Arquivo da tag: Serginho Chulapa

Lembra dele no Santos? Quando o “craque Neto” vestiu a camisa alvinegra

Meia veio do Atlético-MG jogar na Vila Belmiro, marcou contra o Corinthians no Brasileiro de 1994, mas não vingou

Conhecido por sua identificação com o Corinthians e herói do primeiro título brasileiro do clube, em 1990, o hoje apresentador e comentarista José Ferreira Neto, o Neto, também vestiu a camisa do Santos, embora poucos saibam ou se lembrem.

No meio de 1994 o meia vinha do Atlético-MG, que no primeiro semestre havia tentado montar um supertime com o jogador, vindo do Millionarios-COL, mas ainda vinculado ao Corinthians. O clube apostava ainda em outros nomes conhecidos como os atacantes Éder e Renato Gaúcho, o meia Darci e o lateral Luís Carlos Winck. Com o fracasso da equipe, vice-campeão estadual, Neto foi visto como uma solução para o Santos. Para o Galo, foi a chance de repassar o atleta, já que não havia conseguido saldar o valor integral do passe junto ao Corinthians.

O Peixe vinha de um quarto lugar no campeonato paulista que, na prática, tinha sido um feito, dado que a equipe chegara a ocupar a lanterna no primeiro turno. A recuperação veio pelas mãos do então estreante treinador Serginho Chulapa, ex-auxiliar de Pepe, e o elenco tinha nomes como Edinho, Índio, Narciso, Maurício Copertino, Cerezo, Dinho, Gallo, Carlinhos, Ranielli, Marcelinho Paraíba, Paulinho Kobayashi, Zé Renato, Demétrius, Serginho Fraldinha, Macedo e Guga.

Definitivamente não era um time dos sonhos e Neto era substituído frequentemente durante os jogos. Em algumas vezes ficou na reserva de Ranielli, que fazia a dupla de meias ofensivos ora com Kobayashi, ora com Carlinhos (os dois volantes Dinho e Gallo completavam o meio de campo). Mais à frente no Brasileiro de 1994, um outro jogador passou a despontar como opção: Giovanni, lançado por Serginho e mias utilizado por seu substituto, Joãozinho.

No clássico contra seu ex-time, o Corinthians, Neto fez o gol peixeiro na derrota por 2 a 1 e também teria sofrido um pênalti não marcado pelo árbitro Antônio Cláudio Perin. Após o jogo, no vestiário, Serginho Chulapa agrediu o repórter Gilvan Ribeiro, do Diário Popular, sendo demitido em função do episódio.

O Santos terminou o Brasileiro de 1994 em nono lugar, uma posição abaixo dos classificados. E Neto, após 18 jogos e 3 gols, saiu no fim do ano para o Matsubara, do Paraná.

2 Comentários

Arquivado em Década de 90, futebol, História, Lembra dele?, Santos

Santos joga pro gasto, supera Figueirense e enfrenta São Paulo nas semis da Copa do Brasil 2015

O Santos bateu o Figueirense no Pacaembu, em partida válida pelas quartas de final da Copa do Brasil. A equipe não fez uma grande apresentação, algo compreensível dada a maratona enfrentada pelos comandados de Dorival Júnior. Um 3 a 2 justo, com um adversário que valorizou a vitória.

Se o Figueirense veio para o Pacaembu com o chamado “time alternativo”, o Santos teve desfalques importantes na partida. Lucas Lima E Victor Ferraz não foram a campo, lesionados, e Geuvânio segue em recuperação. Mas o Alvinegro contou com um 12º jogador fundamental. A torcida desde cedo fez a festa no estádio paulistano, ainda que a desorganização tenha ocasionada filas imensas do lado de fora, atrasando a entrada dos torcedores.

Gabigol celebra

Gabriel, o cara do jogo. E só precisou atuar um tempo…

Como esperado, o Figueira veio retrancado, mas buscando também apertar a saída de bola santista com três atacantes. O problema é que esse tipo de esquema, sem compactação, dá espaço entre os atacantes e a intermediária, e alguns jogadores santistas pegavam a bola com liberdade, como Renato, que buscou enfiadas de bola à frente, em especial para Gabriel.

O menino, inspirado, era quem mais dava trabalho à defesa catarinense, assim como Marquinhos Gabriel. O meia, com Rafael Longuine entre os titulares, fez a função de Lucas Lima, se movimentando por todo o campo. Nada mais natural que os gols saíssem da dupla. Primeiro com um lançamento de Marquinhos para Gabigol, que colocou por baixo das pernas de Felipe para marcar aos 20. Depois, um incrível passe de trivela do garoto, que devolveu o presente para Marquinhos fazer de cabeça aos 28 Com o tento, Gabigol se tornou o maior artilheiro do Santos na Copa do Brasil junto com Neymar, com 13 gols, e fez o seu sexto na edição de 2015, chegando também ao topo dos artilheiros.

O Peixe ainda sofreu um gol aos 37 do primeiro tempo, em cobrança de escanteio pelo lado direito. Bruno Alves anotou em uma falha de marcação e um pouco também do goleiro Vanderlei, já que foi uma bola no canto em que estava. Com a vantagem, a missão dos visitantes ficava bem mais difícil…

E ficou ainda pior com o gol aos 2 minutos de Neto Berola, que entrou após o intervalo no lugar de um apagado Longuine. Com 3 a 1 logo no início da etapa final, os jogadores naturalmente relaxaram e o Figueirense chegou a criar oportunidades, todas desperdiçadas por uma cominação de nervosismo e falta de técnica mesmo. Dorival ainda colocou Serginho no lugar de Gabriel e Marquinhos substituindo Marquinhos Gabriel.

O Figueira ainda chegou ao segundo gol com Carlos Alberto (aquele), aos 41, e até deu até algum medo ao torcedor mais cauteloso do Peixe. Mas a classificação era nossa e agora é enfrentar o São Paulo nas semis da Copa do Brasil.

1 comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

As reflexões que ficam da vitória do Santos sobre o Corinthians

Time “engoliu” o meio de campo do adversário na maior parte do jogo. Isso não foi à toa

O Santos teve dez dias para se preparar antes do clássico contra o Corinthians, disputado em uma Vila Belmiro com pouco mais de sete mil torcedores no sábado à tarde. E, de fato, parecia uma equipe treinada e consciente taticamente, fazendo o torcedor quase esquecer a ausência dos dois principais jogadores do time, Robinho, que está com a seleção brasileira na Copa América, e Lucas Lima, suspenso pelo terceiro cartão amarelo.

Decisivo, Ricardo Oliveira, mais uma vez marcando em clássicos (Ivan Storti/SantosFC)

Decisivo, Ricardo Oliveira, mais uma vez marcando em clássicos (Ivan Storti/SantosFC)

Com Marquinhos Gabriel fazendo as vezes de armador e Gabriel substituindo Robinho e atacando pelas beiradas do campo, o time encontrou o equilíbrio e dominou o meio de campo, suplantando o rival durante pelo menos dois terços do jogo, muito em função de outra alteração. Rafael Longuine substituiu Renato, contundido, e reforçou a saída de bola peixeira e também a marcação pelo lado esquerdo da defesa, um problema quase crônico da equipe.

Longuine se movimentou mais que Renato usualmente faz, e chegou também à frente, tendo feito a assistência para Ricardo Oliveira marcar o gol peixeiro aos 10. Com uma primeira etapa na qual foi muito superior, o Alvinegro, mesmo recuando um pouco mais no início da etapa final, continuou mandando no jogo contra um Corinthians que teve uma proposta super-defensiva, apostando em bolas longas para Wagner Love na primeira etapa. Tendo que sair para o jogo, a equipe da capital deu espaço para o Peixe armar contra-ataques, até a expulsão de Longuine, aos 24 minutos.

A partir daí, o Peixe passou a ser acossado pelo rival, que até aquele momento não havia ameaçado o gol de Vladimir. Nem a expulsão de Fagner, aos 28, arrefeceu o ímpeto corintiano. Isso porque Tite mexeu bem na equipe. Já havia colocado Luciano no lugar de Petros, uma substituição que não havia surtido efeito, mas, após a saída de Longuine, colocou Danilo no lugar de Edu Dracena. Ali, ganhou o meio de campo que perdeu durante o resto da partida.

A essa altura, Serginho Chulapa já havia colocado Neto Berola no lugar de Gabriel, e após a expulsão colocou Thiago Maia no lugar de Marquinhos Gabriel, recompondo a dupla de volantes, Falando nessa posição, mais uma vez Lucas Otávio fez uma grande partida, assim como outro garoto da base, Daniel Guedes, que vem se firmando na lateral-direita.

Aos 34, Tite colocou Edilson no lugar do inoperante Mendoza, e passou a jogar no campo santista, chegando duas vezes à trave de Vladimir. Um minuto após a alteração do treinador corintiano, Leandrinho entrou no lugar de Geuvânio e, com três volantes, nenhum deles com capacidade de armação, o time passou a sofrer um sufoco que por pouco não resultou em gol e em um empate que seria injusto pelo que os donos da casa jogaram em pelo menos dois terços da peleja.

A vitória dá moral para a equipe e confiança para os jogadores, que mostraram um jogo coletivo mais consistente sem seus dois principais nomes. No entanto, o time mais uma vez teve chances de matar a partida quando dominava as ações, e não o fez. Por pouco, não sofre mais um empate como em outras ocasiões. Os contra-ataques têm que ser mais treinados e mais gente no setor ofensivo tem que ter a precisão que não tem faltado a Ricardo Oliveira. De qualquer forma, deixar o Z-4 pra trás é ótimo.

1 comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Chapecoense 1 X 0 Santos – jogo com jeito de reprise

Mais uma vez o Santos demonstrou a apatia que o tem caracterizado em jogos fora de casa. Mas, diferentemente de outras ocasiões, jogou melhor no segundo do que no primeiro tempo. Não dá pra simplificar e dizer simplesmente que o time é “preguiçoso” ou que faz corpo mole – embora às vezes dê essa impressão. O buraco é mais embaixo.

Primeiro, é necessário analisar como surgiu o gol da Chapecoense. Mais uma vez foi construído pelo lado esquerdo da defesa santista, com Apodi avançando e finalizando contra o gol de Wladimir. O lance deixou aquela dúvida se se tratava de uma bola indefensável de fato. A meu ver, não era. Embora faça uma ou outra boa atuação, não é possível se enganar e dizer que o arqueiro está à altura da meta alvinegra. Hoje, não está.

Mas ele não pode carregar a culpa do gol sozinho. O Peixe é invariavelmente assediado pelo lado canhoto da sua intermediária, e não é à toa. No jogo contra o Avaí, por exemplo, Gilson Kleina colocou o meia Roberto para forçar a jogada individual nesse setor. Deu certo, foi por ali que aconteceu a falta que resultou no gol.

Isso ocorre porque a marcação santista tem que começar na frente, com um dos atacantes que atuam pelos lados acompanhando o lateral. Geuvânio faz as vezes do lado direito, mas Robinho não faz o papel da mesma forma do lado esquerdo, cabendo às vezes para Lucas Lima desempenhar a marcação. Com essa alternância algo confusa em determinados momentos, somando-se a deficiência na cobertura dos volantes, o lateral fica “vendido” na marcação. E estoura na zaga. Podem reparar que é invariavelmente por esse lado que o adversário procura atacar o Santos, seja o lateral Chiquinho, Victor Ferraz ou Caju.

Jogadores da Chapecoense comemoram gol de Apodi (Foto: Chapecoense/Flickr)

Jogadores da Chapecoense comemoram gol de Apodi (Foto: Chapecoense/Flickr)

Falta variação tática para o Santos

Difícil jogar do mesmo jeito em qualquer situação, empatando, ganhando ou perdendo. O Santos não faz isso, mas demora a mudar. Hoje, após o gol, a equipe continuou atuando da mesma forma e, em todo o primeiro tempo, não fez uma finalização certa sequer – descontando uma cabeçada de Ricardo Oliveira que mal pode se considerar finalização. Na etapa final, após os dez minutos, começou a dominar e chegar com perigo no gol da Chapecoense.

A estreia de Rafael Longuine, que entrou no lugar de Leandrinho, foi justamente pra corrigir o problema do lado esquerdo. Funcionou por um tempo, quando os donos da casa recuaram e deram espaço para o Peixe atacar. Robinho começou a atuar mais livre, não ficando preso apenas à ponta esquerda. Mesmo sem atuar bem, confundiu a marcação catarinense. E Ricardo Oliveira também saiu mais da área, abrindo espaços na defesa da Chapecoense, embora atuando bem abaixo do seu nível.

Mas a alteração que colocou Longuine foi a única que teve como objetivo mudar taticamente o Santos. A outra foi forçada, a lesão de Valencia, substituído por Lucas Otávio. Mesmo perdendo, Marcelo Fernandes – ou seu auxiliar Serginho Chulapa, já que o titular foi expulso no primeiro tempo – abriu mão da terceira mudança. Isso é inexplicável, não há justificativa. E não se trata de algo novo.

Ou Marcelo Fernandes passa a usar mais do arsenal que tem no elenco, ou sua timidez vai acabar comprometendo sua permanência à frente do time. E a campanha peixeira no Brasileirão.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

O histórico de Santos e Cruzeiro – relembre cinco goleadas do Peixe sobre o rival

O histórico de confrontos entre Santos e Cruzeiro em campeonatos brasileiros é bastante equilibrado. São 70 jogos, com 25 vitórias de cada lado e 20 empates. Em Brasileiros, são 56 encontros, com 19 triunfos alvinegros, 21 derrotas e 15 empates. Na Vila, os donos da casa venceram dez vezes, perderam sete e empataram cinco.

Com todo esse equilíbrio, algo que não falta no confronto entre os dois é gol. No geral, são 117 gols alvinegros e 106 cruzeirenses, média de 3,23 por peleja. Dirceu Lopes é o artilheiro do duelo com oito gols, vindo em seguida Tostão e Pelé, com seis, e os santistas Toninho Guerreiro e Neymar, com cinco cada.

Em goleadas, a maior aplicada pelo Peixe foi em 1929, na primeira peleja entre ambos, 7 a 3, e o maior triunfo mineiro foi em um dos jogos da final da Taça Brasil de 1966, 6 a 2. Mas como este é um espaço santista, confira abaixo cinco goleadas alvinegras contra o rival:

Campeonato Brasileiro de 1983 – Santos 5 X 0 Cruzeiro

As duas equipes se enfrentaram pela segunda fase do Brasileirão daquele ano. Para entender a fórmula: eram 40 times na fase inicial, divididos em oito grupos, sendo que os três primeiros de cada um, mais quatro vindos da repescagem e outros quatro da Taça de Prata iam para a segunda fase. Formavam-se oito grupos de quatro clubes, classificando-se os dois primeiros de cada um. Fácil não?

Mas fácil mesmo foi a vitória peixeira sobre os rivais, um 5 a o no Morumbi, com direito a triplete (ou hat trick) de Serginho Chulapa, com Serginho Dourado (também chamado de Serginho Segundo) e Paulo Isidoro completando a goleada. No segundo tempo, mesmo com os mineiros atuando com apenas oito jogadores – Joãozinho, Palhinha e Osires foram expulsos – o Peixe tirou o pé evitando uma humilhação maior.

Naquela competição, o Alvinegro, comandado por Chico Formiga, chegou à final, sendo vice-campeão, e Serginho Chulapa foi o goleador máximo com 22 gols.

Campeonato Brasileiro de 1991 – Santos 4 X 0 Cruzeiro

O Santos não fez um grande campeonato no Brasileiro de 1991, terminando em 8º lugar, com sete vitórias, cinco empates e sete derrotas. Apenas os quatro primeiros se classificavam para a fase final. O Cruzeiro, porém, foi ainda pior, e ficou em 16º, a quatro pontos da zona de rebaixamento em uma época em que a vitória valia dois pontos e que só dois clubes caíam. O Brasil veria depois do fim do campeonato mais uma virada de mesa para salvar o Grêmio, penúltimo colocado à ocasião com meros doze pontos em 19 partidas.

Na competição de turno único, o Peixe enfrentou o Cruzeiro na Vila Belmiro e os mineiros se deram mal. Um 4 a 0 com gols de quatro jogadores que deixaram boas lembranças para o torcedor, embora nenhum deles tenha ganho título pelo clube. Sergio Manoel, Almir, Paulinho McLaren e Edu Marangon, comandados por Cabralzinho, técnico vice-campeão de 1995, anotaram naquele 8 de abril.

Paulinho McLaren foi o artilheiro daquele campeonato, com 15 gols.

Campeonato Brasileiro de 1994

Mais um regulamento diferente naquela competição. Eram 24 clubes divididos em quatro grupos de seis e os quatro primeiros de cada um se classificavam para formar, na segunda fase, dois grupos de oito clubes cada. Os campeões de cada um desses grupos no turno e no returno iam para as semifinais, além dos dois melhores na classificação geral dessa fase e outra dupla vinda da repescagem.

Na primeira fase, o Peixe ficou em segundo no grupo C e foi na penúltima rodada que pegou o Cruzeiro na Vila. Os donos da casa venceram por 4 a 1, com dois tentos de Macedo, artilheiro da equipe na competição com oito gols, um de Ranielli e outro de Guga. Cleison marcou para o time mineiro, eliminado na primeira fase e quase rebaixado na repescagem, quando terminou com o mesmo número de pontos que o Remo, mas com dois gols a mais de saldo.

O Alvinegro, que tinha naquela partida contra o Cruzeiro tinha Serginho Chulapa como treinador, foi para a segunda fase e por pouco não alcançou as quartas de final. No returno, ficou a um ponto do campeão de seu grupo, o Botafogo, e também a um ponto do Bahia, que passou de fase em função da classificação geral.

Campeonato Brasileiro de 2002 – Cruzeiro 1 X 4 Santos

Os dois times se enfrentaram na primeira fase do campeonato que tirou o Santos do jejum de quase 18 anos sem títulos importantes. A partida foi no Mineirão, e os visitantes viraram o primeiro tempo batendo os mineiros por 2 a 0, tentos anotados por Elano e Andre Luis. Elano marcou de novo na última etapa e Robinho fechou a goleada. Joãozinho descontou aos 41, fazendo o gol de honra dos donos da casa.

Aquele inesquecível Brasileirão foi o último disputado antes da era dos pontos corridos. O Peixe terminou a primeira fase, disputada entre os 24 participantes em turno único, na oitava colocação, tendo o direito de enfrentar o primeiro colocado, o São Paulo. Curiosamente, o Cruzeiro ficou empatado com o Peixe em número de pontos, mas com oito gols a menos de saldo. Aí fica importância que teve essa partida, no fim das contas, decisiva para o caminho do triunfo peixeiro.

Alberto foi o artilheiro do Peixe, dirigido por Emerson Leão, no Brasileiro daquele ano, com 12 gols, vindo em seguida Diego e Robinho, dez cada, e Elano, nove.

Campeonato Brasileiro de 2012 – Cruzeiro 0 X 4 Santos

Com o Mineirão sendo reformado para a Copa do Mundo de 2014, o Cruzeiro mandou sua partida contra o Santos no Independência, estádio do América que virou casa do Atlético na Libertadores de 2013. Com uma atuação que refletiu a campanha celeste naquele ano, que por pouco não terminou com o rebaixamento do clube, os donos da casa apanharam feio.

A peleja foi para o segundo tempo com o Alvinegro vencendo por 2 a 0, gols de Neymar. Felipe Anderson, fazendo aos 7 da segunda etapa, matou qualquer possibilidade de reação dos mineiros e Neymar, aos 36, completou seu hat trick, tendo ainda dado a assistência no terceiro tento. Vitória da equipe de Muricy Ramalho.

Nessa partida, um fato curioso. Após o quarto gol, feito com uma bela jogada do argentino Miralles, a torcida do Cruzeiro passou a gritar o nome de Neymar, em um misto de reconhecimento e protesto contra a própria equipe. Confira no vídeo abaixo.

Leia também:

Santos X Cruzeiro – hora de arrancar no Brasileiro

3 Comentários

Arquivado em Década de 80, Década de 90, futebol, História, Santos, Século 21

Os maiores artilheiros do Santos no século 21

A revista Placar publicou uma matéria nesta semana com os cinco maiores artilheiros do século 21 dos doze maiores clubes brasileiros. Na lista do Santos, Neymar lidera, com 138 gols em 230 jogos, seguido por Robinho, 103 gols em 235 partidas; Kléber Pereira, 86 em 143 jogos; Elano, 66 tentos em 285 pelejas, e Deivid, 54 gols. No caso deste último, não estão computados todos seus tentos marcados pelo Santos, já que ele atuou e marcou pela equipe em 1999 e 2000. Marcou 60 vezes em 140 partidas, no total de participações pelo Alvinegro.

Dada a lista, algumas curiosidades. Os dois primeiros, Neymar e Robinho, são crias da base e só atuaram pelo Peixe no Brasil, sendo que o Rei das Pedaladas está em sua terceira passagem pelo clube, tendo atuado profissionalmente com a camisa peixeira entre 2002 e 2005 e no primeiro semestre de 2010.

Robinho, que tem contrato de empréstimo com o Santos até junho deste ano, é hoje o terceiro colocado na lista dos maiores artilheiros do clube na era pós-Pelé, com 103 gols, um atrás de João Paulo e Serginho Chulapa, empatados na segunda colocação. Na tabela dos maiores artilheiros do Alvinegro na História, o eterno menino da Vila é o 20º, empatado com Ary Patusca, que atuou pelo Santos entre 1915 e 1922.

Mas há que se destacar Kléber Pereira. Entre os cinco, é ele, por pouco, que tem a mais elevada média de gols, 0,601 por jogo, superando Neymar, que tem 0,6 redondos. Robinho, com 0,43 gol por partida, está acima de Deivid, com 0,42. Elano tem média de 0,23, mesmo assim algo invejável para um meio-campista.

Com seu estilo de centroavante puramente marcador de gols, Kléber Pereira chegou ao Santos no segundo semestre de 2007 e em muitas ocasiões irritava a torcida com alguns gols fáceis perdidos. Costumava argumentar à época que se ele marcasse a maioria que perdia, não seria Kléber Pereira, mas sim algo próximo de Pelé, visto sua ótima média de gols mesmo com o desperdício… Além de ter inegável bom posicionamento dentro e próximo à área, há outro dado que valoriza sua passagem pelo Santos, o fato de o clube ter montado times fracos em 2008, quando a equipe lutou contra o rebaixamento em boa parte do Brasileiro, e em 2009, quando foi um figurante sem brilho no Nacional, após chegar à final do Paulista.

O Acervo Histórico Santos Futebol Clube fez um levantamento no qual lista 21 dos maiores artilheiros do clube no século 21. Completando os dez maiores, aparece o surpreendente Basílio, que segurou o rojão de substituir Robinho na reta final do Brasileiro de 2004, com 42 gols; André, com 41; Diego, com 38; Paulo Henrique Ganso, com 36, e Cícero, 35. No elenco atual do Santos, estão ainda na lista dos 21, além de Robinho e Elano, Renato, com 25; Gabriel Barbosa, o Gabigol, com 23, e Ricardo Oliveira, com 21.

3 Comentários

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Um pouco do histórico do confronto Santos e Joinville

Joinville e Santos se enfrentam hoje pela segunda fase da Copa do Brasil, e fazem o sétimo confronto entre os dois na história. Até agora, são duas vitórias santistas, dois empates e dois triunfos catarinenses. Nenhum dos dois venceu o rival fora de casa.

Imagem

Juary, autor de dois gols na 1ª partida entre Santos e Joinville (Foto do site Futebol de Todos os Tempos)

A primeira partida entre os dois clubes foi no Campeonato Brasileiro de 1978, na segunda fase da competição. Na Vila Belmiro, o Peixe venceu por 3 a 0, dois gols de Juary e um de Célio. O Santos do treinador Chico Formiga entrou em campo com William; Nelsinho Baptista, Joãozinho, Fausto e Gilberto Sorriso; Zé Carlos, Nelson Borges (Nílton Batata) e Pita; Juary, Célio e João Paulo. O Joinville de Marinho Rodrigues atuou com Raul Bosse; João Carlos, Vagner, Pompeu (Lico) e Carlos Alberto; Jorge Luis, Joel e Fontã; Britinho, Paulinho e Néia (Sávio).

Imagem

Rubens Feijão, autor de dois gols da vitória santista contra o Joinville no Brasileiro de 1980

No Campeonato Brasileiro de 1980, novo encontro na Vila Belmiro, com vitória alvinegra da equipe de Pepe por 2 a 0, dois tentos marcados por Rubens Feijão. No retorno, o Joinville superou o Santos pelo mesmo placar, gols de Zé Carlos Paulista e Jorge Luís. A peleja era válida pela segunda fase da competição e o Santos terminou em primeiro lugar no Grupo E, com os catarinenses ficando na lanterna. O Peixe terminou aquele Brasileiro na 7ª posição.

Em 1981, em um amistoso, o Joinville venceu o Santos por 1 a 0, com gol de Barbieri. Já no Campeonato Brasileiro de 1986, duas igualdades em jogos válidos pela segunda fase da competição. Os catarinenses, aliás, quase ficaram fora da segunda fase, pois o Vasco entrou com um processo na Justiça comum contestando a decisão do STJD que havia dado dois pontos para o Joinville na peleja contra o Sergipe, que teve um jogador pego no antidoping. No fim, o Vasco também avançou, pois a Portuguesa foi punida por entrar na Justiça comum por conta de venda de ingressos. Ah, os critérios da CBF…

Nos dois jogos entre Santos e Joinville, o mesmo resultado: 0 a 0. Em 13 de novembro, no Ernesto S. Sobrinho, o Peixe entrou em campo com Rodolfo Rodriguez; Ijuí, Nildo, Toninho Carlos e Paulo Róbson; César Sampaio, Ribamar e Juninho (Santín); Solano, Serginho Chulapa (Mazinho) e Antônio Carlos, comandados por Formiga. Já o Joinville veio com Barbiroto; Alfinete, Adílson e Edvaldo; Junior, Nardela e Cláudio José (João Renato), Toninho Cajuru, Mirandinha (Amarildo) e Paulo Egídio. O treinador do time catarinense era Edu Coimbra, o irmão de Zico.

O Alvinegro ficaria na segunda fase, com a quinta colocação do Grupo I (quatro se classificavam). Já o Joinville foi o terceiro do grupo, chegando às oitavas de final e caindo após dois empates com o Cruzeiro. Na equipe catarinense, o destaque era o lateral-direito Alfinete, ex-Corinthians, que, após ser trocado pela equipe paulistana, recuperou seu futebol e chegou a ganhar a Bola de Prata da revista Placar em sua posição naquele ano. Na sequência, foi para o Grêmio.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem Categoria

Afinal, quantos gols Guga fez contra o Corinthians?

Uma matéria que saiu esta semana no Uol traz um pouco da história do ex-artilheiro santista Guga. Após quase ser baleado em uma lotérica da qual era dono, o ex-camisa 9 tem hoje uma escuna que faz a travessia de Ilha Grande e vive como guia turístico ali.

Mas um detalhe chama a atenção no texto, quando se diz que Guga “fez mais de dez tentos em clássicos contra o Corinthians”. De fato, o jogador teve sua passagem pelo Alvinegro Praiano marcada por suas atuações contra o rival paulistano. Em duas ocasiões ele marcou três gols, fato que lhe rendeu a alcunha de “matador de gambás”. Mas quantos gols, afinal, Guga teria marcado contra o Corinthians?

n_20110809230945_memoria_santista__guga_marca_tres_vezes_e_santos_derrota_o_corinthians_por_4_a_3_em_1994

Guga marcou duas vezes três gols contra o Corinthians

Consultando o Acervo Histórico de Guillherme Nascimento, autor do excelente Almanaque do Santos, temos uma lista com todos os gols de Guga feitos pelo Santos no período em que jogou pelo clube, entre 1992 e 1994. Foram 74 gols no total, o que rende ao atacante a 29ª posição entre os maiores artilheiros do time, o 7º da era pós-Pelé. Mas, contra o Corinthians, foram oito tentos marcados, e não mais de dez.

O primeiro “triplete” ou “hat trick” de Guga aconteceu em 1992, uma vitória de 3 a 1 do Peixe. Entre os tentos, um gol de voleio ou meia-bicicleta, de acordo com o gosto do freguês. Em janeiro do ano seguinte, marcou novamente na vitória por 1 a 0, em partida válida pelo campeonato paulista. Já em novembro, fez outro na derrota por 3 a 2 pelo campeonato brasileiro.

Em 1994, em uma partida emocionante, Guga marcou de novo três gols contra o Corinthians. Foi um jogo válido pelo campeonato paulista no qual Edinho, o filho do Rei, teve uma grande atuação e o Peixe virou de um 2 a 0 para vencer por 4 a 3 no Morumbi. Aquela peleja coroou a recuperação do clube no campeonato com Serginho Chulapa à frente, mas a fórmula de pontos corridos não permitiu que a equipe sonhasse com o título após a péssima campanha no primeiro turno.

Assim, Guga marcou oito vezes em onze partidas contra o Corinthians, mas com dois tripletes que marcaram o torcedor. O atleta que mais marcou gols contra o Alvinegro paulistano na história foi Pelé, 50 gols em 49 partidas. Pelo Santos, foram 49 tentos já que um dos gols anotados pelo Rei foi em um amistoso pela seleção brasileira. Mas isso já é outra história.

1 comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 90, futebol, História, Santos

Neymar, maior artilheiro do Santos na Era pós-Pelé

Após a primeira partida da final do campeonato paulista de 2012 entre Guarani e Santos, Neymar chegou aos 104 gols e já é o maior artilheiro do Alvinegro pós-Pelé, empatado com Serginho Chulapa e João Paulo (confira a lista dos 25 maiores artilheiros do Peixe aqui).

E falta pouco para Neymar e o Santos continuarem fazendo história. Isso vai ocorrer se o clube conquistar o tricampeonato estadual, algo que nenhuma equipe consegue desde 1969, quando o próprio Alvinegro, com Pelé e companhia, obteve o segundo tri.

E, como homenagem a Serginho Chulapa, acompanhando a celebração feita por Neymar, abaixo os melhores momentos da última peleja do campeonato paulista de 1984, em que o centroavante fez o gol decisivo para o Peixe.

E, para homenagear o artilheiro Neymar, que vem tentando se especializar nas carretilhas (ou lambretas, conforme o gosto do freguês), segue também o gol de letra de Toninho Guerreiro, feito após o belo lance de Kaneko, que passou a bola por cima do marcador e cruzou para a finalização do quarto maior artilheiro da história do Peixe.

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 60, futebol, História, Santos, Século 21

Neymar já é o quarto maior artilheiro santista pós Era Pelé

Após a vitória do Santos contra o Guaratinguetá, Neymar já é o quarto maior artilheiro do Santos pós Era Pelé, com 173 pelejas disputadas pelo clube. Com 95 gols, o garoto, que fez três contra a equipe do interior, ultrapassou Robinho, que tem 94. Agora, o atacante segue no encalço de três atletas. O primeiro é Juary, um dos meninos da Vila campeão paulista em 1978 e que, atuando entre 1976 e 1979 e, já veterano, em 1989, marcou 101 vezes pelo Santos.

Já os dois que pontuam a lista têm 104 tentos cada. O ponta-esquerda João Paulo, outro menino da Vila, jogou no Peixe entre 1977 e 1984, voltando em 1992. Serginho Chulapa o acompanha no topo por conta de suas quatro passagens pelo Peixe, em 1983-1984, 1986, 1988 e 1990. Pouco mais de três anos de sua estreia como profissional, Neymar pode ocupar o topo da lista ainda no primeiro semestre.

Pra quem gosta de comparações, Messi, que estreou no Barcelona em 2003, fez seu centésimo gol pelo clube em seu 188º jogo pela equipe azul-grená, aos 22 anos e 206 dias.

Sobre a lista de artilheiros do Santos

Muitos podem estranhar o porquê de existir uma lista de artilheiros pós Era Pelé. O fato é que a divisão é mais que necessária, já que o Alvinegro, que se notabiliza por ser o clube com maior número de gols marcados no mundo do futebol profissional, foi também o primeiro no Brasil a ter uma linha de cem gols em uma competição. Muito antes do grande time dos anos 60, os santistas já se habituavam a balançar as redes.

João Paulo e Chulapa estão em 18º no rol de maiores artilheiros da história santista. Acima deles, há Pelé, líder absoluto com 1091 gols, e outros dez atletas que atuaram com o Rei: Pepe, Coutinho, Toninho Guerreiro, Dorval, Edu, Pagão, Tite, Vasconcelos, Álvaro e Del Vecchio. Da linha dos cem gols há Feitiço, 5º em todos os tempos com 216 gols e Camarão, além de Araken Patusca, Antoninho, Odair e Raul Cabral Guedes.

Para se ter uma ideia da grandeza da lista dos maiores artilheiros do Peixe, Coutinho, o terceiro maior, com o número de gols marcados pelo Peixe seria com sobras o maior goleador de qualquer um dos membros do Trio de Ferro. Claro que se tivesse atuado nos rivais o parceiro de Pelé não teria marcado tanto…

Após a vitória do Santos contra o Guaratinguetá, Neymar já é o quarto maior artilheiro do Santos pós Era Pelé, com 173 pelejas disputadas pelo clube. Com 95 gols, o garoto, que fez três contra a equipe do interior, ultrapassou Robinho, que tem 94. Agora, o atacante segue no encalço de três atletas. O primeiro é Juary, um dos meninos da Vila campeão paulista em 1978 e que, atuando entre 1976 e 1979 e, já veterano, em 1989, marcou 101 vezes pelo Santos.

Já os dois que pontuam a lista têm 104 tentos cada. O ponta-esquerda João Paulo, outro menino da Vila, jogou no Peixe entre 1977 e 1984, voltando em 1992. Serginho Chulapa o acompanha no topo por conta de suas quatro passagens pelo Peixe, em 1983-1984, 1986, 1988 e 1990. Pouco mais de três anos de sua estreia como profissional, Neymar pode ocupar o topo da lista ainda no primeiro semestre.

Pra quem gosta de comparações, Messi, que estreou no Barcelona em 2003, fez seu centésimo gol pelo clube em seu 188º jogo pela equipe azul-grená, aos 22 anos e 206 dias.

Os 25 maiores artilheiros da História do Santos

  1. Pelé – 1091 (1956-1974)
  2. Pepe – 405 (1954-1969)
  3. Coutinho – 370 (1958-1970)
  4. Toninho Guerreiro – 283 (1963-1969)
  5. Feitiço – 216 (1927-1932/1936)
  6. Dorval – 198 (1956-1967)
  7. Edu – 183 (1966-1976)
  8. Araken Patusca – 177 (1923-1929)
  9. Pagão – 159 (1955-1963)
  10. Tite – 151 (1951-1957/1960-1963)
  11. Camarão – 150 (1923-1934)
  12. Antoninho – 145 (1941-1954)
  13. Odair – 134 (1943-1952)
  14. Raul Cabral Guedes – 120 (1933-1942)
  15. Vasconcelos – 111 (1953-1959)
  16. Álvaro – 106 (1953-1961)
  17. Del Vecchio – 105 (1953-1957/1965-1966)
  18. João Paulo – 104 (1977-1984/1992)
  19. Serginho Chulapa – 104 (1983-1984/1986/1988/1990)
  20. Ary Patusca – 103 (1915-1922)
  21. Juary – 101 (1976-1979/1989)
  22. Gradim – 97 (1936-1944)
  23. Rui Gomide – 97 (1937-1947)
  24. Neymar – 95 (2009-)
  25. Robinho – 94 (2002-2005/2010)

3 Comentários

Arquivado em Ídolos, futebol, História, Santos, Século 21