Quando o gigante Maradona quase jogou no Santos…

O mundo ainda está estarrecido com a precoce morte, aos 60 anos, de Diego Armando Maradona, um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos. Campeão pela seleção de seu país em um triunfo épico em 1986, brilhou nos gramados atuando pelo Napoli, Barcelona e Boca Juniors, e lutando contra condições físicas desfavoráveis e a dependência química. Genial, certa vez o escritor uruguaio Eduardo Galeano o definiu como o mais humano dos deuses. Talvez seja a melhor definição.

Durante muito tempo foi alimentada uma rivalidade entre Maradona e Pelé, na disputa por quem seria o maior da história. Pessoal e publicamente, tiveram rusgas, mas o brasileiro participou da estreia do programa do argentino na TV de seu país.

Em 31 de outubro, quando o craque portenho completou 60 anos, Pelé publicou uma postagem o parabenizando, e teve uma resposta afetuosa, mas melancólica, quase como uma despedida.

Imagem
Imagem

Maradona (quase) no Santos

E Maradona quase jogou no Santos Futebol Clube em 1995. Em maio daquele ano, ainda suspenso do futebol por conta de uso de efedrina na copa de 1994, ele revelou ter sido convidado a jogar no Alvinegro Praiano.

No dia 16 de maio daquele ano, a Folha de S. Paulo trazia a declaração do então ministro dos Esportes afirmando que o atleta negociava seu passe com a Pelé Sports & Marketing, firma da qual Pelé era sócio.

O acordo previa que Maradona jogaria em um time brasileiro e, além do Santos, Botafogo e Corinthians estariam na disputa pelo argentino. Mas Pelé afirmou então que o Peixe estava na frente, já que o presidente da extinta Unicór, que patrocinava o clube, Renato Duprat, encontrou Maradona no Rio. “O Renato disse que bota o dinheiro que precisar para trazer o Maradona”, afirmou Pelé ao jornal.

Ao fim, a negociação não aconteceu e após a suspensão, Maradona retornou ao Boca Juniors, contratado por dez milhões de dólares pelo Grupo Eurnekian.

Deixe um comentário

Arquivado em Ídolos, Década de 90, História, Santos

Lembra dele no Santos? Marcelinho Carioca na Vila Belmiro

Após saída conturbada do Corinthians, Marcelinho Carioca teve passagem rápida pelo Alvinegro Praiano, disputando parte do Campeonato Brasileiro de 2001 pelo time

O primeiro semestre do ano de 2001 não foi nada fácil para o chamado “Xodó da Fiel”, Marcelinho Carioca, no Corinthians. Foram diversos desentendimentos com o técnico da equipe à época, Vanderlei Luxemburgo, e também com outros jogadores, como o zagueiro Scheidt e o meia Ricardinho (a quem teria chamado de “traíra”, segundo parte da mídia esportiva, o que foi negado por Marcelinho).

A polêmica tomou tal forma que o meia-atacante, sem clima, foi à Justiça para conseguir sair do Parque São Jorge. O imbróglio inclusive foi tema da disputa televisiva que se dava nos domingos àquela época, quando Fausto Silva e Gugu Liberato duelavam a liderança da audiência. O “Pé de Anjo” foi ao SBT atacar de forma indireta Luxemburgo, confirmando que tinha, em 13 de agosto, um acerto com o Santos.

“O Santos me acolheu, vou por empréstimo até o final do ano. Não vou por dinheiro, porque quando a gente morre não leva nenhum bem material”, disse, com os olhos marejados.

Após uma disputa judicial que durou até o dia da partida com o Flamengo, válida pelo Campeonato Brasileiro de 2001, Marcelinho estreou pelo Santos fazendo dupla com outro ex-corintiano, Viola, em 5 de setembro. Em Taguatinga, no Distrito Federal, o Peixe do técnico Serginho Chulapa foi derrotado pelo Rubro-negro de Zagallo por 2 a 0.

O primeiro gol de Marcelinho no Santos. E uma campanha frustrante

Na partida seguinte, Marcelinho marcaria seu primeiro gol com a camisa do Santos. Foi no empate com o Guarani, no Brinco de Ouro, em 1 a 1.

Na sequência, três vitórias alvinegras, com Marcelinho marcando na vitória contra o América-MG, por 3 a 0, e brilhando com quatro assistências na goleada do Peixe contra o Bahia por 5 a 1. Confira abaixo:

A derrota para o Paraná por 1 a 0 acabou sendo um banho de água fria nas pretensões do Alvinegro de chegar à próxima fase. O Santos acabou em 15º lugar, a 9 pontos do Bahia, oitavo e último entre os classificados para as quartas de final da competição.

Após três meses, Marcelinho saiu do Brasil para jogar no Gamba Osaka, no Japão. No total, foram 15 partidas pelo Santos, com 5 gols marcados.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Lembra dele?, Santos, Século 21

Lembra dele no Santos? Valdir Bigode, sucesso no Vasco, apagado na Vila

Quando Marcelo Teixeira ganhou as eleições para a presidência do Santos, no final de 1999, anunciou que iria montar uma equipe com grandes nomes para o ano 2000. A “SeleSantos” começou a se desenhar com Carlos Alberto Silva no comando técnico e a chegada do goleiro Carlos Germano, do zagueiro campeão do mundo em 1994 Márcio Santos, do meia colombiano Rincón e do experiente Valdo. No “pacote”, um ex-ídolo do Vasco que estava então no Atlético-MG, Valdir Bigode.

O atacante havia tido uma atuação de gala, anos antes, na Vila Belmiro. Em 1995, o Vasco da Gama bateu o Santos por 5 a 3 com quatro gols dele, sendo o quinto uma jogada em que driblou três santistas na área peixeira. No clube cruzmaltino teve seus melhores momentos, sendo tricampeão no Rio entre 1992 e 1994, conquistando a artilharia em 1993.

Foi para o São Paulo no final de 1995 e migrou para o Benfica em 1997. No mesmo ano, voltou ao Brasil, indo para o Atlético-MG. Antes de chegar ao Santos, jogou ainda pelo Botafogo em 1999.

Valdir Bigode em sua apresentação no Santos

Um Valdir sem brilho no Santos

Após uma campanha desastrosa no Rio-São Paulo, o Santos teve a estreia de Valdir em um amistoso que antecedeu o Campeonato Paulista de 2000, contra o Athlético-PR, na Vila Belmiro, zero a zero. Sendo seguidas vezes substituído por Deivid, ele só veio a marcar na quarta peleja da competição, na goleada do Santos por 7 a 2 no Araçatuba. Na ocasião, o atacante fez três gols.

Valdir marcou ainda um dos gols da vitória alvinegra sobre a Inter de Limeira, por 2 a 1, no jogo seguinte. E só voltou a marcar quase dois meses depois, quando anotou um dos três gols santistas do triunfo por 3 a 0 contra a Portuguesa, quando o técnico já era Giba.

Em função da baixa produtividade no ataque, e tendo companheiros como Dodô, Deivid e Caio para o setor, Giba preteriu o atacante na segunda partida da final do Paulista, contra o São Paulo, deixando-o inclusive fora do banco. Em seu lugar ficou Gauchinho, destaque da equipe de júniores do Juventus.

Giba justificou a mudança como “opção tática” por Gauchinho ser melhor nas bolas altas, mas o destino de Valdir já estava selado. O Santos havia pago R$ 1,5 milhão de entrada pelo passe do jogador ao Atlético-MG, mas havia a possibilidade de devolução caso não quitasse os R$ 4 milhões restantes, ficando o valor inicial como pagamento pelo empréstimo de seis meses. Assim Valdir voltou ao Galo.

No total, atuou 24 vezes pelo Santos, marcando cinco gols.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Lembra dele?, Santos

Santos X Vasco: um dos duelos mais equilibrados do futebol brasileiro

No histórico de confrontos, Santos e Vasco estão empatados com 44 vitórias cada. Em 2019, Peixe levou a melhor em três dos quatro encontros

Santos e Vasco se enfrentam na Vila Belmiro, às 21h30 desta quarta-feira (2), em situações opostas. Mesmo com a derrota para o Fluminense, a equipe cruzmaltina segue em terceiro lugar no Campeonato Brasileiro, com um jogo a menos. O “ramonismo” (referência ao técnico e ídolo do clube Ramon Menezes, tem feito o torcedor sorrir e a equipe vai contar na Vila com o retorno do volante Andrey, após suspensão.

Já o Santos de Cuca tem o retorno de Alison e busca se recuperar da polêmica derrota contra o Flamengo em casa. O time segue em décimo lugar na competição e sem poder contratar por determinação da Fifa, devido à pendência com o Hamburgo, que gira em torno de R$ 25 milhões. O nome do volante Elias é ventilado na Vila Belmiro e o atacante Uribe, fora dos planos do atual técnico, deve ter seu contrato rescindido.

Marinho, destaque do Santos e esperança contra o Vasco, e Sánchez, ainda devendo futebol no segundo semestre (Ivan Storti/Santos FC)

Santos X Vasco: confronto que tem história

Segundo o site Acervo Santista, Santos e Vasco se enfrentaram 125 vezes, com 44 vitórias para cada lado e 37 empates. o Peixe fez 200 gols e sofreu 188, um saldo positivo de 12. Em partidas válidas pelo Brasileiro, são 26 vitórias do Santos, 20 derrotas e 23 empates.

Em 2019, as duas equipes jogaram entre si quatro vezes, duas pela Copa do Brasil, com um triunfo para cada lado e classificação santista, e duas pelo Campeonato Brasileiro, com duplo triunfo peixeiro.

O primeiro confronto foi em 1927, na inauguração do estádio de São Januário, então o maior do país. Aquele time do Santos seria naquela ano a primeira equipe brasileira a anotar cem gols em uma competição. A chamada linha dos cem gols santista tinha Omar, Camarão, Feitiço, Araken e Evangelista, sendo que este último marcou três vezes, com Omar e Araken completando o placar de 5 a 3 para o Peixe. Negrito, Galeto e Pascoal anotaram pelo Vasco.

Uma das partidas inesquecíveis entre Santos e Vasco ocorreu na fase final do Brasileiro de 1992. Houve empate em 3 a 3 no Maracanã, com três gols de Bebeto e três de Paulinho McLaren. O terceiro gol santista foi uma pintura, com Almir cruzando para Guga dar um passe de peito para Paulinho fazer seu hat-rick com um sem pulo.

Relembre cinco grandes jogos do Santos contra o Vasco

Deixe um comentário

Arquivado em Década de 20, futebol, Santos, Século 21

Lembra dele no Santos? o ‘alemão’ Paulo Rink

Atacante foi o primeiro brasileiro nato a vestir a camisa da seleção alemã e ficou pouco menos de seis meses na Vila Belmiro

Em julho de 1999 o Bayer Leverkusen anunciava que o atacante de 26 anos que defendera o clube por quase três anos voltava ao seu país natal, o Brasil, para defender a camisa do Santos. Àquela altura, Paulo Rink já havia feito história ao se tornar o primeiro brasileiro a vestir a camisa da seleção da Alemanha, mas estava em má fase e buscava recuperar o bom futebol perdido.

Revelado nas divisões de base do Athletico Paranaense no início dos anos 1990, foi no time rubro-negro que Rink despontou, fazendo uma dupla de sucesso com Oseás. A dupla fez parte da equipe campeã da Série B do Brasileiro em 1995 e seguiu com grandes atuações na Série A de 1996, quando o clube terminou a competição em quarto lugar.

Oséas chegou a ser convocado para a seleção brasileira para três amistosos naquele ano, mas seu companheiro teve outro destino. No Bayer, naturalizou-se alemão e em 1998 foi foi convocado para a seleção germânica pelo técnico Berti Vogts. Esteve em 13 partidas pela seleção, sendo três na Eurocopa de 2000 e uma pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2002.

A estreia de Paulo Rink no Santos

Quando veio para o Santos, a equipe estava na reta final do campeonato paulista de 1999. Logo em sua estreia, marcou um dos gols da vitória por 2 a 0 sobre o Guarani, última partida da segunda fase do torneio. O time acabou em primeiro lugar no seu grupo, mas com um ponto a menos na classificação geral que o Palmeiras, segundo colocado do grupo rival, com quem duelou por uma vaga na final.

Paulo Rink atuou nas duas partidas da semifinal, como uma espécie de ponta de lança, dando suporte ao ataque formado por Viola e Alessandro na equipe montada por Emerson Leão. Vitória alvinegra na partida de ida por 2 a 1 e derrota pela mesmo placar na volta. O Santos acabou eliminado.

Paulo Rink voltou a marcar pelo time em uma derrota em amistoso para o Parma (ITA), por 2 a 1, no Torneio Hispalis. No Brasileiro, fez 15 partidas, mas não se firmou no time titular, perdendo o lugar ao lado de Dodô ora para Rodrigão, e em outras ocasiões para Lúcio, Deivid e Adiel.

Com a derrota da chapa apoiada pelo presidente Samir Abdul-Hak, o Santos não se interessou em continuar com o jogador por empréstimo. “Fui contratado nas férias para disputar as finais do Paulista e até fiz gol em minha estréia. Gostaram e joguei também o Brasileiro. Mas problemas internos no clube – o presidente que o contratou havia perdido as eleições – mudaram a minha cabeça e resolvi voltar para a Europa”, disse, em entrevista.

Deixe um comentário

Arquivado em Década de 90, Lembra dele?, Santos

Soteldo faz a diferença em vitória do Santos sobre o Botafogo

Venezuelano, junto com Carlos Sánchez, foi fundamental na vitória por 2 a 0 do Alvinegro na 5ª rodada do campeonato paulista

Na Vila Belmiro em um dia chuvoso, o Santos não fez força para vencer o Botafogo de Ribeirão Preto. O que saltou aos olhos foi a partida feita pelos estrangeiros que são titulares absolutos da equipe desde o ano passado.

Em sua primeira partida pelo time no ano, Soteldo mostrou o quão diferente fica o ataque da equipe com sua presença. Na primeira etapa, atuou tanto pela esquerda quanto pela direita, com ótima movimentação e variação de jogadas. Buscou tabelas e passes em velocidade, características quase ausentes nas partidas anteriores do Peixe, dando mais qualidade para o setor ofensivo.

Foi ele quem começou a construção da jogada que resultou no primeiro gol alvinegro. Pela esquerda, de um belo passe por elevação para Eduardo Sasha, que cruzou para Carlos Sánchez marcar aos 20 minutos. O uruguaio também se destacou, tendo seu trabalho de iniciar as jogadas de frente facilitado, já que podia dividir a função com o colega venezuelano.

Após conseguir o gol, o Santos tentou algumas jogadas de ultrapassagem pelas laterais e cruzamentos que priorizaram o segundo pau, mas faltou a famosa intensidade, cobrada nos jogos anteriores. Mesmo com um adversário frágil, que não conseguia armar qualquer contra-ataque – sua proposta de jogo inicial –, o time agrediu bem menos do que poderia. Terminou o primeiro tempo com 70% de posse de bola, mas com somente 6 finalizações.

soteldo-sánchez

Soteldo e Sánchez fizeram a vitória do Santos ser tranquila na noite desta segunda-feira (Santos/divulgação)

Na etapa final o Botafogo até ensaiou sair um pouco mais para o jogo, mas a resposta alvinegra foi rápida. Aos 10 minutos, Soteldo recebeu pela esquerda, passou pelo marcador e cruzou no primeiro pau para Eduardo Sasha marcar seu primeiro gol no campeonato paulista.

Com o domínio da partida, o time conseguiu fazer trocas rápidas de passe, e Jesualdo Ferreira promoveu a entrada de Kaio Jorge no lugar de Raniel, aos 23. Aos 35, Jobson e Renyer entraram nos lugares de Diego Pituca e Eduardo Sasha.

Um jogo contra um time frágil, que não finalizou nenhuma vez ao gol de Vladimir, que ganho uma chance de Jesualdo Ferreira mas não teve como mostrar serviço. Difícil como parâmetro da evolução da equipe.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Corinthians X Santos – Relembre duas vitórias do Peixe no clássico

Em 2014, Alvinegro Praiano goleou equipe comandada por Mano Menezes por 5 a 1. Na Arena Itaquera, palco da partida deste domingo, Santos venceu por 2 a 1 pela Copa do Brasil de 2015

Neste domingo, às 11h da manhã, o Santos vai a São Paulo enfrentar o Corinthians na Arena Itaquera. Como aquecimento para o clássico alvinegro, lembramos duas vitórias santistas contra o adversário.

A primeira delas aconteceu em 2014, em partida válida pelo campeonato paulista na Vila Belmiro. Foi o primeiro clássico paulista daquela temporada, realizado em 29 de janeiro,  e o Peixe era comandado por Oswaldo de Oliveira, enquanto os rivais tinham Mano Menezes como treinador.

Na ocasião, o Peixe foi impiedoso. Arouca teve atuação de gala, tanto na defesa quanto no apoio ao ataque, ajudando a desmontar o sistema defensivo adversário que tinha Gil, Paulo André e Ralf.

Após o volante abrir o placar aos 12, Gabriel Barbosa, o Gabigol, ampliou aos 21. Thiago Ribeiro marcou duas vezes, e o lateral Bruno Peres também deixou o seu. Os melhores momentos daquela partida estão abaixo.

O Santos terminou o campeonato paulista de 2014 como vice-campeão, perdendo nos pênaltis para o Ituano.

Outro momento recente marcante foi a vitória peixeira em 2015, na partida válida pela Copa do Brasil. Foi o primeiro triunfo santista na nova casa do rival.

O Santos havia vencido a primeira partida do duelo, válido pelas oitavas de final do torneio, por 2 a 0. Com a vantagem, Gabriel fez o primeiro aos 15 e, no segundo tempo, Ricardo Oliveira praticamente selou a classificação logo aos 20 da etapa final. Romero ainda faria o gol solitário do Corinthians.

O time de Dorival Júnior terminou a Copa do Brasil como vice-campeão.

Confira também:

Afinal, quantos gols Guga fez contra o Corinthians?

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, História, Santos, Século 21

Santos bate Inter de Limeira na melhor partida com Jesualdo à frente do time

Alvinegro vence por 2 a 0 na Vila Belmiro e equipe mostra mais criatividade e opções ofensivas do que nos dois jogos anteriores do campeonato paulista

Na noite desta quinta-feira, contra a Inter de Limeira, na Vila Belmiro, Jesualdo Ferreira optou por uma equipe modificada, poupando jogadores e testando opções no meio e no ataque. Ficaram de fora Alison, Carlos Sánchez e Eduardo Sasha, além dos contundidos Marinho e Arthur Gomes da frente e de Soteldo, ainda na seleção pré-olímpica da Venezuela.

Como a Inter de Limeira, comandada por Elano Brumer, foi um time que entrou com duas linhas bem próximas, uma de cinco e outra de quatro jogadores, atuando bem atrás, deu campo para o Santos jogar.

Mais uma vez Felipe Jonathan foi essencial na armação ofensiva, e foi pelo lado esquerdo que saiu o primeiro gol do time, de Raniel, aos 22, uma bela finalização de fora da área. O tipo de jogada fundamental contra equipes que atuam muito na intermediária.

raniel-santos

Raniel foi o artilheiro da noite, mostrando boa movimentação no ataque (Reprodução)

O atacante marcou de novo ainda no final do primeiro tempo, aos 44, após escanteio cobrado pela direita por Diego Pituca.

Durante a etapa inicial, o Peixe mostrou qualidades ausentes nas duas primeiras partidas. O time se movimentou melhor pelo meio, com Evandro se deslocando bem e dando passes importantes na parte ofensiva. Jobson também mostrou qualidade ao fazer o jogo por dentro, chegando a entrar dentro da área, algo que Alison não faz.

Na segunda etapa, Elano colocou Tcharlles no lugar de Airton Moisés, mais um jogador à frente para buscar reduzir a desvantagem no placar. E o Santos, com a vantagem de dois gols, voltou sem a mesma intensidade do primeiro tempo, o melhor jogado pela equipe em 2020. Com o sistema defensivo bem postado, o Alvinegro foi ameaçado em tiros de longa distância, mas contou com a sorte e com Everson em uma ocasião.

Jesualdo promoveu três trocas no decorrer do segundo tempo. Sánchez entrou no lugar de Felipe Jonathan, Alison substituiu Evandro, e o garoto Renyer, de 16 anos, fez sua estreia como profissional com a saída de Tailson.

E o Uribe?

Desde que chegou ao Santos, certamente esta foi a vez em que Uribe teve mais chances de gol. Ao menos duas oportunidades cara a cara com o goleiro rival Rafael Pin que foram desperdiçadas. Problemas com domínio de bola e decisões erradas na hora de finalizar comprometeram estes e outros lances do atacante.

Uribe apresenta uma notória ansiedade ao jogar, mas hoje mostrou não só disposição, mas também oba movimentação, abrindo espaços, fazendo o pivô e dando opções para os companheiros do meio de campo. Precisa dominar os nervos para ser útil à equipe.

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Santos supera o Guarani no sufoco, em outra apresentação ruim

Mesmo com um jogador a mais em quase todo o segundo tempo, Alvinegro precisou marcar nos acréscimos para assegurar a vitória

Mais uma vez o Santos jogou mal e precisou contar com um gol contra aos 48 minutos do segundo tempo para vencer o Guarani, no Brinco de Ouro, nesta segunda-feira, por 2 a 1.

Se no jogo contra o Red Bull Bragantino as triangulações entre meia/lateral/atacante chegaram a aparecer vez ou outra, em especial no primeiro tempo, contra o Guarani elas rarearam um pouco mais, praticamente desaparecendo no lado esquerdo.

O time buscou a movimentação sempre para deixar o corredor aberto para o cruzamento pelos lados do campo. Algo a que o torcedor estava pouco acostumado, ver a bola quase toda hora pelo alto à procura de algum atacante na área.

Em que pese essa falta de criatividade, foi assim que saiu o gol do Santos na primeira etapa. Aos 21, Felipe Jonathan cruzou pela esquerda e Arthur Gomes se posicionou bem, saindo da marcação do miolo da zaga e acertando uma bela cabeçada.

Jogando no 4-1-4-1, com Alison à frente da linha de laterais e zagueiros na defesa e os atacantes fechando o meio de campo para ocupar os espaços quando atacados, o Alvinegro pouco foi ameaçado na etapa inicial.

A expulsão a 1 minuto do segundo tempo de Lucas Ribeiro parecia acenar para um jogo mais tranquilo para o Santos. Mas isso não aconteceu. O Guarani tornou mais aguda sua proposta de subir a marcação e atrapalhar a saída de bola do Peixe, mesmo expediente usado pelo Red Bull na estreia santista, e levou perigo ao gol de Everson até o empate. Um escanteio após uma bola recuperada na defesa alvinegra. Na jogada ensaiada bugrina, Everson falhou e Rafael Costa anotou de cabeça.

O gol castigou o Santos que foi pouco incisivo mesmo com um atleta a mais. A equipe cadenciava a bola quase sem pretensão ofensiva e, depois de tomar o gol, passou a sentir ainda mais dificuldade para atacar já que o Guarani se postou mais atrás.

O Bugre quase chegou a virar aos 40, mas Everson salvou o time em uma defesa providencial. Já nos acréscimos, aos 48, a sorte sorriu para o Santos, embora a equipe não merecesse pelo futebol jogado. Jean Mota cobrou falta para a defesa do goleiro e Pablo acabou chutando contra o próprio gol no reflexo.

guarani-santos

Santos teve muitas dificuldades na partida, mas conseguiu vitória no sufoco (Ivan Storti/Santos FC)

É cedo para falar, mas…

A parte física pesou, é fato, mas a proposta de jogo de Jesualdo Ferreira ainda não se tornou visível. Há um esboço com triangulações, jogadas pelas laterais com cruzamentos na área, mas até aqui um repertório ofensivo muito fraco e previsível.

Falta velocidade na transição da defesa para o ataque, e também mais jogadores participando das ações à frente. Pituca não se adaptou ainda para participar das jogadas ofensivas do lado esquerdo e as trocas pelo meio quase inexistem.

De positivo, pode-se destacar a melhora de Raniel quando atuou pelo lado direito, sendo o atacante mais perigoso do Santos na etapa final. Uribe, por outro lado, quando entrou, mostrou mais uma vez pouca mobilidade, não conseguindo finalizações mesmo com as bolas alçadas na área.

O Santos não vai ter o futebol vistoso do ano passado. Mas precisa ser efetivo.

Deixe um comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21

Santos de Jesualdo estreia com empate na Vila Belmiro. Poderia ter sido pior…

Com desfalques, o Alvinegro chegou a tomar sufoco do Red Bull Bragantino. Na estreia, foi possível ver as mudanças táticas em relação a 2019

O Santos não passou de um empate em 0 a 0 com o Red Bull Bragantino nesta quinta à noite, na Vila Belmiro. Um confronto de dois times da Série A, mas, justiça seja feita, se alguém deveria sair com a vitória seriam os visitantes.

santos-red-bull-bragantino 1

Pouco inspirado, ataque do Santos quase não produziu durante a partida contra o Red Bull Bragantino (Ivan Storti/Santos FC)

Logo na primeira etapa foi possível perceber algumas mudanças no jeito do Santos jogar em relação à equipe de Sampaoli. Jesualdo gosta das triangulação pelos lados do campo, com atacantes muitas vezes fechando pelo meio abrindo espaço para a descida dos laterais ou para os meias atacarem pelos lados. No primeiro tempo, o time tentou jogadas ofensivas usando o expediente, com Pituca pela esquerda e Carlos Sánchez na direita, mas pouco produziu.

O Santos de Jesualdo também não exerceu marcação-pressão como fazia o onze de Sampaoli em especial no início das partidas. Muitas vezes defende em seu próprio campo apenas com Sasha na frente, posicionando os atacantes e meias para a saída rápida no contra-ataque, condição que o Bragantino não permitiu na etapa inicial.

Atrás, o Santos não passou sufoco. Em poucos momentos o Bragantino buscou subir a marcação, com Alison dando um ou dois sustos quando apertado, já que foi em muitas ocasiões o responsável pela saída de bola, jogando à frente da zaga. Mas Everson foi exigido somente em um chute de fora da área de Claudinho.

Sem a mesma intensidade do ano passado (é preciso levar em conta as condições físicas de início de temporada), o Santos só chegou de fato ao gol de Júlio César com duas finalizações de Sánchez. Uma delas pelo lado direito do ataque, quando ficou sem marcação e chutou de três dedos, e em uma falta cobrada pelo lado esquerdo.

No segundo tempo, Jesualdo tirou Kaio Jorge e colocou o Raniel em seu lugar. O estreante, ex-São Paulo e Cruzeiro, entrou para atuar no lado direito, trocando com Marinho. O Bragantino voltou melhor, ocupando mais o campo de ataque e se aproveitando de passes errados e alguma displicência em jogadas no meio de campo alvinegro. O Peixe pareceu voltar a campo só na finalização de fora da área de Pará, aos 16.

Mostrando a insatisfação com a movimentação no ataque, Jesualdo mexeu novamente aos 18, colocando Arthur Gomes no lugar de Eduardo Sasha. Logo na sequência, Vinicius Munhoz também mexeu, tirando Bruno Tubarão para colocar Tonny Anderson, que pôs Ytalo duas vezes na cara do gol logo depois de entrar. Na primeira oportunidade Everson salvou e na segunda o Santos contou com o travessão para não sair atrás no placar.

Com o Alvinegro inoperante no ataque, o Santos mexeu pela terceira vez. Derlis Gonzales entrou para a saída de Marinho. Aos 30, o time teve todo o trio de atacantes trocado. Mesmo com algumas chances de contra-ataques, três delas desperdiçadas nos pés de Arthur Gomes, os visitantes continuaram levando mais perigo.

É preciso paciência, mas…

O Santos jogou sem Soteldo, talvez o principal jogador da equipe, que está na seleção pré-olímpica da Venezuela, e sem Lucas Veríssimo. E é verdade que o Bragantino é o time mais forte da competição fora os quatro grandes, e está melhor fisicamente já que fez jogos-treino e adiantou sua preparação. Mas alguns sinais merecem atenção.

Alison continua preciso nos desarmes, mas muitas vezes se posiciona mal e erra passes infantis.  Sendo responsável pela saída de bola, pode virar presa fácil para os adversários. Os laterais se portaram mais como laterais defensivos do que como alas, e quando foram à frente não produziram. Se essa for a ideia de jogo, é preciso um meio de campo mais participativo ofensivamente, para compensar um tipo de jogada que foi forte para o time no ano passado.

Se o Santos sofreu para vencer a Ferroviária na estreia do Paulista do ano passado, mostrou uma disposição muito maior na partida, com um primeiro tempo à la Sampaoli, uma marcação avançada que quase não deixava o rival respirar. Hoje, foi possível ver as mudanças no jeito de jogar, mas para o torcedor a falta de intensidade foi algo evidente. É preciso ver a evolução da equipe nas próximas partidas, mas a ofensividade de 2019, se existir, será em outro patamar.

 

 

 

1 comentário

Arquivado em futebol, Santos, Século 21