Quase! Santos desperdiça muitas chances e só empata com Coritiba de Alex

A camisa dez, na Vila Belmiro, é sagrada. Quem a vestia pelo Peixe na partida contra o Coritiba era Montillo, o argentino que é o típico enganche, e não o meia clássico que arma o jogo, como Pita ou Ganso foi um dia, ou o ponta de lança capaz de carregar a bola, mas que faz quase tudo, como Pelé e, mais recentemente, Giovanni. No entanto, era o dez do Coritiba o personagem que mais chamava a atenção antes da partida.

Enquanto Claudinei Oliveira buscava o entrosamento mantendo o time que bateu a Portuguesa no último fim de semana. Sem Arouca, Alan Santos compôs o meio de campo com Cícero, Leandrinho e Montillo. Já o também novo técnico Marquinhos Santos ousou. Colocou somente um volante de ofício, Júnior Urso, junto com Robinho (ex-Peixe que, na Vila, era Róbson para não disputar o imaginário com a sombra do Rei das Pedaladas), Alex, Botinelli, Deivid e Geraldo, o artilheiro angolano.

O comandante do Coxa cantou a bola antes do início do jogo, ao dizer que os jogadores estavam ali não tanto para marcar em cima, mas para “ocupar espaços”. Embora o Alvinegro tenha assustado antes com cobrança de falta de Cícero, aos dois minutos da etapa inicial, o sistema paranaense começava a mostrar suas garras. O craque Alex deu o ar da graça aos 11, quando tocou para Deivid que passou para Robinho. O meia fez o corta-luz para o dez do Coritiba que finalizou na trave. A resposta veio aos 15, e a vez do dez santista mostrar que estava em campo. Sumido até então, Montillo arriscou um chute de longe que passou raspando o travessão de Vanderlei.

Mas quem fez jogada de um legítimo camisa dez foi o lateral-direito Galhardo, tirando com um lindo passe dois defensores do Coritiba e passando para Leandrinho, que teve habilidade para servir Neílton. O moleque finalizou de primeira, praticamente sem chance para Vanderlei.

O jogo mudou um pouco a partir daí. O Santos passou a controlar um pouco mais, mas o Coritiba continuou levando perigo, principalmente com bolas roubadas no meio de campo. Aí estava a “ocupação de espaço” do Coxa, com constante troca de posicionamento dos jogadores à frente, apostando em um jogador decisivo como Alex. Mesmo com erros não forçados, o Peixe ainda chegou com muito perigo com um passe de Léo para Montillo, que assistiu Willian José. Bola desperdiçada.

E, num dos inúmeros erros de passe alvinegros – foram 81,8% dos passes feitos de forma correta contra 92% dos rivais nos primeiros 45 minutos – Leandrinho deixou a bola passar e o Coritiba começou a armar o lance que resultou no gol de Alex, feito de forma fácil, por cobertura. Ao contrário de outros treinadores que queimavam os moleques, Claudinei animou Leandinho: “Levanta a cabeça”, pediu.

Reprodução

No segundo tempo, a equipe da casa voltou melhor, com menos passes longos, que tanta dor de cabeça deram na etapa inicial, e com mais desarmes que o Coxa. Aos dez, Monttllo teve uma grande chance na entrada da área, mas não acertou o alvo. Aos 15, Marquinhos Santos coloca Everton Costa e tira Geraldo, querendo dar mais mobilidade ao ataque alviverde. E, quase no mesmo minuto, a alteração deu resultado, quando ele sofreu uma falta e, na cobrança, Chico quase faz de cabeça, com Aranha tirando para escanteio. E, na cobrança, novamente o defensor acerta a trave.

Claudinei também substitui Willian José por Giva. Não é um alteração de seis por meia dúzia, já que o menino se movimenta e sai muito mais da área do que o ex-gremista, que é um atacante mais fixo. E a mudança surge resultado rápido. Em cobrança de falta, Galhardo cobra com perfeição para Cícero, sem marcação, cabecear e fazer.

O jogo é eletrizante, a ofensividade de ambos faz o Coxa partir pra cima, mas o Santos, com transição bem mais rápida da defesa para o ataque, é quem quase faz. São três chances em menos de 40 segundos, com Montillo acertando a trave e com o defensor Chico tirando e outra grande defesa de Vanderlei. Eram 24 e, aos 25, nova oportunidade com Giva desperdiçando na área.

O lateral-direito de ofício, mas que em muitas ocasiões fez as vezes de meia, Cicinho, estreou aos 30. Um minuto depois, Galhardo saiu para a entrada de Pedro Castro. Mais uma vez, o lateral saiu aplaudido na Vila, algo impensável há alguns meses. Léo fez grande lance aos 35, Giva chutou para a defesa de Vanderlei e Neílton, no rebote, perdeu uma chance inacreditável.

Fazendo inveja a Giva, Pedro Castro também desperdiçou, aos 39, em jogada frente a frente com o arqueiro do Coxa. O castigo veio aos 42, de novo, em lance de Alex. O meia tabelou com Robinho e finalizou sem chances para Aranha. O craque paranaense prevaleceu.

Os visitantes, mesmo jogando menos e já sem fôlego, acharam o empate no talento do dez. A experiência prevaleceu sobre um certo afobamento dos moleques para decidir. Mas o desempenho peixeiro dá esperanças para o torcedor santista em um jogo que foi um presente para quem gosta do futebol bem jogado. Um salve a Alex e outro aos meninos da Vila.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s