Arquivo da tag: Santos X Chapecoense

Jonathan Copete, Mauricio Molina, Rincón… Os colombianos que jogam e jogaram no Santos

No total, oito atletas do país vizinho já atuaram pelo Peixe. Relembre os que mais se destacaram

copete no santos

Jonathan Copete, na matada de peito do lance do primeiro gol do Santos (Ivan Storti/Santos FC)

Com dois gols e três assistências em duas partidas, o colombiano Jonathan Copete, que abriu mão de disputar as semifinais da Libertadores pelo Atletico Nacional de Meddelin para vir ao Santos Futebol Clube, já começa a chamar a atenção. Atuando pelos lados do ataque e também fechando pelo meio, o colombiano camisa 36 pode ser o titular da equipe em breve, já que Gabriel servirá a seleção brasileira que vai disputar as Olimpíadas a partir do dia 18 de julho. Ele é um dos oito jogadores nascidos na Colômbia que já defenderam o manto alvinegro.

Usuriaga

Usuriaga, figurinha não carimbada (Foto: Outros Meninos da Vila)

Talvez o mais polêmico tenha sido o primeiro a jogar na Vila Belmiro, em 1996. Albeiro Palomo Usuriaga protagonizou um episódio que quase custou perda de cinco pontos para o Peixe no Brasileiro daquele ano. O atacante chegou a marcar contra o Alvinegro na vitória por 4 a 0, em 1994, do Independiente de Avellaneda, na Argentina, peleja válida pela Supercopa da Libertadores da América. Em 1996, estava atuando pelo Barcelona de Guayaquil, do Equador, e aí começa o imbróglio.

Os direitos do atleta ainda pertenciam ao clube argentino, que o emprestou ao Peixe, segundo consta, sem cobrar pela transação. Mas, ao que tudo indica, os portenhos mudaram de ideia e seguraram a documentação que sacramentava a transferência do jogador. Mesmo assim, a CBF liberou a carteira do jogador, que foi escalado para disputar uma partida contra o Fluminense, pelo Brasileiro, no Ibirapuera. Vitória alvinegra por 1 a 0, gol de Anderson Lima.

Ao saber da falta de documentação, o Fluminense foi ao Tapetão pedir os pontos da partida, mas acabou perdendo. Temeroso, o Peixe, que havia escalado o atleta antes em um amistoso contra a Inter de Limeira, na qual o colombiano fez um gol, não mais colocou o jogador em campo. Ele acabou devolvido ao Independiente e, em 2004, foi assassinado a tiros aos 37 anos, em Cali.

dodo e aristizabal no santos

Dodô e Aritizábal no Santos

Dois anos depois, Victor Hugo Aristizábal Posada, ou simplesmente Aristizábal, vestiria a camisa santista. Emprestado pelo São Paulo, estreou no Brasileiro de 1998, em um duelo contra o Palmeiras, em agosto, entrando no lugar de Alessandro Cambalhota. Quando começava a se firmar no esquema do técnico Emerson Leão, que tinha Lúcio na ponta esquerda e Viola pelo meio, se contundiu gravemente no joelho em partida contra o Guarani no Brinco de Ouro e ficou seis meses fora.

Ao retornar, não conseguiu muitas chances com Leão e nem com seu sucessor, Paulo Autuori, sendo devolvido ao Morumbi no final de 1999. Fez 23 partidas pelo Peixe, anotando seis gols em sua passagem. Mais à frente, em 2003, faria parte do Cruzeiro campeão do Brasileiro daquele ano, o primeiro da era dos pontos corridos.

rincon jogando no santos

Rincón em campo contra seu ex-time. Quase um ano Vila Belmiro

Talvez o colombiano que tenha chegado com mais pompa tenha sido Freddy Rincón. Assim como Aristizábal, ele fazia parte constante das convocações da seleção de seu país e havia tido grandes atuações pelo Corinthians entre 1997 e aquele ano. Chegou para tirar o clube da Vila Belmiro da fila de títulos, mas não conseguiu.

Sua transferência quase foi “melada” pela Justiça, e só saiu depois de um acordo entre os clubes da Vila Belmiro e do Parque São Jorge. Jogou e marcou na segunda partida da final do Paulistão contra o São Paulo naquele ano, mas saiu ao fim de 2000 depois após reclamar de salários atrasados, indo para o Cruzeiro. Rincón fez 38 partidas pelo Santos e marcou 4 gols.

henao no santos

Henao em sua pouca saudosa passagem pelo Santos (Jose Patrici/Reuters)

Já em 2005 uma das contratações mais frustrantes do Peixe. Juan Carlos Henao, goleiro do Once Caldas, campeão da Libertadores de 2004 eliminando o próprio Santos, o São Paulo, e superando o Boca Juniors na finalíssima. Na decisão, brilhou a estrela do arqueiro, que defendeu as cobranças de Cascini e Cangele na disputa por pênaltis.

Henao chegou no início do ano e a justificativa era que o clube precisava de um arqueiro experiente para a Libertadores. Mas o colombiano ficou diversas vezes na reserva de Mauro, campeão brasileiro de 2004 pelo Alvinegro, e não se firmou, saindo da Vila ainda em 2005, após 13 partidas disputadas.

Em 2008, a parceria da gestão Marcelo Teixeira com a DIS anunciava grandes reforços, que, na prática, nunca vieram. Surgiram nomes como Michael Jackson Quinõnez, Sebastían Pinto, Mariano Trípodi e o único que, de fato, ganhou o coração do torcedor com sangue, suor e muita técnica: Mauricio Molina.

Molina veio como principal reforço da equipe para a disputa da Libertadores daquele ano, mas nem seu talento salvaram o fraco elenco santista que faria o time brigar para fugir do rebaixamento no Brasileiro. Mas o meia marcou história ao entrar para a galeria dos atletas que fizeram quatro gols com a camisa alvinegra, feito realizado contra o San Jose, da Bolívia. Ganhou o apelido de “Deus que sangra” após permanecer em campo mesmo com o nariz quebrado em partida contra o América do México e também ficou marcado por dar lugar a Neymar, em sua estreia como profissional, na partida contra o Oeste, no Pacaembu, disputada pelo Paulista de 2009. Saiu no mesmo ano para a equipe sul-coreana do Seongnam Ilhwa após 79 partidas e 17 gols.

 

renteria no santos

Rentería no Santos: jogou pouco, nos dois sentidos

Wason Rentería chegou em 2011 após atuar pelo Once Caldas, em um time que tinha opções marcantes no ataque como Neymar, Borges e Alan Kardec. Ficou na reserva a maior parte do tempo e saiu no meio de 2012 para o Millionarios, depois de 22 jogos disputados e dois gols marcados. Não deixou saudades.

volante valencia santos fc

Valencia tem contrato com o Santos até o fim de 2016 (Ivan Storti/Santos FC)

Além de Jonathan Copete, o Santos conta com outro colombiano em seu elenco atualmente. Edwin Valencia, volante, chegou ao clube em 2015, contratado em janeiro depois de cinco temporadas atuando pelo Fluminense. Jogou 16 partidas pela equipe, sendo titular na campanha do título paulista de 2015, mas se lesionou no joelho direito atuando pela Colômbia na Copa América.

Valencia voltou a ser relacionado por Dorival Júnior em maio, na partida contra o Galvez-AC, pela Copa do Brasil, e tem feito parte do banco alvinegro, embora sem muito espaço para atuar. Tem contrato até dezembro de 2016.

Resta saber qual a história que Copete escreverá pelo Santos. Pelo início, podemos esperar uma bela trajetória.

2 Comentários

Arquivado em Década de 90, Estrangeiros no Santos, futebol, História, Santos, Século 21

Santos supera Chapecoense na Vila e se aproxima do G4 do Brasileirão 2015

O Santos conseguiu na noite desta quinta-feira uma vitória convincente sobre a Chapecoense, na Vila Belmiro, por 3 a 1, chegando a onze partidas sem perder entre Brasileiro e Copa do Brasil. Agora, a equipe está a três pontos do G4.

Com o Peixe ainda sem Gabriel, contundido, e Lucas Lima, na seleção brasileira, a proposta de sufocar o rival ficou evidente logo no início do jogo. Os visitantes, sem o lateral Apodi, um dos principais jogadores da equipe, também mostrou a que veio de cara: a proposta era segurar a marcação atrás da linha da bola.

Como em outros jogos, o Alvinegro usou bastante os lados, atacando tanto pela direita quanto pela esquerda. A Chape praticamente abriu mão de tentar qualquer lance mais ofensivo, permanecendo durante a maior parte do tempo na sua intermediária. Em parte culpa também do Santos, que ocupou os espaços na intermediária dos visitantes.

O gol não demorou muito a sair, logo aos 15 minutos. Marquinhos Gabriel deu uma bela assistência pelo lado direito para Ricardo Oliveira, no lado canhoto da área, bater de sem pulo e fazer um golaço.

Pouco depois, um lance polêmico. Ricardo Oliveira disputou bola na área com o zagueiro Neto e caiu. Não foi pênalti, mas o árbitro Bruno Arleu de Araújo anotou. O atacante alvinegro bateu no lado direito, mais uma vez, desta vez à meia altura. E, pela quarta vez na temporada, perdeu.

A superioridade santista no primeiro tempo foi evidente, e os números comprovam. Enquanto a Chapecoense fez uma finalização somente ao gol, facilmnete defendida por Vanderlei, o Peixe, além do gol, chegou com perigo em finalização de Marquinhos Gabriel, em belo lance, pra fora, mantendo 61,2% da posse de bola.

Para o segundo tempo, o treinador Vinicius Eutrópio tirou Ananias e João Afonso para a entrada de Camilo e Cléber Santana. A equipe visitante passou a ter mais posse de bola e chegou com perigo à meta alvinegra aos 11 minutos, em finalização de fora da área. Mas, dois minutos depois, Geuvânio fez um lance que já está se tornando típico. Limpou pelo lado direito da área da Chapecoense e finalizou no ângulo direito de Danilo. Um tiraço indefensável e que não foi comemorado pelo atacante, bastante xingado pela torcida santista (parte dela na Vila tem esse péssimo hábito de não apoiar os próprios jogadores) por ter errado uma jogada segundos antes.

Àquela altura, Léo Cittadini já havia substituído Neto Berola, outra vez com desempenho decepcionante. Depois de tomar o segundo gol, a equipe gaúcha veio pra cima novamente, mas Vanderlei conseguiu segurar tanto os cruzamentos na área como finalizações mais perigosas do rival. A fatura, porém, estava para ser liquidada. Em jogada ensaiada no lado direito após batida de escanteio (é ótimo ver que a equipe hoje treina…), a bola foi parar na cabeça de Ricardo Oliveira, que fez seu 14º gol no Brasileiro. Na temporada, já são 27 gols em 45 partidas e, com a camisa alvinegra, são 48 tentos em 77 jogos. é o 6º maior artilheiro peixeiro no século 21.

O centroavante saiu para a entrada de Nilson e Narquinhos Gabriel, logo depois, cedeu lugar a Rafael Longuine. Ainda que tivesse o controle da partida, o Santos fez valer a lei de tomar gol de ex-jogador quando o zaguerio Neto, depois de escanteio cobrado do lado direito da defesa peixeira, marcou. Aliás, depois disso a equipe ainda tomou algum sufoco em bolas aéreas, tipo de situação que não acontecia há tempos na defesa alvinegra.

A se destacar ainda a grande partida feita por Victor Ferraz, que exerceu grande papel na marcação, com desarmes providenciais, e também no apoio ao ataque. O preocupante foi a provável contusão de Geuvânio no final da partida, uma peça fundamental técnica e taticamente no esquema de Dorival Júnior. Agora o Santos chega a 33 pontos na tábua de classificação. O que parecia pouco provável há dois meses, começa a ser uma realidade. O Peixe chega na disputa de uma vaga da Libertadores no Brasileirão.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21