Arquivo da tag: Zeca

Corinthians 1 X 0 Santos – O que fica da derrota

Segunda derrota em clássicos em um mês, com atuação apagada, pode levar torcedores a pensar que time será um fiasco na Libertadores. Mas avaliações precipitadas não costumam ser boas conselheiras…

O Santos saiu derrotado pelo Corinthians por 1 a 0 na noite deste sábado (5), no estádio rival, e mais uma vez deixou os torcedores irritados. Não à toa. Afinal, é a segunda derrota em dois clássicos em um mês, sendo que um deles foi disputado na Vila Belmiro e o resultado poderia até ter sido pior do que foi.

A reação nas redes sociais foi variada. Sempre é citada a falta de vontade dos jogadores quando uma equipe vai mal, e agora não foi diferente. Pessoas pedindo a cabeça do técnico nesse tipo de cenário também é um fato recorrente. Como diria Augusto dos Anjos, a mão que afaga é a mesma que apedreja. Não adianta lembrar que Dorival Júnior pegou o time na zona de rebaixamento do Brasileiro em 2015, muitos vão lembrar é que ele perdeu a oportunidade de levar o time à Libertadores no mesmo ano. O vice brasileiro, com uma campanha boa que não se via há muito tempo no ano passado, também não adianta como argumento. Torcedor quer resultado. E a cultura de troca de treinadores no Brasil faz com que os amantes dos clubes ajam desta forma.

Especificamente no jogo de ontem, o técnico tem culpa na derrota, assim como os jogadores. Dorival entrou em um 4-4-2, deixando de lado seu esquema com um zagueiro só e colocando dois defensores de ofício. Isso não livrou o time de sofrer com bolas aéreas, até porque um de seus principais problemas, a marcação das jogadas adversárias pelas laterais, continuou.

Santos perde para o Corinthians no Paulista 2017

Poucos momentos de perigo para o Santos (Foto: Ivan Storti/ Santos FC)

Culpa não só dos alas santistas, mas também dos posicionamento dos volantes. Contudo, no gol do Corinthians, há que se destacar não somente a falha de Cleber Reis, que viu Jô mas preferiu marcar a bola, mas também a ausência absoluta de Zeca na diagonal, fechando na área para fazer a marcação. Aliás, em 2017, o lateral-esquerdo santista, uma das principais peças do ano passado e dos mais talentosos jogadores brasileiros na sua posição, vem tendo um desempenho pífio atrás do outro. Contra o São Paulo, por exemplo, o pênalti cometido foi infantil, além de cometer erros na saída de bola tão graves quanto repetidos nos últimos jogos.

Na primeira etapa, o Santos chegou apenas uma vez com perigo ao gol rival, em uma bola enfiada por Thiago Maia para Kayke. Difícil atuar com um meio de campo que não cria ou não arma contra-ataques, o que torna óbvia a ausência de outro alvo de xingamentos da torcida, Lucas Lima. Vitor Bueno é, com muita boa vontade, discreto na mesma função, sendo incapaz de dar os passes longos que Lima costuma acertar no decorrer do jogo, fazendo a transição rápida em determinados momentos cruciais da partida.

O Peixe só atuou pelo lado esquerdo praticamente em todo o primeiro tempo, só na segunda metade do jogo que Bruno Henrique foi acionado. Mesmo sem contar com o auxílio de um mais que apagado Victor Ferraz, o meia-atacante deu trabalho para Arana, impedindo o lateral corintiano de apoiar o ataque. Se fosse mais acionado antes, talvez a história fosse outra.

É preciso lembrar também que o Alvinegro atuou com os desfalques de Vanderlei, Renato (no banco), Ricardo Oliveira e o já citado Lucas Lima. São jogadores fundamentais, pilares do Peixe e sem eles, há uma evidente ausência de lideranças no campo. O fato de Victor Ferraz ostentar a faixa de capitão mostra a carência da equipe nesse aspecto.

Os reforços ainda estão em fase de adaptação e, mesmo com resultados adversos, ainda é possível acreditar no Santos. O que não cabe é crer que a volta de um técnico com carreira em declínio, que já teve três passagens no clube, seja a solução para os problemas da Vila Belmiro. Paciência e bom senso são bem vindos.

2 Comentários

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Santos X Ponte Preta – Peixe joga para chegar perto dos líderes

Alvinegro conta com o retorno de Ricardo Oliveira para se manter no G4. Partida é a última com trio da seleção olímpica

O Santos entra em campo neste sábado (16), às 18h30 na Vila Belmiro, para se manter no G4 e tentar chegar mais perto do topo da classificação. A partida é a última do trio que vai disputar os Jogos Olímpicos do Rio, Gabriel, Zeca e Thiago Maia, mas o ingrediente principal é o retorno de Ricardo Oliveira, que ainda não disputou nenhuma partida pelo Santos no Brasileiro.

Pela competição, o time deve ficar sem os três da seleção olímpica, caso a equipe chegue na final, por cinco duelos, contra o Vitória (fora), Cruzeiro (casa), Flamengo (provavelmente em Cuiabá), América-MG (fora) e Atlético-MG (casa), além das partidas da Copa do Brasil. Nos próximos jogos, Dorival Júnior deve escalar Jonathan Copete, Yuri e Caju, embora Daniel Guedes jogue nas duas laterais e Victor Ferraz também se dê bem pelo lado canhoto, onde jogou em diversas partidas no ano passado.

Embora seja favorito, o Santos não deve ter vida fácil contra a Ponte Preta. O clube interiorano tem o mesmo número de pontos e vitórias que o Alvinegro Praiano, ficando atrás na classificação por conta do saldo de gols (-3 contra 11). Para hoje, a Ponte tem seis desfalques: Elton, Kadu, Felipe Azevedo, Renê Junior, Galhardo e João Vitor, e é no meio de campo que a equipe vai sofrer mais modificações. No setor, somente Matheus Jesus tem lugar assegurado por Eduardo Baptista, que pode promover as estreias de Wendel e Maycon, com Ravanelli completando o onze titular.

Ricardo Oliveira voltando

Ricardo Oliveira está com saudades. A torcida também (Ivan Storti/ Santos FC)

Histórico de confrontos Santos X Ponte Preta

Quando se leva em conta os confrontos entre Santos e Ponte, dois times já se enfrentaram em 125 oportunidades, sendo que o Peixe tem 69 vitórias, 24 empates e 32 vitórias. Levando-se em conta somente o campeonato brasileiro, o confronto tem equilíbrio, sendo 10 triunfos peixeiros, 9 da Ponte e 5 empates.

Contudo, quando joga na Vila Belmiro contra o rival de hoje, o Alvinegro venceu praticamente dois terços dos duelos. Em 61 pelejas, são 40 vitórias santistas, 10 empates e 10 derrotas.

Contra a Ponte, o Santos conseguiu fazer a maior goleada de sua história, 12 a 1 em 1959. Foram cinco gols de Coutinho e quatro de Pepe, em um jogo que não contou com Pelé. Aguinaldo fez dois, Mingão marcou um contra e os campineiros descontaram com Célio.

Possíveis escalações de Santos e Ponte Preta

Santos – Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Thiago Maia, Vitor Bueno e Lucas Lima; Gabigol e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior.

Ponte Preta – João Carlos; Jeferson, Douglas Grolli, Fábio Ferreira e Reinaldo; Matheus Jesus, Wendel, Ravanelli, Giva e Clayson; William Pottker. Técnico: Eduardo Baptista.

Deixe um comentário

Arquivado em Década de 50, futebol, História, Santos, Século 21

Palmeiras 1 X 1 Santos – empate no Allianz Parque traz Peixe de volta ao G4

Em partida válida pela 14ª rodada do Brasileirão de 2016, o Santos foi ao Allianz Parque e quebrou o aproveitamento de 100% do Palmeiras em casa, empatando em 1 a 1. Resultado leva o Alvinegro de volta à zona da Libertadores

O Santos conseguiu na noite desta terça-feira (12) um empate contra o Palmeiras no Allianz Parque, após ir para o segundo tempo perdendo por 1 a 0. O resultado trouxe a equipe de volta para o G4, a seis pontos do adversário.

Alguns comentaristas atribuíram o gol tomado pelo Santos, logo aos 6 minutos, ao fato de Cuca armar “blitzes” contra os rivais que atuam no Allianz Parque. Isso facilita, mas o tento não foi fruto de uma avalanche de ataque, e sim de um erro comum para o time na temporada. A bola aérea é um veneno para o Alvinegro, infelizmente, também um ponto alto do Alviverde. Assim, de um escanteio do lado esquerdo da defesa surgiu o gol de Mina, que subiu sem ser incomodado.

Com a forte marcação palmeirense nos lados do campo, não bastava apenas a troca do ala com o atacante que caísse por ali, exigindo uma aproximação maior dos meias. Contudo, Renato esteve muito recuado, Thiago Maia, perdido, e Lucas Lima com muito pouca movimentação, os visitantes demoraram a se encontrar na partida. Mesmo assim, no decorrer do primeiro tempo o Peixe foi equilibrando o jogo. Mas sempre errando no último passe, muito em função da postura do Palmeiras, que se fechou com as famosas duas linhas de quatro próximos à entrada da área. Isso fez com que, mesmo tendo quase 60% de posse de bola, o Peixe finalizasse somente uma vez, ou quase duas, se contarmos um cruzamento na área no qual faltou o toque de Lucas Lima no final da primeira etapa. Os donos da casa, apesar de terem finalizado, fora o lance do gol, quatro vezes, não exigiram uma defesa do goleiro Vanderlei.

Na volta para a segunda etapa, o Alvinegro voltou com mais movimentação, utilizando aquela troca constante de posições já apresentadas em outras pelejas. Lucas Lima fez uma dupla mais efetiva com Victor Ferraz e Gabriel transitou bastante pela meia. Foi o atacante que empatou a partida ao finalizar de fora da área e contar com um providencial desvio de Vítor Hugo, que tirou a bola do alcance de Fernando Prass.

Se já havia mantido uma maior posse de bola na primeira etapa, o Alvinegro ampliou ainda mais sua eficiência nesse quesito. De acordo com o Footstats, os visitantes terminaram o jogo com 62,3%, com 9 finalizações contra 11 dos donos da casa. E foi do Santos a maior chance do jogo, um contra-ataque rápido que Thiago Maia desperdiçou ao finalizar grotescamente, de dentro da área, para fora.

Muitos torcedores santistas nas redes sociais lamentaram o empate, já que o Peixe atuou melhor na etapa final e o Palmeiras parecia perdido em campo. Mas é bom lembrar que era um quadro parecido com o do duelo contra o Grêmio, e o resultado foi uma derrota em um embate direto. Justifica-se a cautela diante de uma equipe que é líder da competição e que obteve o recorde de público em seu estádio, no qual era 100% na competição, na noite desta terça. Na Vila, o Alvinegro pode vencer se mantiver o nível das últimas pelejas contra o Palmeiras.

gabigol do santos

Gabriel marcou, mas precisa se controlar (Santos FC)

O adversário valoriza o placar final

É bom ressaltar que, além dos desfalques que o Palmeiras teve logo de cara, sem Thiago Santos, Gabriel Jesus e Róger Guedes, o time sofreu ainda com duas substituições forçadas no primeiro tempo.

Mas, como diz a mídia esportiva, este seria o melhor elenco do Brasileiro, não? Entretanto, mostrou que não tem atacantes com características similares aos suspensos, o que já é uma deficiência, no mínimo, na montagem do elenco. Já o Santos não tem Ricardo Oliveira desde a final do campeonato paulista, teve a ausência de Gabriel e Lucas Lima durante diversos jogos. E, mesmo tendo em tese um elenco menos qualificado, conseguiu manter uma boa sequência. Ponto para Dorival Júnior.

Importante ressaltar que a equipe do Palmeiras, ao menos contra o Alvinegro, privilegiou bastante a marcação e conseguiu barrar boa parte das jogadas santistas pelo lado. Não à toa, Victor Ferraz errou o seu maior número de passes em toda a competição, 15, um a mais que no jogo contra o Atlético-PR, e Zeca, mesmo tendo igualado sua partida com menor quantidade de passes, 40 no total, errou seis.

Por conta também das circunstâncias do jogo, ficaram evidentes duas formas de atuar. O Santos manteve seu jogo de trocas de bola, alternando com contra-ataques rápidos que só deram as caras no segundo tempo. Foram 394 passes contra 206 do rival, que preferiu as bolas longas: 33 lançamentos contra 18 do Peixe.

Gabigol, não “Gabimarra”

Após um primeiro tempo apagado, em que se destacou mais pelo destempero, Gabriel, assim como todo o time, retornou melhor na etapa final. Fez o gol de empate, procurou compor o meio de campo e puxar contra-ataques, mas fez uma gracinha desnecessária ao tirar a bola do lugar em uma cobrança de falta do Palmeiras. Tomou uma bronca providencial do meia Renato. Precisa voltar ao planeta Terra.

1 comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Grêmio 3 X 2 Santos – após buscar empate, Peixe é derrotado no final

Alvinegro empatou a peleja depois de estar perdendo por 2 a 0, mas gremistas fizeram o terceiro aos 43 do segundo tempo. Mesmo assim, atuação fora de casa deixa o torcedor santista com boas perspectivas

O Santos experimentou o mesmo veneno provado pelo São Paulo no domingo. Tomou um gol logo no início do jogo, aos 2 minutos, em função da marcação gremista na intermediária alvinegra. Como a execução dos donos da casa foi bem feita e os atacantes santistas estavam à frente do meio de campo, dificultando a transição, esse expediente fez o Peixe penar, também no início da etapa final. Um erro já demonstrado em outras ocasiões e que Dorival Júnior precisa corrigir.

A equipe até conseguiu se restabelecer após o gol, mas não produziu ofensivamente, tirando uma chance de Rodrigão dentro da área. Novamente Vitor Bueno, sacado no intervalo para a entrada e estreia de Jonathan Copete, atuou mal, não emplacando nem lances individuais nem imprimindo a troca de passes. E foi na individualidade, que faltou ao Alvinegro, que o time gaúcho chegou ao segundo gol, com Everton chutando e mais uma vez Vanderlei espalmando para dentro da área. Como no primeiro gol, de Giuliano, Douglas pegou a sobra sem marcação e não perdoou. O goleiro santista tem crédito e não é o culpado exclusivo pelos lances, mas que falhou, falhou.

No segundo tempo, como era de se esperar, os gaúchos recuaram para tentar os contra-ataques e o Santos passou a ser mais agressivo. No entanto, seguiu falhando em especial no chamado último passe, perto da conclusão do lance, ou mesmo na finalização. Foram diversas bolas que carimbaram a bem postada defesa tricolor.

O tento peixeiro chegou aos 19, após cobrança de escanteio com passe pelo alto de Gustavo Henrique e conclusão de Copete. Um tipo de jogada pouco explorada pelo Alvinegro e que poderia até ser mais usada no decorrer do jogo. Yuri ainda entrou no lugar de Gustavo para melhorar a transição e utilizar melhor o elemento surpresa. Já aos 34, saiu Renato para Jean Mota entrar.

Mas o tento de empate do Peixe veio em uma grande finalização do lateral-esquerdo Zeca, após bom lance de Jonathan Copete que, como Rodrigão, fez uma estreia que deixou o torcedor animado.  O chute de fora da área não deu chance a Marcelo Grohe, e aos 38 o Alvinegro foi pro gol.

Os gaúchos voltaram a ficar na frente do placar aos 43. Marcelo Hermes roubou bola de Lucas Lima e foi à frente para finalizar sem chances para Vanderlei. Isso em um período da partida em que os torcedores já jogavam contra o próprio time.

Já se sabia que seria um jogo difícil, não só pela qualidade do Grêmio, um dos melhores times da competição, como também pela necessidade dos donos da casa vencerem. Mesmo assim, o Peixe jogou bem, mostrou poder de recuperação, mas sofreu outro gol em final de partida, outro erro recorrente que precisa ser trabalhado. O tipo de derrota que não deve desesperar a torcida alvinegra, já que o Peixe mostrou qualidades. O campeonato promete.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Santos supera São Paulo, entra no G4 e está a uma vitória do líder

Alvinegro conquistou um triunfo categórico sobre o rival em sua 500ª partida no Pacaembu

Uma vitória histórica. O clássico entre Santos e São Paulo disputado na tarde deste domingo (26), no Pacaembu, foi a 500ª peleja disputada pelo Peixe no estádio. O retrospecto é amplamente favorável: 219 vitórias, 130 empates e 151 derrotas.

Recentemente, o estádio também tem sido uma bela casa para o time. O triunfo de 3 a 0 sobre o São Paulo foi o 13º consecutivo no Pacaembu, mostrando que a equipe pode e precisa atuar mais junto ao torcedor paulistano, até por uma questão de ampliar seu público e trabalhar o marketing do clube.

Afora os dados históricos, o Alvinegro é quem foi o soberano da tarde. A tarefa de assegurar mais três pontos foi facilitada pela falha de Denis, que não segurou a finalização de Thiago Maia e soltou a bola para Vitor Bueno somente mandar para o gol. Isso a menos de um minuto da redonda rolando.

À frente no placar, a tarefa santista foi facilitada, desmontando também a pretensão do São Paulo de Bauza, que em geral busca a recuperação de bola no meio de campo para armar o contra-ataque. O Peixe quase não deu chances a esse tipo de lance e restou aos são-paulinos tentarem explorar um dos pontos falhos do time de Dorival Júnior: a bola aérea, especialmente em cobranças de escanteio.

Foi basicamente pelo alto, que o Tricolor levou perigo. Mas, quando conseguiu chegar, Vanderlei estava lá. Por baixo, mais uma vez o Peixe mostrou segurança e marcação no meio de campo dificultou a criação do rival. Não à toa o Santos terminou a 11ª rodada como a melhor defesa do Brasileirão 2016.

Mais uma vez impressionou a qualidade da troca de passes do Peixe. E a quantidade também. De acordo com o Footstats, foram 477 certos trocados, com 51 errados, contra 251 dos oponentes, e 29 imprecisos. No total, 59,5% de posse de bola alvinegra contra 40,6% tricolor.

O fato é que a equipe de Dorival hoje sabe controlar o tempo de bola. às vezes pode até irritar o torcedor porque, em algumas ocasiões, tem a possibilidade de ser aguda e opta pela troca de bola. Mas é algo que também irrita e desestabiliza o adversário, ainda mais quando o Santos está em vantagem no placar. A procura constante pela melhor forma de finalizar é uma forma de valorizar o jogo.

Rodrigão faz segundo gol do santos contra o São Paulo

Lugano falha; Rodrigão, não. Segundo gol do Santos contra o São Paulo no Pacaembu

Lucas Lima foi muito participativo, mas poderia justamente ter dado mais velocidade em alguns lances. Sua atuação foi coroada com um lindo gol de falta, mas quem viu o jogo no estádio sentiu que a condição física do meia não é a ideal. Já Rodrigão fez o seu segundo pela equipe em sua segunda peleja, ganhando disputa com Lugano, expulso no fim do jogo por reclamação, na área e mostrando oportunismo. Tem toda pinta de que vai ser muito útil no Brasileiro.

Com cinco vitórias nos últimos seis jogos, o Alvinegro está agora no G4, a uma vitória do Palmeiras, que lidera o campeonato. Ainda é prematuro dizer que o time vai brigar pelo título, já que se trata de uma competição longa e a janela de transferências sempre preocupa, mas o elenco está fortalecido e os titulares mostram um grande entrosamento. Todos parecem ter entendido o estilo que Dorival quer imprimir ao time e tem dado certo. Bons presságios.

1 comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Massacre na Vila Belmiro. Santos não cozinha o Galo. Tritura

Pra quem tinha alguma dúvida do potencial dessa equipe do Santos, na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, deixou de ter. O Alvinegro atropelou o vice-líder do Brasileirão, o Atlético-MG, com uma goleada de 4 a 0 que poderia até ter sido maior. Um baile.

Com Victor Ferraz e Thiago Maia, ausente na partida contra a Ponte Preta, retornando, não só a qualidade técnica cresceu em relação ao jogo do fim de semana, mas também o ajuste tático que faltou no Moisés Lucarelli. O Peixe conseguiu exercer sua marcação no campo do adversário, embora o Atlético-MG também tenha tentado fazer isso, mantendo até mais posse de bola na primeira metade do jogo e chegando com perigo em uma jogada pela lateral direita. Mas mesmo nesse período, foram os donos da casa que chegaram com mais perigo, em um lance de Gabriel e outro de Marquinhos Gabriel.

Quando, aliás, o substituto de Geuvânio fechou mais a descida do Galo pelo lado esquerdo junto com Zeca, tendo mais atenção dom Patrick, o Alvinegro Praiano passou a ter vantagem e aos 37 Gabriel fez o primeiro do time, em um belo lance individual que também contou com a movimentação de Ricardo Oliveira e Marquinhos Gabriel, desfazendo a marcação do Galo. Os visitantes não esboçaram reação e não finalizaram com perigo à meta de Vanderlei mesmo estando atrás no placar.

Gabriel, o menino da Vila, santista, foi muito cruel contra o Galo (Ricardo Saibun/Santos FC)

Gabriel, o menino da Vila, santista, foi muito cruel contra o Galo (Ricardo Saibun/Santos FC)

Na segunda etapa, a toada começou igual, com Ricardo Oliveira perdendo grande chance após bela jogada de Gabriel com Thiago Maia. O Santos mostrava toda velocidade e o jogo envolvente que vem enchendo os olhos da torcida em diversas pelejas apareceu no contra-ataque rápido que Lucas Lima armou para Gabriel.

A partir daí, se o Atlético-MG já estava mal, ficou derrubado psicologicamente e entregue na partida. O Santos continuou apertando a marcação, roubando bolas no meio de campo e na intermediária do rival e foi numa bola em que Lucas Lima pressionou a saída de jogo do adversário que saiu a troca de passes entre ele e Ricardo Oliveira, que marcou seu 17º gol no Brasileiro.

O Peixe ainda viu a estreia de Vitor Bueno, meia que veio do Botafogo-SP e recentemente foi promovido do sub-23, e contou com as entradas de Marquinhos e Leandro, nos lugares de Ricardo Oliveira, Gabriel e Lucas Lima. E o estreante deu uma assistência para um bonito gol de Marquinhos Gabriel. Vanderlei ainda brilhou duas vezes quando o jogo já estava decidido, evitando um tento de Thiago Ribeiro e furando a “lei do ex”.

Uma partida irrepreensível do Santos, com destaque para o importante papel de Lucas Lima e Marquinhos Gabriel na meia e no apoio ao ataque, a movimentação intensa de Gabriel e do incansável Ricardo Oliveira e de mais uma ótima participação de Victor Ferraz atrás e também ofensivamente. Uma noite definitivamente feliz para o santista.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Santos passeia sobre o São Paulo com banho tático de Dorival

O Santos superou (ou goleou, conforme o conceito de “goleada”) o São Paulo na noite desta quarta-feira (9), na Vila Belmiro, por 3 a 0, ficando a um ponto de entrar no G-4 do Brasileirão 2015. Mais uma vez, foi uma vitória convincente do time, que acumula uma série invicta de treze partidas entre as duas competições que disputa. Mais que isso, um triunfo com a marca de Dorival Júnior.

O São Paulo de Juan Carlos Osorio entrou em campo buscando refrear o ânimo santista, elevado em seus domínios. Para isso, buscou exercer uma marcação-pressão no campo dos donos da casa que chegou a ter efeito nos primeiros minutos, forçando erros da defesa alvinegra. Mesmo assim, os visitantes não conseguiram chegar com perigo à meta de Vanderlei, e acabaram dando a senha para a construção da vitória peixeira.

O Tricolor marcava quase de forma individual os atacantes santistas e, com a pressão feita sobre a defesa alvinegra, acabava dando espaços no meio de campo. Foi aí que apareceram Thiago Maia e, principalmente, Renato atuando cada um junto a um lateral, sobrando em cima da marcação rival que era precária pelos lados. Com triangulações e trocas rápidas de passes nas beiradas do campo (no time de Dorival quem corre é a bola), os donos da casa se impuseram e, por meio de uma falta cometida no lado esquerdo do ataque santista, saiu o primeiro gol em cobrança de falta de Zeca, bem finalizada no cabeceio de David Braz.

A movimentação santista era intensa não somente entre os homens de frente, mas também no meio. Aliás, sem um esforço extra dos jogadores, que mantêm a intensidade do jogo em alta durante a maior parte do tempo, nenhum esquema tático daria certo. Marquinhos Gabriel fazia as vezes de Lucas Lima, mas também caía pela ponta, exercendo o papel de Geuvânio no esquema ideal de Dorival. A entrega do meia impressionou.

Ricardo Oliveira marcou o 3º do Peixe, seu 50º com a camisa santista (Foto: Foto: Ricardo Saibun/Santos FC)

Ricardo Oliveira marcou o 3º do Peixe, seu 50º com a camisa santista (Foto: Foto: Ricardo Saibun/Santos FC)

Longuine, que foi o substituto do atacante lesionado, mostrou que foi a opção correta do técnico (ainda mais que os reservas em tese seriam Neto Berola e Leandro, que não conseguem desempenhar a função tática de Geuvânio). O meia vindo do Audax mostrou versatilidade ao apoiar o ataque mas também cobrir o avanço dos volantes, compondo o meio de campo e não deixando a defesa exposta. Foi dele o segundo gol peixeiro, uma combinação com Gabriel em um momento em que o Santos apertou a zaga são-paulina e o volante-meia Renato roubou a bola.

Na etapa final, mesmo com as mudanças feitas por Osorio, o Santos tratou de definir a partida aos 7. Um cruzamento perfeito de Victor Ferraz, que mais uma vez teve bela atuação tanto na defesa quanto no apoio, encontrando Ricardo Oliveira, o artilheiro do Brasileirão 2015, na cara de Renan Ribeiro. Foi seu 16º gol na competição, o 50º com a camisa alvinegra em 79 pelejas.

Dorival e os jogadores mostraram mais uma vez que sabem sair de determinadas situações que a partida impõe e as variações táticas da equipe funcionam. Com 37 pontos, a equipe vai a Campinas no próximo domingo encarar a Ponte Preta em busca do lugar no G-4. E o treinador santista tem razão: é prazeroso ver o Santos jogar…

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Na estreia de Dorival, Santos muda postura e vence Figueirense

Sempre que um clube muda de técnico, muda também o ânimo dos jogadores. Com uma estreia em casa, contra um adversário da zona intermediária, Dorival Júnior tinha tudo para conseguir um bom resultado em sua estreia como comandante do Santos. E conseguiu.

Primeiro, é preciso atentar para as duas mudanças feitas pelo técnico. Em que pesem dois erros de saída de bola, Paulo Ricardo como volante, ao lado de Thiago Maia, foi uma solução que melhorou a marcação no setor do meio de campo e também uma falha quase crônica do Peixe neste ano: a cobertura do avanço dos laterais. Com uma defesa mais articulada dos lados, o Alvinegro dominou o meio de campo do visitante, anulando o potencial ofensivo do rival que só passou a levar algum perigo quando o jogo já estava 3 a 0 para o Alvinegro.

Zeca, pela esquerda, foi bem como defensor e Victor Ferraz, pela direita, esteve mais à vontade do que no lado canhoto, sendo decisivo para o terceiro tento, de Gabriel, que selou a vitória peixeira. Com um meio de campo combativo e os atacantes participando da retomada de bola, a equipe foi efetiva na pressão sobre o adversário e os números não mentem nesse aspecto: foram doze finalizações santistas, sendo cinco certas, contra cinco dos visitantes, somente duas a gol.

A vitória traz boas notícias por contra de vários outros fatores. Finalmente o Peixe vence uma partida por mais de um gol de diferença no Brasileiro, algo que ainda não havia acontecido, e sem sofrer sobressaltos. A defesa não ter sofrido gols ainda é um indício de que o problema pode ser mais o esquema e a forma de jogar do que propriamente a qualidade dos zagueiros e Gabriel ter marcado, após atuações pouco animadora, é ótima para ele e o grupo.

Se o Alvinegro tem uma parada dura no seu próximo jogo contra o Palmeiras, no Allianz Park, no domingo (19), Dorival também terá uma semana para trabalhar com o time. Está na hora do Santos mostrar a que veio neste Brasileirão.

Gabriel comemora seu gol com Ricardo Oliveira e a torcida (Ivan Storti/Santos FC)

Gabriel comemora seu gol com Ricardo Oliveira e a torcida (Ivan Storti/Santos FC)

A torcida do Santos e a Vila Belmiro

Assistir a uma partida na Vila é sempre um motivo de satisfação. Você fica próximo do campo como não acontece em quase nenhum estádio da Série A e tem a possibilidade de apoiar de perto sua equipe. No entanto, existe um tipo de torcedor – minoria, ainda bem – que comparece à casa do Santos que é bem prejudicial ao time.

Ontem, um dito santista não cansou de xingar Gabriel durante o jogo todo. O torcedor inventava apelidos pejorativos para o atleta, que provavelmente escutava os xingamentos quando estava daquele lado do campo. Quando o atacante marcou seu gol, vários alvinegros que estavam próximos foram à forra e questionaram o “xingador”.

Não se trata de ditar regras, mas quem vai à Vila poderia refletir um pouco mais. Temos uma vantagem sobre os outros adversários, que é pressionar os visitantes e dar apoio aos jogadores de uma forma muito mais efetiva. Isso faz a diferença e a História cansa de mostrar.

“Ah, mas o Gabriel ganha R$ 200 mil por mês.” Sim, e que possa ser cobrado antes e depois do jogo, mas é sempre bom lembrar que o que ele recebe tem a ver com o seu potencial. Se ganhasse R$ 1 milhão, continuaria tendo 18 anos e teria toda insegurança que a idade e a inexperiência caracterizam alguém nestas condições. Paciência também ajuda.

1 comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Santos pega Figueirense na Vila com estreia de Dorival Júnior

O Alvinegro Praiano disputa neste sábado (11), às 18h30, uma partida-chave para iniciar sua fuga da zona do rebaixamento. O Santos pega o Figueirense, na Vila Belmiro, tendo Dorival Júnior à frente do time. E ele de cara vai fazer duas mudanças.

Na lateral esquerda, entra Zeca, com Victor Ferraz indo para a lateral direita e Daniel Guedes voltando ao banco de reservas. O canhoto Caju, que entrou mal nas duas últimas partidas da equipe, nem no banco fica. A avaliação é que o atleta, que retornou direto da seleção sub-20 para compor o elenco, não está em condições físicas ideais.

Outra mudança acontece no meio de campo. Lucas Otávio dá lugar ao zagueiro Paulo Ricardo, que atuará na frente da zaga. “Puxa, mas o Dorival mal chegou e já está inventando moda?”, deve pensar o torcedor alvinegro. Bom, não é bem assim…

O zagueiro Paulo Ricardo, 20 anos, já atuou como volante nas divisões de base. Catarinense, iniciou sua carreira no mundo da bola no Ilhota, aos 13 anos, seguindo depois para o Brusque e, mais adiante, para o Figueirense, adversário de hoje. Nestes dois últimos clubes, atuou como volante, tendo também frequentado a defesa no Figueira.

Paulo Ricardo tem chance como titular contra o Figueirense, no lugar de Lucas Otávio (Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Divulgação Santos)

Paulo Ricardo tem chance como titular contra o Figueirense, no lugar de Lucas Otávio (Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Divulgação Santos)

Chegou ao Santos em agosto de 2012, constatou uma fratura séria em duas vértebras da região lombar e, recuperado, teve sua grande chance na Copa São Paulo de Juniores de 2013. Coincidentemente, entrou no lugar de Lucas Otávio na semifinal da competição, contra o Palmeiras e, no ano seguinte, foi titular da equipe bicampeão do torneio. Tem vínculo até dezembro de 2017 com o Alvinegro.

Com isso, a provável escalação do Santos contra o Figueirense hoje é: Vanderlei; Victor Ferraz, Werley, David Braz e Zeca; Paulo Ricardo, Thiago Maia e Lucas Lima; Gabriel, Geuvânio e Ricardo Oliveira.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21