Corinthians, além de garantir a vitória em um clássico e a saída do Z-4, o atacante Ricardo Oliveira atingiu outro feito. Empatou com o meia Diego, campeão brasileiro de 2002, na oitava posição entre os principais artilheiros do Santos no século 21, com 38 gols.

Ricardo Oliveira tem média de gols superior à de Neymar (Ivan Storti/Santos FC)

Ricardo Oliveira tem média de gols superior à de Neymar (Ivan Storti/Santos FC)

No entanto, o atual nove alvinegro precisou de 61 partidas para atingir a marca, enquanto o meia precisou de 133. Mesmo levando-se em conta que ambos jogam em posições diferentes, é uma grande diferença. Já Paulo Henrique Ganso, que está atrás dos dois nesta tabela, fez 36 gols em 148 jogos pelo Santos. A média de Ricardo Oliveira, de 0,62 por partida, é superior às de Kléber Pereira (0,601) e Neymar (0,6).

Os números de Ricardo Oliveira no Santos impressionam. Em 2015, são 17 gols e 2 assistências em 29 jogos, tendo sido artilheiro do campeonato paulista e o atual goleador do Brasileirão, com cinco gols em oito duelos. Somente nos clássicos disputados até agora no ano, três partidas contra o São Paulo, três contra o Palmeiras e duas contra o Corinthians, o atacante balançou a rede contra todo o trio de ferro, sete gols em seis pelejas. Ou seja, além de goleador, é decisivo na hora que precisa ser.

Confira abaixo a lista atualizada dos dez maiores artilheiros do Santos no século 21:

1 – Neymar – 138 gols em 230 jogos

2 – Robinho – 111 gols em 253 jogos

3 – Kléber Pereira – 86 gols em 143 jogos

4 – Elano – 66 gols em 285 jogos

5 – Deivid – 60 gols em 140 jogos (não computados os feitos pelo atacante em 1999 e 2000)

6 – Basílio – 42 em 116 jogos

7 – André – 41 gols em 94 jogos

8 – Diego – 38 gols em 133 jogos

8 – Ricardo Oliveira – 38 gols em 61 jogos

10 – Paulo Henrique Ganso – 36 gols em 148 jogos

Deixe um comentário

Arquivado em Sem Categoria

As reflexões que ficam da vitória do Santos sobre o Corinthians

Time “engoliu” o meio de campo do adversário na maior parte do jogo. Isso não foi à toa

O Santos teve dez dias para se preparar antes do clássico contra o Corinthians, disputado em uma Vila Belmiro com pouco mais de sete mil torcedores no sábado à tarde. E, de fato, parecia uma equipe treinada e consciente taticamente, fazendo o torcedor quase esquecer a ausência dos dois principais jogadores do time, Robinho, que está com a seleção brasileira na Copa América, e Lucas Lima, suspenso pelo terceiro cartão amarelo.

Decisivo, Ricardo Oliveira, mais uma vez marcando em clássicos (Ivan Storti/SantosFC)

Decisivo, Ricardo Oliveira, mais uma vez marcando em clássicos (Ivan Storti/SantosFC)

Com Marquinhos Gabriel fazendo as vezes de armador e Gabriel substituindo Robinho e atacando pelas beiradas do campo, o time encontrou o equilíbrio e dominou o meio de campo, suplantando o rival durante pelo menos dois terços do jogo, muito em função de outra alteração. Rafael Longuine substituiu Renato, contundido, e reforçou a saída de bola peixeira e também a marcação pelo lado esquerdo da defesa, um problema quase crônico da equipe.

Longuine se movimentou mais que Renato usualmente faz, e chegou também à frente, tendo feito a assistência para Ricardo Oliveira marcar o gol peixeiro aos 10. Com uma primeira etapa na qual foi muito superior, o Alvinegro, mesmo recuando um pouco mais no início da etapa final, continuou mandando no jogo contra um Corinthians que teve uma proposta super-defensiva, apostando em bolas longas para Wagner Love na primeira etapa. Tendo que sair para o jogo, a equipe da capital deu espaço para o Peixe armar contra-ataques, até a expulsão de Longuine, aos 24 minutos.

A partir daí, o Peixe passou a ser acossado pelo rival, que até aquele momento não havia ameaçado o gol de Vladimir. Nem a expulsão de Fagner, aos 28, arrefeceu o ímpeto corintiano. Isso porque Tite mexeu bem na equipe. Já havia colocado Luciano no lugar de Petros, uma substituição que não havia surtido efeito, mas, após a saída de Longuine, colocou Danilo no lugar de Edu Dracena. Ali, ganhou o meio de campo que perdeu durante o resto da partida.

A essa altura, Serginho Chulapa já havia colocado Neto Berola no lugar de Gabriel, e após a expulsão colocou Thiago Maia no lugar de Marquinhos Gabriel, recompondo a dupla de volantes, Falando nessa posição, mais uma vez Lucas Otávio fez uma grande partida, assim como outro garoto da base, Daniel Guedes, que vem se firmando na lateral-direita.

Aos 34, Tite colocou Edilson no lugar do inoperante Mendoza, e passou a jogar no campo santista, chegando duas vezes à trave de Vladimir. Um minuto após a alteração do treinador corintiano, Leandrinho entrou no lugar de Geuvânio e, com três volantes, nenhum deles com capacidade de armação, o time passou a sofrer um sufoco que por pouco não resultou em gol e em um empate que seria injusto pelo que os donos da casa jogaram em pelo menos dois terços da peleja.

A vitória dá moral para a equipe e confiança para os jogadores, que mostraram um jogo coletivo mais consistente sem seus dois principais nomes. No entanto, o time mais uma vez teve chances de matar a partida quando dominava as ações, e não o fez. Por pouco, não sofre mais um empate como em outras ocasiões. Os contra-ataques têm que ser mais treinados e mais gente no setor ofensivo tem que ter a precisão que não tem faltado a Ricardo Oliveira. De qualquer forma, deixar o Z-4 pra trás é ótimo.

1 comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

São Paulo 3 X 2 Santos – um longo calvário sem Robinho?

Clássico San-São foi o primeiro da equipe alvinegra sem o Rei das Pedaladas e evidenciou que o time ainda não tem uma forma de jogar definida para suprir a ausência do atacante

O clássico entre Santos e São Paulo disputado ontem à noite no Morumbi foi a primeira das prováveis sete partidas que o Alvinegro jogará sem Robinho. E a confusão tática mostrada no decorrer da partida evidenciou o quanto o Santos sente falta do Rei das Pedaladas, que pelo jeito encaminha bem sua renovação.

Isso decorre não somente da qualidade do atacante, mas por não haver nenhum reserva com suas características. No primeiro tempo de ontem, Marcelo Fernandes optou por Rafael Longuine como substituto de Robinho, o que, na prática, significou a mudança do 4-2-3-1 para um 4-4-2, com o meia não atuando do lado esquerdo do ataque, mas compondo a marcação na meia e vez por outra buscando a aproximação com Ricardo Oliveira.

Também por isso, mas não só, a atuação da equipe na etapa inicial foi algo próximo do patético. Com uma postura covarde, jogando excessivamente atrás, o time não soube sair da marcação-pressão que os donos da casa exerceram em boa parte da partida, já que, ao que parece, não existe treinamento na Vila Belmiro para esse tipo de situação de jogo. Dominado no meio de campo, o Santos viu o São Paulo arriscar tiros de fora da área, já que os tricolores também não apresentaram força ofensiva ou criatividade para furar o bloqueio santista na entrada da área.

Diante desse panorama, quem tentou mais, marcou, e o gol são-paulino surgiu em cobrança de falta pelo lado esquerdo da defesa alvinegra, aos 33. Tiro forte, mas no canto de Vladimir, que mais uma vez tomou um gol de falta com uma bola vindo próxima a ele, como aconteceu contra o Avaí. Substituído por Vanderlei no intervalo, o arqueiro deve voltar a frequentar o banco.

Mas se o gol do São Paulo veio em uma falha de Vladimir, foi um pênalti infantil que trouxe de volta o Santos ao jogo. Denílson abriu o braço direito em direção à bola e o árbitro Thiago Duarte Peixoto marcou. Ricardo Oliveira fez aos 46. Um empate imerecido para o Peixe, mas que também fazia jus à fragilidade ofensiva dos donos da casa, que dominaram, mas pouco criaram.

Lucas Lima, perdido no primeiro tempo, não foi suficiente para a vitória santista (Rubens Chiri/saopaulofc.net)

Lucas Lima, perdido no primeiro tempo, não foi suficiente para a vitória santista (Rubens Chiri/saopaulofc.net)

Marcelo Fernandes muda, e erros individuais enterram o time

No segundo tempo, além da troca no gol, Marcelo Fernandes sacou Rafael Longuine e voltou à formação tática original, com Marquinhos Gabriel sendo o “dublê” de Robinho. O Alvinegro virou o marcador em falha de Rogério Ceni após finalização de Ricardo Oliveira, a um minuto da etapa final.

Contudo, mais uma vez a torcida do Santos nem teve tempo de comemorar, pois o empate veio aos 5, cabeçada de Paulo Miranda depois de escanteio cobrado pela esquerda da defesa santista (é sempre por ali). Um zagueiro cabecear sem qualquer marcação em um lance originado de bola parada é de desanimar qualquer torcedor. Werley, que seria o marcador no lance, vacilou, tendo feito uma partida hesitante também, em especial no segundo tempo.

Curiosamente, para quem se preocupou tanto com a armação defensiva, foi uma substituição na frente que resultou no lance do pênalti da virada são-paulina. Geuvânio jogou boa parte do tempo preocupado em bloquear as descidas do lateral-esquerdo Carlinhos, ex-Santos. Ele cedeu lugar ao meia Marquinhos, ex-Audax, que até chegou bem no ataque com alguma velocidade, mas desempenhou com timidez a função de marcação. E foi em um avanço do lateral tricolor que Daniel Guedes cometeu a penalidade convertida por Ceni.

De positivo, ficaram as atuações de Lucas Otávio e o ímpeto ofensivo de Daniel Guedes pela direita, que buscou jogadas mais agudas e foi bem na frente. Ambos estão mais confiantes com a sequência que têm tido e podem ser importantes no decorrer da competição, em que pesem eventuais erros.

O fato de Marcelo Fernandes buscar variações táticas também é algo a se comemorar, embora o resultado não anime. É preciso treinar situações de saída de bola com marcação-pressão e também lances de contra-ataque, alguns desperdiçados de forma tola quando o jogo estava 2 a 2. E o técnico também deve perceber que, às vezes, no contexto do jogo é melhor abrir mão do centroavante para abrir mais espaços na defesa rival e tornar o ataque mais rápido.

5ª rodada do Brasileirão 2015

São Paulo 3 X 2 Santos

Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)

Data: 3 de junho de 2015, quarta-feira

Horário: 21 horas (de Brasília)

Árbitro: Thiago Duarte Peixoto (SP)

Assistentes: Carlos Augusto Nogueira Junior e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (ambos de SP)

São Paulo – Rogério Ceni; Bruno (Hudson), Paulo Miranda, Dória e Carlinhos; Denílson, Souza, Thiago Mendes (Centurión), Michel Bastos e Ganso; Alexandre Pato (Luis Fabiano)

Técnico: Milton Cruz

Santos – Vladimir (Vanderlei); Daniel Guedes, Werley, David Braz e Victor Ferraz; Lucas Otávio, Renato e Lucas Lima; Rafael Longuine (Marquinhos Gabriel), Geuvânio (Marquinhos) e Ricardo Oliveira

Técnico: Marcelo Fernandes

Cartões amarelos: Michel Bastos, Rogério Ceni, Paulo Miranda, Renan Ribeiro (São Paulo). Ricardo Oliveira, Lucas Otávio, Werley (Santos)

Cartão vermelho: Marquinhos Gabriel

Gols: Michel Bastos, aos 33 minutos do primeiro tempo, Ricardo Oliveira, aos 46 e a 1 minuto do segundo tempo; Paulo Miranda, aos 5, e Rogério Ceni, aos 39 minutos do segundo tempo.

1 comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Robinho já é o 16º maior artilheiro da história do Santos

Com gol feito contra o Sport na partida deste domingo, o atacante Robinho, em sua terceira passagem pelo Alvinegro, alcançou a marca de 11 gols com a camisa santista, empatando com Vasconcelos na lista dos maiores artilheiros da história do clube.

Robinho, 16º maior artilheiro da história do Santos (Ivan Storti/Santos FC)

Robinho, 16º maior artilheiro da história do Santos (Ivan Storti/Santos FC)

E Robinho não empatou em gols com qualquer jogador, mas com um dos craques da trajetória peixeira. O meia esquerda Válter Vasconcelos Fernandes, que nasceu em Belo Horizonte (MG), foi revelado pelo Vasco da Gama mas, sem espaço no clube após poucas pelejas na equipe principal, acabou indo para a Portuguesa Santista em 1951. Em 1953, já estava no Santos, sendo um dos principais jogadores do time que quebraria o jejum de títulos da equipe, sagrada campeão paulista em 1955 e 1956.

Foi ele quem cuidou do Gasolina, aquele garoto vindo de Bauru que depois ficaria conhecido como Pelé. Também quis o destino que fosse em sua vaga que o futuro Rei do Futebol se tornasse titular. Em uma partida contra o São Paulo disputada em 1956, uma disputa de bola com o zagueiro que mais tarde defenderia o Santos, Mauro Ramos de Oliveira, seria responsável pela contusão mais séria da sua carreira. Com a perna quebrada, Vasconcelos abriu espaço para o garoto de quem era o tutor.

Boêmio, Vasconcelos entrou em uma fase descendente após a lesão. Ainda assim anotou, em 181 jogos pelo Peixe, 111 gols entre 1953 e 1959, marca que Robinho alcançou após 253 pelejas. Saiba mais sobre a trajetória desse grande jogador aqui.

O Rei das Pedaladas tem, em 105, oito gols em vinte partidas. Se renovar o seu contrato com o Santos, pode ultrapassar Raul Cabral Guedes, que fez 120 tentos entre 1933 e 1942, 15º maior artilheiro do Peixe. Como, de qualquer forma, pode ficar até sete jogos fora do clube em função da Copa América – se a seleção brasileira chegar à final – teria mais 27 jogos para subir mais um posto na tábua de goleadores. Podem entrar na conta ainda pelejas da Copa do Brasil ou da Sul-Americana.

Entre os maiores artilheiros pós-Era Pelé, Robinho continua na segunda colocação. O primeiro desta lista é Neymar, com 138 gols.

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 50, futebol, História, Santos, Século 21