Arquivo da tag: Santos Futebol Clube

Atlético-PR 2 x 3 Santos – com “herança” de Dorival, Peixe vence fora de casa na Libertadores

Confira alguns pontos que levaram o Alvinegro à vitória e o que ainda precisa ser corrigido por Levir Culpi

Um triunfo de virada, na casa do adversário, e com três gols marcados em uma competição que dá peso distinto ao tento marcado no domínio rival. O Santos voltou da sua primeira partida pelas oitavas de final da Libertadores de 2017 com uma vantagem significativa, ainda que não seja o suficiente para já crava o Peixe nas quartas de final. Até a segunda partida do confronto, em 10 de agosto, uma quinta-feira, na Vila Belmiro.

É preciso ressaltar que um dos fatores que levou o time à vitória na Vila Capanema foi uma das variações táticas utilizadas por Dorival Júnior no campo ofensivo. Quando o time ataca, muitas vezes o lateral se desloca para o meio servindo como opção até mesmo para a finalização. Foi assim que surgiu o segundo gol do Santos, com Victor Ferraz finalizando livre de fora da área e contando com a falha de Weverton. É bom lembrar que o mesmo expediente deu a vitória à equipe no campeonato brasileiro, na partida contra o Botafogo, sob comando de Elano.

No entanto, é na parte defensiva, também pelos lados, que o Peixe encontra dificuldades, também desde a época em que Dorival Júnior era treinador do time. Como os ataques principais dos adversários em geral acontecem por ali, os torcedores costumam culpar diretamente os laterais pela debilidade defensiva, e nem sempre a culpa é deles. Victor Ferraz, nas redes sociais, foi acusado de não saber se posicionar taticamente. Pode-se falar (muitas vezes de forma equivocada) que ele não joga com vontade, que não sabe cruzar, que erra mais do que deveria etc e tal, mas seu jogo tático não é o problema.

Vejam abaixo onde está Ferraz nos dois gols sofridos pelo Santos ontem que, sim, foram pelo lado dele. Na disposição da equipe alvinegra, quando o time é atacado por um lateral adversário, quem tem a obrigação de fazer a marcação é o atacante que está atuando naquele lado no momento da partida.

Marcação do Santos contra o Atlético-PR

Atacantes chegam atrasados enquanto Victor Ferraz está na cobertura

Reparem que Sidcley, nos dois lances, avança sendo perseguido, primeiro por Bruno Henrique; depois por Copete. Ambos estão atrás do lateral e não conseguem impedir o cruzamento. Ferraz está na cobertura, fechando o espaço para o eventual avanço de um atacante por aquele lado ou mesmo para marcar o lateral caso passe e avance em direção à área.

Quando o adversário tem um lateral com características mais ofensivas e sabe avançar ou é rápido, esse tipo de marcação feita pelo Santos pode facilitar para o rival. O ideal seria deslocar um dos volantes para fazer a cobertura por ali. Mas esse é um problema do técnico, e não do jogador. E é o comandante que tem que ser cobrado.

Já no segundo gol do Atlético-PR é possível perceber que há, sim, uma falha do lateral. No caso, o esquerdo, Jean Mota. Enquanto os dois zagueiros guardam a pequena área, Rossetto, aberto pelo lado esquerdo da defesa santista, dentro da área, recebe sozinho. Era ali que deveria estar Mota, mas o ala peixeiro está à frente, observando o lance junto com Thiago Maia, que também poderia fazer tal marcação. No mano a mano, a tendência é os zagueiros sempre levarem a pior.

Marcação do Santos contra o Altético-PR

Jean Mota e Thiago Maia observam enquanto Matheus Rossetto domina e cruza

Barrando a principal arma ofensiva do Atlético, as jogadas combinadas com Sidcley, o Santos pode levar menos sufoco do que levou no jogo de volta. É bom lembrar também que tais avanços possibilitam explorar aquele lado, e o time de Levir soube explorar bem aquele lado no segundo tempo. Questão de sintonia fina.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Atlético-PR x Santos – histórico de confrontos, jogaços e o que esperar

Alvinegro, único invicto na Libertadores, tem vantagem nos confrontos contra o Furacão, mas em duelos eliminatórios foi desclassificado duas vezes pelo rival

Santos e Atlético-PR iniciam nesta quarta-feira (5) o duelo válido pelas oitavas de final da Libertadores 2017 na Vila Capanema, em Curitiba, às 19h15. Na última partida entre as duas equipes, pelo campeonato brasileiro, o Peixe se deu melhor, vitória por 2 a 0.

Os dois clubes promoveram trocas de jogadores na janela que permite a inscrição de novos atletas na competição. A diretoria santista inscreveu o lateral esquerdo Caju, o volante Alison e o meio campista Vecchio nos lutares do lateral Matheus Ribeiro, do volante Yan e do meio campista Matheus Ribeiro. Já os rubro-negros inseriram em sua lista o lateral-direito Gustavo Cascardo, o meia Guilherme, o volante Bruno Guimarães e o atacante Ederson. Cada clube podia promover seis mudanças antes da conclusão das oitavas. Assim, o Santos pode modificar mais três jogadores e o Atlético-PR dois até 48 horas antes da partida de volta, em 10 de agosto, na Vila Belmiro.

Agora, a lista de jogadores santistas na Libertadores até agora é:

Goleiros:
Vanderlei, Vladimir, João Paulo

Laterais:
Victor Ferraz, Zeca, Caju, Daniel Guedes

Zagueiros:
Cléber, David Braz, Lucas Veríssimo, Noguera,

Volantes:
Renato, Thiago Maia, Yuri, Leandro Donizete, Alison, Léo Cittadini

Meias:
Lucas Lima, Rafael Longuine, Jean Mota, Vecchio

Atacantes:
Ricardo Oliveira, Copete, Bruno Henrique, Arthur Gomes, Rodrigão, Kayke, Vladimir Hernández, Vitor Bueno, Thiago Ribeiro

Histórico de confrontos entre Santos e Atlético-PR

Neymar contra Atlético-PR

Em outubro de 2010, Neymar tirava os jogadores do Atlético-PR para dançar (Ricardo Saibun/Santos FC)

No total de confrontos entre os dois na história, a vantagem é alvinegra. De acordo com o Acervo Histórico do Santos FC, são 53 encontros, com 24 triunfos peixeiros, 14 empates e 15 vitórias rubro-negras, com 85 gols santistas e 60 atleticanos.

Contudo, em torneios eliminatórios, os dois duelos entre ambos terminaram com desclassificação santista. O primeiro deles foi na Copa do Brasil de 1996, quando o Furacão bateu o Peixe por 3 a 0 no jogo de ida, com empate em 1 a 1 na volta. Já na Libertadores de 2004, o Santos perdeu na ida por 3 a 2 e também na volta, por 2 a 0. No segundo jogo, o time jogou sem Robinho e Ricardinho, convocados por Carlos Alberto Parreira para a seleção brasileira, minando as chances da equipe.

Goleadas santistas – quando Neymar fez quatro gols

No dia 29 de outubro de 2011, Neymar fez uma apresentação de gala no Pacaembu, e esse jogo tive o prazer de ver in loco. Ele fez os quatro da goleada de 4 a 1 sobre os paranaenses, e só não fez o quinto porque o árbitro Francisco Carlos Nascimento anulou um legítimo. Naquela ocasião, além do futebol de encher os olhos, o craque entrou para a galeria de jogadores que marcaram em uma só partida ao menos quatro gols com a camisa do Santos.

Confira ainda nesse post cinco vitórias memoráveis do Santos sobre o Atlético-PR.

Oitavas de final da Libertadores 2017

Atlético-PR x Santos (partida de ida)

Local: Vila Capanema, Curitiba

Hiorário: 19h15

1 comentário

Arquivado em Década de 90, futebol, História, Santos, Século 21

Santos bate Atlético-PR e vence a primeira fora de casa

Elano deixa o time para Levir Culpi com duas vitórias em duas partidas. Alvinegro precisou jogar apenas o primeiro tempo para assegurar triunfo

O Santos conseguiu uma vitória importante contra o Atlético-PR na noite deste domingo (11), na Arena da Baixada. Soube aproveitar o desespero do rival e, em contra-ataques bem realizados na etapa inicial, garantiu 2 a 0 e somente segurou o resultado no segundo tempo. Agora, tem 9 pontos na competição.

No primeiro tempo, o Santos soube explorar bem as jogadas pelas pontas, com Copete e Bruno Henrique se movimentando bem, assim como Kayke, que atuou a maior parte do tempo mais centralizado. Precisando do resultado, o Atlético-PR buscou pressionar o Alvinegro em seu campo, deixando espaços preciosos para os contragolpes.

Kayke faz dois gols pelo Santos

Kayke fez o “doblete” contra o Atlético-PR

E foi assim que o time visitante chegou ao primeiro gol. Bruno Henrique roubou a bola no meio de campo e esperou a passagem de Thiago Maia pela direita. O meia recebeu e serviu Kayke, de cara pro gol, não desperdiçar. Eram 26 minutos.

O lance que abriu o placar, uma jogada bem construída coletivamente, tem o dedo do interino Elano. Em relação ao esquema de Dorival, ele plantou mais Renato à frente da zaga, soltando mais Thiago Maia, que no jogo contra o Botafogo já havia chegado mais à frente. Tendo espaço para trabalhar a bola como o Atlético-PR ofereceu, ficou mais fácil para um atleta que tem qualidade de passe como o meia peixeiro.

O segundo gol também veio em um contra-ataque veloz, com Bruno Henrique passando rasteiro, para Kayke marcar novamente aos 35. Mais uma vez, Maia estava na área, puxando  a marcação para deixar o companheiro de time livre.

 

Houve ainda outros três contra-ataques que poderiam ter resultado em gols, mas as equipes foram para o intervalo com 2 a 0 como resultado parcial. Eduardo Baptista, na volta para a etapa final, pôs Éderson e Grafite no lugar de Douglas Coutinho e Matheus Rossetto, radicalizando na proposta de acuar o Peixe com uma maior presença no campo adversário., plantando sempre dois atacantes mais plantados disputando com a zaga alvinegra.

Os donos da casa passaram a usar a bola aérea como arma principal, e quase única, levando perigo ao gol de Vanderlei. Chegaram às redes duas vezes por meio desse expediente, mas em lances de impedimento bem marcados. Elano colocou Alison no lugar de Thiago Maia, aos 17, não só para reforçar a marcação mas também por conta do desgaste físico do titular.

O Santos passou a se defender mais sem conseguir aproveitar as chances de contra-ataque. As inúmeras bolas lançadas na área fizeram com que Elano colocasse o zagueiro Cleber Reis no lugar de Vitor Bueno, mais uma vez apagado. Jogando na função e Lucas Lima, quando teve oportunidades, o meia não aproveitou.

Entre as alterações proposta por Elano, cabe ressaltar que os dois laterais, Daniel Guedes e Jean Mota, jogaram mais focados na defesa do que no apoio ao ataque. Guedes fez 5 das 11 faltas cometidas pelo Peixe até sua saída de campo, aos 41, expulso por ter feito cera já com um cartão amarelo recebido, . Infelizmente ainda não mostrou estabilidade para disputar o lugar de Victor Ferraz que, mesmo com atuações irregulares, se mostra mais efetivo que o suplente.

Com as mudanças feitas pelo interino nos dois jogos em que dirigiu o time, Levir Culpi tem mais elementos para fazer com que o Santos volte a jogar o bom futebol de 2016. O clássico contra o Palmeiras pode ser a oportunidade de iniciar uma virada na competição.

1 comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

A vitória do Santos sobre o Botafogo e as mudanças de Elano. Levir vai ter trabalho

Sem boa atuação mesmo com as mudanças promovidas pelo interino, Peixe chegou à vitória aos 50 do segundo tempo, graças a Victor Ferraz

Victor Ferraz assegura vitória do Santos contra o Botafogo

Victor Ferraz salvou o Santos quando Levir já tinha deixado o Pacaembu (Ivan Storti/ Santos FC)

O Santos conseguiu uma vitória suada contra o Botafogo na noite desta quarta-feira, no Pacaembu. Os três pontos em casa eram essenciais, mas o triunfo só veio em uma jogada toda feita por Victor Ferraz, já nos acréscimos da partida.

Elano, o técnico interino até domingo, na partida contra o Atlético-PR, promoveu algumas mudanças em relação à equipe montada por Dorival Júnior. Não contou com Ricardo Oliveira, contundido, substituído por Kayke. Com a lógica de “não improvisar”, resolveu substituir outros que não puderam atuar por atletas da mesma posição. Assim, Matheus Ribeiro ganhou uma chance na lateral esquerda, Vecchio, que sequer era relacionado pelo treinador anterior, fez as vezes de Lucas Lima, enquanto Arthur Gomes, outra figura pouco aproveitada por Dorival, ganhou a oportunidade no lugar de Bruno Henrique, expulso contra o Corinthians.

Na primeira etapa, com mais posse de bola, o que é uma das principais características do time, o Santos chegou a ameaçar o gol de Helton Leite, principalmente nos 15 minutos iniciais. Mas a melhor chance foi do Botafogo, que aproveitou um erro de Matheus Ribeiro para efetivar um contra-ataque que colocou Rodrigo Pimpão sozinho na cara de Vanderlei. Ele resolveu passar pra Roger, que acabou desarmado por Thiago Maia. A partir daí, os donos da casa produziram pouco, muito em função do bom sistema defensivo dos visitantes. Com pouca criação no meio de campo, o Peixe insistiu nos cruzamentos, que em geral não davam em nada. Enquanto isso, os botafoguenses ameaçavam com estocadas rápidas no campo santista, provocando faltas e três cartões amarelos somente na etapa inicial. Na segunda metade do jogo, Elano voltou com Jean Mota no lugar de Matheus Ribeiro, improvisando o meia na ala esquerda assim como fazia Dorival. A toada mudou pouco, e o Botafogo continuou ganhando o jogo no meio de campo, evitando as investidas santistas e adiantando um pouco mais a marcação. Mais uma vez Elano tentou alterar o modo de jogar, colocando Rodrigão no lugar de Vecchio, deslocando Vitor Bueno para a meia e Kayke para a ponta. Seguindo em sua fase ruim, o camisa 7 alvinegro quase nada produziu, sendo sacado, sob vaias, por Vladimir Hernández. Ao fim, o interino entrou com uma equipe modificada para terminar a partida com uma formação semelhante àquela de Dorival, com o colombiano improvisado na criação. Às vezes, improviso não é capricho, é necessidade… O gol do triunfo peixeiro só veio aos 50, após jogada em que Victor Ferraz cavou uma falta próximo à entrada da área pelo lado esquerdo do ataque. Sim, o lateral muitas vezes no esquema de Dorival fechava pelo meio, mas sua presença ali era mais efeito do desespero e da desorganização do time do que uma arma tática. A cobrança forte, com efeito, e contando com inúmeros jogadores à frente de Helton Leite, fez com que o Santos completasse uma série de 20 vitórias seguidas no Pacaembu.

 

As novidades de Elano

A partir das mudanças feitas pelo treinador interino foi possível para Levir Culpi e para o próprio torcedor fazer uma avaliação, ainda que superficial, de algumas opções do elenco.

O garoto Arthur Gomes entrou com personalidade, mas com uma defesa bem postada e atuando com dois jogadores que não foram bem na parte ofensiva do seu lado — Matheus Ribeiro e Jean Mota — não conseguiu produzir tão bem, exceção feita a uma ou outra jogada. O mesmo vale para Kayke, que se esforçou, mas não contou com um meio de campo que o municiasse, ficando sem a bola durante boa parte do tempo. Mesmo com Thiago Maia chegando mais ao ataque, a pouca mobilidade de Vecchio não contribuía para que os espaços eventualmente abertos pelo avante peixeiro resultassem em chances de gol.

A opção por Vecchio, aliás, parece mais uma birra em relação a Dorival do que uma decisão consciente. Ainda que muitos gostem do estilo “meia armador clássico” do argentino, o fato é que ele pouco produziu. Muitas vezes voltando para buscar a bola, não conseguia fazer a transição rápida para o ataque com passes longos, já que a defesa do Botafogo estava bem postada, e tampouco conduzia a bola com agilidade para tentar abrir a defesa rival. No esquema em que o Santos joga, um atleta lento, com pouco cacoete para roubar a bola no meio de campo, não serve. Teria que ser muito mais talentoso para que a equipe se sacrificasse por ele.

Já Matheus Ribeiro mais uma vez decepcionou. Em todas as vezes que entrou, tem-se a nítida impressão que não entendeu como deve jogar. Sim, é preciso dizer que os laterais, dentro da proposta de jogo da equipe, são muito exigidos: tem função de marcação, mas são fundamentais na parte ofensiva, caindo pelo meio ou fazendo jogadas de ultrapassagem, ora como arco, ora como flecha. Parece que ele não conseguiu assimilar quando fazer uma e outra coisa, passando boa parte do tempo no gramado perdido. Difícil acreditar que ainda pode dar certo se o Santos seguir nessa forma de jogar.

1 comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Levir Culpi é o novo técnico do Santos. O que esperar?

Técnico vem com o objetivo de “domar” o elenco santista. Mas isso pode ser pouco para levar o time aos títulos em disputa no segundo semestre

Levir Culpi é o novo técnico do Santos, com contrato firmado até o final do ano. Para entender a escolha da diretoria, é preciso olhar os motivos que levaram à queda de Dorival Júnior e também os técnicos que atualmente estão sem clube.

Primeiro, sobre Dorival. É precisa olhar os méritos do treinador. Chegou em 2015 em um time que estava na zona do rebaixamento, após uma derrotada humilhante para o Goiás. Conseguiu recuperar a equipe e levá-la quase à Libertadores naquele ano, ficando ainda com o vice da Copa do Brasil. Além disso, recuperou Thiago Maia, criando as condições para que o garoto, o pior em campo naquela goleada para o Goiás, brilhasse e chegasse à seleção olímpica. O mesmo pode-se dizer de Zeca, já negociado para os Estados Unidos, não indo por conta de um pedido do treinador.

Em 2016, um campeonato paulista e um outro vice, do Brasileiro. Mas a eliminação para o Internacional na Copa do Brasil já dava mostras do desgaste da equipe. Àquela altura, não existia a síndrome de só vencer em casa, mas em momentos importantes do Brasileiro o time parecia perder a pegada e atletas davam a impressão de não compreender o tamanho de jogos decisivos como, por exemplo, o confronto com o América-MG que fechou o primeiro turno, quando o Alvinegro estava na liderança da competição. Era a hora de colocar pressão sobre os rivais, bater o lanterna e mirar o título. Não aconteceu.

Essa aparente falta de vontade se avolumou em 2017 e deu as caras em diversos jogos. Pode-se atribuir isso a diversos fatores: desde a perda de comando de Dorival sobre o grupo, passando por problemas de condicionamento físico, o fato de jogadores veteranos estarem rendendo menos, as inovações táticas não funcionarem, até novas contratações estarem demorando a acertar. E, acima disso, uma diretoria cujo trabalho é questionável.

Os trabalhos recentes do novo técnico

Demitido Dorival, vem Levir Culpi. se os trabalhos recentes de seu antecessor não animavam a torcida santista, Dorival ao menos tinha uma identidade com o clube e uma passagem breve mas muito boa pelo clube em 2010. No Japão entre 2007 e 2013, voltou ao Brasil para treinar o Atlético-MG em 2014 e 2015, substituindo Paulo Autuori, aposta fracassada dos mineiros para substituir Cuca. Foi campeão da Copa do Brasil em 2014 pelo clube, campeão mineiro e vice-brasileiro em 2015.

Já no Fluminense, sua passagem foi bem menos proveitosa. Em 52 jogos, foram 22 vitórias, 15 empates e 15 derrotas, um baixo aproveitamento, de 51,9% de aproveitamento. Sua demissão veio após derrotas de virada, com a equipe apresentando sérios problemas defensivos, evidenciados na derrota de 4 a 2 para o Cruzeiro, sua última partida no comando do Tricolor.

Levir Cupli no Santos

O desafio de Levir Culpi não é trivial à frente do Santos (Foto Site oficial)

É preciso destacar uma diferença fundamental entre um e outro trabalho. Levir é identificado com os clubes de Minas, querido pela torcida do Atlético-MG, tendo sido o terceiro técnico que mais treinou o Galo. No clube mineiro, brigou com “medalhões” como Diego Tardelli, com o qual trocou farpas publicamente após a eliminação na Libertadores de 2014, e com Ronaldinho Gaúcho. Essa “falta de medo” de enfrentar medalhões teria sido um dos motivos da contratação do treinador. O problema é que quando Levir peitou o atacante Fred no Fluminense, após a saída do atleta a equipe não melhorou, pelo contrário.

Por isso que apostar em uma “fórmula” achando que vai chegar alguém e “colocar ordem na casa” é algo prematuro. O Santos precisa melhorar não somente no quesito motivação, mas também no preparo físico, além de aprimorar ou mesmo mudar sua forma de jogar, hoje já manjada pelos adversários, e ter outras opções táticas. Não é trabalho fácil.

Levir na Libertadores: sina das desclassificações nas oitavas

O novo treinador do Santos não tem um currículo muito animador quando se trata de Libertadores. Participou da competição em quatro ocasiões e nas últimas três foi eliminado na mesma fase, as oitavas de final.

Na edição de 2015, viu o Galo ser eliminado pelo Internacional após uma campanha irregular na fase de grupos. No ano anterior, comandou o Atlético apenas em uma partida, justamente na que selou sua eliminação diante do Atlético Nacional, um empate em 1 a 1. Em 1998, comandando o Cruzeiro, foi eliminado novamente nas oitavas de final pelo time que seria o campeão daquela edição, o Vasco. Já em 1992, quando dirigiu o Criciúma, chegou às quartas, derrotado pelo São Paulo. Mas é bom lembrar, neste último caso, que após a primeira fase os times classificados iam direto para as quartas, já que havia menos participantes. Ou seja, todas as eliminações de Levir foram imediatamente após a fase de grupos.

Pro outro lado, Muricy Ramalho, quando chegou ao Santos, também nunca tinha sido campeão da Libertadores, e foi em 2011 com o Alvinegro após uma sofrida classificação na primeira fase. E o time atual tem mostrado um comprometimento ímpar na competição sul-americana. Levir vai conseguir superar a síndrome das oitavas finalmente? Esperamos que sim.

2 Comentários

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Cristiano Ronaldo chega ao gol 600 aos 32. Quando Pelé chegou a essa marca?

Em quase qualquer comparação do Rei do futebol, em termos de números em especial, com jogadores geniais, o camisa 10 leva ampla vantagem

O atacante português Cristiano Ronaldo conseguiu três feitos hoje na decisão da Liga dos Campeões da Europa contra a Juventus. Além de se sagrar campeão continental pelo Real Madrid mais uma vez, com os dois gols tornou-se novamente artilheiro da competição, e marcou o gol 600 de sua carreira. Isso aos 32 anos e quase três meses, que serão completados daqui a dois dias.

Uma coincidência em relação ao Rei do futebol. Pelé chegou ao seu gol 600 também em uma decisão de torneio continental. Foi em 11 de setembro de 1963, quando marcou o segundo tento santista na vitória do Peixe contra o Boca Juniors, em La Bombonera, em um clima brutalmente hostil. Nas arquibancadas, os torcedores argentinos gritavam “Pelé, hijo de puta, macaquito de Brasil”, buscando desestabilizar o craque. A vitória assegurou para o Alvinegro Praiano seu segundo título na Libertadores.

Gols de Cristiano Ronaldo e Pelé

Cristiano Ronaldo e Pelé: Luiz, respeita Januário

O camisa Dez chegou a esse feito com 22 anos e 11 meses. Lembrando que, àquela altura, já tinha participado da maior conquista do futebol brasileiro até então, a primeira Copa do Mundo da seleção, em 1958. Diferentemente de outros jogadores de 17 anos tidos como craques ou fenômenos, Pelé não esquentou só o banco naquele Mundial, sendo protagonista e fazendo gols decisivos para o primeiro título do Brasil. E olha que não era pouca pressão por essa taça não…

Não é à toa que Rei só tem um. E que, como canta a torcida santista, “mil gols, só Pelé”…

Leia também:

Messi deve chegar ao gol 500 na carreira. Sabe quando Pelé alcançou a mesma marca?

“Mil gols, só Pelé…” – o aniversário do milésimo e a falsa polêmica dos gols pelo Exército

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 60, futebol, História, Santos

Red Bull 2 X 3 Santos – vitória sofrida com arbitragem polêmica

Peixe sofreu no Pacaembu, com adversário fazendo um gol em impedimento e o Alvinegro desempatando com um outro tento irregular

Em partida válida pela segunda rodada do campeonato paulista, o Santos bateu o Red Bull Brasil por 3 a 2, em um jogo recheado de chances de lado a lado e com uma arbitragem bastante duvidosa.

O Santos começou pressionando o Red Bull em seu próprio campo, como se habituou a fazer na maior parte das partidas desde o ano retrasado, quando Dorival Júnior chegou ao clube. Sob o sol forte, a equipe buscou as beiradas para tentar surpreender o adversário, em especial pelo lado direito onde Lucas Lima e Victor Ferraz fizeram diversas combinações. Não à toa, o primeiro gol alvinegro saiu por ali, quando Lucas Veríssimo subiu ao ataque, no esquema de pressão treinado pelo time, resultando no cruzamento do ala santista e no gol de Vitor Bueno, aos 15.

A partir daí, o Peixe passou a dominar ações, com Rodrigão perdendo um gol incrível aos 25, depois de uma bela jogada de Lucas Lima. Dava até impressão que seria um jogo mais tranquilo, como foi na maior parte do tempo a goleada contra o Linense. Mas, assim como na partida de estreia do Paulistão, a zaga santista, quase na linha do meio de campo, não prestou atenção em Misael, que ganhou de ambos na velocidade e saiu na cara de Vladimir. Esse é um ponto que o time precisa aprimorar, até porque a decisão de fazer ou não a linha de impedimento ou encurtar a marcação depende do entendimento entre os homens da defesa.

santos vence red bull com gols polemicos

Rodrigão e Copete comemoram o segundo gol do Santos (Reprodução)

Um pouco pelo calor e outro tanto pela qualidade do Red Bull, uma equipe bem armada por Alberto Valentim, o Santos diminuiu o ritmo e passou a encontrar dificuldades no jogo, ficando menos com a posse de bola. Foi a genialidade de Lucas Lima que fez a equipe ir para o intervalo à frente no placar. Ele lançou de forma magistral Rodrigão, que não desperdiçou e conseguiu fazer o segundo santista.

Na etapa final, o Red Bull adiantou sua marcação, dificultando a saída de bola do Alvinegro. Criou uma chance real aos 10, quando Elton recebeu na cara de Vladimir mas finalizou na trave. Os “donos da casa” (já que o mando não era do Santos, embora a maciça maioria da torcida fosse alvinegra) se aproveitavam de espaços entre o meio de campo e a defesa peixeira, que logo se postou no 4-4-2 mais compacto para tentar evitas as investidas do adversário.

Aos 14, Léo Cittadini substituiu Leandro Donizete. O volante estreante sentiu o calor, errou alguns passes fáceis no início da partida e errou o tempo de bola em vários lances, mostrando que ainda precisa adquirir ritmo de jogo.

Uma outra estreia na partida foi a de Bruno Henrique, que entrou no lugar de Rodrigão aos 26, com Vitor Bueno indo para o comando de ataque. Abusando de faltas próximas à área e sofrendo principalmente pelo lado esquerdo da defesa, o time acabou sofrendo o gol de empate aos 36, com Nixon, em impedimento.

Dorival Júnior colocou Kayke no lugar de Bueno que, apesar do gol, foi mais uma vez pouco participativo na parte ofensiva. Com o ex-flamenguista no comando do ataque, Lucas Lima passou a cair mais pela direita, concentrando as jogadas de ataque por aquele lado. Nixon acertou a trave aos 46, e o Santos chegou ao gol da vitória aos 47, em um lance confuso. Kayke projetou o braço na bola e Saulo chegou a fazer a defesa, ficando a dúvida se a bola teria ou não entrado. A arbitragem deu um gol irregular, e mesmo assim o Red bull quase empatou com outra bola na trave aos 48.

O calor em um horário ruim para o futebol não permitiu que o Santos praticasse seu estilo de jogo mais intenso, com a equipe ficando espaçada em vários momentos da partida, lembrando ainda que a pré-temporada do adversário foi mais longa. Ainda assim, é preciso corrigir as falhas de posicionamento defensivo, falta entendimento entre Lucas Veríssimo e Yuri e a cobertura dos laterais precisa ser melhor combinada.

Confira abaixo os melhores momentos de Red Bull X Santos.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Lembra dele no Santos? Técnico Cuca já vestiu a Dez alvinegra

Muitos lembram da passagem pouco memorável do (ainda) treinador palmeirense pela Vila Belmiro como técnico, em 2008, mas em 1993 ele fez parte do meio de campo do Peixe

O técnico campeão brasileiro Cuca teve uma carreira de 13 anos como jogador de futebol, atuando entre 1984, quando estreou pelo Santa Cruz-RS, até sua aposentadoria em 1996 pelo Coritiba, equipe da sua cidade natal. Entre o primeiro e o último, vestiu a camisa do Juventude, por um ano e meio (1985-1986), e do Grêmio (1986-1989), clube no qual permaneceu por mais tempo (1986-1989) na carreira. Foi para o Valladolid em 1990 mas, no mesmo ano, retornou ao clube do Olímpico.

A partir de 1991, iniciou sua vida de peregrino do futebol permanecendo no máximo um ano nos times por onde passou. Em 1991, esteve no Internacional; em 1992, no Palmeiras. De lá foi para o Santos, onde atuou em 1993. Em 1994, jogou pela Portuguesa e pelo Remo, indo para o Juventude mais uma vez em 1995. No ano seguinte, foi para a Chapecoense e em seguida para o Coxa. Foi convocado e chegou a jogar pela seleção em 1991, com o técnico Falcão.

Quando Cuca veio para o Peixe, foi o reforço mais festejado do início da temporada de 1993. À época, ainda existia a Lei do Passe, mas o futuro técnico era dono de seus direitos, tendo os vendido ao Alvinegro por US$ 180 mil. Junto com ele, vieram o goleiro Maurício, do Novorizontino; o meia Darci, emprestado pelo Rio Branco, e o lateral-esquerdo Silva, vindo da Portuguesa. Haviam saído o meia Edu Marangon, para o futebol japonês, e o zagueiro Nei, para a Ponte Preta.

 

cuca jogando no santos.PNG

Cuca em sua chegada ao Santos, em 1993 (Nélson Coelho/Placar)

 

O técnico Evaristo de Macedo contava com bons nomes no meio de campo. Além de Cuca e Darci, já despontava Marcelo Passos, lançado em 1992 por Geninho, e Ranielli. No segundo semestre ainda contaria com o retorno de Sérgio Manoel, que havia sido emprestado para o Fluminense no ano anterior.

No Paulista de 1993, o Santos ficou na primeira fase em quarto lugar, com o mesmo número de pontos de Corinthians e São Paulo, mas com saldo de gols pior. Na segunda fase, caiu no grupo com os dois rivais e o Novorizontino, acabando em terceiro lugar, sendo que somente o primeiro se classificava. Foi o campeonato que o Palmeiras, em seu segundo ano de parceria com a Parmalat, saiu da fila de 16 anos sem títulos.

Veja abaixo gols de Cuca em sua estreia, vitória de 4 a 2 sobre a Portuguesa, e contra o São Paulo, triunfo de 3 a 2.

Já no Brasileiro daquele ano, contando com os reforços do lateral-esquerdo Eduardo, ex-Grêmio; do goleiro Veloso, emprestado pelo Palmeiras, e do zagueiro Ricardo Rocha, emprestado pelo Real Madrid. O comandante Antônio Lopes levou a equipe ao 5º lugar na primeira fase, mas, na fase final, onde só o vencedor de cada grupo de quatro times ia à final, o Alvinegro não foi bem sucedido. Na chave que tinha Corinthians, Flamengo e o vice-campeão da competição, Vitória, o Santos terminou em 3º, com um triunfo, três empates e duas derrotas, três pontos atrás do líder Vitória (à época, a vitória valia dois pontos). Guga foi o artilheiro do Brasileiro de 1993 com 14 gols.

Confira gol de Cuca no empate contra o Vitória, na fase final do Brasileiro.

No total, Cuca fez 44 jogos pelo Santos, marcando 15 gols. Sobre a experiência, ele disse em uma reportagem em 2012. “Quando você entrava no vestiário da Vila Belmiro, tinha um armário lacrado, que ninguém abria, que era o armário do Pelé, e vestir a camisa 10 é um baque. Toda sua infância e juventude passa dentro de você naquele momento. Eu falo que muitas coisas tem seu preço e algumas o seu valor. Essa tem um valor inestimável.”

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Lembra dele?, Santos, Século 21

Lembra dele no Santos? Daniel Paulista

Hoje técnico do Sport, ex-volante apareceu para o futebol em 2003, no Santos que tinha Diego e Robinho

Quem viu ontem o jogo entre Grêmio e Sport pelo Brasileirão – vitória rubro-negra por 3 a 0 – pode ter tido aquela impressão, ao olhar para o banco de reservas da equipe pernambucana: de onde conheço esse técnico?

Daniel Paulista, que atuou tanto na função de volante como de segundo volante, foi elevado ao cargo de treinador com a saída de Oswaldo de Oliveira para o Corinthians. Antes, já havia assumido interinamente o comando do clube em julho de 2014, quando também era auxiliar de Eduardo Baptista, que saiu para o Fluminense. Encerrou a carreira de atleta precocemente, aos 32 anos, depois de ser dispensado do ABC-RN.

Oriundo do Comercial, Daniel Pollo Barion, então chamado só de Daniel, foi uma indicação de Émerson Leão, que havia tirado o Santos de um jejum de 18 anos sem títulos expressivos em 2002. Chegou após o campeonato paulista de 2003, aos 20 anos de idade, para compor o elenco alvinegro, sendo um dos reservas para os volantes, à época, Paulo Almeida e Renato.

daniel paulista santos

Daniel Paulista comemora gol contra o Vasco, no Brasileiro de 2003 (Reprodução)

Fez sua estreia em um triunfo do Alvinegro sobre o Flamengo, por 2 a 0, em peleja do Brasileirão, quando entrou no lugar do meia Alexandre. Jogou como titular na equipe que goleou o Bahia por 4 a 0, quando Leão poupou a equipe principal para o segundo duelo contra o Boca Juniors, válido pela final da Libertadores daquele ano.

No Peixe, fez um único – belo, aliás – gol. Foi o que decretou a virada do Santos contra o Vasco, na Vila Belmiro, por 2 a 1. No segundo turno, foi titular em várias partidas, vencendo uma disputa particular com Alexandre, em função de lesão do titular Paulo Almeida. Também entrou jogando na Sul-Americana.

Em 2004, contudo, perdeu lugar com a chegada de Vanderlei Luxemburgo no time e acabou dispensado. Em 2005, foi para o Juventude. Passou ainda por clubes como São Caetano, Corinthians, Náutico, Sport (2 vezes) e Audax em 2013.

Confira abaixo o golaço de Daniel Paulista contra o Vasco.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Lembra dele?, Santos, Século 21

Ponte Preta 1 X 2 Santos – E Dorival mudou o jogo…

Alvinegro mostra raça e técnica e consegue virada em Campinas, assumindo a vice-liderança do Brasileiro. Copete e Cittadini fazem a diferença
Já diria um ditado que todo brasileiro é (ou acha ser) técnico de futebol. Quando se envolve a paixão por um clube, tal sintoma da alma nacional fica ainda mais visível. Em geral, faltam elogios e sobram críticas. Dorival Júnior sabe bem disso.
Ultimamente muitos torcedores têm pego no pé do técnico do Santos. A maioria de boa fé, discordando de escalações, alterações ou pelo jeito que a equipe joga, responsabilizando o treinador por praticamente tudo de ruim que acontece com o time. Outros estão engajados em uma campanha pela volta de Vanderlei Luxemburgo à Vila, algo que beira o incompreensível, ainda mais tendo em vista as últimas entrevistas do comandante.
O ideal para analisar o trabalho de alguém é colocar isso em perspectiva, ou seja, fazer uma avaliação de um prazo mais longo que um ou dois jogos. Ver que tipo de dificuldades foram enfrentadas no decorrer desse período e ponderar também sobre o óbvio: às vezes um jogador erra, um árbitro idem, e aí é difícil culpar o homem que está no banco.
Dorival enfrentou desfalques por escalações da seleção brasileira e da seleção olímpica. Jogadores perderam o ritmo em função disso. Perdeu atletas por contusão, como Ricardo Oliveira, atacante com que pode contar em 34 pelejas no ano; Vitor Bueno, em um momento decisivo do campeonato brasileiro; além da zaga titular. Com um elenco limitado, penou para escalar o time.
Mesmo assim levou o Santos, hoje, à vice-liderança. No duelo contra a Ponte Preta, a equipe entrou pressionando a saída de bola, se movimentando bem ofensivamente e não deixando a Ponte atacar. Mas, em um lance rápido e uma falha individual de David Braz, o time tomou o gol quando jogava melhor, tento de pênalti aos 21. Custou a se encontrar novamente, voltando a atuar bem somente no segundo tempo, quando Dorival voltou do intervalo com Yuri no lugar de David Braz.
santos ponte preta

Léo Cittadini é celebrado por seus companheiros de equipe (Santos FC)

A alteração foi cornetada nas redes sociais, já que o 14 do Alvinegro, além de ter feito a penalidade, perdeu um gol na grande área. Mas fazia sentido. Com a Ponte jogando somente no contra-ataque, seria um risco deixar Noguera, que é lento, no mano a mano. Yuri melhorou a saída de bola e por vezes foi ao ataque, como no segundo gol do Peixe, revezando na zaga com Renato. Braz subiu de produção com o volante/meia do seu lado.
Mas a grande sacada de Dorival foi o “resgate” de Leo Cittadini. Ele entrou no lugar de Vitor Bueno e participou dos dois lances da virada santistas, finalizando para Ricardo Oliveira marcar no rebote e “servindo” Copete no segundo tento (a bola entraria mesmo que o colombiano não tocasse na redonda). O meia teve boas atuações no decorrer do ano, tanto como volante como substituto de Lucas Lima, mas teve problemas físicos e não conseguiu uma boa sequência. Foi decisivo e merece novas chances.
Outro destaque da equipe foi Copete. O colombiano, que errou bastante na primeira etapa, voltou bem no tempo final e foi o responsável por boa parte dos lances ofensivos da equipe. Também merece atenção a entrada do garoto Arthur Gomes, em sua primeira partida como profissional, substituindo Jean Mota. Mostrou personalidade.
O Santos mostrou que está vivo e muito desse sucesso, de 29 pontos obtidos dos últimos 33, se deve a Dorival Júnior. O time tem mais quatro “finais” até a última rodada. Dá pra ficar feliz.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21