Arquivo da tag: XV de Piracicaba

Santos não brilha, mas supera XV de Piracicaba na estreia

Não foi uma estreia com pompa e circunstância. Aliás, os primeiros jogos dos grandes em início de temporada não costumam ser assim, que o digam Fluminense, Vasco e Botafogo. Sem ritmo e às vezes com atletas sem condições físicas, costumam enfrentar equipes que passaram por longas pré-temporadas, o que equilibra as forças entre adversários com poder de fogo desigual.

O adversário do Santos ontem era um desses times que se preparava há algum tempo. Desde novembro, o XV de Piracicaba (freguês premium) treinava para o Paulista, e mostrou bom preparo físico e um entrosamento interessante na partida de ontem. Na Vila Belmiro, a equipe do interior não deixou os donos da casa chegarem com facilidade à frente, congestionando o meio de campo e matando a criatividade peixeira. Criatividade, aliás, mais prejudicada após o intervalo, quando Montillo saiu lesionado para a entrada de Léo Cittadini. Mesmo assim, o XV era só defesa, e Oswaldo de Oliveira não teve seu esquema com três atacantes posto à prova na parte defensiva, graças à fragilidade do ataque piracicabano.

Comanda, professor... (Ricardo Saibun/Santos FC)

Comanda, professor… (Ricardo Saibun/Santos FC)

Se não contou com Leandro Damião, cuja situação ainda não foi regularizada; com Cícero, ainda sem uma definição sobre seu futuro, Alison e Edu Dracena (que só vai voltar no segundo semestre), o treinador alvinegro colocou seis garotos da base em campo, que se tornaram sete com a entrada de Cittadini. O desempenho, obviamente, foi desigual.

Gabriel Barbosa e Geuvânio se movimentaram bastante, embora tenham pecado na troca de passes, especialmente naquele último ou penúltimo lance antes de se chegar à meta. Leandrinho e Emerson Palmieri foram regulares, em especial na marcação, enquanto a dupla de zaga Gustavo Henrique e Jubal, que atuou junta durante muito tempo no time de baixo, mostrou entrosamento, inclusive na elaboração das famosas linhas burras que por vezes fazem o torcedor sofrer.

 A vitória veio com um belo passe de Geuvânio, que não ficou restrito a um lado só do campo como nos tempos de Claudinei, para Gabriel não hesitar. Ele hesitou no segundo tempo, quando teve oportunidade de ouro na qual poderia tentar driblar o goleiro, passar para Thiago Ribeiro, melhor colocado, ou finalizar com força. Mas preferiu dar uma cavadinha com o goleiro em pé… Perdoa-se pelos 17 anos, mas que deu raiva, deu. Foi seu quarto gol como profissional, em 16 pelejas nas quais participou (a maioria, entrando no decorrer do jogo).

Além da estreia com vitória, um gol a menos para a marca de 12 mil da equipe profissional que mais balançou as redes no mundo. Agora, faltam onze. E um pouco mais de rodagem para meninos promissores.

E, na esdrúxula fórmula do campeonato paulista – vinte times divididos em quatro grupos, sendo que na primeira fase eles não enfrentam seus concorrentes diretos – São Paulo e Corinthians foram beneficiados mesmo sem jogar no sábado, já que nenhum clube de seus grupos venceu. Das seis partidas disputadas ontem (18), nenhum visitante ganhou, só o Audax conseguiu um empate em 0 a 0 com o Paulista, em Jundiaí.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem Categoria

Santos X XV de Piracicaba – Peixe encara freguês que treina desde novembro

Na estreia de hoje no Paulistão 2014, o Santos joga contra o XV de Piracicaba, equipe que, pelo histórico de confrontos, pode ser considerada um grande freguês. Foram 82 pelejas entre os dois times, com 48 vitórias peixeiras, 28 empates e somente 6 derrotas. O Santos anotou 175 gols e sofreu 69.

A primeira partida entre os dois aconteceu em 23 de agosto de 1925, um empate em 2 a 2 em Piracicaba, gols de Camarão e Siriri para o Alvinegro Praiano. No último encontro, em jogo válido pela 9ª rodada do Paulista de 2013, vitória do Santos por 2 a 1, com dois tentos de André (Cesinha descontou). Esta foi a oitava partida consecutiva da equipe sem perder para o adversário no campeonato estadual.

Confira os gols:

A maior goleada santista contra a equipe do interior aconteceu no dia 23 de julho de 1958, 6 a 0 com direito a gol de calcanhar de Pelé, o sexto da peleja. O Rei marcou outros três e Pepe e Pagão completaram.

Fora de seus domínios, o maior triunfo santista ocorreu no Paulista de 1961, um 7 a 2 com direito a Pelé provocando a torcida adversária, insinuando uma “dor de cotovelo”. O lance foi motivado pela provocação da torcida ao atleta, já que o Peixe venceu de virada o rival. A partida já foi tema desse post e, como dito lá, é curioso notar no vídeo abaixo não apenas os lances de gol, mas um lance de Coutinho no último tento, no qual domina a bola  (no 5:32 do vídeo) com a cabeça e mantém ela no ar com três toques antes de passar para Pelé, fazendo o “drible da foca”.

Santos X XV de Piracicaba, hoje à noite

Em que pese toda história a seu favor, o Santos deve tomar cuidado contra os piracicabanos hoje na Vila. A equipe interiorana vem treinando desde novembro, o que pode denotar um preparo físico, e mesmo tático, um pouco superior ao Peixe que inicia a temporada. O Peixe ainda não vai poder contar com Leandro Damião e também joga desfalcado de Cícero, que tem sua situação com o clube indefinida, além de Edu Dracena, recém-operado, e Alison. Estão ainda na lista de “indisponíveis”: Léo, Mena, Alan Santos e Neto.

O Peixe deve entrar hoje, às 19h30, na Vila Belmiro, com a formação: Aranha; Cicinho, Jubal, Gustavo Henrique e Emerson; Arouca, Leandrinho e Montillo; Geuvânio, Gabigol e Thiago Ribeiro. Um time formado com seis pratas da casa entre os titulares. Importante também lembrar que hoje começa a contagem regressiva para gol 12 mil do Santos. Boa sorte ao Alvinegro Praiano!

1 comentário

Arquivado em Década de 50, Década de 60, futebol, História, Santos, Século 21

Marcelo Passos, quase herói em 1995

O gol de Kaká contra o Apoel no meio da semana me fez lembrar de um jogador que quase foi herói de um campeonato brasileiro para o Santos. Aquele canto, o lado destro da área rival, foi durante algum tempo o espaço preferido de Marcelo Passos, um jogador que envergou a camisa dez (e outros números em várias ocasiões) pelo Santos entre 1991 e parte de 1996, e depois em 1997, após passagens por Goiás e Flamengo.

Um atleta de meio de campo habilidoso, nascido no Guarujá em 1971, com um potente chute de longa distância e características de ponta de lança que fizeram a torcida peixeira acreditar no garoto que surgia na equipe profissional aos 20 anos. Dispensado quatro vezes do Santos nas categorias de base, esteve no Portuários, AD Guarujá, Jabaquara e Portuguesa Santista. Entre essas idas e vindas, em um teste, foi aprovado no São Paulo, mas ao retornar para Baixada para desfazer seu vínculo com o Peixe, ficou no clube.

Como aspirantes, se beneficiou de uma das regras vigentes à época para se destacar entre os juniores: a partir de determinado número de faltas cometidas pelo time, a punição era tiro livre direto. Como Marcelo Passos era um exímio batedor de faltas, sua qualidade gerou expectativas quanto a sua estreia na equipe profissional.

A esperada estreia, segundo conta nesta entrevista, foi contra o Ituano, em outubro de 1991, mas, recorrendo ao Almanaque do Santos, a primeira vez em que vestiu a camisa do profissional do Peixe foi uma peleja antes, vitória por 3 a 0 no XV de Piracicaba no Pacaembu. Na ocasião, substituiu Sérgio Manoel. O Alvinegro entrou em campo naquele dia com Sérgio, Índio, Pedro Paulo, Rogério e Flavinho; Axel, Sérgio Manoel e Zé Renato, Serginho Fraldinha, Wellington e Tato (Luizinho). Mesmo com grande talento, o temperamento explosivo fora de campo fez com que nunca tivesse chegado a se firmar em uma temporada inteira como titular. No total, 118 jogos e 31 gols com a camisa alvinegra.

No entanto, o meia teve momento inesquecíveis para a torcida. No Brasileiro de 1995, por exemplo, naquela célebre formação de Cabralzinho, Marcelo Passos foi o principal responsável pela classificação para as semifinais na última partida da primeira fase contra o Guarani. O time de Campinas, que não tinha mais chances de se classificar, jogou como poucas vezes graças a uma mala branca de Minas Gerais, já que o Atlético, se ganhasse do Vitória e o Santos não superasse o rival, iria para a decisão do Brasileiro. A missão campineira ia se cumprindo até os 37 do segundo tempo, quando Marcelo Passos dominou no lado direito da grande área e acertou o ângulo esquerdo do arqueiro Léo. Giovanni marcou mais uma vez e o Peixe enfrentou o Fluminense na semifinal.

Na segunda épica peleja pela semifinal daquele ano, Passos fez o gol número cinco contra o Fluminense, após lance primoroso e histórico de Giovanni no 5 a 2. Mas a chance de inscrever seu nome de forma definitiva na história do Peixe surgiria na final contra o Botafogo. Na peleja definitiva, fez o gol de empate e seria o autor da assistência do gol do título, em cobrança de falta para a cabeçada de Camanducaia. Mas Márcio Rezende de Freitas assinalou um impedimento inexistente e Marcelo Passos não foi o herói que o santista tanto precisava. Ainda assim, o torcedor que viveu aqueles anos 1990 vai guardar na memórias belos lances de um habilidoso meia que poderia ter ido mais longe no futebol.

Deixe um comentário

Arquivado em Década de 90, futebol, História, Santos

1961, ano mágico para o Santos

O ano de 1961 foi mágico para o Santos. Não que os anteriores e os imediatamente posteriores também não fossem, mas este teve algumas características especiais. O Alvinegro marcou 345 gols, sua melhor marca em toda a história e Coutinho foi o responsável por anotar o gol de número 5 mil da equipe, em 10 de janeiro daquele ano, uma vitória por 10 a 2 sobre o Guarani de Campinas.

Aliás, goleadas como essa não faltaram, inclusive contra rivais poderosos dentro e fora do país. Em junho, quando o time costumava excursionar na Europa, o Santos foi campeão do Torneio de Turim superando a Inter de Milão por 4 a 1 e a Roma por 5 a 0, além de derrotar a Juventus por 2 a 0. Também superou o Benfica em sua tour por 6 a 3. No Brasil, adversários tradicionais foram impiedosamente derrotados. Pelo Rio-São Paulo, o Peixe goleou o Flamengo por 7 a 1; no Paulista, faturou o Corinthians por 5 a 1, o São Paulo por 6 a 3 e 4 a 1, além da Portuguesa por 6 a 1. O Santos se sagrou campeão estadual com 53 pontos (a vitória valia 2), 25 vitórias, 3 empates e duas derrotas (uma para o Palmeiras e outra surpreendente para o Jabaquara). Incríveis 113 gols feitos e 30 sofridos, um saldo de 80 gols.

E o vídeo acima mostra justamente uma partida do campeonato de São Paulo. É a antepenúltima rodada da competição, um jogo contra o XV de Piracicaba no interior paulista. O Santos saiu na frente mas tomou a virada do Nhô Quim, indo para a segunda etapa perdendo por 2 a 1. Mas, reza a lenda, a torcida local provocou Pelé. E o Alvinegro simplesmente atropelou o rival no tempo final, assegurando uma goleada por 7 a 2.

Curioso destacar não apenas os lances de gol, mas momentos ímpares do vídeo. A superioridade física de Pelé em relação aos seus marcadores é impressionante, mas ele respondendo à provocação da torcida fazendo o gesto de dor de cotovelo é impagável. Outro detalhe é um lance de Coutinho no último gol. Ele domina a bola  (no 5:32 do vídeo) com a cabeça e mantém ela no ar com três toques antes de passar para Pelé. É o tal “drible da foca”, celebrizado recentemente por Kerlon, do Cruzeiro, mas que os gênios santistas já faziam há 47 anos. Prova de que o craque inventa lances quando preciso, não para humilhar os adversários.

É bom lembrar também que naquele mesmo ano o garoto de Três Corações tinha anotado o “gol de placa” no Maracanã, na vitória contra o Fluminense por 3 a 1, no dia 5 de março. De fato, um ano mágico não somente para os santistas, mas para todo aquele que era fã de futebol.

4 Comentários

Arquivado em Década de 60, futebol, História, Santos